Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tuga em Londres

A vida de uma Lisboeta recentemente Londrina.

Um dia por Peckham

No fim-de-semana passado decidi ir ao Frank's Cafe com umas amigas visto que já estávamos para lá ir à imenso tempo e daqui a pouco encerra com o final do verão, portanto esta seria um dos poucos fins-de-semana que ainda tinhamos livres para poder lá ir. 

 

O Frank's é um dos "sítios da moda" já há uns dois anos por isso queríamos saber o porquê dessa popularidade. É localizado no topo de um parque de automóveis em Peckham estrategicamente localizado que permite uma bela vista sobre a cidade. Também tinhamos ouvido dizer que servia um bom brunch, e foi com a comida em mente que lá fomos no passado domingo de manhã. Afinal de contas, ao conseguirmos descobrir como se chega lá acima (as indicações nāo eram das melhores, tal como era de esperar de um sítio meio 'hiptster' como aquele), verificamos que afinal não servem brunch e só começam a servir comida a partir das 15h. Ora como ainda era por volta do meio-dia não nos íamos começar a enfrascar em cerveja que era o que se vendia por ali àquela hora por isso optámos por tentar descobrir algum café bom para brunch localmente. De qualquer forma, a primeira impressão do Frank's foi muito boa. A vista é excelente, cobrindo o skyline de Londres, desde as Torres do Parlamento às torres de Canary Wharf. O espaço é muito grande, com imensos bancos e mesas. Imagino que fique cheio nos dias solarengos e que seja um local bem animado por isso ficámos com curiosidade para lá voltar num outro dia mais ao final do dia. 

 

Frank's Cafe
Frank's Cafe

 

O local para brunch que encontrámos apresentava muitas boas recomendações online chamado Cafe 67. Faz parte da South London Gallery, portanto um local perfeito para brunch e para visitar a respectiva galeria de arte moderna que, pelo menos, na semana passada tinha algumas instalações bem interessantes.

 

cafe 67
 
Cafe 67

 

A caminho do Cafe 67 ainda vimos um café que também parecia muito bom chamado Peckham Pelican. O ambiente era muito agradável, daquele tipo de cafés ideas para levar o portátil e ficar por lá a tarde toda, como eu gosto. Se fosse localizado a Este de Londres, concerteza que ía lá passar várias vezes. De qualquer forma, o menú de brunch deles não nos pareceu muito apelativo por isso decidimos continuar até ao Cafe 67. 

 

Peckham Pelican
 
The Peckham Pelican

 

Terminado o brunch e como já passavam das 14h e estava um dia tão agradável, voltámos para o Frank's, para aproveitar aquela vista mais um pouco. A meio da tarde, o Frank's já estava com muitas mais pessoas e, o facto das mesas serem compridas, torna o ambiente muito social, visto que é prático começar a falar com outras pessoas que estejam sentadas na mesma mesa. Sem dúvida quero voltar. 

 

A ideia era, após o Frank's, voltarmos para o Este de Londres, mas depois pensando melhor, achámos que, já que ali estávamos, mais valia ir descobrir mais do que aquela zona tem para oferecer. Peckham é uma zona que ainda conta com algum carácter negativo, dado ter sido uma daquelas zonas onde já houve vários problemas com gangs, etc., no entanto, na High Street encontram-se todo o tipo de lojas, com produtos baratos ou ecléticos que dão carácter ao local. Também já há muito que não ouço falar de violência na zona e, sem dúvida que tenho ouvido falar cada vez mais em Peckham como uma boa zona para se sair à noite e com bons bares e restaurantes. É uma daquelas zonas "up and coming" que são um bom local para onde, por exemplo, investir em comprar casa, visto que não dúvido que os preços das casas por ali só venham a aumentar nos próximos anos. Principalmente porque as ruas residenciais fora da high street são muito agradáveis e calmas e portanto apelativas. É só uma questão do comércio local evoluir mais um pouco e a zona vai ganhar imenso valor. 

