Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tuga em Londres

A vida de uma Lisboeta recentemente Londrina.

Preparações para o casamento - Parte I

Como tinha indicado no meu post do ano 2018 em revista, este ano vou-me casar. O sortudo é um Inglês que era meu vizinho quando eu morava na casa anterior, mas que conheci através do Happn. Para quem não conhece, este é um desses dating apps que andam por aí, cuja diferença principal entre os outros é o facto de se basear em localização, ou seja, só aparecem pessoas no app com quem se cruzem na rua ou que vivem ou trabalham perto de vocês. Não só éramos vizinhos, mas íamos frequentemente ao mesmo pub, aos mesmos cafés, aos mesmos bares ali da zona, mas nunca antes o tinha visto. Uma das desvantagens de se viver numa cidade grande, portanto, muito obrigada Happn por nos teres juntado!

 

'Fast forward' 3 anos, e agora estamos a preparar o momento em que efectuamos o compromisso em frente de amigos e família próximos de que queremos ter um futuro juntos. Quando começámos a falar no assunto eu sugeri logo que deveríamos casar-nos em Portugal. Ele ainda hesitou um bocadinho pensando no facto de que teríamos mais pessoas vindas do Reino Unido do que de Portugal mas facilmente o convenci - a festa de casamento é muito mais barata em Portugal, a temperatura é muito melhor e a grande maioria dos nossos amigos e a família dele até que iam apreciar ir passar umas férias a Portugal. 

 

Os meus locais preferidos para o casamento eram Sintra ou Lisboa. Sintra porque eu vivi a minha infância no Concelho de Sintra e passei por lá muitos bons momentos. Ia para a Serra de Sintra com a família passear, ia para as praias de Sintra no verão, ia à vila comer travesseiros quentinhos no inverno, e quando os amigos começaram a ter carta de condução, era para Sintra que íamos à noite. Sintra, no entanto, tem a desvantagem de ter uma temperatura incerta e de estar complicada hoje em dia para se lá passar de carro com o seu novo sistema de trânsito apenas num sentido no centro da vila. Por isso, e pela facilidade de acesso achei que talvez Lisboa fosse a melhor opção, mas o facto é que é altamente complicado encontrar bons locais para fazer o casamento dentro da cidade. Não há quintas espaçosas para o efeito. Há jardins como a Estufa Fria, há grandes restaurantes e hotéis, mas acho que lhes falta carácter, ou então, sítios bonitos como a Estufa Fria são caríssimos. Em termos de espaços para casamento em Lisboa acabei por ponderar as Portas do Sol, o Espaço da Tapada e o Pateo Alfacinha, mas todos faltaram em alguns aspectos daquilo que pretendia. Pesquisei também pela linha do Estoril mas não encontrei nenhum local que achasse que valia a pena ir visitar. Sintra, para mim era mesmo o ideal, mas mesmo em Sintra estava a ser difícil. Havia sempre alguma coisa que estava errada com a quinta - ou estava perto de uma estrada barulhenta, ou a festa seria realizada numa marquee e eu preferia dentro de um edifício, ou a acessibilidade era muito má, etc., etc. Havia sempre alguma coisa. Eventualmente foi o meu noivo que acabou por escolher visto que eu não me conseguia decidir. E ele escolheu apenas através das fotografias porque ele não pôde ir a Portugal na altura que eu fui fazer as visitas. Mas por vezes é bom ter uma pessoa que tenha uma visão mais imparcial baseada nos factos, vantagens e desvantagens, e que consiga considerar as coisas mais importantes. E quando ele me ajudou a olhar para as opções dessa forma, concordei que essa seria sem dúvida a melhor escolha. A quinta escolhida fica numa das encostas da Serra de Sintra e só teremos que organizar um autocarro para levar os convidados à quinta. Organizei um desconto com duas pensões em Sintra para que a maioria dos convidados possa estar juntos e ser agradável de nos encontrarmos com eles se possível, no dia anterior e seguinte ao casamento. 

