Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tuga em Londres

A vida de uma Lisboeta recentemente Londrina.

Preparações para o casamento - Parte II

Este fim-de-semana fui a Lisboa tratar dumas coisas para o casamento numa visita que não demorou nem 24 horas. Nem tinha bem reparado que ía tão de fugida até os meus pais fazerem mencionarem o assunto  Mas enfim, por vezes tem que ser. Então, assim que cheguei ao aeroporto, fui deixar o noivo para ir almoçar no Campo Pequeno, enquanto fui fazer a minha primeira prova do vestido.

 

O pequeno problema é que me tinham deixado o vestido apertadíssimo. Das duas uma - ou pensavam que eu precisava de emagrecer um bocadão até à data do casamento, ou tiraram mal as medidas, que aquilo estava tão apertado que até me saltou um botão 

 

Com as medidas voltadas a tirar, só me resta esperar que para a próxima prova, em Junho, a coisa já esteja certa. 

 

Em seguida foi a vez da visita à quinta, que o noivo ainda não tinha visto. Stress! Mas ele gostou muito e eu também até gostei mais de a ver desta vez do que da primeira vez que lá tinha ido. O que a visita me fez aperceber é que ainda tenho muitas mais coisas para tratar do que aquilo com que estava a contar. Mas nesse sentido, ainda bem que fui lá já em Março para não ter que deixar a coisa tudo muito para a última da hora. 

 

Agora uma parte que estou a achar um pouco mais complicada de decidir/saber bem o que fazer, do que o que inicialmente pensei, é a cerimónia em si. Nós vamos fazer uma cerimónia simbólica de casamento, e vai ser um amigo que nos vai ajudar a liderar a cerimónia, mas tenho conseguido encontrar menos informação sobre o que fazer/o que dizer do que aquilo que estava à espera. Encontro várias ideias de partes para a cerimónia, mas o passo a passo do que fazer em ordem e ideias sobre os textos a utilizar, está a ser mais complicado. Se alguém tiver feito ou visto alguma cerimónia do estilo, adorava saber como foi. 

 

via GIPHY

Preparações para o casamento - Parte I

Como tinha indicado no meu post do ano 2018 em revista, este ano vou-me casar. O sortudo é um Inglês que era meu vizinho quando eu morava na casa anterior, mas que conheci através do Happn. Para quem não conhece, este é um desses dating apps que andam por aí, cuja diferença principal entre os outros é o facto de se basear em localização, ou seja, só aparecem pessoas no app com quem se cruzem na rua ou que vivem ou trabalham perto de vocês. Não só éramos vizinhos, mas íamos frequentemente ao mesmo pub, aos mesmos cafés, aos mesmos bares ali da zona, mas nunca antes o tinha visto. Uma das desvantagens de se viver numa cidade grande, portanto, muito obrigada Happn por nos teres juntado!

 

'Fast forward' 3 anos, e agora estamos a preparar o momento em que efectuamos o compromisso em frente de amigos e família próximos de que queremos ter um futuro juntos. Quando começámos a falar no assunto eu sugeri logo que deveríamos casar-nos em Portugal. Ele ainda hesitou um bocadinho pensando no facto de que teríamos mais pessoas vindas do Reino Unido do que de Portugal mas facilmente o convenci - a festa de casamento é muito mais barata em Portugal, a temperatura é muito melhor e a grande maioria dos nossos amigos e a família dele até que iam apreciar ir passar umas férias a Portugal. 

 

Os meus locais preferidos para o casamento eram Sintra ou Lisboa. Sintra porque eu vivi a minha infância no Concelho de Sintra e passei por lá muitos bons momentos. Ia para a Serra de Sintra com a família passear, ia para as praias de Sintra no verão, ia à vila comer travesseiros quentinhos no inverno, e quando os amigos começaram a ter carta de condução, era para Sintra que íamos à noite. Sintra, no entanto, tem a desvantagem de ter uma temperatura incerta e de estar complicada hoje em dia para se lá passar de carro com o seu novo sistema de trânsito apenas num sentido no centro da vila. Por isso, e pela facilidade de acesso achei que talvez Lisboa fosse a melhor opção, mas o facto é que é altamente complicado encontrar bons locais para fazer o casamento dentro da cidade. Não há quintas espaçosas para o efeito. Há jardins como a Estufa Fria, há grandes restaurantes e hotéis, mas acho que lhes falta carácter, ou então, sítios bonitos como a Estufa Fria são caríssimos. Em termos de espaços para casamento em Lisboa acabei por ponderar as Portas do Sol, o Espaço da Tapada e o Pateo Alfacinha, mas todos faltaram em alguns aspectos daquilo que pretendia. Pesquisei também pela linha do Estoril mas não encontrei nenhum local que achasse que valia a pena ir visitar. Sintra, para mim era mesmo o ideal, mas mesmo em Sintra estava a ser difícil. Havia sempre alguma coisa que estava errada com a quinta - ou estava perto de uma estrada barulhenta, ou a festa seria realizada numa marquee e eu preferia dentro de um edifício, ou a acessibilidade era muito má, etc., etc. Havia sempre alguma coisa. Eventualmente foi o meu noivo que acabou por escolher visto que eu não me conseguia decidir. E ele escolheu apenas através das fotografias porque ele não pôde ir a Portugal na altura que eu fui fazer as visitas. Mas por vezes é bom ter uma pessoa que tenha uma visão mais imparcial baseada nos factos, vantagens e desvantagens, e que consiga considerar as coisas mais importantes. E quando ele me ajudou a olhar para as opções dessa forma, concordei que essa seria sem dúvida a melhor escolha. A quinta escolhida fica numa das encostas da Serra de Sintra e só teremos que organizar um autocarro para levar os convidados à quinta. Organizei um desconto com duas pensões em Sintra para que a maioria dos convidados possa estar juntos e ser agradável de nos encontrarmos com eles se possível, no dia anterior e seguinte ao casamento. 