 

Mas de volta ao passeio, pensámos então em ir dar uma vista de olhos por outro terraço-bar que conseguiamos ver oposto ao Frank's. Esse terraço fica no edifício do Bushy Building, que é um antigo armazém que, hoje em dia é utilizado como discoteca (muito boa por sinal, já pude comprovar) e também tem escritórios, uma igreja aos domingos (descobri nesse dia), estúdios de artistas, etc. Ao chegarmos ao terraço verificámos que este estava vazio porque parece ser apenas utilizado quando há ali sessões de cinema ao ar-livre, já que o espaço está assim organizado. Descobrimos que na cave do Bushy Building abriu também agora à pouco tempo um novo bar/restaurante e loja de discos de nome Rye Wax que está aberto todo o dia e vai ter vários gigs e eventos, assim como pista de dança sendo um potencial bom local para ir sair no inverno. 

 

Era então tempo de andar um pouco e fizemos um longo passeio pelas ruas de Peckham indo parar a East Dulwich, que não fica nada longe e é uma zona extremamente agradável com muitas lojinhas, cafés, bares e pubs muito simpáticos ao longo da rua principal. Acabámos por sair da zona ao final do dia. Um passeio inesperado para quem apenas queria ir tomar brunch ao Frank's Cafe, mas muito simpático. Sabe bem descobrir novos locais fora do nosso dia-a-dia e como Londres tem tantos bairros, há muito por onde escolher para um próximo dia de passeio. 

Passeios alternativos em Londres - De Chalk Farm a Hampstead

Durante o fim-de-semana passado, como os meus pais estiveram por cá, fomos passear. No entanto, como eles já vieram várias vezes a Londres não queria levá-los aos locais habituais no centro. Optei por passeios alternativos a zonas pouco visitadas por turistas. Vou passar a escrever posts sobre o título ´Passeios alternativos em Londres´ sempre que houver oportunidade. E para já, numa série de 2 posts, colocarei os do fim-de-semana passado. 

 

DE CHALK FARM A HAMPSTEAD HEAT PASSANDO POR PRIMROSE HILL

Percurso: 7km

Duração (com paragens para almoço, café, descanso): 6 horas

 

Saíndo da estação de Chalk Farm, virem para a direita e novamente na primeira à esquerda para darem início ao vosso passeio. Vão passar pela bonita High Street de Primrose Hill e, ao chegarem ao parque, subam ao topo para ver a vista de Londres. 

 

Primrose Hill

 

Continuem o passeio pelas bonitas ruas residenciais de Belsize Park até chegarem a Hampstead Heat, onde podem apreciar os bonitos lagos, subir ao topo do parque em ´Parliament Hill´ e visitar a Kenwood House, localizada no lado oposto do parque a 'Parliament Hill'. O café de Kenwood House é uma boa paragem para o almoço, e dentro desta casa da campo senhorial (a maior casa de campo dentro de Londres) podem apreciar a grande colecçao de pintura em exposição (a entrada é gratuita). 

 

 
 
Hampstead Heat

 
 
Parliament Hill

 
 
Kenwood House

 

Ao contornarem o resto de Hampstead Heat em direcção a Hampstead, irão passar pelas zonas mais "selvagens" do parque. Ao contrário da maioria dos parques de Londres, Hampstead Heat tem menos o ar cuidado que os outros parques, no sentido em que tem mais arvoredo e a sensação é de que se está mesmo no campo. 

 

Ao sairem do parque e chegarem a Hampstead aproveitem para ir tomar o Chá das 5 a um dos bonitos cafés que ali se encontram. Aconselho o Louis Hungarian Patisserie que tem uns bolos de aspecto delicioso e um ambiente e decoração muito agradáveis e com carácter. 

 

O passeio acaba na estação de Hampstead (metro) ou de Hampstead Heat (overground). 

 

Ficam os mapas do passeio:

 

Como não era possível copiar o mapa completo, copiei por partes com pedaços do mapa adjacente nos outros mapas, para ser mais fácil se situarem.

