Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tuga em Londres

A vida de uma Lisboeta recentemente Londrina.

Ideias de jogos e entretenimento para as video-conferências

Com tantas conversas de Zoom, Skype, Webex, Houseparty, Video Messenger e afins que estão a decorrer durante este lockdown, concerteza que muitos de vocês também já se dedicaram a participar em jogos para fazer a interação das conversas mais divertidas, e para dar uma razão adicional para se encontrarem com a família e os amigos mais frequentemente através de video-conferência. 

 

Se, como eu, também, andam a pesquisar por ideias de jogos fáceis e divertidos a fazer no vosso próximo Zoom, passo a deixar aqui as ideias de jogos que já fiz que achei mais divertidos:

 

  • Caça de material em casa - Isto envolve que o organizador vos indique o nome de um objecto que, um participante por casa deve ir buscar algures em casa, e as três pessoas que voltarem junto à câmara com o tal objecto na mão primeiro ganham pontos (a primeira a chegar com o objecto ganha 3 pontos, a segunda, 2 pontos e a terceira, 1 ponto). Os objectos em questão devem ser coisas que geralmente as pessoas têm em casa. Por exemplo, 'vão buscar uma tesoura' ou 'um rolo de papel higiénico'. É engraçado ver as pessoas nas respectivas casas a correrem para ir buscar cada um dos objectos o mais depressa possível. Também podem adicionar variantes que não envolvam a rapidez, tais como 'vão buscar o objecto de cozinha que achem mais original' ou 'vão buscar a garrafa de bebida alcoólica mais estranha que tenham em casa', e o organizador decide o vencedor nesses casos. No final contam os pontos e ganha quem tiver mais pontos. Ao escrever a descrição até parece complicado, mas acreditem que é mesmo muito divertido!
  • Guess the emoji - O organizador envia pela chat um conjunto de emojis que representem um certo tema, e os participantes têm 5 ou 10 segundos (dependendo da dificuldade) para decifrar o que os emojis representam. Escrevem as respostas num papel, e no fim recebem um ponto por cada resposta correcta. Podem encontrar muitos exemplos se pesquisarem por 'guess the emoji' no Pinterest. Por exemplo, os emojis em baixo representam nomes de estações de metro e de comboio de Londres. Conseguem descobrir os nomes das estações?

Screenshot 2020-05-01 at 14.27.46.png

  • Adivinhem quem é? Colocam um post-it na testa com o nome de uma celebridade ou animal ou outro tema que queiram, e têm que adivinhar que nome é, baseado em perguntas de resposta 'sim' ou 'não' que façam às outras pessoas do grupo para tentar adivinhar o nome que têm na testa. Podem fazer este jogo 'à mão' se tiverem mais que uma pessoa em casa que vos escreva o nome no papel sem verem, ou se estiverem sozinhos, podem fazer o download do app 'Heads Up' disponível na Apple ou Android, e colocam o telemóvel na testa até aparecer o nome para as outras pessoas do zoom (claro que têm que ter a certeza de que não se podem ver a vocês próprios no zoom).
  • Festa de culinária: Decidem qual o prato que vão fazer antecipadamente para que todos tenham os ingredientes necessários, e um de vocês vai indicando o passo-a-passo da preparação do prato. Depois quanto estiver o prato preparado, sentam-se em frente ao computador e comem 'juntos'. 
  • Book Club: Este não é propriamente um jogo, mas também serve como uma boa desculpa para se encontrarem - escolhem um livro antecipadamente (geralmente um mês ou duas semanas antes, dependendo da vossa rapidez de leitura) e discutem a vossa opinião sobre o livro durante a video conferência.
  • Netflix party: E uma alternativa às video conferências, é verem um filme juntos. A Netflix, através da aplicação Netflixparty permite que várias pessoas estejam a ver o mesmo filme em simultâneo, enquanto vão fazendo comentários numa barra lateral. É ideal para filmes que sejam altamente divertidos e um bocado parvos. Eu vi o Blades of Glory numa Netflix party e os comentários que íamos tendo ao longo do filme eram por vezes mais hilariantes que o próprio filme.