 

Entretanto quando fui a Lisboa no Natal também consegui encontrar o meu vestido de noiva na Princesa de Sonho que é uma loja em Lisboa, onde a fundadora já tem esta loja há mais de 30 anos e ela própria desenha alguns dos vestidos que vende na loja. Por acaso, nessa altura, já tinha desistido da hipótese de conseguir comprar um vestido desenhado por uma estilista Portuguesa, por ter encontrado tão poucos ou serem demasiado caros, por isso foi uma óptima surpresa quando descobri que aquele vestido que experimentei e adorei, era da linha desenhado pela senhora da casa. 

 

Portanto, já tenho quinta, já tenho vestido, espero já ter fotógrafos (falta finalizar detalhes), e agora uma parte importante que me falta ainda e que devia marcar o quanto antes é a música. E encontrar uma banda com as características que pretendo está a ser mais difícil do que aquilo que esperava, por isso queria perguntar se alguém tem recomendações de músicos - ou uma banda com instrumentos de jazz tipo trompete, bateria, guitarra que possibilitem tocar música animada e conhecida em Português e Inglês tipo Stevie wonder, Metro Station, Rolling Stones, Amy Winehouse, etc. ou um DJ que no seu repertório tenha alguns clássicos de casamento tipo Xutos e Pontapés, musica indie rock tipo The Killers, The Fratelis, música de festa mais moderna tipo Barbra Streisend, Uptown Funk e até um pouco de Electrónica. Eu sei que posso também fazer uma playlist e dar a indicação ao DJ do que quero, mas é preferível que esse fosse o tipo de música que o DJ normalmente toque porque as coisas nunca correm bem quando o som que o DJ passa não é ao seu estilo. 

 

Para já é assim que estou de organização, mas ainda falta muita coisa. Espero conseguir finalizar as coisas mais importantes para breve. 

Sintra - o concelho fantasma de dia e perigoso de noite

Voltei no domingo à noite de umas mini-férias em Portugal. Mini-férias porque afinal, comecei o novo emprego apenas há um mês, e não queria estar já a tirar um longo período mas também não queria deixar de visitar a família. 

 

Tal como habitual, passei o meu tempo em Portugal entre a casa dos meus pais que moram num bairro na linha de Sintra e a aldeia onde mora a minha avó, e o que reparei é que, quer num sítio quer noutro, a população jovem está a diminuir consideravelmente. Isso não é propriamente novidade quando se fala de uma aldeia, mas na zona suburbana de Lisboa? Isso parece-me um pouco estranho visto que, na época em que os meus pais se mudaram para lá, há pouco menos de 40 anos, os bairros ali da zona ainda estavam todos a ser construídos e era a zona favorita para os novos casais colocarem raízes - perto de Lisboa mas onde comprar casa era consideravelmente mais barato. Quando ali vivia, o bairro era um rebuliço de crianças a brincar nas ruas, jovens nos cafés e bares. Agora,... vejo as pessoas da idade dos meus pais e mais velhos, nos cafés e pastelarias, e é só. Crianças são poucas e o bairro de forma geral está muito mais calmo em termos do número de pessoas que se vê nas ruas, mas também é considerado mais perigoso em termos de assaltos, o que dantes não se ouvia tanto falar. 

 

Por outro lado na aldeia da minha avó, começa a ser triste passar naquelas ruas e ver cada vez mais casas degradadas, desprezadas pelos donos ou com placas de "Vende-se" nas janelas que já lá estão há anos. 

 

Fiz uma pequena pesquisa para ver se conseguia encontrar uma justificação para esta diferença. Segundo o Diagnóstico Social do Concelho de Sintra, em relação aos últimos sensos de 2011, a situação no concelho de Sintra em termos de população é que tem a maior taxa de população estrangeira do país, representando 8.65% da população de Sintra o que se refere um valor quase 2% superior ao valor da zona metropolitana de Lisboa. Mas o facto de haver mais imigrantes em Sintra não justifica a população envelhecida.

