Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tuga em Londres

A vida de uma Lisboeta recentemente Londrina.

Natal com os sogros - Parte III

O meu primeiro Natal com os sogros está passado. O resultado foi positivo.

 

Basicamente passámos o tempo na sala a falar e beber gin & tónico ou chá e vimos os especiais todos de Natal na televisão - Especial 'Stricly Come Dancing'; Especial 'Gavin & Stacey'; Especial 'Christmas Carol'; Especial 'Not Going Out'. Os nossos dias em Leicestershire incluíram também a visita (aparentemente essencial) ao pub na tarde da véspera de Natal onde o meu inglês se costuma encontrar com os amigos de infância. O pub estava à pinha, e aparentemente o volume de clientes ainda ia ser maior no dia de Natal, quando o pub está aberto das 11h às 13h e a vila inteira vai àquele pub durante essas duas horas enquanto têm os perus no forno. Não foi o nosso caso felizmente que já achei o pub cheio demais na véspera.

 

No dia de Natal em si, a minha sogra fez todos os preparativos e nós apenas tivemos a ajudar nas pequenas coisas. Em comparação com os Natais em casa dos meus pais, a diferença grande está na quantidade de comida servida. Cá comemos uma sopa para entrada, seguida de galo no forno com legumes assados, e um pudim de Natal para sobremesa. A minha sogra até tinha feito também um Bolo do Natal que leva imensas frutas, mas nem o chegou a colocar na mesa porque estávamos cheios. 

fullsizeoutput_45b8.jpeg

Em casa dos meus pais, temos sempre uma mesa cheia de petiscos para entrada - camarões, saladas de polvo e cogumelos, queijos, salada e sopa; depois lá vem o galo com legumes também e terminamos sempre com pelo menos 5 ou 6 sobremesas.

 

Isto de só se colocar uma sobremesa na mesa, para mim não tem lógica nenhuma! - Claro que vamos estar cheios, mas o interessante é colocar-se tudo na mesa e vai-se comendo aos bocadinhos durante o resto da tarde. 

 

Chega ao Boxing Day, e é a minha vez de cozinhar. Eu já tinha feito o salame na véspera de Natal para estar bem sequinho e para repartir o tempo demorado na cozinha em dois dias. Em vez de fazer entrada decidi servir Pastéis de Bacalhau como prato principal, com arroz de tomato, que é algo que lá em casa também não costumam fazer, e acompanhados com uma salada bem temperada com azeite e ervas aromáticas mediterrânicas. Não só porque essa é a forma de servir uma salada Portuguesa, mas também porque não gosto nada dos molhos para saladas cheios de maionese e afins que os Ingleses costumam enfiar nas saladas. - Resultado? Adoraram! Não posso dizer que enquanto estava a cozinhar, não tivesse sido um pouco stressante, principalmente quando reparei que estava a demorar mais tempo do que o calculado, mas quando repetiram a comida não tive dúvida que gostaram. 

IuAJRf3lQpK7XX6HR0auBQ.jpg

Foi assim. Agora para o ano será a vez de mostrar ao Inglês como decorrem os detalhes de um Natal Português. 

Natal com os sogros - parte II

Ora e tinha dito eu no primeiro post sobre o assunto que ía fazer uma entrada e um doce para trazer um gostinho Português ao Natal em casa dos sogros. Bem, ao menos foi isso que sugeri à minha sogra. Ela não me respondeu a essa mensagem.

 

Um dia depois, mandou uma mensagem a mim e ao meu Inglês sobre outro assunto e mencionou que depois responderia ao assunto da comida para o Natal. Achei isto tudo muito estranho... Porque é que tem que responder mais tarde ao assunto? Apenas sugeri ajudar a fazer comida para o Natal. Achei que iria ficar contente com o assunto? Não? 

 

Eventualmente respondeu ao assunto da comida a dizer que achava uma óptima sugestão para eu fazer no dia a seguir ao Natal porque já tinha a refeição para o Natal planeada 

Hmm,... OK. Bem sugestão está oferecida, não posso voltar atrás. Posso fazer uma refeição, mas não será bem a mesma coisa no dia após ao Natal quando já ninguém pode ver comida à frente e as festividades já tiverem acabaram.

Natal com os sogros - parte I

Este vai ser o primeiro ano que não vou passar o Natal com a família em Portugal. Como fizemos por lá a festa do casamento, achámos por bem que os pais do meu Inglês tinham direito a ser os primeiros a receber-nos no Natal. Mas também não posso deixar de passar o Natal com os meus pais, por isso vamos já neste próximo fim-de-semana passar a 'consoada' Portuguesa com os meus pais. 

 

Entretanto, começaram as conversas sobre os preparativos para o Natal com os sogros. A minha sogra está entusiasmada por me apresentar às tradições do Natal Inglês, mas eu também quero trazer comigo algo do Natal Português. Não vou influenciar o prato principal do almoço de Natal, que já se sabe que nessa parte da refeição nunca se pode mexer com as tradições, mas estou a pensar fazer uma entrada e uma sobremesa. 

 

Como entrada estou a pensar fazer pastéis de bacalhau e talvez uns canapés. Não consigo pensar em canapés que sejam tipicamente Portugueses, mas acho que só pastéis de bacalhau também será uma entrada fraquinha? Agradeço sugestões! 

Quanto à sobremesa, estava a pensar fazer arroz doce que é sempre uma sobremesa essencial do nosso Natal, mas quando sugeri essa sobremesa ao meu Inglês, ele encolheu a cara em desgosto e disse que arroz doce só se come nas sobremesas da escola.  - OK, não faço arroz doce se é assim tão mal vindo. Em alternativa talvez faça antes pudim flãn que adoro. 

 

Quaisquer outras sugestões serão também muito bem vindas. Isto há que causar uma boa primeira impressão ao meus primeiro Natal com os sogros das tradições que levar comigo. 

Costa del Margate

Foi assim que eu e os meus amigos decidimos chamar a Margate. Tal como houve a grande fase de turismo Britânico para passar férias à Costa del Sol, agora está a começar a fase de turismo em massa para Margate, portanto, que nome mais apropriado que 'Costa del Margate'? 

 

OK, o turismo em Margate ainda não chegou bem aos níveis do turismo de Espanha, mas vai a caminho (ou pelo menos assim o espera a minha amiga que comprou lá um apartamento como investimento). Com muito ou pouco turismo, o facto é que a tal amiga, bloqueou o fim-de-semana passado no Air-bnb para podermos ir lá usufruir do apartamento dela e aproveitar um pouco do que Margate tem para oferecer. E tem muito mais do que aquilo que pensei. 

 

Margate fica localizado no Nordeste de Kent junto à costa do Mar do Norte. Pela arquitectura dos edifícios nota-se que em tempos, Margate foi um destino relevante para os cidadãos Britânicos, ainda com o seu antigo Lido e teatro agora totalmente em ruínas ou a caminho. Desde há muito que Margate deixou de ser um destino para as férias dos Ingleses e, como tal, foi ficando mais desprezado. As famílias mais ricas e mais idosas vivem nas cidades vizinhas de Ramsgate e Broadstairs, mas em Margate é ainda onde vive a população mais pobre e menos educada, e isso nota-se mesmo ao andar nas ruas. No entanto, é interessante ver que no meio de uma rua meio desprezada, aparece uma loja de decoração ou restaurante muito giros. É um sinal de mudança. E sem dúvida que Margate já tem muitos sinais desses e, junto à praia, também existem muitos bares com bom ambiente, novos ou construídos num edifício aproveitado que à muito estava abandonado. Isso, juntamente com a Dreamland, um parque temático que tem um palco com espaço para concertos, estão a trazer novo sangue para Margate. Muitas das pessoas que se estão a mudar para lá são efectivamente Londrinos que, ou com o interesse de construir família e ter uma casa maior, ou com o interesse de criar um negócio que não poderiam pagar em Londres, decidiram mudar-se para Margate.  E afinal, apesar de ainda ser um bocado mal frequentada, esta cidade tem muitos dos ingredientes para se tornar popular novamente dentro dos próximos anos. 