 

Chalk Farm to Hampstead - part 3

 

 
Chalk Farm to Hampstead - parte 2

 

 
Chalk Farm to Hampstead - part 1

 

39km de bicicleta

O dia estava previsto para ser muito solarengo com temperaturas de 17C, por isso quando um amigo sugeriu fazer um longo passeio de bicicleta na rota do Capital Ring, nem tive que pensar duas vezes. Eramos 8 ao todo. Apanhamos o comboio de London Bridge e saímos em Grove Park. A partir de lá, seguimos as indicações do Capital Ring que estão indicadas com setas ao longo de todo o percurso, e passamos por Becknham, Crystal Palace e fomos até Stretham onde terminava aquele percurso. Aproveitando já que ali estava tão perto do centro achei que o melhor seria simplesmente continuar até casa. No total foram 39km, o que, para o meu primeiro percurso longo de bicicleta acho que até que não está nada mau.

 

Gostei muito da experiência e aconselho quem tem bicicleta a experimentar um dos percursos do Capital Ring. Existem ao redor de toda a cidade e levam-vos maioritariamente por ruas com pouco trânsito nas zonas suburbanas de Londres que aparentam serem localizadas no meio da campo dada a ampla vegetação.

 

Ficam algumas fotos do passeio:

 

Dinosauros no parque de Crystal Palace
Dinosauros no parque de Crystal Palace 

 

Colegas ciclistas
Alguns dos meus colegas ciclistas em Crystal Palace
 
 
 
Tempo de descanso em Stretham Common
 
Tempo de descanço junto a Stretham Common

Bom fim-de-semana prolongado

E cá estamos novamente. Passam das 11h da noite. Amanhã tenho que estar em Kings Cross às 8:30h da manhã para apanhar o meu comboio para o norte e já devia estar a dormir, mas como acabei de chegar a casa, ainda aqui queria passar. Posso não ter tempo de escrever o post sobre o que fazer este mês hoje mas não queria deixar de dar uma dica para o que se fazer este fim-de-semana em Londres. Eu pelo menos iria a este festival de certeza absoluta se não estivesse no Peak District (sentada o dia todo no pub enquanto a chuva torrencial corre lá fora). Vale partilhar porque ao menos, se algum leitor fôr depois poderá deixar aqui um comentário a dizer como foi que estou muito curiosa com este festival. Chama-se Streetfest e vai decorrer num parque de estacionamento e armazém em Shoreditch no domingo. Trata-se de um festival dedicado à arte de rua como grafitti, rap, shows de skaters, breakdancers e com uma festa com DJs de Hip Hop e Drum & Bass. 

 

A decorrer durante o dia e noite de domingo 6 de Maio no Hearn St. Car Park, EC2A 3LS. 

 

Quanto a mim, ainda vou ver primeiro o cantor-rapper Example amanhã em Leeds e depois lá passo o meu Domingo à chuva no meio do Peak District que vai ser uma diversão. Ainda pensei em cancelar, mas lá decidi com a minha amiga que assim se tivermos mesmo no meio do nada à chuva é da forma que aproveitamos mesmo para descansar, ler um livro, etc., por isso vale a pena estar longe de Londres porque por cá já sabemos que não iriamos fazer nada relacionado com descanso. 

 

E já que estou numa onda de Example, aqui fica umas das músicas que estou ansiosa para ouvir amanhã:

 

 

 

Shoreditch Festival

Já voltei à carga no estudo para a segunda disciplina do meu curso com as habituais sessões diárias ao fim-de-semana na Biblioteca Nacional. Mas o que me ajuda mesmo a conseguir manter a concentração durante o dia e avançar com o trabalho que tenho que fazer, é saber que após a biblioteca fechar às 5h da tarde, vou-me distrair com outra coisa qualquer. Não posso deixar que este curso me consuma a vida social que senão não ando bem. Assim ajuda muito mais saber que posso não estar a socializar durante o dia, mas ao menos tenho a minha recompensa ao fim do dia. E hoje a recompensa foi com o Shoreditch Festival. Só no fim-de-semana passado soube que estava para acontecer, ao passear pelo Regent's Canal no meu caminho para casa, e vi lá os posters a anunciar o evento. Começou este fim-de-semana, irá prolongar-se com eventos de música durante a semana no Waterhouse Restaurant e continuará também no próximo fim-de-semana novamente ao longo do canal. 