 

Segundo o INE (2013)  “O Pais mantém a tendência de envelhecimento demográfico, processo que se evidencia na alteração do perfil que as pirâmides etárias apresentam nos últimos anos, quer na base da pirâmide etária – realçado pelo estreitamento, que traduz a redução dos efetivos populacionais jovens, como resultado da baixa de natalidade – quer no topo da pirâmide – pelo seu alargamento, que corresponde ao acréscimo das pessoas idosas, devido ao aumento da esperança de vida, observando-se algum desequilíbrio entre os efetivos masculinos e femininos nas idades mais avançadas” - ora esta lenga lenga toda basicamente significa que o pessoal anda a ter sexo a menos. Isso já trás alguma justificação, visto que há decréscimo do número de bébés.  Também se notou um decréscimo na população jovem dos 30-34 anos entre os censos de 2001 e os de 2011.

 

Outra estatística interessante, é que, segundo a Marktest, referindo-se também aos censos, apesar do concelho de Sintra ser um dos mais populados do país, tem um saldo das deslocações diários negativo ou seja, o número de pessoas que saem do concelho para trabalhar e estudar todos os dias é superior ao número de pessoas que entram no concelho todos os dias. Ora mas se as pessoas apenas estão em Sintra para ir dormir, isto vai um pouco em contra ao que foi anunciado pela Bloom Consulting que colocou o concelho de Sintra na 7ª posição no ranking 'City Brand Ranking' de Portugal, o qual se baseia num critério que avalia cada cidade com base na sua qualidade para viver, negócios e visitar. Ora mas se a maioria das pessoas do concelho nem sequer lá trabalha, como é que o concelho de Sintra recebeu tal posição?

 

Em termos de criminalidade, segundo um artigo da Prosegur, Lisboa e Sintra apresentaram maior ocorrência de criminalidade no país em 2014 - 35% do conjunto de todos os distritos. E finalmente, a nível de emigração, embora não tenha encontrado dados específicos para os residentes da zona de Sintra, nota-se que a nível do país tem havido um forte crescimento do número de emigrantes Portugueses segundo o SEComunidades

 

portuguese emigration stats.PNG

 

Ora com isto tudo dá para concluir que, a população do concelho de Sintra, principalmente no bairro em que os meus pais vivem, está a ficar mais envelhecida porque, apesar deste ser o concelho com maior número de imigração, quem entra no concelho prefere ir trabalhar ou estudar fora dele, o que torna a zona quase fantasma aos dias de semana durante o dia. Além dos mais, com uma taxa de criminalidade elevada, isso previne o interesse dos jovens casais fazerem o ninho por lá, muitos mudam-se para o estrangeiro e, os que lá ficam, não andam com vontade de fazer sexo (ou então protegem-se bem) porque cada vez há menos bébés. Com isto tudo, parece-me que os únicos que estão errados são os tipos da Bloom Consulting que, obviamente não percebem nada de interpretar estatísticas, porque senão não teriam colocado o concelho com um ranking tão elevado.

 

Não digo que Sintra seja um concelho mau para se viver, porque de facto não o é e, Sintra na minha opinião, continua a ser uma das vilas mais bonitas que alguma vez vi. Para além da vila, existem também muitas zonas no concelho com grande potencial para se tornarem atraentes para a população, mas neste momento falta ali qualquer coisa. Falta a criação de uma diferenciação da zona. Falta identificarem aquilo que Sintra tem de melhor e fomentar o seu desenvolvimento tanto a nível do planeamento do território, como de estabelecimentos de comércio, espaços públicos, estabelecimentos de educação, de artes, eventos públicos e outros que transformem Sintra num concelho muito mais atraente do que actualmente é, tal como o merece. 