 

Passámos o sábado a passear de um lado para o outro da cidade, a apreciar os bares e restaurantes locais que foram óptimos, e a fazer uma visita à Turner Gallery, que é um obra de design moderno fantástico. E ao chegar à noite, enquanto discutíamos no restaurante para que bar deveríamos ir, a empregada de mesa informo-nos de uma festa de praia que havia nas proximidades e, lá eventualmente fomos parar. 

 

Foi muito, muito giro. Adorei a experiência de passar o fim-de-semana em Margate. Pode não vir exactamente a ser a Costa del Margate, mas acho que tem muito potencial para ser novamente um destino favorito dos Britânicos para uma escapadela de fim-de-semana e para viver. 

 

IMG_2767.JPG

Passeio de bicicleta - De Stratford a Victoria Park

Pelo título do post, quem conhece esta zona até fica a pensar que esse é um passeio de bicicleta de treta porque Victoria Park fica quase ao lado de Stratford, mas não é, quando o passeio é feito com uma grande volta pelo meio - OK, não foi assim uma volta tão grande, mas foram 10km, e num percurso muito interessante e bonito. 

 

Não tinha qualquer intenção de fazer um passeio de bicicleta. O plano para hoje era encontrar-me com uma amiga para café, seguido, de uma visita ao Columbia Road Market para comprar umas plantas para substituir as que morreram durante estes dias de calor mais intenso. Mas depois do café com a amiga, decidi ir passar de bicicleta primeiro pela zona de Bethnal Green que precisava de ir lá, e como o dia estava bom e aquelas rua pareciam bonitas e ainda nunca tinha passado por algumas delas, decidi continuar em frente para explorar a zona um pouco mais. Quando deparei por mim estava numa zona de Hackney Wick/Stratford/Pudding Mill Lane onde ainda nunca tinha estado antes, e foi nessa altura que decidi que queria continuar em frente à descoberta. Abri o meu app do Runkeeper para poder monitorizar o percurso que estava prestes a fazer. Não tinha destino. Simplesmente continuei em frente, evitei as ruas principais, e rapidamente encontrei um dos canais que tinha um passeio ao lado que me permitiu percorrer este percurso que foi de Stratford a Three Mills Island, passando por Bow e depois para Limehouse e novamente ao longo do canal, passando por Mile End até Victoria Park. Adorei! É muito giro descobrir estes percursos novos que se mantêm bem no centro de Londres mas que nos fazem sentir que saímos um pouco da cidade e estamos num ambiente diferente. Agora fiquei com vontade para a próxima de fazer o percurso ao longo do canal para norte em direcção de Epping Forest. 

 

Fica o mapa do percurso para quem gostar de fazer passeios calmos de bicicleta a explorar a cidade. 

IMG_2586.PNG

 

O discurso do padrinho

Como é bom hábito dos casamentos Britânicos, costumam decorrer alguns discursos durante a festa de casamento, portanto decidimos trazer essa tradição para Portugal. Na sua forma mais tradicional a ordem dos discursos costuma ser primeiro o pai da noiva, depois o noivo e por último o 'Best Man' ou o padrinho do noivo. No nosso caso decidimos fazer a coisa um pouco diferente e fui eu primeiro quem fez um discurso, seguida da minha mãe, do noivo e por último o Padrinho. Ora o padrinho é sempre o último sendo ele que tem a responsabilidade de acabar os discursos em alta, entretendo os convidados com várias piadas, geralmente relacionadas com histórias da vida do noivo. 

 

Ora, o padrinho no nosso casamento fez isso mesmo, mas um das piadas viu-se mesmo que foi tirada da internet e até foi assim daquelas em que eu pensei - 'ainda bem que os meus pais e parte da família não sabem falar Inglês'. Começou - 'eu só queria desejar aos noivos uma feliz lua-de-mel no País de Gales. Pelo menos eu assumo que seja lá que os noivos vão passar a lua-de-mel porque quando eu perguntei ao noivo o que íam fazer depois do casamento, ele disse-me que íam passar duas semanas em 'Bangor''. - Perceba-se que Bangor é o nome de uma vila no País de Gales, mas é também uma palavra parecida o suficiente com o termo 'banging'. Foi uma daquelas piadas em que as pessoas se riem de lado mas tudo OK. 

 

Ora, passa-se para a frente uma semana, e fomos a outro casamento de amigos que também estavam no nosso. Estávamos nós a ouvir o discurso do padrinho deste outro casamento quando o padrinho diz - 'Ora ouvi dizer que os noivos vão passar a lua-de-mel no País de Gales,...' Mal podiamos acreditar! Vinha dali exactamente a mesmo piada. Nós olhámos para os noivos e só nos riamos pela coincidência. Resultado, fui agora ao Google pesquisar por 'Best Man jokes' e adivinhem lá que piada estava na lista do primeiro website que aparece no topo dos resultados. Haha! Lindo!! Nunca mais vamos deixar os nossos respectivos padrinhos se esquecerem da piada que eles 'tão cuidadosamente prepararam' para os seus respectivos discursos. 

A semana do casamento

E está feito. Após tantos meses de organização e planeamento, o dia do casamento passou bem rápido e é agora uma boa lembrança na minha memória. 

 

Felizmente correu tudo bem sem grande stress, os convidados adoraram, os meus pais ficaram satisfeitos e aliviados, que bem deu para perceber que eles estavam mais nervosos do que eu. No dia seguinte ao casamento ainda fizemos um BBQ para os convidados que foi muito divertido, e no dia seguinte, fomos direitinhos para o Baixo Alentejo onde ficámos a descansar o resto dos dias que nos soube tão bem. Voltámos a Londres na sexta-feira à noite e ontem, Domingo, fomos ao casamento de outros amigos aqui em Inglaterra que também foi muito divertido. Hoje voltámos para casa, e devo dizer que mal entrei na porta de casa só me apeteceu chorar. Acho que foi aquele 'crash' de ter uma felicidade imensa durante vários dias, em que tínhamos constantemente algo novo com que nos entusiasmar e, ao chegar a casa hoje, ao pensar que já tudo tinha acabado e que a partir de amanhã voltava ao dia-a-dia normal, de repente senti uma tristeza tão grande que não me consegui controlar e tive que deixar as lágrimas rolar. 

 

Agora, mais composta, e pensando bem sobre tudo o que se passou, apercebo-me de que claro que é perfeitamente normal sentir uma quebra de emoções depois de ter tido uns dias tão bons. Imagino que não seja a primeira vez que esta 'montanha-russa' de emoções aconteça a uma noiva após o casamento, e possivelmente não será a última. Também não será só após um casamento que este tipo de emoções opostas se apresentem. - Isso quer dizer que as coisas que estão para vir são menos boas? - Não. Simplesmente são diferentes. Eu sei que é preciso olhar em frente, pensar no futuro e ficar com as boas memórias do passado, mas também sei que é OK, aceitar a tristeza quando ela vem, e deixar as emoções saírem até nos sentirmos mais calmos novamente. 

 

E sinceramente, faz-me bem escrever sobre isto mesmo. Passar o que estou a pensar para a escrita ajuda a deitar tudo para fora e sinto-me até mais contente por pensar nas memórias do casamento sem ficar triste. 

b4ced844-7789-493d-99ad-645ba9ed304e.JPG

Quanto ao casamento em si, foi muito giro. O local de escolha foi a Quinta do Pé da Serra, na zona de Colares em Sintra. A quinta é muito bonita, situada num sopé da Serra onde tinha uma boa vista para a Serra e para o mar (ou teria se não tivesse chegado uma grande neblina à hora do cocktail). Como já nos tínhamos casado oficialmente em Londres, a nossa cerimónia foi simbólica e fomos nós próprios, com ajuda do nosso Mestre de Cerimónias (um amigo nosso) e da Internet, que preparámos o texto para a cerimónia, escolhemos os votos que queríamos dizer, etc. A cerimónia foi super pessoal e bonita e decorreu nos jardins da quinta, para permitir facilmente que todos os eventos do dia decorressem no mesmo local. Como já tinha mencionado antes, nem sempre a comunicação com a quinta foi fácil, mas no dia e nos dias anteriores foram extremamente prestativos, simpáticos, atenciosos e já perdi a conta de quantas vezes os convidados nos disseram o quanto adoraram o serviço prestado pelo staff de catering. 

f6568efe-3df2-46a5-a68b-f578df71d9a9.JPG

Decidimos contratar uma banda de jazz para proporcionarem a música do casamento e, devo dizer, que eles foram espectaculares! Adorámos a banda e os convidados também os adoraram. Escolhemos Canon in D Major de Pachelbel tocada pelo piano para a entrada da cerimónia, depois o trio de jazz tocou durante o cocktail, e toda a banda com uma cantora na voz tocaram durante a festa uma mistura de canções conhecidas mas com aqueles tons de jazz. Chamam-se L.Bond, portanto fica a dica para os interessados. 

 

Na nossa opinião existem três elementos essenciais para uma boa festa de casamento - a música, a comida e a bebida, e para que tudo corra bem, devem haver pelo menos dois desses elementos em qualquer momento do dia para que a festa decorra bem. Não tínhamos photo booths nem jogos, nem outro tipo de entretenimento, e acho que nada desse tipo de entretenimento seria tão necessário como estes três elementos. 

 

Para os presentes dos convidados, oferecemos azulejos Portugueses com uma base de cortiça onde os nossos nomes e data do casamento estavam marcados, que servem como bases para copos. O fornecedor foi a Fábrica do Azulejo, e também foram muito simpáticos e prestativos. 

912e8ed8-9197-47c5-b77b-e78798185198.JPG

Casamento terminado, e como muitos dos convidados viajaram propositadamente para o casamento, quisemos organizar também um BBQ no dia seguinte para os convidados que ainda estavam em Sintra nesse dia. O local escolhido foi a Casa do Valle, que tem um jardim enorme, tinha todo o equipamento para BBQ e foi o local onde muitos dos convidados ficaram acomodados. Para o BBQ tive a ajuda da família a organizar e também correu tudo muito bem, e com muitos dos convidados ainda ficámos por lá o dia todo para aproveitar a piscina. 

IMG_6285.JPG

Quanto à mini-moon, decorreu numa acomodação de nome, Paraíso Escondido, num monte Alentejano no Baixo Alentejo, próximo da Zambujeira do Mar. Só queríamos relaxar depois do casamento e aquele local foi perfeito para o efeito. Até tinha um Estúdio de Yoga com uma vista espectacular para os montes Alentejanos e que, pelo menos enquanto lá estivemos, pareceu só ser utilizada por mim durante as manhãs, o que adorei. 

IMG_0012.JPG

E foi assim, uma sequência de eventos que formou um dia e uma semana a não esquecer. 

Os últimos preparativos para o casamento

Tenho estado já quase duas semanas sem escrever um post porque, enfim, vou-me casar, e isto dá muito mais trabalho de organizar do que aquilo que eu esperava. OK, eu sabia que ia dar trabalho, mas eu já tinha as coisas importantes bem encaminhadas. Mesmo assim, há sempre algo que falta, sempre algum e-mail que tenho que escrever, alguma folha de excel que tenho que preencher, algum convidado com dúvidas a que tenho que responder. Acho que só vai parar mesmo daqui a uma semana quando estiver na minha mini-lua de mel e já toda a festa tiver terminado. 

