Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tuga em Londres

A vida de uma Lisboeta recentemente Londrina.

As novas restrições Covid até às 22h

A partir do dia 24 de Setembro que o Governo Britânico lançou novas regras aplicáveis a todos os restaurantes, bares e pubs - têm que encerrar às 10h da noite. A razão? O número de casos Covid tem aumentado exponencialmente e com esta nova regra estão a tentar reduzir o número de horas de actividades sociais e reduzir o tempo em que as pessoas passam a consumir alcóol, porque quando o alcóol está presente, esquecem-se as regras de distanciamento mais facilmente. 

 

O resultado? As ruas e os transportes públicos estão cheios ao bater das 22h, principalmente às sextas e sábados à noite. Não sei o quanto é que ajuda a redução das horas de operação dos estabelecimentos em comparação com um metro ou autocarro cheio de gente à mesma hora. Ao menos podiam ter separado um pouco os horários, e por exemplo fechar os pubs pelas 22h, mas os restaurantes só fechavam pelas 22:30h, para distribuir as pessoas um pouco mais e escolher o estabelecimento em que se come como o último a fechar. Mas não, fecha tudo ao mesmo horário, logo vai tudo para casa ao mesmo tempo que é para se misturar tudo muito bem nos ambientes fechados dos transportes públicos. Que bela ideia Senhor Boris  

london-curfew.png

Fonte: AFP via Getty Images

Agora a última regra foi lançada ontem - que permite definir diferentes zonas do país pelo seu estado de gravidade de casos como zonas de perigo médio, elevado ou muito elevado. As zonas de perigo médio representam a maioria do país, e as regras aí mantêm-se com o facto destes estabelecimentos mencionados fecharem às 22h e poder haver um máximo de 6 pessoas num grupo. 

 

Para zonas de perigo elevado, vão também deixar de permitir haver encontros de pessoas de casas diferentes em locais fechados mas continuam a ser permitidos encontros de 6 pessoas em jardins privados. 

 

Para zonas de perigo muito elevado, os grupos de 6 pessoas apenas vão ser permitidos em lugares exteriores públicos como parques, os pubs e bares são obrigados a fechar a não ser que sirvam refeições, mas nesse caso, só será permitido o consumo de alcóol com as refeições. 

 

Ao menos as nova regras sempre ajudam um pouco a manter a actividade nas zonas menos afectadas, enquanto que aquelas com maior perigo tentam tomar medidas mais restritas para tentar evitar a transmissão. Mas essas regras são suficientes? Deviamos todos ter que andar com máscara na rua? Deviamos todos entrar já em lockdown novamente? Não me parece que essas duas últimas medidas sejam efectivas o suficiente, baseada no que se viu noutros países que foram super restritos com exigência de máscara em todo o lado, e mesmo assim os casos também lá estão a aumentar significativamente como é o caso de Espanha.  Quanto a um lockdown? Isso afecta tantas mas tantas pessoas de tão variadas formas quer a nível profissional, económico ou de saúde mental, que também não me parece que seja a solução ideal. 

 

O melhor para já, quaisquer que sejam as regras, talvez seja mesmo tentarmos todos evitar esse contacto social próximo ao máximo possível para conseguirmos manter a sociedade que temos no momento e continuar a viver com este virus até se encontrar uma vacina ou uma forma de teste regular, eficiente e rápida para todos. Quanto tempo vai demorar ninguém sabe ao certo mas só espero que a situação não continue a piorar como se prevê. 

 

Primeiras visitas aos retalhistas após o lockdown

Para os leitores que seguem o Tuga em Londres à algum tempo, concerteza que não se vão admirar de eu ser das primeiras pessoas a fazer visitas aos retalhistas após o lockdown. Mal podia esperar! Fico também muito grata por todas as pessoas que não pensam como eu, porque isso faz com que os retalhistas, neste momento estejam confortáveis e com muito espaço para se poder fazer o distanciamento social que se pretende. Não sei se a mesma coisa se vai verificar quando o bom tempo voltar a Londres, mas pelo menos, para já, tenho gostado das minhas experiências nos retalhistas. 

 

Não fui logo no sábado, quando as restrições foram levantadas, mas no Domingo, quando estava a voltar a casa de uma passeio de bicicleta, enviei uma mensagem ao meu Inglês, se queria voltar ao nosso pub local. Fazia parte da nossa rotina de Domingo, quando não tínhamos planos com outras pessoas, de passar uma ou duas horas no final do dia no pub local à conversa. O dia até que não estava muito frio, por isso lá fomos. No caso deste pub, ainda se mantém aberto apenas na zona exterior. Eles mantêm uma mesa à entrada do pub, que não permite a entrada de clientes, a não ser que queiram ir à casa-de-banho. Pedimos e pagámos as nossas bebidas e voltámos para o terraço. Quando chegámos, havia uma mesa vazia, e devo confessar que, se não houvesse nenhuma, nem sequer iria pedir a ninguém para partilhar mesa, apesar de serem mesas longas. Prefiro manter a tal distância e também não quero fazer ninguém desconfortável ao pedir para partilhar mesa. Mas lá ficámos durante um pouco de tempo a apreciar o momento em que podemos voltar ao nosso pub local depois de todos estes meses. Não me senti nada desconfortável porque até estava a mais de 2 metros da qualquer outra pessoa. 