 

Com um grupo de amigos, começamos a fazer um 'pub quiz' à 3 semanas, e este fim-de-semana vai ser a minha vez de organizar as questões. Como notei que são geralmente as mesmas pessoas que têm melhores resultados, achei por bem fazer um pub quiz um pouco diferente, que não seja só há base de perguntas do tipo - 'quem é o cantor e qual o nome desta música' ou quem foi o actor principal deste filme, etc. Há certas pessoas que se lembram dos nomes de tudo e mais alguma coisa, e outras que são mais visuais ou têm memória curta, portanto, para diversificar um pouco tenho estado a pensar fazer as seguintes categorias de perguntas:

  • Plantas - apresento as imagens de várias plantas e flores conhecidas tais como salsa, gerânios, etc. e peço que indiquem os respectivos nomes.
  • Arte - Vou apresentar-lhes a imagem do quadro 'The Scream' e peço-lhes que façam a sua versão interpretativa desse mesmo quadro durante 5 minutos. Depois peço a todos que dêm entre 1 a 5 pontos aos quadros dos outros participantes. 
  • Covid-19 - vou apresentar algumas palavras inventadas relacionadas com o virus, por exemplo 'quarantini'; 'Sauvignon Furlough'; Covidiot; etc. e peço que me escrevam a descrição mais engraçada que essa palavra represente. Depois peço a todos a votarem nas melhores (nunca podem votar em si próprios para ser justo).
  • Marcas - em que as questões se referem a marcas que fizeram algo muito memorável ao longo dos anos, por exemplo, perguntar o nome do jogo de realidade aumentada que tomou conta das ruas de Londres em 2016  - foi o Pokemon Go
  • Fotografia - Vou apresentar fotos de locais onde tenhamos estado juntos e peço que indiquem o lugar. Quem enviar a resposta certa por mensagem mais rapidamente, ganha essa ronda. 

 

Para já foram essas as ideias que tive. Mas gostava ainda de ter pelo menos mais uma ou duas rondas. Têm alguma sugestão de outras perguntas/jogos que possa adicionar ao meu 'Not your usual pub quiz' quiz? Agradecia as vossas ideias! Tenho até Domingo à tarde para fazer o jogo. 

O meu jardim da varanda

Nas Stories da @tugaemlondres no Instagram de hoje (dia 23 - só duram 24horas) aproveitei para apresentar o meu pequeno jardim da varanda que me tem dado alguma alegria. Todos os anos, por início da primavera, costumo ir compras novas plantas que necessitem de substituição no Columbia Road Market, também conhecido como o Mercado das Flores, localizado na zona entre Bethnal Green e Shoreditch. Adoro passear por aquele mercado cheio de flores, escolher as mais coloridas, e passar a tarde em plantações e organização dos potes para ficar com a varanda o mais verdejante e colorida possível. 

 

Não queria deixar de fazer o mesmo este ano, só que, claro que com o coronavirus, este ano não há mercado para ninguém. A minha sogra ofereceu-nos um Loureiro este ano através da Patch Plants, e eu sei que têm flores e plantas excelentes, mas, para as restantes flores que queria comprar, queria manter os custos reduzidos e a Patch não vende propriamente a preços que encontraria no mercado. Então, acabei por comprar umas no Sainsbury's, para dar côr à varanda, e limpei todas as outras plantas que tinham sobrevivido ao inverno. Espero que, sem as folhas secas, tenham espaço para novos ramos, e as flores cresçam com força. A ver vamos. Para já está simples, mas está bonito, e como agora tenho passado muitas tardes na varanda, sabe bem, ter um espaço à nossa volta que nos inspire e nos faça sorrir. 

 

Entretanto, também já descobri que um dos vendedores da Columbia Road, criou uma nova página de facebook para poder vender as flores e plantas online, portanto acho que ainda vou tentar comprar mais umas coloridas através dele. Para quem estiver interessado encontram-no no Facebook como Roman Road Plants

 

Nos anos anteriores

jardim1.JPG

jardim2.JPG

Este ano

jardim3.jpg

Os benefícios da quarentena

Sim, leram bem - benefícios. Isto afinal não pode ser só negatividade e 2020 não tem que ser um ano totalmente para esquecer. Quando comecei a pensar no assunto, até que encontrei vários. Ora vejam lá se não são coisas boas:

 

