Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tuga em Londres

A vida de uma Lisboeta recentemente Londrina.

Um mês em detox

Uff, Janeiro chegou ao fim, e com ele, o fim do meu detox anual. Já há vários anos que venho a fazer um mês de detox por ano. Ao início fiz pela altura da quaresma, durante quarenta dias, há dois anos atrás optei por fazer o mês de Fevereiro, e desde o ano passado mudei para Janeiro. Diferentes meses por diferentes razões mas a experiência e o resultado são os mesmos. 

 

De que consiste o detox que faço? Deixo de beber álcool, consumir lacticínios e derivados, deixo de comer carne, quaisquer alimentos com açúcar adicionado e deixo de beber café. 

 

Porquê? Basicamente faço-o como uma espécie de 'reset' aos meus hábitos de consumo menos saudáveis que me custam a deixar, mas ao fim das 4 semanas estou mais ou menos habituada e faz que, quando volte à minha alimentação normal, adicione esse tipo de alimentos lentamente e tenha mais atenção ao que como. 

 

E resulta? Resulta! Hoje foi o primeiro dia que voltei à minha alimentação 'normal', e sem pensar nisso o único alimento que introduzi hoje até agora (ainda não jantei) foi o café (aiii que saudades tinha do meu café matinal!!). 

 

É difícil? É um bocado ao início, mas rapidamente me habituo. O café custa-me bastante, e quando estive semi desesperada tomei café descafeinado. Ao início de deixar de tomar café fico com dôr de cabeça e sinto-me muito cansada, mas passado uns dois dias essa sensação passa. O álcool geralmente também custa, mas hoje em dia encontro cervejas sem álcool em quase todos os bares, por isso consigo ter o mesmo sabor a que estou habituada quando vou sair mas sem o álcool e sem as dores de cabeça, que é uma maravilha. O açúcar também me custa um bocado principalmente à noite porque gosto imenso de comer umas bolachinhas com o chá. Mas nozes e figos secos não são uma má alternativa como snack. Os lacticínios só são difíceis quando vou comer fora porque ainda há muitos locais que têm pouca oferta de escolha, e muitos pratos vegetarianos têm queijo. A carne é provavelmente o mais fácil de retirar da alimentação, até porque continuei a comer peixe, e existe sempre alguma alternativa de peixe, vegetariana ou vegana que corresponda aos meus requisitos complicados. 

 

Sinto-me diferente? Sim, sem dúvida. Como a alimentação consta maioritariamente de alimentos de fácil digestão como vegetais, fruta, peixe e nozes, o meu sistema digestivo fica regular que é uma maravilha e sinto-me leve e com energia. 

 

Se é assim tão bom, porque é que não continuo com essa alimentação? Ai não! Eu gosto, faz-me bem, leva a que eu faça receitas mais originais e a pensar duas vezes antes de comer certas coisas nos meses seguintes ao detox; mas de forma geral gosto muito de poder comer o que o meu corpo me pede sem restrições. 

 

Foi bom, mas também é bom que já acabou. 

fullsizeoutput_2db1.jpeg

 

4 comentários

Comentar post