 

No dia seguinte, no entanto, voltei a ir a outro pub com uns amigos e a experiência já foi mais próxima daquilo que se pode esperar de um pub durante os próximos tempos - tinham um sistema de um sentido para entrada e saída no pub, não era permitido estar parado em pé no meio do pub, e todos tinham que estar nas suas respectivas mesas, sentados a pelo menos 1 metro de distância das pessoas com quem estavam na mesa com quem não vivessem, e as mesas estavam todas espaçadas a mais de dois metros de cada uma. Isto também foi possível porque o pub em questão era bastante grande, com um grande terraço, onde estávamos. Não sei se funcionará tão bem em pubs mais pequenos. Outras coisas que notei diferentes, foi o facto de disponibilizarem gel para desinfetar as mãos, só poderem entrar duas pessoas de cada vez na casa-de-banho, e a colocação de setas e gráficos no chão para indicar o caminho a percorrer e a avisar do distanciamento de 1 metro necessário entre pessoas. novamente a experiência foi boa e senti-me perfeitamente segura em termos da distância necessária das outras pessoas.

 

Hoje, tive a minha primeira experiência de passar a tarde num café. Escolhi o Mare Street Market em Hackney porque tem um espaço enorme, e ainda não me sinto confortável para me sentar num café pequeno. Adoro estar a fazer os meus projectos no computador enquanto estou num ambiente de café, e sinceramente já estava mais que farta de estar a olhar para o mesmo local em casa, todos os dias, durante todos estes meses. Mais um bocado e dava em doida! Aqui foi o primeiro estabelecimento em que efectivamente fiquei lá dentro, por isso optei por me sentar numa mesa alta virada para a janela porque ali sabia que ninguém se iria sentar ao meu lado, e também não estava a ocupar uma mesa grande. A gerência também tinha tudo muito bem organizado - as pessoas têm que esperar para ser sentadas pelo staff, o que certifica que ninguém se vá sentar a menos de um metro de mais ninguém. Lá dentro também há um sistema de um sentido orientado por setas no chão, existe um limite de 6 pessoas por casa-de-banho (por existirem 6 cubículos), e na zona do Deli, todas as sandes e saladas estavam cobertas por um plástico, havia um painel de vidro entre os clientes e os empregados de forma a distanciar-nos e também ofereciam desinfectante para as mãos à entrada. Durante o tempo que lá estive, também me senti super confortável sem qualquer problema em que as pessoas conseguiam manter a distância e algumas mesas, até estavam vazias. 

 

IMG_3378.jpg

 

Saída de lá, fui para o cabeleireiro. OK, isto a escrever assim tudo, até parece que não tenho feito mais nada do que ir a retalhistas, mas calhou serem visitas próximas e, enfim, tinha saudades de me sentar num café e num pub. Só não tinha saudades do cabeleireiro mas esse foi mesmo por necessidade. No caso da experiência no cabeleireiro, esta foi um pouco diferente porque é mais difícil manter o distanciamento. Os trabalhadores estavam todos de máscara, mantinham a porta aberta para entrar o ar, e também tinham gel desinfectante disponível, mas por exemplo, quando lavei a cabeça, tive que tirar a minha máscara durante a lavagem para que fosse possível tirarem a tinta, e claro que, todo o tempo, alguém estava junto de mim para me tratar do cabelo. Houve um pouco menos conversa do que o normal porque, não só a máscara é inconveniente para se ter uma conversa, mas também existe mais perigo de transmissão quando se está a falar, por isso a conversa falhou. E também não houve a oferta do café ou chá habitual, nem haviam as revistas de fofoca do costume para ler, tudo com o seu intuito de evitar que várias pessoas toquem no mesmo material. Mas gostei de ver que, quando a cliente anterior a mim saiu, desinfectaram a cadeira e a prateleira em frente com um spray e outro produto. Mesmo assim, com todos os cuidados, se tivesse que escolher a experiência retalhista que achei menos segura, teria mesmo que dizer que as condições no cabeleireito foram as que me trouxeram menos segurança, mas acho que isso tem mesmo a haver com a natureza de proximidade que é inevitável nesta situação. 

 

Gostei de ver como os diferentes retalhistas estão a adaptar-se às mudanças e estão a tentar proporcionar as melhores condições possíveis para a segurança de todos nós. 

 

O Covid tem distanciado as pessoas, não só em metros

Uma das coisas boas relacionadas com o Covid-19 de que se tem ouvido muito falar tem sido a entreajuda entre pessoas, com os vários grupos de voluntários entre vizinhos e outras comunidades a surgirem para apoiar as pessoas que mais necessitam de que já falei aqui e também aproximou pessoas que já se conheciam mas que se mantiveram mais em contacto durante o lockdown, sobre o que falei aqui. Por outro lado, apercebi-me no outro dia que, ao longo deste tempo, também tenho presenciado exactamente o oposto. E sinto isso mais ainda, agora que começamos a sair do lockdown. Sinto que as pessoas tanto têm estado unidas quanto têm estado mais sensíveis e críticas às atitudes dos outros, chegando até a ser abusivas umas com as outras. 

 

Comecei então a pensar nos vários eventos em que encontrei esse tipo de abuso:

  • #StayTheFuckHome foi uma campanha lançada durante o lockdown e que foi utilizada não só em países de língua inglesa, mas como outros, inclusive em Portugal. O objectivo - incentivar as pessoas a ficarem em casa, e consequentemente ajudar a não espalhar o virús. Tudo perfeito quanto ao objectivo. Mas reparem na escolha de palavras - Stay THE FUCK home. Porque é que teve que ser adicionado o 'the fuck'? O governo e o NHS tinham lançado já a campanha #StayAtHome que transmite exactamente a mesma mensagem. O facto de se adicionar o 'the fuck' transmite logo um factor negativo e rude à campanha. E consequentemente, sendo que as pessoas viram tanto essa campanha, é normal que sentirem que fazer essa exigência é perfeitamente aceitável, e que é perfeitamente aceitável de certa forma 'maltratar' os outros ao utilizar palavras tão fortes (pode não ser um maltrato físico, mas não deixa de poder ter consequências negativas para quem o recebe). E agora algum de vocês perguntam - "mas o que é que tens contra isso? Não achas que foi correcto as pessoas ficarem em casa?" - Claro que sim. Concordo plenamente que isso tenha sido uma medida necessária. Mas para algumas pessoas ficar em casa o tempo todo não é uma hipótese tão fácil como para outras - possivelmente para as pessoas que vivem sozinhas ou que vivem com pessoas com quem não se dão bem tenha sido mais difícil passar o lockdown, do que pessoas que vivem com parceiros e em famílias felizes. Pessoas que vivem em más condições, em quartos pequenos, com famílias abusivas, todas elas terão achado mais difícil passar todo o tempo em casa do que os outros que vivem em casas grandes, com espaço, jardim privado e afins. E agora imaginem serem uma dessas pessoas que precisavam mesmo de sair um pouco mais que a maioria para o bem da sua saúde mental, e ser bombardeados com a mensagem 'stay the fuck home'. 

staythefuckhome.png

  • Envergonhar pessoas nas redes sociais por terem ido a zonas de afluência de pessoas durante o lockdown - quase todos os fins-de-semana via-se imagens a percorrer as redes sociais dos parques de Londres cheios de pessoa, o que levava a um total choque por parte de todas as outras pessoas que viam essas imagens e que começavam a escrever todo o tipo de mensagens abusivas nas redes sociais. E tenho que confessar que eu própria partilhei uma imagem de um parque cheio na altura do lockdown que também achei péssimo (mas não fiz comentários abusivos). Mas agora olhando para trás e pensando melhor sobre o assunto - se as pessoas não fossem a esses parques será que conseguiam andar até outro local que lhes trouxesse a mesma sensação de calma que um parque? É normal que as pessoas escolham o seu local de passeio como o local próximo que seja mais bonito, mais calmo, e geralmente, na maioria dos conselhos de Londres, esse local será o parque. E também, as pessoas não sabem se o parque vai estar cheio antes de lá chegarem, e mesmo que cheguem e vejam que estejam lá muitas pessoas, desde que sintam que estão com mais de 2 metros de qualquer outra pessoa, sentem-se seguros e continuam o seu passeio. E a outra situação é que as próprias pessoas que partilhavam fotos dos parques cheios, também tinham estado no parque, portanto estavam a contribuir para o parque cheio. 
  • Protestos - uma morte injusta de um cidadão dos EUA levou a que milhares de pessoas pelo mundo despertassem a anos de injustiça e viessem para as ruas em protesto para exigir mais igualdade e justiça. O que recebem? Abuso.
  • Festas clandestinas - agora que começaram a haver reduções de restrições começaram também a haver pessoas a fazer festas. Congregam-sem em casas, em parques e afins. As pessoas que foram até podem ter pensado que seriam festas pequenas, com distancia social, mas depois chegaram lá e tal, e se calhar a festa estava boa, e já há tanto tempo que não podiam ir a uma festa, e tinham saudades que deixaram-se estar. Receberam também abuso por ter ido às festas. 
  • Abriram as lojas - E ao abrirem as lojas parece que as pessoas não têm podido comprar tudo aquilo que queriam online durante este tempo todo, que de repente as filas e encontrões para as pessoas visitarem centros comerciais, a Primark, a loja da Nike e tudo mais, foi uma loucura. O motivo das pessoas que foram? Talvez gostem muito da experiência de compras numa loja, talvez não gostem de comprar online. Mas o que receberam? Abuso!

 

Porque é que eu estou a escrever este post a defender esta gente toda que não cumpriu com as regras? Não estou. Não é esse o meu objectivo. O meu objectivo é alertar para o inúmero abuso que tem havido ao longo dos últimos meses. As pessoas são todas diferentes e todas têm os seus motivos para tomar certas atitudes com as quais, nem todos concordamos. Mas o nível de abuso de tem resultado não faz bem a ninguém - nem a quem o recebe, nem a quem o dá. As opiniões podem ser dadas. Críticas construtivas e discussões de pontos de vista devem continuar sempre a ser debatidos, mas não é preciso ser com abuso. E com a variedade de exemplos que dei deve dar para perceber que não são sempre as mesmas pessoas a quebrar todas as regras mencionadas. Aqueles que foram agora à Primark, talvez tenham estado a comentar abusos para os outros que estavam no parque durante o lockdown, e os que foram às festas possivelmente andavam a partilhar #staythefuckhome durante o mês de Abril. Basicamente, com este post apenas quero alertar para que pensem na melhor forma como dar a vossa opinião sem ser preciso utilizarem formas e palavras abusivas e confrontais negativas. Afinal, quem não desrespeitou uma única regra do governo durante esta pandemia até agora, que atire a primeira pedra. 

 

 

Passeios de bicicleta em Londres

Hoje é o World Cycling Day, e como promotido no último post, eu venho desta vez escrever sobre recomendações de rotas que vos vão ajudar a descobrir Londres de bicicleta. Eu pedi-vos para darem também as vossas sugestões de rotas de bicicleta, por isso, este post vai combinar algumas das minhas e das vossas rotas de bicicleta favoritas.

 

Como alguns sabem, o meu amor de andar de bicicleta em Londres começou em 2013 por opção pessoal, mas agora, em que estamos a aprender a viver com o Covid-19, é aconselhado a que mais pessoas utilizem a bicicleta como modo de transporte principal, para poderem evitar os transportes públicos que são mais aptos à transmissão do virús. No último post, falei sobre as medidas que o Presidente da Câmara está a fazer para tornar as ruas mais seguras para ciclistas. Neste post, pretendo oferecer-vos algumas ideias de passeios de bicicleta em Londres que sejam bonitos e calmos e sugerir alguns websites que podem utilizar para planear as vossas próprias rotas.

 

Para criarem as vossas rotas:

  • RidewithGPS.com - permite utilizar pins para ajustarem a vossa rota de bicicleta por onde quizerem. Podem gravar a rota e fazer o download para o móvel com uma conta.
  • CityMapper - apenas vos permite planear uma rota do local A ao local B, mas podem escolher entre ruas calmas ou percurso mais rápido. 

Se preferirem passear apenas por ciclovias que foram específicamente criadas para bikes, podem encontrar o mapa de rotas de bicicleta oficiais no site do Transport for London.

E quanto às recomendações de percursos de bicicleta em Londres, aqui ficam elas por zonas:

 

Rotas de bicicleta no Norte de Londres

1. Crouch End - Hampstead - Camden Town

  • Distância: 15km
  • Grau de dificuldade: Média (146m elevação)
  • Descrição: Percorrem ruas lindíssimas de ruas residenciais de vários estilos arquitectónicos, passam por Hampstead Garden Suburb que é uma zona onde o planeamento foi feito com ruas largas e terrenos grandes para cada casa. Nessa mesma zona encontram a Bishop's Avenue que é a segunda rua mais cara para se viver em Londres. Depois passam por Hampstead Heat até ao centro de Hampstead e continuam pelas ruas bonitas dessa zona e de Belsize Park até chegarem a Camden Town. 
  • Ideal para: Apreciadores de arquitectura

crouchend-camden.png

Podem fazer o download do percurso aqui

 

2. Finsbury Park - Parkland Walk - Alexandra Palace

  • Distância: 6.5km
  • Dificuldade: Média (110m de elevação)
  • Descrição: Comecando em Finsbury Park, vão apanhar o percurso do Parkland Walk, que é um parque na zona onde esteve em tempos uma linha de comboio, e terminam em Alexandra Palace onde podem ter uma vista espectacular de Londres.
  • Ideal para: Apreciadores de parques e natureza

finsburypark-parkland-allypally.png

Podem fazer o download do percurso aqui

 

Rotas de bicicleta no Sul de Londres

3. Blackheat - Shooters Hill - Eltham - Chilehurst

  • Distância: 15km
  • Dificuldade: Elevada (183m de elevação)
  • Descrição: Passeio entre parques bonitos, e com uma vista excelente de Shooters Hill. Passam depois pelo Palácio de Eltham e terminam nas caves de Chislehurst.
  • Ideal para: Apreciadores de vistas em altitude, palácios e natureza.

blackheat-chilehurst.png

Passeio recomendado pela Patita.Rocha. Podem fazer o download aqui

 

4. Wandle Trail: Wandsworth - Croydon

  • Distância: 18.3km
  • Dificuldade: Fácil (99m de elevação)
  • Descrição: O Wandle Trail é um conhecido percurso de bicicleta por passar quase toda a rota entre parques (10 parques para ser precisa) e junto a canais. É muito bonito e fácil com pouca elevação.
  • Ideal para: Apreciadores de parques e natureza

Wandle-trail.png

Pode aceder e fazer download do mapa criado por Rozzas aqui 

 

Rotas de bicicleta no Este de Londres

5. Victoria Park - Hackney Wick - Hackney Marshes - Walthamstow Marshes - Tottenham Marshes - Epping Forest

  • Distância: 26.3km
  • Dificuldade: Médio (141m de elevação)
  • Descrição: Passeio muito agradável por entre um parque real, vários parques mais selvagens, várias barragens e uma floresta. 
  • Ideal para: Apreciadores de natureza mais selvagem 

vickypark-eppingforest.png

Passeio combinado entre as recomendações da Rita Lopes e do João Fernandes via Facebook. Para um percurso menor e com pouca elevação, terminem em Tottenham. Para um percurso mais longo e difícil continuem até Epping Forest. Podem fazer o download do percurso aqui

 

6. Mile End - Stratford - Three Mills Island - Limehouse - Tower Bridge

  • Distância: 12.8km
  • Dificuldade: Fácil (50m elevação)
  • Descrição: Começando a partir do Mile End Park, e em direcção a Stratford, apanhando aí o canal até Three Mills Island e, depois continuando ao longo do canal até Limehouse, quando se juntam ao lado norte do Tamisa, percorrendo o percurso pela zona das Docklands junto ao rio até Tower Bridge.
  • Ideal para: apreciadores de canais

MileEnd-TowerBridge.png

Podem fazer o download do percurso a partir daqui

 

Rotas de bicicleta no Oeste de Londres

7. Battersea - Putney - Barnes - Kew - Richmond

  • Distância: 23.4km
  • Dificuldade: Média (120m de elevação)
  • Descrição: Passeio na margem sul ao longo do Tamisa com vistas impressionantes para a margem norte da cidade e percurso com muito pouco trânsito.
  • Ideal para: Apreciadores das margens do Tamisa

Battersea-Richmond.png

Passeio recomendado pela Maria Santos via Facebook e podem fazer o download da rota aqui. Notem que o Diogo Domingues via Instagram aconselha que a continuação desse passeio de Richmond até Kingston também vale muito a pena

 

8. Primrose Hill - Little Venice - Hyde Park

  • Distância: 9.5km
  • Dificuldade: Fácil (34m de elevação)
  • Descrição: Bonita rota pela zona central-oeste de Londres, começando por ver a vista do centro de Londres a partir de Primrose Hill, passando depois ao longo do canal até Little Venice, e passando por Paddington até Hyde Park. 

Primrosehill-HydePark.png

Passeio recomendado por Nora e acessível aqui

 

Espero que gostem dos passeios de bicicleta recomendados, e se tiverem outras sugestões agradáveis, por favor indiquem nos comentários.

Incentivar ciclismo em Londres

Pelo menos até dia 1 de Junho, o lockdown em Inglaterra vai manter-se relativamente restrito, sendo que as pessoas continuam a ser aconselhadas a ficar em casa o máximo possível e evitar os transportes públicos. Como tal, as lojas de bicicleta têm estado muito mais ocupadas com um surto de novos clientes que querem começar a utilizar a bicicleta como o seu meio de transporte principal. 

 

hackney-cycles-queue.jpg

Fila para entrar numa loja de bicicletas no Este de Londres, Abril 2020

 

Ainda mais, o Presidente da Câmara de Londres, Sadiq Khan, anunciou no dia 15 de Maio, os seus planos para dedicar algumas das ruas principais do centro de Londres a terem acesso exclusivo para ciclistas, peões e autocarros, eliminando portanto o acesso a carros e carrinhas, de forma a tornar essas ruas mais seguras para ciclistas e peões. Além do mais, existem outros planos de aumentar o número de ciclovias e também aumentar o preço da 'congestion charge' paga para veículos que entram o centro de Londres, de £11.5 para £15 de forma a encorajar mais pessoas a evitar andar de carro e preferir a bicicleta. Esta está a ser uma das maiores iniciativas criadas no centro de uma cidade para reduzir consideravelmente e rapidamente, o uso de carros e carrinhas da cidade, e vem em resposta à necessidade de manter-mos a distância social após o lockdown - mais ciclistas leva à redução do uso de transportes públicos e leva à necessidade de redução do trânsito, para a cidade se manter mais segura para ciclistas.

O Guardian criou um gráfico que ajuda a indicar as principais ruas a ser afectadas por estas mudanças, que deverão entrar em prática já este verão:

Screenshot 2020-05-26 at 16.23.19.png

Fonte da image: Guardian

Estas ruas vão ligar London Bridge a Shoreditch, Euston a Waterloo, e Old Street a Holborn. 

 

No próximo post quero escrever sobre ideias de passeios de bicicleta em Londres , e adorava criar esse post, não só com sugestões minhas, mas também com sugestões vossas para conseguir cobrir um pouco de Londres inteira. Adorava recomendações principalmente do Oeste, Norte e Sul de Londres onde tenho feito menos passeios. Por favor enviei-me as vossas opiniões através dos comentários em baixo, por email (que está no perfil), Instagram ou Facebook. Eu irei apresentar as sugestões mais interessantes no próximo post assinadas com o vosso nome e link para o vosso blog ou conta no Instagram se quiserem.

Ajudar quem precisa apoio durante a quarentena

Como não estou a trabalhar nesta altura, e não me encontro na categoria de pessoas com maior risco do Covid-19 tenho oferecido a minha ajuda como voluntária para quem estiver a precisar por não poder sair de casa ou precisar de falar com alguém. 

 

Neste momento ofereci a minha ajuda para dois grupos de voluntariado - o Covid-19 Mutual Aid grupo da minha zona local, que basicamente consiste em estarmos disponíveis para ajudar vizinhos. Existem grupos destes um pouco por todo o Reino Unido e podem encontrar o vosso grupo local na página do Covid-19 Mutual Aid UK

 

O segundo grupo a que ofereci ajuda é o grupo de voluntários de apoio ao NHS que também podem oferecer o mesmo tipo de ajuda através de uma aplicação que nos alerta para quando alguém na zona local precisar de alguma forma de ajuda - buscar compras, medicamentos ou fazer um telefonema a quem se sinta só ou apenas queira falar com alguém. Podem encontrar informação sobre oferecerem-se como voluntários no site da aplicação GoodSam. Ao oferecerem-se como voluntários para o NHS passam por verificações de identidade como medidas de segurança mas passado uns dias será dado o acesso à aplicação. Recebi acesso ontem e instalei hoje a aplicação. Basta colocar o meu perfil como disponível na aplicação e, quando alguém necessitar de ajuda irei receber um alerta através da aplicação mas até agora ainda não recebi alertas.

 

No entanto, tive a minha primeira experiência de voluntariado esta semana através do Covid-19 Mutual Aid grupo da minha zona local. Esse grupo funciona através do WhatsApp. Os voluntários do grupo espalharam vários panfletos em toda a zona local com o número que as pessoas devem ligar caso necessitem de apoio,  e o administrador do grupo que acede a esse número, passa a informação para o grupo de Whatsapp mais próximo da pessoa em questão (existe um só número para a zona toda local, mas vários pequenos grupos de whatsapp que cobrem as variadas ruas). Quem estiver nesse grupo e disponível no momento, oferece ajuda e o administrator passa os detalhes de contacto da pessoa que pediu auxílio. A partir desta semana começamos a receber pedidos de ajuda mais frequentes e para já ajudei um rapaz na minha rua que já está isolado à duas semanas por ter condições de saúde que o colocam na categoria de alto risco que precisava que alguém lhe fosse fazer umas compras ao supermercado.

 

Em termos de trocas de dinheiro, a situação mais eficiente é quando o voluntário se dispõe a pagar pelas compras e depois passa os detalhes bancários e recibo à pessoa que precisa de ajuda para lhe poder fazer uma transferência bancária. Claro que nem todos poderão facilmente fazer transferências bancárias online, mas para já, não houvi falar de qualquer problema relativamente a pagamentos de compras.

 

Ambos os grupos parecem muito bem organizados e, ao se basearem na nossa zona local também é uma forma de que os próprios voluntários se exponham o menos possível na rua. 

 

Achei boa ideia deixar aqui esta informação para quem também estiver interessado em se voluntariar ou em pedir ajuda, saber que existe forma de o fazer através da vossa comunidade local de forma a evitar os dias de espera pelas entregas dos supermercados e afins. 

mutual-aid-local-groups.png

Quantidade de grupos locais do Covid-19 Mutual Aid Group

O Reino Unido toma medidas de Lockdown

O Primeiro-Ministro Britânico acabou de anunciar que o Reino Unido vai entrar quase em situação de 'lockdown' a partir de amanhã (não foi anunciada a proibição da entrada no país a partir do estrangeiro)! Todas as lojas não essenciais vão ter que fechar, todos os eventos sociais tais como casamentos vão ter que ser cancelados (os únicos permitidos a continuar são os funerais), e as pessoas apenas vão poder viajar para chegar a trabalhos de carácter essencial. Todas as restantes pessoas têm que se manter em casa excepto nas seguintes condições:

  • ir às lojas (supermercados, farmácias) ocasionalmente comprar bens essenciais
  • fazer exercício ao ar-livre o máximo de uma vez por dia
  • por motivos de saúde (visitas médicas, cuidar de pessoas acamadas etc.)
  • viajar para trabalho em caso de trabalhos essenciais

 

E o Primeiro-Ministro também avisou que a polícia tem o direito de colocar multas a quem não cumprir com estas regras. 

 

Parece-me que estas medidas tiveram que ser essenciais após a publicação de imensas fotos aparecerem nas redes sociais este fim-de-semana de agrupamentos de pessoas um pouco por todo o lado. As pessoas não estavam a cumprir com a distância social de 2 metros e isso fez com o governo tivesse que tomar também estas medidas mais extremas. Era o que estávamos a precisar, mas fico mesmo com uma sensaçāo de alívio pelo exercício ao ar-livre continuar a ser permitido. Espero que agora cumpram com as regras para o governo não nos tirar também esse benefício que para muitos de nós é tão essencial ao bem-estar. Mas os Britânicos, de forma geral, cumprem com as regras, por isso acho que vão cumprir com estas medidas a partir de agora. 

 

fullsizeoutput_4a4e.jpeg

Este fim-de-semana em Victoria Park, Hackney

 

 

10 dicas para aproveitar a solidão durante uma epidemia

Ontem acordei chateada, triste, zangada com tudo e com todos:

  • estou sem emprego na pior fase para se ter perdido o emprego em que nenhuma empresa vai entrevistar/contratar ninguém nesta época de incerteza onde todos estão a trabalhar de casa
  • todos os eventos a que eu me tinha registado foram cancelados
  • não me posso encontrar com os amigos
  • os ginásios estão a fechar

 

Basicamente, tudo aquilo que me dava alegria todos os dias e me motivava durante esta fase de procura de novo emprego deixou de existir. E ao acordar ontem e de repente ter a realização de que era segunda-feira, e que esta era a minha realidade actual, bati no fundo desanimada com a situação. Ao menos estava um dia de sol e decidi sair à tarde para dar um passeio e arejar a cabeça. 

 

Com a minha música nos ouvidos, o sol a bater na cara e as ruas semi-vazias de Londres como minhas companheiras (não se preocupem, mantive-me a mais de dois metros das pessoas por quem passava) comecei a pensar em como melhor passar por esta fase de forma a não entrar em constante negatividade e passo a partilhar. 

 