 

Quatro dias em Portugal vistos pelos olhos de uma emigrante

  • É preciso que eu vá para Lisboa para que passem a haver dias de verão em Londres e dias de inverno em Lisboa;
  • Adoro o nova estação do Rossio e a forma como aproveitaram o antigo parque de estacionamento para colocar umas esplanadas agradáveis;
  • A baixa de Lisboa nunca perde o seu encanto;
  • Ao ler as revistas da sala de espera do meu dentista, tipo Caras e afins, apercebi-me de que não conheço 70% das "celebridades" lá mencionadas;
  • A Núria Madruga está muito mais gira hoje em dia do que quando era adolescente;
  • O novo Centro Comercial Dolce Vita é semelhante ao Westfield em Londres na organização dos corredores e nas lojas que lá tem, com a diferença de que me pareceu um pouco pior frequentado;
  • Os centros comerciais brotam como cogumelos - o Fórum Sintra vai ser já o próximo;
  • Ainda não acredito que tenha passado a minha primeira noite em Portugal num Irish pub em cascais onde fui servida por um empregado em Inglês;
  • Não há nada como a comida da mãezinha para uma pessoa se deliciar,... e engordar;
  • como tinha saudades das noites na esplanada do café do Sr. Virgílio;
  • Conduzir por volta da meia-noite em plena Serra de Sintra numa zona sem iluminação, com nevoeiro e a chover com tal força como já não via acontecer à alguns anos, é uma experiência não muito aconselhável;
  • O Bar do Guincho está remodelado por dentro e continua bem agradável, mas é de evitar os shots de leite quente com chocolate e rum aquecido;
  • Mas que raio de moda é essa dos fios grandes e peludos com imensas fitas feitas tipo de lã?!
  • Soube tão bem apanhar o solinho do campo no domingo;
  • Descobri do que é constituído cada ramo da "apanha da espiga" e qual o significado dos seus elementos:
    • três espigas de trigo - para que nunca falte o pão
    • três raminhos de oliveira - para que nunca falte o azeite
    • três videiras - para que nunca falte o vinho
    • três rosmaninhos - para que nunca falte a lenha
    • três flores amarelas (não me lembro do nome) - para que nunca falte o ouro
    • três flores brancas tipo margaridas pequeninas - para que nunca falte a prata
  • Os travesseiros da Piriquita de Sintra continuam divinais;
  • Como me sabe tão bem conduzir sozinha ao som da minha música.

 

Escapadela de fim-de-semana para as origens

Eram 9:30h da manhã, o sol brilhava e começava a sentir o calor que ía estar durante o resto dia. Claro que isto não foi em Londres. Tinha acabado de aterrar em Lisboa.

Já tinha este fim-de-semana planeado à muito tempo para ir ao casamento de uma grande amiga minha de faculdade.

 

Este casamento teve a particularidade de que fui convidada pela primeira vez por amigos meus, ou seja não serem amigos nem dos meus pais nem familiares. Isto tem a desvantagem de que eu sempre disse que quando começasse a ser convidada para ir a casamentos de amigos era sinal de que estava a ficar velha...   Porra, também não podiam ter esperado mais uns aninhos, não?

 

O casamento, celebrado em Sintra foi lindo, desde o vestido da noiva ao local escolhido para a boda de água, foi tudo muito bom para um dia bem passado. Inclusivie o tema do cinema  foi bastante engraçado também. À minha mesa calhou-nos o filme "Love Actually" - adorei! Além do mais passar um dia com pessoas dos meus tempos de universidade que já não via à alguns anos sabe sempre muito bem.

 

 

Depois do casamento ainda aproveitei para ir ter com uns amigos, já que estava em Portugal, e lá fomos parar novamento a um bar na Praia das Maçãs. Resultado, acabei por dormir umas 2 horas essa noite já que tinha que acordar cedo no domingo para voltar para Inglaterra. Doeu um bocadinho, depois de um fim-de-semana nada pouco cansativo, mas valeu bem a pena.

 

Agora só volto a Portugal por alturas do natal, mas ao menos fiquei a saber que a TAP está a fazer uma mega promoção nos voos até ao final do ano, por isso já sei que vou poder aproveitar isso.

 

Fiquei também a saber que não é só no Reino Unido que esta música Britânica está no auge: