Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tuga em Londres

A vida de uma Lisboeta recentemente Londrina.

Nova ronda de cortes na empresa

Depois da empresa A em que trabalhava ter sido comprada pela empresa B, eu tive que cortar o emprego de duas pessoas na minha equipa. Entretanto, em finais do ano passado a empresa B foi comprada pela empresa C, e desta, foi a minha vez de ficar sem trabalho. 

 

A minha chefe informou-me da notícia em finais de Janeiro e o meu último dia oficial foi mesmo esta semana. Desde que fomos comprados, os auditores têm andado na empresa a ver onde podiam reduzir custos e 'optimizar eficiências' e decidiram centralizar a equipa de marketing para os Estados Unidos e, como tal, já não precisavam de uma Directora de Marketing na Europa, como tal, desapareceu o meu emprego. 

 

Esta é uma das grandes diferenças de como a lei do trabalho funciona no Reino Unido em comparação a Portugal. Em Portugal não seria permitido simplesmente fazer esta eliminação de cargos a empregados permanentes sem causa justa e com efeito quase imediato. No entanto, o facto de ser muito mais fácil de se recrutar e despedir pessoas e fazer reestruturações de departamento a toda a hora, também permite que existe muita maior flexibilidade para as pessoas mudarem de emprego, e não existe tanto aquele medo de não se conseguir outro trabalho permanente facilmente. Portanto, de forma geral, eu continuo a preferir a forma como a lei do trabalho mais flexível existe por cá, apesar de saber que isso me pode afectar de vez em quando. 

 

Quando recebi as notícias claro que não fiquei contente. Nunca sabe bem receber essas notícias. Mas surpreendentemente também não fiquei muito chateada e comecei antes a pensar nas oportunidades que a mudança de trabalho me podiam trazer. É daquelas situações em que não vale a pena chorar pelo leite derramado. Não há nada a fazer para trazer aquele emprego de volta, pelo que a melhor solução é mesmo ver as coisas pelo lado positivo:

  • a empresa está a pagar-me uma indemnização pela eliminação do cargo, pelo que efectivamente estão a pagar-me para procurar outro trabalho;
  • já lá estava à quase 5 anos pelo que era tempo de ter uma mudança para fazer novas coisas, aprender com novas pessoas e com uma indústria diferente, mas estava a precisar de um empurrão para sair da empresa;
  • com o tempo que tenho enquanto procuro novo emprego posso também aproveitar para dedicar a mim própria. Quantas vezes na vida temos uns meses de pausa? Não muito frequentemente. No meu caso, acho que tive no máximo 1 mês de pausa entre empregos desde que saí da faculdade. Por isso, desta vez não vou apressar-me. Quero encontrar algo que me deixe mesmo entusiasmada e quero também aproveitar para descansar e recarregar energias antes de começar algo novo.

 

Claro que não estou à espera que encontrar um novo emprego entusiasmante seja muito fácil, mas eu tenho um plano de acção:

  • Primeiro listei tudo aquilo que gostava e não gostava do meu emprego e empresa;
  • Depois listei o tipo de indústrias e empresas de que gosto muito; 
  • Comparei os resultados com as qualificações e experiência que tenho para conseguir identificar o tipo de empregos aos quais me quero candidatar e que tenho hipóteses de conseguir. O resultado foram empregos na área do marketing e parcerias para empresas de tecnologia ou agências/consultorias de marketing que ofereçam serviços a empresas de tecnologia ou empresas da área de design e arquitectura ou eventos ou empresas que façam apoio a startups de alguma forma. 
  • Uma vez identificadas essas áreas, refiz o meu CV focando os pontos mais importantes que achei que seria de relevância para o tipo de empresas e empregos a que me quero candidatar.
  • E depois foi começar a ir aos websites das empresas de que gosto, pesquisar na secção de carreiras se procuram pessoas com a minha experiência e cada vez que encontro algo que me interessa escrevo uma carta de apresentação totalmente personalizada para aquela empresa explicando as razões pelas quais eu sou a candidata ideal àquele trabalho em questão. 
  • Também tenho pesquisado através dos anúncios de emprego no LinkedIn e a próxima fase é colocar o meu CV nos vários sites de emprego que sejam relevantes às áreas que me interessam, para que as empresas certas possam encontrar o meu perfil. 
  • E tenho informado a todas as pessoas possível sobre a minha situação porque muitas empresas preferem recomendações internas, portanto faço questão de ir informando as pessoas que conheço, principalmente as que trabalham nas minhas áreas de interesse, porque não quero perder oportunidades apenas pela falta dos meus amigos e conhecidos não saberem que estou à procura de novo emprego. 