  1. Aceitar: Antes de poder colocar em práctica quaisquer actividades para passar o tempo nesta altura, há que aceitar a situação. Há que aceitar que não gostamos da situação, mas como não a podemos evitar, o melhor que temos a fazer para o nosso próprio bem e o bem dos outros é seguir as regras o mais possível e adaptar a nossa vida à actual situação.
  2. Mantermo-nos activos: com isto refiro-me ao exercício. Só porque os ginásios estão fechados, não quer dizer que não podemos fazer exercício ao ar-livre ou em casa. Pelo menos, para já, nada nos impede de ir exercitar ao ar-livre, e num dia de sol, sabe super bem correr num parque ou andar de bicicleta. Com umas amigas decidimos a partir de ontem exercitar juntas virtualmente. Ou seja, começamos ao mesmo tempo nas nossas respectivas zonas, e enviamos fotos antes e depois do exercício. Ontem à noite foi com uma aula de Yoga com a Adriene, e hoje de manhã foi uma corrida ao ar-livre. Ainda vou instigar fazerem comigo os exercícios da Madfit que gosto muito dos exercícios moderados e intensos dela. 
  3. Aprender algo novo: para quem não está a trabalhar ou que tenha o horário de trabalho reduzido, nada como utilizar o novo tempo disponível para aprender algo novo. Hoje em dia existem muitos cursos online, quer sejam cursos de longa duração, cursos curtos prácticos e técnicos que sejam úteis para a vossa profissão ou novos hobbies que podem desenvolver - desde aprender programação, ou a usar Photoshop, estudar arte, aprender uma nova língua, etc. Eu já comecei uma lista das coisas que quero aprender. Vou ter que prioritarizar porque também convém focar numa coisa de cada vez se efectivamente quizermos ter sucesso na aprendizagem.
  4. Ler novos livros: Uma livraria na zona de Hackney lançou uma ideia muito interessante que é também uma boa forma para podermos ajudar os pequenos comerciantes como esta livraria a sobreviver nesta fase - basta comunicar à livraria qual o último livro de que gostámos e eles enviam para casa um livro que acharem que vamos também gostar baseado nessa referência. Por favor tentem ajudar os vossos negócios locais nesta fase e comprem através deles em vez dos grandes retalhistas. Muitos dos pequenos negócios hoje em dia têm forma de comprar online. 
  5. Ouvir novos podcasts/ver novas TedTalks: quer estejamos com vontade de rir à gargalhada ou de ouvir opiniões sobre o que se está a passar no mundo, existe uma variedade enorme de podcasts e Ted Talks sobre todos e os mais diversos tópicos. Entre os meus podcasts favoritos gosto do Guardian 'Today in Focus' para assuntos actuais, gosto do podcast da 'Marketing Week' para estar a par do que se passa no mundo do marketing, e gosto do 'Guilty Feminist' para lazer/me fazer rir um pouco. Se alguém tiver recomendações de novos podcasts, adorava saber delas, principalmente de podcasts com sentido de humor que toquem em assuntos actuais aos quais nos podemos relacionar e que não sejam mais de 30minutos. 
  6. Aprender novos dotes de culinária: Já pedi a uma amiga para me dar o fermento que ajuda a iniciar a fazer pão Sourdough, para começar a fazer o meu próprio pão em casa também. Esse é apenas uma ideia, mas existem tantas receitas boas a que nos podemos dedicar a experimentar enquanto temos este tempo todo nas mãos fechados em casa. Este fim-de-semana passado, por exemplo, dedicamo-nos a fazer um Ramen e um bolo de amêndoa. Ficaram ambos deliciosos :-) 
  7. Escrever um diário: Pelo menos, para mim, ajuda-me imenso deitar para fora aquilo que tenho cá dentro, e ao escrever por exemplo este post, ajuda-me a organizar as minhas ideias sendo que estou a tentar partilhá-las convosco da forma mais simples possível. Espero que estas ideias venham a ajudar quem esteja a passar pela mesma fase de negatividade, e que me ajude a mim a ver o lado positivo desta situação. Nem todos têm interesse em escrever num blog, mas existem imensas razões pelas quais é beneficiante para as pessoas passarem para o papel aquilo que lhes vai na cabeça. 
  8. Organizar as gavetas: Afinal estamos a entrar na primavera, e com as temperaturas a subir, vamos começar a poder usar roupa mais fresca, portanto, a não ser que tenham muito espaço em casa para manter toda a roupa a jeito para o ano inteiro, esta é uma boa altura para organizarem as vossas gavetas, colocar as camisolas no baú, e tirar do baú as roupas mais frescas de meia estação. Ao fazerem isso, dêm-lhe uma de Marie Kondo, e livrem-se das roupas e acessórios que já não utilizam à muito tempo e que não vos trazem alegria. As lojas de caridade concerteza que vão apreciar receber as roupas que vocês já não usam mas que ainda estão boas. 
  9. Fazer administração da vida: Todos nós temos aquelas coisas para fazer que andamos a adiar à meses - organizar as fotografias em albúms no computador, procurar um novo fornecedor de energia que ofereça energias renovàveis, mudar para uma conta a prazo que vos ofereça melhor juros, etc. Se começarem a pensar no assunto, vão encontrar imensas coisas que devem tratar, e nada como umas horas em casa a pesquisar na net para encontrarem a melhor solução. 
  10. Socializar com os amigos virtualmente: OK, podemos não nos encontrarmos fisicamente, mas isso não é razão para não passarmos tempo com os amigos. Estou a combinar com umas amigas fazermos uma 'virtual wine night' - basicamente cada uma em casa com a sua garrafa de vinho ligadas a um Google hangout para nos vermos a todas e poder-mos conversar tal como se estivessemos no pub. Não sei bem como a coisa vai decorrer, mas nada como tentar. 

IMG_5773.JPG

Nada como uma corrida ao longo do Regent's Canal para acalmar a mente

Estamos a exagerar com o Coronavirus?

Como estive uns diazinhos nesta coisa de vai-não-vai da lua-de-mel com escapadela no sul de Inglaterra, sinto que estive um pouco à parte dos desenvolvimentos do coronavirus durante esse período de tempo, e ao voltar a Londres, parece que tudo caiu em cima de repente, relativamente à preocupação e prevenção do coronavirus.  

 

Chegámos a Londres através da estação de Victoria e apanhámos o metro para voltar para casa. Ali, comecei logo a sentir as primeiras diferenças, mas mais diferenças ainda presenciei eu ou contaram-me amigos, apenas nestes 3 dias que tenho estado de volta :

 

No metro: Não estava tão cheio como é habitual àquela hora quando as pessoas começam a sair do trabalho, e a maioria das pessoas que se encontrava em pé, estavam encostadas às paredes do metro, em vez de se agarrarem aos postes.

 

No museu: Entrou um pó qualquer para garganta duma amiga e ela tossiu. Uma senhora de mais idade olha para ela repentinamente, faz um som de desagrado e abana a cabeça com ar de desdenho, como se estivesse a dizer que ela não devia estar ali.

 

No táxi/Uber: Uma amiga deu um espirro e o condutor do Uber disse-lhe que tinha que sair do carro. Ela explicou que é do perfume que ela colocou naquele dia, que já há muito que não o utilizava e quando deu aquele espirro, lembrou-se o porquê. Ela estava a enviar-me a mensagem sobre o que estava a acontecer, no momento em que acontecia, e disse-me que tinha outra vez vontade de espirrar mas que se estava a esforçar para controlar porque já estava atrasada para uma reunião e não teria tempo para encontrar outro táxi se ele a tirasse do carro. - Mas espirrou. - Disse que o condutor fez uns sons de desagrado e deu-lhe um bocado no acelerador mas não a mandou para fora do carro. Felizmente ela conseguiu não voltar a espirrar. Mas entenda-se que espirrar nem sequer é um dos sintomas de quem tem o Covid-19. 