 

O festival concentrou-se nas zonas para a esquerda e direita da zona junto ao canal quando cruza com a Kingsland Road. Para um dos lados, em direcção ao Broadway Market, colocaram um palco onde bandas estiveram a actuar e havia alguns stands de comes e bebes. O festival continuava com outros eventos na direcção de Broadway Market mas após nos deliciarmos com alguns dos petiscos dessa zona nós decidimos voltar para o lado oposto de Kingsland Road onde, junto a um café/bar de que gosto bastante ali à beira do canal, tinham criado uma plataforma flutuante para bandas lá tocarem. Para lá fomos e acho que foi a melhor forma de apreciar o fim da tarde. Isto porque, após as bandas oficiais terminarem de tocar, houve um grupo de amigos que imagino que estejam mesmo formados como banda de folk Irlandês, que simplesmente trouxeram os seus instrumentos com eles e ficaram ali a tocar para quem quizesse ouvir mesmo junto de onde eu estava sentada. Tinham alguns instrumentos extra como pandeiretas e umas garrafas de água com um pouco de areia grossa lá dentro que destribuiram por algumas outras pessoas também ali sentadas à volta para que se envolvessem com a banda e fizeram ali o seu próprio show. Foi óptimo mesmo. Completamente aleatório, apenas um grupo de amigos, com os seus instrumentos que começam ali a tocar para a malta. E eram bastante bons também. Gostei imenso. É só mais uma das vantagens de viver numa cidade como esta.

 

 

Shoreditch Festival

 

Passeios guiados gratuitos é que é bom

Este fim-de-semana o website walklondon.org.uk vai organisar inúmeros passeios completamente gratuitos, por diferentes zonas da cidade abertos a quem quizer aparecer.

Assim sendo, para quem estiver com vontade de passear por novas zonas da cidade e ficar a saber a sua história enquanto conhecem novas pessoas, podem simplesmente aparecer no ponto de encontro de um dos muitos passeios a ser realizados entre o sábado e o domingo dias 29 e 30 de Janeiro. É o chamado Winter Wonders Weekend.

Para verem detalhes dos passeios a percorrer e dos respectivos pontos de encontro basta visitar a página de eventos do site Walk London.

Porque é que eu gosto de Broadway Market

Clique para oferecer mamogramas
No fim-de-semana anterior apeteceu-me ir passear um pouco pela cidade, mas queria ir a algum local onde nunca tivesse ido antes. Enquanto olhava para o mapa de Londres sem muita sorte em encontrar uma zona onde ainda nunca tivesse estado, lembrei-me de que há relativamente pouco tempo me tinham falado de um mercado muito giro em Hackney. Não me lembrava do nome mas nada que uma pesquisa no Google por mercados em Hackney não tivesse resolvido. Chama-se Broadway Market e, efectivamente, ainda nunca lá tinha estado. Verdade seja dita eu não morro de amores pela zona de Hackney, mas, tal como se diz é "up and coming", e a pouco e pouco esta área de Londres que já foi muitas vezes classificada como uma zona com elevada criminalidade em Londres, está cada vez a atrair mais jovens profissionais para lá irem morar e a criminalidade está a diminuir. Surgem barzinhos giros, cafés, boutiques, novas propriedades e com locais como o Broadway Market (que neste caso já existe há muito tempo) às portas de London Fields ajuda a atrair ainda mais pessoas.

 

O Broadway Market em si é um mimo. Localizado junto ao Regent's Canal, na rua com o mesmo nome, logo à distância apercebi-me de que estava a entrar num local com óptimo potencial pela música que se fazia ouvir de uma das barraquinhas do mercado que vendia CDs e discos de música que não se costuma ouvir nos tops. De cada um dos lados da rua existem lojas mesmo muito giras em que só apetece comprar tudo. Desde lojas de roupa e acessórios vintage, livrarias independentes, lojas de arte e design, e cafés com um aspecto super convidativo para lá entrar com um livro e passar a tarde sentada a ler acompanhada de um daqueles cappuccinos cheios de espuma e muffins saborosos feitos no dia.

