Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tuga em Londres

A vida de uma Lisboeta recentemente Londrina.

A importância do ambiente que nos envolve

Todos sabemos que o ambiente que nos envolve durante o dia-a-dia é importante para a forma como nos sentimos, mas tornou-se mais importante ainda num ano como este, que temos estado no mesmo ambiente durante o dia, todos os dias. 

 

Apesar de ter apenhas um quarto, eu gosto muito do meu apartamento. Adoro a forma como o decorei com pequenos detalhes, cores e estilos que me fazem sentir bem e contente por estar junto a coisas bonitas. Durante estes anos que tenho estado a viver aqui, o meu apartamento apresenta-se como aquele local de calma e relaxe onde sabe bem chegar ao final do dia, fechar a porta, e deixar para trás qualquer stress que tenha decorrido durante o dia.

 

Este ano, no entanto, as coisas estão diferentes. O meu apartamento deixou de ser o local de santuário onde volto ao final do dia para relaxar, e transformou-se no local onde passo o meu tempo permanentemente. Durante o primeiro lockdown, talvez não o tenha sentido tanto porque estava sem trabalhar, portanto, sempre variava mais a minha localização entre os poucos espaços do apartamento, e também fazia passeios mais frequentes. Mas agora, que estamos a passar pelo segundo lockdown as coisas são diferentes. Acordo no meu quarto, e passo o dia sentada a trabalhar no meu quarto, também conhecido como 'o meu escritório'. Ainda mais como o trabalho tem sido intenso, mal tenho tido tempo de parar para almoçar, e tenho estado em média a trabalhar até às 20h. Portanto, restam-me cerca de 3 a 4 horas entre a cozinha e a sala para estar noutro ambiente até ser hora de dormir e voltar ao quarto novamente. E a intensidade de estar neste mesmo espaço continuamente está a demonstrar os seus efeitos. Comecei a sentir uma certa claustrofobia por este mesmo ambiente constante, e o meu Inglês concorda. Como tal, decidimos que chegou o tempo de fazer uma mudança. 

 

Ao contrário do que estão a fazer muitas pessoas, nós não pensamos ir mudar para uma casa grande no campo, mas apenas queremos uma casa maior não muito longe da zona onde vivemos actualmente. Definitivamente a próxima casa tem que oferecer a possibilidade para ambos trabalharmos de casa, sem nenhum ter que estar a trabalhar no quarto. Essa separação é crucial, mesmo que seja para uma zona no quarto ao lado, mas preciso de sentir qualquer diferença. Espero que também não tenha que trabalhar de casa permanentemente durante muito mais tempo, mas como acredito que a vida de trabalho se vai tornar muito mais nómada depois deste ano, quero ter a possibilidade de trabalhar de casa numa zona separada do quarto. 

 

Como tal, já começamos a nossa procura e vimos algumas casas. Acho que para já, vimos cerca de 15 casas, e dentro delas, consideramos a hipótese de fazer uma oferta em duas delas. Mas ambas tinham desvantagens que acabaram por ter mais peso quando começamos a pensar melhor no assunto e desistimos da ideia em ambos os casos. Digamos que não tem sido propriamente fácil. Tem havido sempre qualquer coisa que não é certa na casa, e é importante dar ouvidos há nossa intuição, que não queremos acabar por nos arrepender por nenhuma decisão repentina. 

 

Depois ainda teremos que também vender o apartamento actual que, por ser em 'shared ownership' o meu contrato não me permiti alugar. E tenho o problema de não ter o certificado EWS1 para este edificio, mas essa é outra história que posso contar noutro post. Mas para já queremos tentar encontrar a propriedade certa para onde nos mudarmos e depois trato da situação da venda desta. Só espero conseguir encontrar a tal nova propriedade mais cedo do que mais tarde. 

 

Screenshot 2020-11-15 at 21.13.53.png

 

Lockdown Parte II

E lá foi anunciado novamente! Mais uma vez vamos ter que entrar em lockdown. Em Portugal vai ser a partir de quarta-feira, e no Reino Unido vai ser a partir de quinta-feira. Novamente todos os pubs, restaurantes, cabeleireiros e lojas não essenciais vão voltar a fechar durante pelo menos um mês aqui pelo Reino Unido até dia 2 de Dezembro. 

 

Outra vez....

IMG_4239.jpg

 

Durante a tarde quando estavamos à espera do anúncio, os meus grupos de WhatsApp não paravam de falar sobre o assunto, e especular o tipo de lockdown. Quando eventualmente foi anunciado, já ninguém quiz dizer nada. Pararam os comentários porque de repente todos tivemos a realização de que isto vai mesmo acontecer novamente e vai ser intenso novamente. E desta vez estamos no inverno o que torna as coisas ainda piores porque nem vamos ter a possibilidade de ir passear todos os dias para apanhar sol. 

 

Eu própria sinto-me a ir a baixo um pouco com o anúncio. Eu sabia que era mais ou menos esse o anúncio que iria ser feito mas acho que ainda tinha esperança que não fosse tão restricto assim. Já vimos os efeitos negativos que o primeiro lockdown trouxe a tantas pessoas e negócios, mas OK, lá teve que ser. Neste momento, apesar dos casos estarem a aumentar, as mortes são consideravelmente mais baixas. Faz sentido voltar à mesma situação em que estavamos em Março e voltar a colocar tanta pressão no país novamente? Não sei. Não sei o que pensar de momento. A minha mente está a mil e como tudo acabou de acontecer ainda estou a assimilar a informação e ainda me custa acreditar que isto vai mesmo acontecer novamente. 

 

Este ano já tem sido um ano de nada, um ano sem viagens, sem festas, sem grandes agrupamentos de amigos, um ano de muita calma e de certa monotonia. Mas ao menos estavamos numa fase em que nos podiamos encontrar com o amigo ocasional, ir a restaurantes, ir ao pub. Agora não podemos fazer nada disso novamente? Peço desculpa pela negatividade do post de hoje, mas custam-me estas notícias. E notícias essas oferecidas também na noite de Halloween. Muito oportunas para o tema da noite. 

 

Eu sei que vou ter que aceitar e ter que me habituar porque não há nada que possa fazer contra, mas hoje estou chateada. Tenho o direito de estar chateada com estas notícias, e é assim mesmo que vou ficar para já. Preciso deitar para fora este sentimento. Não concordo, não gosto, não quero, e tenho o direito de discordar.

Aniversário numa pandemia

Quando estávamos em Março e presenciei os primeiros aniversários de amigos que tiveram que ser cancelados ou adiados, eu esperava que pela altura que chegasse o meu, já poderia ter a minha festa habitual, mas estava enganada. 

 

As restrições actualmente indicam que apenas nos podemos encontrar em grupos de 6 pessoas o que é um número muito mais restrito do que as minhas festas habituais. Torna-se difícil também 'escolher' quais vão ser as pessoas com quem partilhar o jantar de aniversário, por isso optei por fazer três jantares. Cumpro às regras, mas celebro na mesma com algumas das pessoas mais próximas. 

 

O meu aniversário foi na terça-feira e, pela primeira vez tirei o dia de férias. Geralmente não tiro porque costumo fazer um almoço com os colegas, levo um bolo etc e é sempre um dia um pouco diferente no escritório. No entanto, estando a trabalhar de casa, não via qualquer vantagem em ficar a trabalhar por isso aproveitei o dia para mim, e adorei a experiência - comecei o dia com uma das minhas corridas habituais mas sem pressa para voltar para casa. O meu Inglês não tirou o dia de férias mas fomos almoçar fora e depois continuei a aproveitar a tarde para visitar uma galeria de arte, fazer umas compras, dar uma volta de bicicleta, e no fim do dia organizei o tal primeiro jantar. Foi um dia muito agradável, e sendo o meu aniversário trouxe-me aquela sensação de que tinha o direito de fazer aquilo que quisesse, mesmo que isso envolvesse gastar mais dinheiro do que o que normalmente faria num outro dia normal. Algumas amigas já me tinham dito que costumam tirar um dia especial para elas também, e agora percebo porque o fazem. Adorei a experiência e, acho que a partir de agora vou começar a tirar sempre o meu dia de aniversário de férias. Afinal, se temos que adicionar mais um número à nossa idade, mais vale fazer do aniversário a melhor experiência possível. 

 

birthday-number90.jpg

Jantar de aniversário junto ao canal 

A primeira semana no escritório

Nesta semana que passou, fui pela primeira vez ao escritório da nova empresa. Apenas eu e mais dois colegas temos a 'permissão' para trabalhar do escritório por termos pedido especificamente que queriamos trabalhar de lá. Eu, e mais outra colega que começou ainda à menos tempo que eu,  queriamos ter a oportunidade de conhecer colegas e ter um espaço de trabalho mais comfortável. No entanto, ainda não a cheguei a conhecer porque ela foi alertada no esquema de 'track & trace' de que frequentou o mesmo pub que uma pessoa que foi encontrada com Covid, e portanto, tem que se isolar durante duas semanas. 

 

Conheci, no entanto, o outro colega que também pediu para trabalhar do escritório, e ele falou-me um pouco mais do que tem acontecido na empresa nos últimos meses, falou-me dos hábitos que eles tinham, o que ajudou a perceber melhor um pouco da cultura de empresa, etc. 

 

Gostei bastante de poder conhecer o meu primeiro colega em pessoa, e gostei também de ficar a conhecer o escritório. Fica localizado no lado sul de Londres, pelo que sempre que vou para lá, vou ter que atravessar uma das pontes de bicicleta, e portanto apreciar aquela paisagem das margens do rio Tamisa, que nunca me canso de ver. Também ainda nunca tinha estado a trabalhar naquela zona, pelo que ainda tenho muito que conhecer por lá, e tenho aproveitado a hora de almoço para andar à descoberta. 

 

Não pretendo ir ao escritório todos os dias, até porque estar num escritório vazio também não é ideal, mas pretendo continuar a ir pelo menos dois dias por semana. Sabe bem ter mais espaço de mesa, o segundo ecrã, e o ar-condicionado, que o meu apartamento fica quente demais durante a tarde quando o sol bate na janela. E além do mais, simplesmente gosto da mudança de cenário. 

 

Para a maioria dos outros colegas, parece que o escritório só vai mesmo abrir a partir de Janeiro, e nessa altura é que vamos começar a fazer rotação entre todos para se conseguir manter algumas mesas vazias de forma a haver distanciamento entre colegas. Mas até lá, vamos ser só os três num escritório de 40 pessoas. É um pouco estranho, mas é a nova situação que temos, por isso há que adaptar. 

 

office2.jpg

 

P. S. - Ah e eu tinha prometido que diria aqui se a minha nova técnica para encontrar tempo foi sucedida, e de facto foi. Pelo menos por este primeira vez consegui dedicar o tempo que queria ao meu projecto de escrita, pelo que agora há que continuar e já tenho o próximo período de tempo marcado na agenda também. 

Como encontrar tempo quando não se tem tempo para fazer nada

Apesar da vida ainda não ter voltado ao seu normal como estava antes da pandemia, este fim-de-semana cheguei à conclusão de que voltei ao meu mau hábito de andar sempre sem tempo para fazer nada! 

 

Como tivemos um fim-de-semana prolongado, tinha planeado esta lista de coisas que queria fazer, e estava toda entusiasmada por finalmente me poder dedicar a elas, mas sabem quantas coisas da minha lista eu fiz? Duas, dentro de uma lista de doze actividades. Consegui fazer umas burocracias relacionadas com finanças, e consegui marcar o meu vôo para ir a Portugal no Natal, e só. Já não consegui fazer pão, nem consegui escrever um post no blog, nem consegui fazer mais umas burocracias que tenho na lista há imenso tempo. E porquê, quando tinha à minha frente um fim-de-semana prolongado de 3 dias? - Porque simplesmente já não estamos em lockdown, e eu já não estou sem emprego, e como tal, os dias passam-me novamente pelos dedos sem quase notar. 