 

Claro que este processo de cuidado na selecção e aplicação a cada empresa também significa que cada uma demora imenso tempo a preparar, mas acho que vai valer a pena. Entretanto, tenho aproveitado o meu tempo para ir a todo o tipo de eventos e seminários a que nunca tenho tempo para ir e que me ajudam a conhecer algo novo. Desde que recebi a notícia do emprego já fui a 7 eventos sobre os mais variados temas, como por exemplo, fui a um de técnicas para fazer apresentações em público, outro sobre optimização de emails, outro sobre optimização de visualização de dados, etc etc. O que vale é que existem sempre inúmeros eventos sobre tudo e mais alguma coisa em Londres, e muitos deles são gratuitos portanto há que aproveitar. 

YlwRBKH8RAmv0URMOMT0mQ.jpg

Evento organizado pelo YCN e Founders Factory dedicado a startups

 

Depois vou dando notícias de como a pesquisa for correndo. 

Como despedir alguém

Esta semana que passou foi uma das mais difíceis que tive no trabalho até hoje. Tinha sido informada na sexta-feira anterior, que a nossa empresa ia ter que fazer cortes de pessoal - 80 pessoas para ser exacta, e no nosso escritório seriam cortadas 19 pessoas, entre elas 3 membros da minha equipa. Os cortes iam ser anunciados na quarta-feira que passou, por isso passei o fim-de-semana e os primeiros dois dias da semana a preparar-me para fazer o inevitável. Durante esses dias também tentei encontrar alternativas para manter dois dos membros da equipa, na empresa, ao encontrar-lhes outras posições dentro da nossa empresa mãe (a empresa que comprou a nossa, no ano passado). Para um deles não seria possível muda-lo para a outra posição que tinha em mente, por ser uma função significativamente diferente daquela que ele actualmente estava a fazer. Assim sendo, o seu posto teria que ser anunciado como estando em risco de terminação, para que ele depois pode-se candidatar-se à outra função. Para o outro, o posto que tinha em mente faria efectivamente a mesma função, mas iria fazer parte de outra equipa, e iria apoiar ambas as empresa, em vez de apoiar só a nossa. Consegui que a sua mudança para o novo posto fosse aprovada, e assim o seu emprego deixou de ficar em risco. 

 

Na quarta-feira, quanto mais se aproximava da hora em que o nosso patrão ia anunciar as más notícias a todos, mais eu ficava nervosa. Eu tinha preparado exactamente o que ia dizer, de acordo com o que me foi enviado a mim e aos outros gerentes de departamento, pelos Recursos Humanos, mas isso não me deixava acalmar. Estava prestes a virar do avesso a vida de algumas das pessoas com quem tinha trabalhado ao longo de mais de um ano, em ambos os casos, por isso não conseguia deixar de me sentir mal pelo que ia ter que fazer. 

 

A primeira reunião que tive nessa tarde, foi com as pessoas da minha equipa cujas funções não estavam em risco, incluíndo a do que eu tinha conseguido mudar para outra função semelhante de forma a não perder o emprego. Eu estava satisfeita por ter conseguido isso, mas ele não ficou nada satisfeito. Foi a pessoa que recebeu as notícias de pior forma e disse que nunca quereria ir trabalhar para a empresa mãe, que agora considerava como a grande, má, empresa corporativa que fez com que os amigos ficassem sem emprego, e que o mudou a ele de função sem o seu consentimento. Ele quase que gritava de tão zangado que estava, o que me surpreendeu totalmente. Parecia que não estava a ter qualquer consideração pelos colegas que tinham os seus cargos prestes a ser eliminados, ao começar a queixar-se que teve uma alteração de equipa, como se esse facto fosse pior que o de ter o cargo eliminado. 

 

As outras reuniões com cada um, a que tive que dar a notícia de que as suas funções iam ser eliminadas, correram melhor. Eles claro que não estavam nada contentes, mas foram mais profissionais do que o primeiro. 

 

De forma geral, não foi nada fácil ter estas conversas, nem passar pelos dias seguintes num escritório que estava reduzido a 60% das pessoas que tinha anteriormente. E como se isso não fosse suficiente, o departamento inteiro de Marketing foi reestruturado para unificar as duas empresas a nível de marketing, o que também feriu algumas pessoas com as mudanças a nível de linhas de gerência. Esse vai ser uma outra dificuldade com que vou ter também que lidar. 

 

Já tinha estado antes numa empresa que fez despedimentos, mas eu tinha sido uma das pessoas a sair, como tal, ainda não tinha passado por este nível de reestrutura e mudanças, e verifico que efectivamente não é um processo que esteja a ser fácil de ultrapassar. Espero pelo melhor para as próximas semanas, mas a ver vamos. Todas as pessoas lidam com situações como esta de formas diferentes, e nem sempre é fácil lidar com todos os tipos de personalidades. Se alguém tiver experiência em lidar com pessoas difíceis no trabalho, gostava de ouvir qualquer conselho que tenham para dar.