  • Andar de leggings e t-shirt o dia todo, todos os dias - ou pode ser o pijama, o fato de treino, o que quiserem, o importante é que não precisam de perder tempo a pensar no que vão vestir todas as manhãs (OK, se tiverem uma vídeo-conferência com o trabalho convém mudar a parte de cima para algo mais apresentável, que geralmente não é considerado muito profissional ir para reuniões com uma t-shirt do Winnie-the-Pooh.
  • Ter muito menos roupa para lavar - logo não tenho que estar sempre a ver roupa a secar que era uma chatice, e a parte melhor disto tudo é que a roupa que efectivamente lavo, não precisa de ser passada a ferro, e mesmo que precise,... quero lá saber!
  • Não ter que fazer maquiagem todos os dias que a nossa pele até agradece que já há anos que não tinha os poros tão limpos como agora. Se bem que, tenho que confessar que comecei a colocar só um bocadinho de rimel nos olhos quando vou à loja, para ter a sensação de que vou a algum sítio especial. E de certeza que a senhora do offlicense até agradece o esforço por não lhe aparecer com o aspecto de quem acabou de sair da cama. 
  • Não ter FOMO por todas as festas que estão a perder - não existem festas nenhumas portanto ninguém está a perder nada. Literalmente o único FOMO que podem ter é de saber que o amigo já conseguiu ver mais séries do Netflix que vocês.
  • Verem todas as séries e filmes que tinham na lista à anos e finalmente terem uma razão para começar a ver todos os outros filmes mais sinistros que não vos atraía nada, mas quem sabe, até podem encontrar umas pérolas por lá. 
  • Poupam imenso tempo por não ter que viajar todos os dias para o trabalho, que podem dedicar a ver mais séries no Netflix.
  • Não têm que lidar com o cheiro de suor do suvaco das pessoas mais altas que insistem aparecer sempre no metro em hora de ponta. 
  • Com tanta refeição em casa aprendem a cozinhar novas refeições - ou será que isso é mais negativo que positivo? Afinal, significa que estamos sempre a cozinhar e não podemos ir a nenhum restaurante bom. - É melhor não pensar nisso. Esqueçam esta. 
  • Com o tempo todo extra que têm podem utilizá-lo também para aprender coisas novas - como fazer um curso, começar a vossa própria empresa, aprender uma língua,... ou então não aprendem nada e utilizam antes o tempo para ficar de papo para o ar a apanhar o sol da varanda sem fazer nenhum, que sabe melhor ainda. Isso, ou vêm mais Netflix. 

 

E foram esses o benefícios de que me lembrei. Se já tiverem encontrado mais, indiquem, que o que precisamos hoje em dia é de coisas positivas 

Cada vez mais isolados e cada vez mais próximos

A cada semana que passa, novas medidas têm sido colocadas em prática para reforçar a necessidade de que as pessoas fiquem em casa, tal como fechar o acesso a parques e locais que geralmente atraem grande quantidade de pessoas. E com todo este tempo que estamos em casa, alguns sozinhos, outros acompanhados por familiares, amigos ou meros colegas de casa, tem-se tornado muito mais importante manter o contacto com aqueles que são importantes para nós mas com quem não nos podemos encontrar pessoalmente. 

Os grupos de WhatsApp nunca tiveram tão activos em  simultâneo, e como o isolamento afectou o trabalho de muitas pessoas, existe sempre alguém disponível para continuar a conversa nos grupos de WhatsApp, logo, basta deixar de olhar para o telefone durante uma hora, para ter cerca de 50 mensagens por ler. É a forma que encontramos para estar constantemente em contacto com os amigos e família de forma imediata, e que estamos a utilizar para partilhar tudo o que é gifs e memes engraçados relacionados com o coronavirus que nos mantêm entretidos.

 

E claro que queremos encontrar-nos com amigos apesar de não podermos estar com eles fisicamente, portanto, é aí que entram as plataformas de vídeo conferência como o Zoom, o Skype ou semelhante. Com essas plataformas, de forma geral já temos que ser mais organizados, e planear uma certa hora a que seja bom para todos se encontrarem disponíveis online para fazermos uma vídeo conferência. No meu caso, e ao que parece, o caso de muitas pessoas, temos organizado 'Bebidas no pub' todas as sextas e sábados à noite com alguns grupos de amigos diferentes e outros repetidos; e depois ainda organizamos mais uma ou outra chamada no zoom assim a meio da semana porque o fim-de-semana já está cheio de chamadas. Oram são 'bebidas no pub', ou 'beber o café', ou 'jantar juntos' ou até cozinhar juntos que vou experimentar pela primeira vez para a próxima semana; sabe bem encontrarmos estas razões para os encontros virtuais tais como se fossem encontros ao vivo.

 

E depois temos também aplicações como o House Party que serve como uma espécie de plataforma entre o whatsapp e o zoom, que permite tal como o whatsapp, ter uma iteração mais imediata com quem estiver activo na plataforma, mas também permite um nível de entretenimento maior com os jogos e outras brincadeiras que estão incluídos nesta plataforma.

 

O que é engraçado é que, entre estas chamadas todas, e contacto por mensagem, reparei que tenho tido mais comunicação com amigos e familiares nas últimas 2 semanas, do que teria no dia-a-dia normal. Algumas das pessoas com quem geralmente só falo de tantos em tantos meses, de repente, estou a falar com elas quase diariamente. Grupos de amigos com quem, geralmente é difícil encontrar uma data para nos encontrarmos em pessoa, agora é facílimo, e nem nunca tinha feito uma vídeo conferência com tantas pessoas da família ao mesmo tempo, quanto a que fiz no fim-de-semana passado. 

 

Diria que as desvantagens destas plataformas, especialmente as vídeo conferências é que, apesar de serem bons substitutos para um encontro em pessoa, durante a situação actual, não acho que, quando voltarmos à vida social que tínhamos dantes, continuarão a ser utilizados da mesma forma porque a interacção que se tem num 'pub virtual' é bastante diferente da iteração que se tem num pub real. Em vídeo conferência, cada um tem que falar de cada vez, porque senão ninguém se entende. Todos temos que estar na mesma conversa, o que não aconteceria numa situação de encontro pessoal, onde as pessoas começam conversas paralelas e a oportunidades para se estar juntos durante mais tempo são inúmeras. Enquanto que virtualmente, quando começa a parar a conversa, é geralmente sinal que é tempo de desligar, porque senão estamos todos apenas ali a olhar para um ecrã e isso é muito estranho. Logo, também o tempo que se está junto no ambiente virtual é mais reduzido do que num encontro na vida real. 

 

Mas devo dizer que apesar de todos os defeitos inevitáveis às conversas virtuais, sem dúvida que têm sido muito úteis e bem vindas durante estas semanas, e tenho estado a gostar da proximidade que elas me têm proporcionado, principalmente com as pessoas com quem não comunicava tão frequentemente antes disto tudo começar. 

 

Se quizerem partilhar a vossa opinião nos comentários, adorava também saber se estão a gostar das vossas experiências relativamente a toda esta comunicação virtual. 

zoom-chat.jpg

 

Ajudar quem precisa apoio durante a quarentena

Como não estou a trabalhar nesta altura, e não me encontro na categoria de pessoas com maior risco do Covid-19 tenho oferecido a minha ajuda como voluntária para quem estiver a precisar por não poder sair de casa ou precisar de falar com alguém. 

 

Neste momento ofereci a minha ajuda para dois grupos de voluntariado - o Covid-19 Mutual Aid grupo da minha zona local, que basicamente consiste em estarmos disponíveis para ajudar vizinhos. Existem grupos destes um pouco por todo o Reino Unido e podem encontrar o vosso grupo local na página do Covid-19 Mutual Aid UK

 

O segundo grupo a que ofereci ajuda é o grupo de voluntários de apoio ao NHS que também podem oferecer o mesmo tipo de ajuda através de uma aplicação que nos alerta para quando alguém na zona local precisar de alguma forma de ajuda - buscar compras, medicamentos ou fazer um telefonema a quem se sinta só ou apenas queira falar com alguém. Podem encontrar informação sobre oferecerem-se como voluntários no site da aplicação GoodSam. Ao oferecerem-se como voluntários para o NHS passam por verificações de identidade como medidas de segurança mas passado uns dias será dado o acesso à aplicação. Recebi acesso ontem e instalei hoje a aplicação. Basta colocar o meu perfil como disponível na aplicação e, quando alguém necessitar de ajuda irei receber um alerta através da aplicação mas até agora ainda não recebi alertas.

 

No entanto, tive a minha primeira experiência de voluntariado esta semana através do Covid-19 Mutual Aid grupo da minha zona local. Esse grupo funciona através do WhatsApp. Os voluntários do grupo espalharam vários panfletos em toda a zona local com o número que as pessoas devem ligar caso necessitem de apoio,  e o administrador do grupo que acede a esse número, passa a informação para o grupo de Whatsapp mais próximo da pessoa em questão (existe um só número para a zona toda local, mas vários pequenos grupos de whatsapp que cobrem as variadas ruas). Quem estiver nesse grupo e disponível no momento, oferece ajuda e o administrator passa os detalhes de contacto da pessoa que pediu auxílio. A partir desta semana começamos a receber pedidos de ajuda mais frequentes e para já ajudei um rapaz na minha rua que já está isolado à duas semanas por ter condições de saúde que o colocam na categoria de alto risco que precisava que alguém lhe fosse fazer umas compras ao supermercado.

 

Em termos de trocas de dinheiro, a situação mais eficiente é quando o voluntário se dispõe a pagar pelas compras e depois passa os detalhes bancários e recibo à pessoa que precisa de ajuda para lhe poder fazer uma transferência bancária. Claro que nem todos poderão facilmente fazer transferências bancárias online, mas para já, não houvi falar de qualquer problema relativamente a pagamentos de compras.

 

Ambos os grupos parecem muito bem organizados e, ao se basearem na nossa zona local também é uma forma de que os próprios voluntários se exponham o menos possível na rua. 

 

Achei boa ideia deixar aqui esta informação para quem também estiver interessado em se voluntariar ou em pedir ajuda, saber que existe forma de o fazer através da vossa comunidade local de forma a evitar os dias de espera pelas entregas dos supermercados e afins. 

mutual-aid-local-groups.png

Quantidade de grupos locais do Covid-19 Mutual Aid Group

Ainda dou em padeira

Eu posso estar sem trabalho e fechada em casa, mas aborrecida é uma coisa que não tenho estado. Lá tive um dia em baixo na semana passada, mas tal como costumo fazer noutra situação, começo a entreter-me com projectos diferentes e isso faz-me distrair e concentrar noutra coisas, e consequentemente, sentir-me melhor. 

 

Tenho seguido algumas das ideais sobre as quais escrevi por aqui e uma delas é que, agora como tenho o 'fermento de sourdough' (se alguém souber o que se chama em Português a um Sourdough Starter agradecia. Será que 'fermento de sourdough' está correcto?), para manter a cultura viva tenho que activá-lo pelo menos uma vez por semana. Por isso estou-me a dedicar a fazer produtos de padaria com ele durante os próximos tempos. 

 

No fim-de-semana passado, tinha feito pão e este fim-de-semana dediquei-me a fazer pão novamente e também aprendi a fazer brioche, que adoro! Ficaram todos bem e, o pão até ficou melhor desta segunda vez do que da primeira. Quanto mais se faz, mais se aprende como melhorar, claro está. 

 

Mas devo dizer que esta coisa de estar a aprender estas receitas, também me fez aperceber que apesar de gostar muito de brioche, se calhar devia não gostar assim tanto porque aquilo leva carradas de manteiga que nunca mais acaba. Digamos que não é propriamente o alimento mais saudável  OK, eu já sabia que esse tipo de pão doce leva muita manteiga, mas tem-se sempre uma perspectiva diferente entre comer algo que foi comprado já feito, e comer algo que fomos nós a fazer e sabemos exactamente os ingredientes que levou. É por essas e por outras que não se pode parar com o exercício durante estes dias que estamos de quarentena. 