 

No centro da rua ficam duas fileiras de barraquinhas onde maioritariamente se vendia comida desde fruta e vegetais a empadas e comida saudável feita na hora, mas também com umas barraquinhas com livros, artesanato, acessórios e roupa.

 

Tudo com óptimo aspecto e um ambiente geral da rua muito agradável. Adorei! A parte menos favorável é que eu queria mesmo sentar-me num café para escrever um bocadinho, mas a maioria dos cafés estavam cheios ou quase cheios e eu queria um bocado de calma. Já estava a pensar ir a algum café mais afastado do mercado, mas foi logo ao atravessar a ponte do canal que me deparei com uma loja de bicicletas por onde me decidi ficar. Sim, leram bem, uma loja de bicicletas. É que lá dentro, metade do espaço era a tal loja de artigos de ciclismo, e a outra metade (se bem que os dois lados se fundiam um pouco com acessórios de bicicletas junto às primeiras mesas) era um café com mesas de madeira e umas janelas muito longas viradas directamente para o canal. Chama-se Lock 7. Muito agradável mesmo. Adorei a minha descoberta.

 

Artista de rua no Broadway market

 

Para chegar ao Broadway Market podem andar cerca de 30-40 minutos desde Liverpool Street, ou então apanham um autocarro na direcção de Hackney Central, e ao passarem por hackney Road, junto à paragem do Haggerston Park, saiam do autocarro e percorram o resto a pé. Melhor ainda é aproveitarem já que estão em Haggerston Park e visitem a Hackney City Farm (mais outra descoberta que fiz nesse sábado). Tal como o nome indica essa é nada mais nada menos do que uma quinta, e qualquer pessoa pode lá entrar e ver os animais - porcos, galinhas, coelhos e outros quantos animais variados. É sem dúvida um bom local para se visitar principalmente para quem tiver crianças, visto que aquela quinta estava cheia de famílias com a criançada toda divertida ao ver os animais ali ao vivo e a cores, bem no centro da cidade de Londres. Passando pelo lado direito do Haggerston park, pela Goldsmith's Row vão ter directamente ao Broadway Market.

 

Notem que o dia de mercado é ao sábado entre as 9h e as 17h. Podem visitar o site do Broadway Market aqui.

Fim-de-semana em Oxfordshire

A meio da tarde de hoje, quando andava pela relva, fechei os olhos e a sensação que tive era tal e qual como a sensação que tenho cada vez que estou de férias de verão em Portugal. O cheiro da relva cortada, o calor a abraçar-me o corpo e o sol a brilhar-me na cara só me faziam lembrar Agosto em Portugal. E que bem que me soube...

 

Foi o fim-de-semana mais quente de 2010 até agora por terras de Sua Majestade, com os termómetros a atingir os 27ºC o que, por cá, é bastante, e eu passei-o muito bem na zona campestre de Oxfordshire.

 

Parti de Londres na sexta-feira após o trabalho para acordar numa característica aldeia de Oxfordshire no sábado de manhã. Esperava-me um longo passeio de 8 horas e 15milhas (ou por outras palavras, 24 kilómetros) por entre campos e pastagens, montes e vales da zona rural adjacente a esta aldeia. Já tinha feito este género de longos passeios campestres, cujos percursos são indicados em livros de "hiking", antes e, das vezes anteriores havia sempre um pub incluído algures a meio do percurso, para poder retomar energias. Infelizmente, esse não foi o caso do percurso indicado no livro desta vez. Como tal, e apenas preparados para o passeio com garrafas de água, a necessidade de encontrar um pub a meio do percurso tornava-se cada vez maior. Passámos por 4 pequenas terras ou aldeias (se é que se podem chamar aldeias a localidades com meia dúzia de casas). Ora e toda a gente sabe que, em qualquer localidade por mais pequena que seja, existe sempre um pub. Infelizmente desta vez isso não aconteceu, e ficava surpreendida em cada terra onde chegava ao saber que pub era algo que não existia por lá. Enfim, tivemos mesmo que esperar para terminar o percurso, no fim do dia, para poder voltar à aldeia onde estavamos instalados e ir ao pub local. Assim fizemos. Ao aproximar-me desse pub, já por volta das 19:30h e, ao avistar a sua grande placa a indicar "good food", eu não podia ter ficado mais contente por ter encontrado um pub. Só não contava era que aquele pub afinal, já tinha encerrado o seu negócio. Inacreditável! Parecia que estavamos destinados a não encontrar pub nenhum. Caminhamos assim novamente para a terra seguinte, onde finalmente, conseguimos encontrar um bonito pub que nos serviu a bem merecida cidra fresquinha e comida deliciosa.