Com todas as coisas que foram acontecendo durante a minha preparação para o casamento, eu ate que tinha imenso material para uns posts interessantes que poderiam vir a ser úteis para outras noivas, mas não tenho tido o tempo e agora o dia já está quase a chegar! Por isso vou antes sumarizar-vos o que se tem passado:

 

Os convidados

Houve pessoas que estavam à espera de ser convidadas para o casamento e não foram. E as pessoas têm que perceber e aceitar a nossa decisão. Tive o caso de que pessoas que assumiram que iam ser convidadas e começaram a fazer comentários como 'onde vamos à despedida de solteira' e falar sobre como sempre quizeram ir a Portugal etc. - Ahhhh isso não se faz! Até achei um pouco mal-educado fazerem esse tipo de insinuações mas eu quero ter no meu casamento os meus amigos e amigos do meu noivo, não quero ter os amigos dos amigos. Fez-me sentir um pouco mal, sem dúvida, porque imagino que essas pessoas também tenham ficado um bocado sentidas, mas este é um dia único e é importante sentirmos o amor das pessoas à nossa volta, e não ter aquela sensação que estamos a actuar para uma audiência. 

 

O vestido

No dia em que comprei o vestido, eu chorei de alegria de tão emocionada que estava por o ter encontrado. O problema é que devia ter deixado de seguir designers de vestidos de noiva no Instagram e afins - fica a dica! Isto porque ao continuar a ver vestidos de noiva a torto e a direito, claro que haveria de ver alguns mais bonitos do que o meu. Vi um, vi dois, vi três,... até que comecei a pensar duas vezes se gostava mesmo do meu vestido. Ora entenda-se que comprar um vestido de noiva não é bem a mesma coisa que comprar um vestido da Asos em que se manda para tráz e devolvem o dinheiro. Portanto ficam duas dicas importantes:

  1. investiguem bem a variedade de vestidos que existem antes de se decidirem por um
  2. uma vez que comprarem o vestido, não olhem para mais nenhum!

 

A Quinta

Eu gosto muito da quinta, mas o que não gosto nada é da capacidade de organização da organizadora de eventos da quinta. Ela é péssima!! Digo-vos, eu já organizei muitos eventos na minha vida profissional e nunca que deixei um cliente ou até fornecedor com mais de um dia ou dois de espera para receber uma resposta minha. E ela tem demorado 2 e 3 e 4 semanas sem responder! A parte triste é que nem sequer estou a exagerar. E sim, acredito que esteja muito ocupada, mas houve uma vez, depois de eu já lhe ter mandado um segundo email para relembra-la de responder, em que eu lhe pedi, a uma quinta-feira, para por favor me enviar pelo menos a informação das medidas de uns papéis que tinha que imprimir para caber no espaço que ela tinha até ao fim-de-semana. Eu pedi POR FAVOR, e disse que mesmo que não pudesse responder a mais nada, que pelo menos me respondesse a isso. E sabem o que ela fez? Nada! Não respondeu até à semana seguinte depois de eu telefonar para a quinta e falar com a patroa dela. Tive azar porque a organizadora que estava nesta quinta antes era óptima mas ela saiu e entrou esta rapariga totalmente inexperiente que claramente não vai ter uma longa vida profissional no ramo de organização de casamentos. Eu até que tenho sido relativamente calma com a situação, mas imagino que outras noivas não tenham a mesma paciência do que eu. 