 

E pensar eu que andava a fazer pão que nem uma expert todo o santo fim-de-semana durante 3-4 meses sólidos. Agora, já não o tenho conseguido fazer há mais de mês e meio. Aprender a fazer pão deu-me um certo prazer, mas actualmente, só a ideia de que tenho que dedicar 4-6 horas à coisa, tira-me logo toda a vontade de começar. Além do facto de que simplesmente já não tenho assim 4-6 horas disponíveis sem mais nada que fazer. Tenho continuado a alimentar a massa mãe de duas em duas semanas, para a conseguir manter activa, com o intuito de eventualmente cozer pão, mas sinceramente não sei quando vou poder voltar a fazê-lo. 

 

Depois também queria continuar o projecto principal que comecei durante o lockdown, que foi começar a escrever um livro, que já há muito queria fazer. Dediquei tantas horas a escrevê-lo durante o lockdown, já escrevi mais de 40,000 palavras (note-se que muitos livros dão-se por completos com cerca de 50,000 palavras), mas o problema é que ainda não estou nem a meio!  E, para ser sincera, ainda não lhe peguei desde que comecei o novo emprego. O facto é que passo o dia todo, todos os dias da semana, ao computador, e chega ao final do dia estou tão exausta, que a única coisa que me apetece fazer, caso esteja em casa, é recostar-me no sofá e não olhar para um ecrã de computador. 

 

Depois chega o fim-de-semana, mas nesses dias só quero espairecer, aproveitar para ir dar passeios, ver amigos, etc, por isso aos fins-de-semana também não tenho encontrado lugar para a escrita, nem para fazer pão, nem para fazer as burocracias todas que queria. 

 

Ao mesmo tempo, eu sei que se quero mesmo fazer algo, tenho que o priorizar. Afinal, porque é que não tenho tempo para fazer burocracias no fim-de-semana? Porque priorizo a minha vida social, que sempre foi muito importante para mim, e agora ainda é mais já que passei meses distante dos meus amigos. Acho que a solução vai ser mesmo ter que colocar na minha agenda certas horas dedicadas a certas tarefas, tal como coloco os encontros sociais. Se estiver na agenda que a certo dia e hora vou-me dedicar a escrever, não posso marcar encontros sociais para esse momento, certo? Tal como não deixaria de me encontrar com um amigo, também tenho que ser exigente e não deixar de fazer as outras coisas que são importantes para mim. Ainda não vai ser este próximo fim-de-semana que o tenho todo ocupado com amigos , mas acabei de marcar na minha agenda que vou dedicar uma das manhãs do fim-de-semana seguinte a escrever. Ao estar a comprometer-me na minha agenda e por aqui também, espero que assim me dê o sentido de responsabilidade para fazer as outras coisas que quero fazer. Vocês ficam testemunhas e depois tenho que vir cá confirmar se efectivamente dediquei esse tempo à escrita.

Só espero que esta minha nova técnica vá resultar.

100 dias de lockdown em fotos

Marcou esta semana os 100 dias de 'lockdown' no Reino Unido. Mal dá para acreditar que já estamos há tanto tempo nisto mas é um facto. Durante este tempo todo, a minha vida, como a da maioria da população Britânica e do mundo, tem sido passada em casa, mas fui captando alguns momentos ao longo deste período e aqui fica a história:

 

Aprendi a fazer pão, e felizmente agora os meus pães parecem muito mais com o da direita do que os da esquerda

LD-14.JPG

 

E fartei-me de fazer doces, porque nada como nos encher-mos de açucar quando estamos fechados em casa sem fazer nenhum 

LD-2.JPG

 

Ah, e claro que me entreti a experimentar novas receitas culinárias

(basicamente, mal saí da cozinha)

LD-4.JPG

 

Socializei entre jantaradas e bebidas através do Zoom

LD-5A.jpg

 

E dancei por casa ao som dos muitos streams de música ao vivo

LD-3A.jpg

 

Durante o dia passei muito tempo dedicada a vários projectos novos e outros antigos e claro, à procura de emprego, se bem que entre Março e Maio isso era quase impossível 

LD-15.JPG

 

Quando saía de casa passava o tempo em filas

LD-13.JPG

 

Ou ía passear de bicicleta pelas ruas e parques de Londres

LD-1.JPG

 

E muitos kilómetros eu percorri a pé pelos canais de Londres

LD-6.JPG

 

Londres parecia uma cidade fantasma com todas as lojas fechadas

LD-9.JPG

 

Comecei a encomendar comida e bebida online

LD-12.JPG

 

Gostei de ver a comunicação espalhada pela cidade com o intuito de nos animar e encorajar a ajudar uns aos outros

LD-10.JPG

 

Quando as condições começaram a ficar menos restritas passei algumas tardes solarentas pelos parques e a ter os primeiros encontros com amigos à distância

LD-7.JPG

 

Esta semana comecei a ver os primeiros sinais de preparação de abertura dos bares e restaurantes para este fim-de-semana

LD-16.JPG

 

A vida vai finalmente começar a aproximar-se um pouco mais da normalidade com a abertura dos bares, restaurantes, cabeleireiros e afins. Enquanto o virús por aqui andar, não vai ser igual como era antes, mas é um passo no caminho certo. 

O meu jardim da varanda

Nas Stories da @tugaemlondres no Instagram de hoje (dia 23 - só duram 24horas) aproveitei para apresentar o meu pequeno jardim da varanda que me tem dado alguma alegria. Todos os anos, por início da primavera, costumo ir compras novas plantas que necessitem de substituição no Columbia Road Market, também conhecido como o Mercado das Flores, localizado na zona entre Bethnal Green e Shoreditch. Adoro passear por aquele mercado cheio de flores, escolher as mais coloridas, e passar a tarde em plantações e organização dos potes para ficar com a varanda o mais verdejante e colorida possível. 

 

Não queria deixar de fazer o mesmo este ano, só que, claro que com o coronavirus, este ano não há mercado para ninguém. A minha sogra ofereceu-nos um Loureiro este ano através da Patch Plants, e eu sei que têm flores e plantas excelentes, mas, para as restantes flores que queria comprar, queria manter os custos reduzidos e a Patch não vende propriamente a preços que encontraria no mercado. Então, acabei por comprar umas no Sainsbury's, para dar côr à varanda, e limpei todas as outras plantas que tinham sobrevivido ao inverno. Espero que, sem as folhas secas, tenham espaço para novos ramos, e as flores cresçam com força. A ver vamos. Para já está simples, mas está bonito, e como agora tenho passado muitas tardes na varanda, sabe bem, ter um espaço à nossa volta que nos inspire e nos faça sorrir. 

 

Entretanto, também já descobri que um dos vendedores da Columbia Road, criou uma nova página de facebook para poder vender as flores e plantas online, portanto acho que ainda vou tentar comprar mais umas coloridas através dele. Para quem estiver interessado encontram-no no Facebook como Roman Road Plants

 

Nos anos anteriores

jardim1.JPG

jardim2.JPG

Este ano

jardim3.jpg

Cada vez mais isolados e cada vez mais próximos

A cada semana que passa, novas medidas têm sido colocadas em prática para reforçar a necessidade de que as pessoas fiquem em casa, tal como fechar o acesso a parques e locais que geralmente atraem grande quantidade de pessoas. E com todo este tempo que estamos em casa, alguns sozinhos, outros acompanhados por familiares, amigos ou meros colegas de casa, tem-se tornado muito mais importante manter o contacto com aqueles que são importantes para nós mas com quem não nos podemos encontrar pessoalmente. 

Os grupos de WhatsApp nunca tiveram tão activos em  simultâneo, e como o isolamento afectou o trabalho de muitas pessoas, existe sempre alguém disponível para continuar a conversa nos grupos de WhatsApp, logo, basta deixar de olhar para o telefone durante uma hora, para ter cerca de 50 mensagens por ler. É a forma que encontramos para estar constantemente em contacto com os amigos e família de forma imediata, e que estamos a utilizar para partilhar tudo o que é gifs e memes engraçados relacionados com o coronavirus que nos mantêm entretidos.