 

Mas manteigas à parte devo concordar que esta coisa de fazer pão até que é bastante agradável. É interessante seguir os passos e ver como a forma como se amassa afecta o sabor do pão. É também entusiasmante olhar para a massa depois de umas horas de levedura e verificar que realmente cresceu! Acho que como passo sempre a vida num corrupio nem nunca tinha pensado na possibilidade de fazer pão por o considerar uma perca de tempo. Porque é que haveria de fazer pão quando a 15 minutos a pé de casa tenho acesso a 6 padarias excelentes (e de certeza que me estou a esquecer de mais algumas)? Mas esta situação em que estamos faz-nos colocar tudo em perspectiva - desde a forma como passamos o nosso tempo como a possibilidade de apreciar outras coisas novas. Nada como tentar aproveitar para ver o lado positivo que esta situação também nos possa trazer nem que seja a oportunidade para descobrirmos novos hobbies. 

 

Para a semana estou a ponderar entre utilizar o fermento de sourdough para fazer pizza ou para fazer Raviolis. Deixei agora na minha Story no Instagram a pergunta para lá poderem dar a opinião, mas se quiserem digam-me também nos comentários. Eu faço aquele que tiver mais votos e depois coloco os resultados no Instagram. 

 

Entretanto fica aqui o resultado dos brioches e pão de hoje 

 

m3J1vmfuQp2zPndtj6AV9g.jpg

62qlEIEeSxSp8AnF6T0gsA.jpg

 

O estado das nossas viagens estes dias

Avisa-se a todos os passageiros que devido a congestionamento nos canos pelo uso de tanto papel de cozinha em alternativa ao papel higiénico, a passagem pela 'bathroom' está interditada de momento. Aconselha-se a todos os passageiros vindos do 'couch' que desejam viajar até à 'toilet' que continuem até à 'chair', em vez de trocarem na 'living room'. E já que vão por esse lado, dêm um jeitinho e verifiquem se há algo na 'mailbox' se fazem favor. 

 

 
 
 
 
 
View this post on Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

How commuting should look like these days. I know not everyone can work from home though... #staysafe #stayhome

A post shared by Kera Till (@keratill) on

O Reino Unido toma medidas de Lockdown

O Primeiro-Ministro Britânico acabou de anunciar que o Reino Unido vai entrar quase em situação de 'lockdown' a partir de amanhã (não foi anunciada a proibição da entrada no país a partir do estrangeiro)! Todas as lojas não essenciais vão ter que fechar, todos os eventos sociais tais como casamentos vão ter que ser cancelados (os únicos permitidos a continuar são os funerais), e as pessoas apenas vão poder viajar para chegar a trabalhos de carácter essencial. Todas as restantes pessoas têm que se manter em casa excepto nas seguintes condições:

  • ir às lojas (supermercados, farmácias) ocasionalmente comprar bens essenciais
  • fazer exercício ao ar-livre o máximo de uma vez por dia
  • por motivos de saúde (visitas médicas, cuidar de pessoas acamadas etc.)
  • viajar para trabalho em caso de trabalhos essenciais

 

E o Primeiro-Ministro também avisou que a polícia tem o direito de colocar multas a quem não cumprir com estas regras. 

 

Parece-me que estas medidas tiveram que ser essenciais após a publicação de imensas fotos aparecerem nas redes sociais este fim-de-semana de agrupamentos de pessoas um pouco por todo o lado. As pessoas não estavam a cumprir com a distância social de 2 metros e isso fez com o governo tivesse que tomar também estas medidas mais extremas. Era o que estávamos a precisar, mas fico mesmo com uma sensaçāo de alívio pelo exercício ao ar-livre continuar a ser permitido. Espero que agora cumpram com as regras para o governo não nos tirar também esse benefício que para muitos de nós é tão essencial ao bem-estar. Mas os Britânicos, de forma geral, cumprem com as regras, por isso acho que vão cumprir com estas medidas a partir de agora. 

 

fullsizeoutput_4a4e.jpeg

Este fim-de-semana em Victoria Park, Hackney

 

 

Estamos a exagerar com o Coronavirus?

Como estive uns diazinhos nesta coisa de vai-não-vai da lua-de-mel com escapadela no sul de Inglaterra, sinto que estive um pouco à parte dos desenvolvimentos do coronavirus durante esse período de tempo, e ao voltar a Londres, parece que tudo caiu em cima de repente, relativamente à preocupação e prevenção do coronavirus.  