 

Campo em Oxfordshire
 
Vaquinhas aproximam-se

 

Bonito riacho em Glympton

 

Já hoje o dia foi passado também em passeio, mas pelo Blenheim Palace e os seus majestosos jardins. Este parque é sem dúvida nenhuma fabuloso, simplesmente lindo, onde apatece passear durante horas sem fim. O palácio em si, por dentro é muito bonito e só pela sua biblioteca e história do Winston Churchill, que nasceu lá, já vale a pena a entrada. Nos relvados junto ao palácio hoje estava também uma exposição de carros antigos, com algumas verdadeiras pérolas ali apresentadas. Mas sinceramente, o melhor de tudo na minha opinião foram mesmo a zona dos jardins e do parque. Como se extendem por longos percursos, infelizmente acabou por passar o tempo e não tive a oportunidade de ver nem metade de tudo o que há para ver naqueles jardins. De qualquer forma, tudo o que vi já fez com que achasse estes, uns dos parques e jardins mais admiráveis que já vi no Reino Unido.

 

Exposição de automóveis antigos em Blenheim Palace

 

A avistar a ponte no parque de Blenheim Palace

 

Blenheim Palace

 

Para lá chegar, nada melhor que irem de carro. No entanto, caso tal não seja possível, existe a alternativa de apanharem o comboio até Oxford e, daí um autocarro até à bonita aldeia de Woodstock, onde fica localizado este magnifico palácio.

E retomo à Bretanha

Já tinha falado um pouco sobre a minha última viagem à Bretanha num post anterior mas ainda não tinha deixado aqui umas fotos e, sinceramente, acho que valem muito a pena deixar. A Bretanha tem sítios lindos e, no último dia da viagem fui a Dinan que é uma vila medieval bem bonita e que, sem dúvida, vale a pena visitar. Dinan é a combinação de localidades maiores e mais turísticas da Bretanha como Rennes, onde tinha estado no ano passado, mas não tão pequena quanto a localidade de Combourg da qual também tinha falado no post do ano passado. Dinan é simplesmente o sítio perfeito a visitar num fim-de-semana, para quem vem de Londres e quer sentir-se no campo, mas, ao mesmo tempo, ter algo de diferente e interessante para visitar. Fica apenas a 20 minutos de carro do aeroporto de Dinard, o qual, por sua vez, fica apenas a 1:30h do aeroporto de Stansted, se tanto. Fácil de lá chegar, tão "perto" de Londres e, mesmo assim com características tão diferentes da capital Britânica. A vila em si é um encanto, com pequenas ruas que serpenteam pela cidade, acompanhadas de edifícios de ar medieval, cafés e "crêperies" com carácter simpático e, uma zona junto a um pequeno rio que só faz com que apeteça ficar por lá a passear o dia todo.

Muito bonita esta localidade e, parece-me uma óptima opção para quem quer ir passar um fim-de-semana romântico fora de Londres. Fica a sugestão e as fotos para abrir o apetite.