 

E claro que queremos encontrar-nos com amigos apesar de não podermos estar com eles fisicamente, portanto, é aí que entram as plataformas de vídeo conferência como o Zoom, o Skype ou semelhante. Com essas plataformas, de forma geral já temos que ser mais organizados, e planear uma certa hora a que seja bom para todos se encontrarem disponíveis online para fazermos uma vídeo conferência. No meu caso, e ao que parece, o caso de muitas pessoas, temos organizado 'Bebidas no pub' todas as sextas e sábados à noite com alguns grupos de amigos diferentes e outros repetidos; e depois ainda organizamos mais uma ou outra chamada no zoom assim a meio da semana porque o fim-de-semana já está cheio de chamadas. Oram são 'bebidas no pub', ou 'beber o café', ou 'jantar juntos' ou até cozinhar juntos que vou experimentar pela primeira vez para a próxima semana; sabe bem encontrarmos estas razões para os encontros virtuais tais como se fossem encontros ao vivo.

 

E depois temos também aplicações como o House Party que serve como uma espécie de plataforma entre o whatsapp e o zoom, que permite tal como o whatsapp, ter uma iteração mais imediata com quem estiver activo na plataforma, mas também permite um nível de entretenimento maior com os jogos e outras brincadeiras que estão incluídos nesta plataforma.

 

O que é engraçado é que, entre estas chamadas todas, e contacto por mensagem, reparei que tenho tido mais comunicação com amigos e familiares nas últimas 2 semanas, do que teria no dia-a-dia normal. Algumas das pessoas com quem geralmente só falo de tantos em tantos meses, de repente, estou a falar com elas quase diariamente. Grupos de amigos com quem, geralmente é difícil encontrar uma data para nos encontrarmos em pessoa, agora é facílimo, e nem nunca tinha feito uma vídeo conferência com tantas pessoas da família ao mesmo tempo, quanto a que fiz no fim-de-semana passado. 

 

Diria que as desvantagens destas plataformas, especialmente as vídeo conferências é que, apesar de serem bons substitutos para um encontro em pessoa, durante a situação actual, não acho que, quando voltarmos à vida social que tínhamos dantes, continuarão a ser utilizados da mesma forma porque a interacção que se tem num 'pub virtual' é bastante diferente da iteração que se tem num pub real. Em vídeo conferência, cada um tem que falar de cada vez, porque senão ninguém se entende. Todos temos que estar na mesma conversa, o que não aconteceria numa situação de encontro pessoal, onde as pessoas começam conversas paralelas e a oportunidades para se estar juntos durante mais tempo são inúmeras. Enquanto que virtualmente, quando começa a parar a conversa, é geralmente sinal que é tempo de desligar, porque senão estamos todos apenas ali a olhar para um ecrã e isso é muito estranho. Logo, também o tempo que se está junto no ambiente virtual é mais reduzido do que num encontro na vida real. 

 

Mas devo dizer que apesar de todos os defeitos inevitáveis às conversas virtuais, sem dúvida que têm sido muito úteis e bem vindas durante estas semanas, e tenho estado a gostar da proximidade que elas me têm proporcionado, principalmente com as pessoas com quem não comunicava tão frequentemente antes disto tudo começar. 

 

Se quizerem partilhar a vossa opinião nos comentários, adorava também saber se estão a gostar das vossas experiências relativamente a toda esta comunicação virtual. 

zoom-chat.jpg

 

Ainda dou em padeira

Eu posso estar sem trabalho e fechada em casa, mas aborrecida é uma coisa que não tenho estado. Lá tive um dia em baixo na semana passada, mas tal como costumo fazer noutra situação, começo a entreter-me com projectos diferentes e isso faz-me distrair e concentrar noutra coisas, e consequentemente, sentir-me melhor. 