 

O Prosecco

Prosecco é oficialmente (estou a oficializar) a minha bebida alcoólica favorita e, como tal, eu  quero ter Prosecco no meu casamento, nem que seja só para o cocktail. Prosecco claramente ainda não é muito popular em Portugal, que quando mencionei que era o que queria para o cocktail a organizadora da quinta disse-me que podia pagar por Espumante.  Não, minha amiga, não está a perceber, eu quero Prosecco, não quero Espumante, nem Champagne, nem Cava, eu quero Prosecco. São completamente diferentes. Lá consegui negociar que podia trazer o meu próprio Prosecco, tudo OK. Então vem a parte em que a minha mãe me está a ajudar a escolher o Prosecco que está à venda em Portugal e ela pergunta-me quantas garrafas acho que vão ser preciso e antes que eu possa responder diz - "ora eu estava aqui a fazer contas que cada garrafa dá para 5 copos, como são 120 pessoas, 24 garrafas chega bem."  E agora o que é que eu respondo a isso? - "mãezinha, na sexta-feira estava com mais 4 amigos e nós bebemos 4 garrafas, logo, sendo que vão haver pelo menos 80 estrangeiros no casamento precisamos pelo menos de umas 75 garrafas + umas 10 para os Portugueses que também vão querer provar". Acho que isso não ia cair lá muito bem, por isso achei melhor não dar essa lógica.

Eu bem sei que Prosecco é sempre uma das bebidas mais consumidas nos casamentos a que tenho ido pelo Reino Unido por isso não queria ter uma quantidade tão limitada que acabe logo no primeiro copo, mas consegui acordar com a minha mãe ficarmos pelas 40 garrafas que também não vão dar para muito, mas ao menos é o dobro do número inicialmente sugerido. 

 

A primeira dança

Como eu gosto muito de dançar foi um dos requisitos que indiquem ao Inglês no dia em que ele fez a proposta de casamento, que queria praticar uma dança para o casamento. Ele concedeu, e temos andado em aulas de dança Blues desde o início do ano e, agora mais próximo da data, começamos a coreografar a dança. Acho que está OK mas ainda há uns quantos ajustes a fazer. Digamos que pode correr muito bem ou muito mal, ainda não sei. A ver...

 

Ainda tenho detalhes em falta, coisas a combinar, um discurso a decorar para não me atrapalhar no dia, e outros quantos afins. Tenho a sensação de que esta semana vai passar a fugir e que o dia do casamento vai ser chegar e terminar num abrir e fechar de olhos, mas vou tentar aproveitar cada minuto, cada momento.

Para todas as pessoas que desejaram felicidades para o casamento por aqui, pelo Instagram e pelo Facebook desde o dia em que assinámos os papéis oficiais, o nosso muito obrigada! 

70b8878e-c644-43c5-9e9f-f94a7f2594b3.jpg

 

1 mês para o casamento

Falta cerca de um mês para a data do casamento em Sintra e pouco mais de uma semana para oficializar as assinaturas no civil em Londres. Ainda não estou em estado nervoso, mas sem dúvida que sinto mais pressão para tratar dos detalhes que ainda estão por fazer. 

 

Esta coisa da organização de um casamento tem muitas mais políticas do que aquilo que pensei. Ou é relativamente a pessoas que estavam à espera de ser convidadas e que não foram, e que como tal levaram a mal. Ou pessoas que pensavam ser convidadas para a despedida de solteira mas que não foram e que também levaram a mal. Argh!! Tipo, pensem lá bem nas vezes que efectivamente demonstram interesse para se encontrarem com os noivos, ou há quanto tempo os conhecem, que percebem logo o porquê dos convites ou falta deles. E depois não é só isso. Um casamento é caro e um casamento é stressante! Não se trata apenas de convidar as pessoas que representam mais para nós e que vemos mais, mas também uma questão de decisões relativas ao orçamento ou o quanto confiantes nos sentimos por nos estarmos a casar em frente a um largo número de pessoas. Parece que as pessoas por vezes não têm essa sensibilidade de se aperceber de que há outros factores que afectam decisões como a dos convites para tais eventos, que não estão necessariamente relacionados com o quanto gostamos delas. 