 

No centro de Dinan

 

 

Junto ao castelo de Dinan

 

Porto de Dinan

Fim-de-semana prolongado

Os meus planos para este fim-de-semana passado (que foi prolongado já que tivemos feriado na segunda-feira), tendo em conta que tinha acabado de chegar de férias, eram mesmo descansar ao máximo, tratar de fazer limpezas, limpar e arrumar roupa e passar muito tempo em frente da TV ou a ler. Consegui a proeza de passar o fim-de-semana prolongado a fazer só isso? Claro que não!

Acho que devo ter qualquer bichinho cá dentro que não me deixa estar parada um segundo. Quer dizer, no sábado durante o dia ainda consegui fazer as coisas que tinha planeado para o fim-de-semana, mas nessa noite houve um "Botellon" junto ao London Eye, por isso não podia faltar. Para quem não sabe o que é um Botellon, basicamente é um hábito Espanhol em que as pessoas costumam levar bebidas para a rua durante a noite e passar lá a noite na conversa ao ar-livre. E assim fiz. Passaram-se bem aquelas horinhas a relaxar na relva dos jardins em frente ao London Eye na conversa. Só foi pena o frio de rachar que se fazia sentir e que não me deixou estar por ali tanto tempo quanto queria, mas mesmo assim foi um tempinho muito bem passado. Acho sempre interessantes estes botellons em que passo metade do tempo a dar-lhe no Espanhol (ou Portunhol) e a conhecer novas pessoas que se juntavam ao botellon.

 

 

Domingo foi dia de carnaval! Novamente o Carnaval de Nothing Hill saiu às ruas e, como adoro o ambiente dos Sound Systems (zonas onde se encontram os DJs num palco e a multidão dança na rua ao som dos mesmos) queria mesmo ir. Afinal, o carnaval é só uma vez ao ano por isso há que aproveitar. Desta vez fiquei ainda mais decepcionada com o desfile porque este ano estava de facto muito fraquinho, pelo menos no domingo (na segunda-feira já não fui), mas os sound systems continuavam ao rubro como sempre. Muito bom. Só o que não foi bom foi o tempo que tive que ficar na fila para conseguir ir à casa de banho no carnaval. É mesmo de loucos como as filas para as casas de banho femininas se estendem prolongadamente ao contrário das dos homens que quase nunca têm ninguém.  1hora que eu tive que ficar na fila!!!! E não, não podia ter ido à dos homens que estava lá um segurança que não deixava. Tudo bem, eu também devo ter escolhido um mau pub, mas mesmo assim,... 1 hora!!! Enfim, digamos que o ideal talvez seja mesmo ir ao carnaval sem beber nada para evitar essas idas à casa de banho

 

 

 

No final do dia de carnaval estava bem cansada mas como nessa noite era a festa de aniversário da Cromossoma X claro que não podia faltar. Era para só lá ter ido passar, dar um beijinho e estar por lá um bocadinho, mas a conversa estava tão boa que fui ficando e quando olhei para o relógio tinha acabado de perder o último metro para casa. Acabei por ir nesse momento para casa, mas sem o metro, que perdi por minutos, acabou por me demorar mais de 1 hora a chegar a casa com as esperas pelos autocarros nocturnos que, para variar, parece que nunca chegam.

 

Domingo acordei para um dia lindo de sol e calor (o que é de estranhar), logo também não podia ficar fechada em casa que os dias de sol e calor em Londres são escassos. Assim sendo aproveitei para ir dar um passeio à zona de Barnes e Putney com o meu flatmate e acabámos o dia no jardim da casa de uns amigos que nos tinham convidado para lá ir aproveitar os últimos raios quentes de sol do ano com eles.

 

Sem dúvida foi um fim-de-semana prolongado bem preenchido e não deu para todo o tal descanso que eu bem queria, mas soube-me tão bem estes passeiozinhos que não os teria trocado por nenhumas horas de sono. Infelizmente a partir de agora, fins-de-semana prolongados só mesmo no Natal, por isso, lá é tempo de voltar ao ritmo normal do dia-a-dia.

 

P.S. - Ahhh, e mal podia acreditar, é mesmo quase inacreditável, mas eu hoje vi-o outra vez!! Agora está a trabalhar num café perto da estação de metro.