 

Tenho seguido algumas das ideais sobre as quais escrevi por aqui e uma delas é que, agora como tenho o 'fermento de sourdough' (se alguém souber o que se chama em Português a um Sourdough Starter agradecia. Será que 'fermento de sourdough' está correcto?), para manter a cultura viva tenho que activá-lo pelo menos uma vez por semana. Por isso estou-me a dedicar a fazer produtos de padaria com ele durante os próximos tempos. 

 

No fim-de-semana passado, tinha feito pão e este fim-de-semana dediquei-me a fazer pão novamente e também aprendi a fazer brioche, que adoro! Ficaram todos bem e, o pão até ficou melhor desta segunda vez do que da primeira. Quanto mais se faz, mais se aprende como melhorar, claro está. 

 

Mas devo dizer que esta coisa de estar a aprender estas receitas, também me fez aperceber que apesar de gostar muito de brioche, se calhar devia não gostar assim tanto porque aquilo leva carradas de manteiga que nunca mais acaba. Digamos que não é propriamente o alimento mais saudável  OK, eu já sabia que esse tipo de pão doce leva muita manteiga, mas tem-se sempre uma perspectiva diferente entre comer algo que foi comprado já feito, e comer algo que fomos nós a fazer e sabemos exactamente os ingredientes que levou. É por essas e por outras que não se pode parar com o exercício durante estes dias que estamos de quarentena. 

 

Mas manteigas à parte devo concordar que esta coisa de fazer pão até que é bastante agradável. É interessante seguir os passos e ver como a forma como se amassa afecta o sabor do pão. É também entusiasmante olhar para a massa depois de umas horas de levedura e verificar que realmente cresceu! Acho que como passo sempre a vida num corrupio nem nunca tinha pensado na possibilidade de fazer pão por o considerar uma perca de tempo. Porque é que haveria de fazer pão quando a 15 minutos a pé de casa tenho acesso a 6 padarias excelentes (e de certeza que me estou a esquecer de mais algumas)? Mas esta situação em que estamos faz-nos colocar tudo em perspectiva - desde a forma como passamos o nosso tempo como a possibilidade de apreciar outras coisas novas. Nada como tentar aproveitar para ver o lado positivo que esta situação também nos possa trazer nem que seja a oportunidade para descobrirmos novos hobbies. 

 

Para a semana estou a ponderar entre utilizar o fermento de sourdough para fazer pizza ou para fazer Raviolis. Deixei agora na minha Story no Instagram a pergunta para lá poderem dar a opinião, mas se quiserem digam-me também nos comentários. Eu faço aquele que tiver mais votos e depois coloco os resultados no Instagram. 

 

Entretanto fica aqui o resultado dos brioches e pão de hoje 

 

m3J1vmfuQp2zPndtj6AV9g.jpg

62qlEIEeSxSp8AnF6T0gsA.jpg

 

Uma celebração de aniversário diferente

Como tinha escrito aqui antes, tinha inicialmente planeado celebrar o aniversário atrasado do meu Inglês com uma festa surpresa num pub aqui da zona. Face aos últimos acontecimentos, tivemos que cancelar o pub, mas não queria deixar de celebrar com os amigos de alguma forma, por isso fizemos antes uma surpresa virtual. 

 

Fiz um bolo de aniversário e, na hora combinada com os amigos mais próximos, eles ligaram-se a uma vídeo-conferência online (utilizamos o Zoom) e começaram todos a cantar os parabéns. Depois ainda oferecemos um cartão de aniversário em que eu tinha escrito as mensagens enviadas pelos vários amigos, e passámos o resto da noite em conversa virtual animada a jogar charadas e afins. Como música de background até tivemos DJs ao vivo a tocar quase toda a noite no YouTube através de um festival virtual lançado pelos Defected Records o que até ajudou a tornar o ambiente mais de festa. OK, claro que não é bem a mesma coisa, mas face às circunstâncias, não estivemos mesmo nada mal com esta festa alternativa. 

1wmE2kx7QaepnmQ7%IN75A.jpg

O bolo de aniversário foi o Bolo Tiramisú e ficou delicioso! Fica a receita