 

Na padaria: Ontem fui correr de manhã para o parque, e finalizei a corrida numa padaria para comprar o pão para o pequeno-almoço. Como é habitual quando termino as minhas corridas ao ar-livre, principalmente quando está frio, tendo a tossir e espirrar. E foi exactamente quando cheguei à padaria que essa sensação começou. A padaria estava cheia de pessoas, inclusive com mães e bebés. Eu sabia perfeitamente que aquela vontade era resultado do final da corrida ao ar frio, mas as pessoas que ali estavam não sabem disso, e o facto é que com a actual sensação de medo do vírus, eu não queria tossir nem espirrar naquele ambiente social, em frente de todas aquelas pessoas. Felizmente consegui conter-me, mas isto só demonstra a situação em que nos encontramos. 

 

No trabalho: Ontem, sexta-feira, foi o dia em que uma grande quantidade de amigos disseram que tinham ficado a trabalhar de casa e a maioria das empresas que conseguem ter os empregados a trabalhar de casa fizeram-no. O meu Inglês também ficou a trabalhar de casa o que é uma situação nunca antes vista na empresa dele por ter um standard de segurança tão forte que nunca antes tinham deixado os trabalhadores aceder à rede interna remotamente. 

 

Na procura de trabalho: Ontem também fui informada que uma entrevista importante que tinha marcada para a semana foi adiada sem nova data prevista devido ao facto de todos dessa empresa também estarem a trabalhar a partir de casa até a situação se acalmar. 

 

Nos eventos: Tinha 4 eventos relacionados com o meu desenvolvimento pessoal e profissional marcados para as próximas duas semanas e também todos eles foram cancelados. 

 

Nos encontros sociais: Tenho a festa de aniversário surpresa do meu Inglês marcada para a próxima sexta-feira. Acho que o facto de ela poder continuar a ser realizada vai depender se o pub em questão estiver aberto, se a vontade dos amigos assim se mantiver, e se não estivermos todos em quarentena em casa. 

ze-povinho-covid19-tugaemlondres.jpg

 

De forma geral, já são muitos os governos de vários países da Europa que colocaram restrições relativas à quarentena dos indivíduos e negócios neste momento. O Reino Unido ainda não tomou tais restrições, mas o público já lançou uma petição para pedir ao governo para fazer essas restrições tal como nos outros países. Claro que não será bom para o país estar parado durante 1 semana ou mais, mas também pode ser pior se deixarmos que o vírus se espalhe e isto afecte muitos mais negócios, eventos e a vida de forma geral durante muito mais tempo. 

 

Cuidem de vocês e dos vossos mas só peço que não me acabem com o papel higiénico nos supermercados que só tenho mais um rolo em casa e ontem não consegui encontrar em lado nenhum à venda. Vou ter que voltar 'à caça' hoje.

 

O que fazer em Londres em Julho 2019

O que fazer em Londres-verao.png

Finalmente temos conseguido ter uns dias quentes consecutivos que têm sido uma delícia. É de aproveitar, porque o que é certo, é que o verão em Londres passa sempre rápido demais, e não é tão comum assim sair de casa sem levar um casaco. Aqui ficam algumas ideias para aproveitar estes dias. 

 

British Summer Time O que é? Festival de música que, durante a semana vai ter o espaço aberto com eventos gratuitos para quem quizer. Os eventos gratuitos incluem cinema outdoor, comédia, jogos, yoga, música, etc. Durante o fim-de-semana vai decorrer o festival normal com headliners incluíndo Florence + The Machine e Robbie Williams. Quando? De 5 a 14 de Julho. Quanto? Gratuito durante a semana e bilhetes a partir de £74 ao fim-de-semana. Onde? Hyde Park.

 

Turning Tides Festival O que é? Para celebrar a abertura de um novo espaço público junto ao rio na zona de Greenwich, está a haver um festival gratuito durante os dois primeiros fins-de-semana do mês que conta com artistas tais como Gaz Coombes, Laura Mvula e Nadine Shah. Quando?  5-7 Julho e 12-14 Julho. Quanto? Gratuito. Onde? North Greenwich.

 

Walthamstow Garden Party O que é? Festival de artes, música e da comunidade local adequado para toda a família. . Quando? 13 e 14 de Julho. Quanto? Gratuito. Onde? Lloyd Park.

 

Whitecross Street Party O que é? Festa de rua da simpática rua Whitecross Street na zona entre Old Street e Barbican. Conta com artistas de música, poesia, pintura, instalações e muitos comes e bebes. Quando? 13 e 14 de Julho. Quanto? Gratuito. Onde? Whitecross Street.

 

Regent Street Summer Streets O que é? Durante um fim-de-semana, a Regent Street vai fechar ao trânsito para que todos possam aproveitar passear por esta bela rua em ambiente de festival. Vai haver animação de rua e as lojas locais também vão ter vários eventos e ofertas especiais. Quando? 13 e 14 de Julho. Quanto? Gratuito. Onde? Regent Street.

 

Wimbledon O que é? Está a decorrer o famoso tornamento de ténis de Wimbledon. Mesmo que não tenham bilhetes, existe uma variedade de locais ao ar-livre ou não que mostram todos os jogos em ambiente de festa. Fica o link para uma selecção desses locais no site do Londonist. Quando? Até 14 de Julho. 

 

National Park Summer Festival O que é? Conjunto de eventos destinados a convidar as pessoas a vir conhecer os muitos espaços verdes ou junto ao rio de Londres. Existem eventos por toda a cidade.  Quando? De 20 a 28 de Julho. Quanto? Gratuito. Onde? Ver website para locais.

 

East London Summer Rooftop party O que é?  A decorrer todo o dia no sábado 20 de Julho incluíndo BBQ. Quando? 20 de Julho. Quanto? £10. Onde? Dalston Roof Park