 

Enfim, o resultado é que já tive umas chatices desse género. Mas agora que já estamos mais próximos do evento, ao menos ninguém estará a pensar mais nos convites e já devemos ter passado essa fase. Espero! Agora é mais a parte do planeamento das mesas. É a minha mãe que gostava que eu colocasse os primos solteiros junto às minhas amigas solteiras - Sim, claro, vivendo em países distantes isso é que ia resultar logo em casamento. Ou tentar colocar os grupos que se conhecem, juntos, mas claro que existe sempre uma ou outra pessoa que não cabem na mesa e é a decisão de os manter separados do resto do grupo ou dividir grupos.

 

Ando nessa fase de planeamento das mesas de momento. Está complicado mas isto lá haverá de ir ao sítio. 

Screenshot 2019-07-17 at 22.30.02.png

Tenho que agradecer ao Casamentos.pt pelo sistema de organização de mesas deles porque nem quero pensar nos milhentos rascunhos que ia ter que fazer à mão se essa fosse a minha única alternativa.

 

Entretanto vai ser já o casamento oficial para a semana que vem!! Para esse dia decidimos não fazer qualquer festa porque senão era mais uma coisa que tínhamos que convidar ou deixar de convidar. Não posso mais com convites. Fica assim simples, entre nós e as nossas testemunhas seguido de umas bebidas no pub apenas com outros amigos locais que estejam disponíveis no dia. 

 

Agora a decisão que tenho que fazer é a de mudar ou não mudar de nome. Eu quero adicionar o nome do meu futuro marido, mas não queria retirar o meu sobrenome. No entanto aqui no Reino Unido simplesmente substituem os últimos nomes em vez de adicionarem em cima. Então parece-me que a situação de alteração de nome será um pouco mais complicada nesta situação. Se alguém já tiver tratado disso e adicionado o nome por cá em vez de substituir agradecia que comentassem para indicar como foi o processo. 

 

Ida e volta para Brighton

Ontem fui celebrar a Despedida de Solteira de uma amiga em Brighton. Já há uns anos que não ia lá por lazer (tinha ido recentemente mas através do trabalho) e estas foram as minhas impressões:

 

  • A menos de uma hora de Londres Brighton é uma óptima opção para quem quer ir apanhar solinho e uma brisa de mar.
  • Brighton talvez esteja popular demais porque a praia, o pontão, e o centro da cidade estavam à pinha durante todo o dia. É possível que o bom tempo tenha influenciado essa quantidade de pessoas, mas fica um pouco desconfortável passear no meio de tanta gente. 
  • Os bares junto à praia são inúmeros por isso é ideal para grupos de amigos que queiram passar o dia na praia a fazer um pic-nic enquanto que aproveitam a música a tocar dos bares. 
  • Para quem gosta de uma praia calma e com espaço para jogar jogos de bola ou afins, a praia de Brighton é de evitar. Tem pouco espaço e de calma tem muito pouco. 
  • A quantidade de bares, pubs, restaurantes, cafés, hotéis disponíveis é mais que variada pelo que opções não faltam
  • Consegue-se comer um Fish & Chips muito bom por Brighton!!!

No nosso caso, como estávamos lá para uma festa, todo o ambiente animado de Brighton foi perfeito para o dia. Tínhamos alguns planos para o dia, mas acabámos por ficar na mesma zona na praia até chegar a hora de ir para a estação para apanhar o último comboio para Londres. Tínhamos comida, bebida, um grupo divertido, a música dos bares, um anoitecer no mar lindíssimo e todo o ambiente necessário para fazer um dia divertido para a noiva.

 

Em resumo, descobri que a possibilidade de ir passar o dia a Brighton e voltar no mesmo dia é mais acessível do que aquilo que pensava. O último comboio do dia de volta de Brighton para Londres parte às 24:04h e o primeiro da manhã era por volta das 5:00h o que não é mau para quem quer fazer a viagem no mesmo dia e aproveitar o dia, ou a noite, ao máximo.

O ambiente do mar é o suficiente para fazer sentir que estamos de férias e consegue-se aproveitar bem um dia quente na praia por lá. Fiquei de combinar com os amigos voltar a Brighton mais regularmente durante o verão. 

 

IMG_1356.JPG