 

Chegámos a Londres através da estação de Victoria e apanhámos o metro para voltar para casa. Ali, comecei logo a sentir as primeiras diferenças, mas mais diferenças ainda presenciei eu ou contaram-me amigos, apenas nestes 3 dias que tenho estado de volta :

 

No metro: Não estava tão cheio como é habitual àquela hora quando as pessoas começam a sair do trabalho, e a maioria das pessoas que se encontrava em pé, estavam encostadas às paredes do metro, em vez de se agarrarem aos postes.

 

No museu: Entrou um pó qualquer para garganta duma amiga e ela tossiu. Uma senhora de mais idade olha para ela repentinamente, faz um som de desagrado e abana a cabeça com ar de desdenho, como se estivesse a dizer que ela não devia estar ali.

 

No táxi/Uber: Uma amiga deu um espirro e o condutor do Uber disse-lhe que tinha que sair do carro. Ela explicou que é do perfume que ela colocou naquele dia, que já há muito que não o utilizava e quando deu aquele espirro, lembrou-se o porquê. Ela estava a enviar-me a mensagem sobre o que estava a acontecer, no momento em que acontecia, e disse-me que tinha outra vez vontade de espirrar mas que se estava a esforçar para controlar porque já estava atrasada para uma reunião e não teria tempo para encontrar outro táxi se ele a tirasse do carro. - Mas espirrou. - Disse que o condutor fez uns sons de desagrado e deu-lhe um bocado no acelerador mas não a mandou para fora do carro. Felizmente ela conseguiu não voltar a espirrar. Mas entenda-se que espirrar nem sequer é um dos sintomas de quem tem o Covid-19. 

 

Na padaria: Ontem fui correr de manhã para o parque, e finalizei a corrida numa padaria para comprar o pão para o pequeno-almoço. Como é habitual quando termino as minhas corridas ao ar-livre, principalmente quando está frio, tendo a tossir e espirrar. E foi exactamente quando cheguei à padaria que essa sensação começou. A padaria estava cheia de pessoas, inclusive com mães e bebés. Eu sabia perfeitamente que aquela vontade era resultado do final da corrida ao ar frio, mas as pessoas que ali estavam não sabem disso, e o facto é que com a actual sensação de medo do vírus, eu não queria tossir nem espirrar naquele ambiente social, em frente de todas aquelas pessoas. Felizmente consegui conter-me, mas isto só demonstra a situação em que nos encontramos. 

 

No trabalho: Ontem, sexta-feira, foi o dia em que uma grande quantidade de amigos disseram que tinham ficado a trabalhar de casa e a maioria das empresas que conseguem ter os empregados a trabalhar de casa fizeram-no. O meu Inglês também ficou a trabalhar de casa o que é uma situação nunca antes vista na empresa dele por ter um standard de segurança tão forte que nunca antes tinham deixado os trabalhadores aceder à rede interna remotamente. 

 

Na procura de trabalho: Ontem também fui informada que uma entrevista importante que tinha marcada para a semana foi adiada sem nova data prevista devido ao facto de todos dessa empresa também estarem a trabalhar a partir de casa até a situação se acalmar. 

 

Nos eventos: Tinha 4 eventos relacionados com o meu desenvolvimento pessoal e profissional marcados para as próximas duas semanas e também todos eles foram cancelados. 

 

Nos encontros sociais: Tenho a festa de aniversário surpresa do meu Inglês marcada para a próxima sexta-feira. Acho que o facto de ela poder continuar a ser realizada vai depender se o pub em questão estiver aberto, se a vontade dos amigos assim se mantiver, e se não estivermos todos em quarentena em casa. 

ze-povinho-covid19-tugaemlondres.jpg

 

De forma geral, já são muitos os governos de vários países da Europa que colocaram restrições relativas à quarentena dos indivíduos e negócios neste momento. O Reino Unido ainda não tomou tais restrições, mas o público já lançou uma petição para pedir ao governo para fazer essas restrições tal como nos outros países. Claro que não será bom para o país estar parado durante 1 semana ou mais, mas também pode ser pior se deixarmos que o vírus se espalhe e isto afecte muitos mais negócios, eventos e a vida de forma geral durante muito mais tempo. 

 

Cuidem de vocês e dos vossos mas só peço que não me acabem com o papel higiénico nos supermercados que só tenho mais um rolo em casa e ontem não consegui encontrar em lado nenhum à venda. Vou ter que voltar 'à caça' hoje.