 

Entretanto quando fui a Lisboa no Natal também consegui encontrar o meu vestido de noiva na Princesa de Sonho que é uma loja em Lisboa, onde a fundadora já tem esta loja há mais de 30 anos e ela própria desenha alguns dos vestidos que vende na loja. Por acaso, nessa altura, já tinha desistido da hipótese de conseguir comprar um vestido desenhado por uma estilista Portuguesa, por ter encontrado tão poucos ou serem demasiado caros, por isso foi uma óptima surpresa quando descobri que aquele vestido que experimentei e adorei, era da linha desenhado pela senhora da casa. 

 

Portanto, já tenho quinta, já tenho vestido, espero já ter fotógrafos (falta finalizar detalhes), e agora uma parte importante que me falta ainda e que devia marcar o quanto antes é a música. E encontrar uma banda com as características que pretendo está a ser mais difícil do que aquilo que esperava, por isso queria perguntar se alguém tem recomendações de músicos - ou uma banda com instrumentos de jazz tipo trompete, bateria, guitarra que possibilitem tocar música animada e conhecida em Português e Inglês tipo Stevie wonder, Metro Station, Rolling Stones, Amy Winehouse, etc. ou um DJ que no seu repertório tenha alguns clássicos de casamento tipo Xutos e Pontapés, musica indie rock tipo The Killers, The Fratelis, música de festa mais moderna tipo Barbra Streisend, Uptown Funk e até um pouco de Electrónica. Eu sei que posso também fazer uma playlist e dar a indicação ao DJ do que quero, mas é preferível que esse fosse o tipo de música que o DJ normalmente toque porque as coisas nunca correm bem quando o som que o DJ passa não é ao seu estilo. 

 

Para já é assim que estou de organização, mas ainda falta muita coisa. Espero conseguir finalizar as coisas mais importantes para breve. 

Um casamento muito (pouco) Britânico

Não tenho parado nas últimas duas semanas - foi a semana final de preparação para um evento importante que tivemos no trabalho, decorreu o tal evento, e este foi seguindo de umas mini férias em Como na Itália para ir a um festival de lindy hop. Apesar de todo o entusiasmo que rondou as duas últimas semanas, estou contente por ter finalmente uma semana mais calma pela frente. 

 

No meio destas duas semanas, fui também a um casamento de que gostei imenso. Talvez tenha até sido o casamento de que tenha gostado mais até agora. Não por ter sido um casamento bonito tradicional (que foi), pelo local escolhido para o casamento (que foi uma mansão de campo lindíssima), ou pela comida e bebida fornecidas (que também foram bons, se bem que num casamento Inglês nunca se tem tanta grandeza e variedade de comida e bebida como num casamento Português), mas sim pela forma como os convidados participaram na festa. É que tenho a sensação de que nos vários casamentos, ao chegar a parte da dança há sempre muitas pessoas que ficam sentadas de lado a olhar para a minoria que dança um pouco. Neste casamente, no entanto, todos dançavam, todos estavam animados, dos mais velhos aos mais novos, e foi muito giro ver como todos os convidados se demonstraram tão envolvidos na festa o que os noivos gostaram imenso. Acho que também ajudou ao ambiente o facto de que depois do primeiro intervalo da banda, todos os convidados foram presenteados com um set de luzinhas (como as que se colocam numa árvore de natal), e todos foram para a zona de dança, coloridos com luzes. Nunca tinha visto isso em nenhum casamento antes mas a ideia foi excelente porque tornou o ambiente muito agradável e divertido. 

 

Quando a música teve que parar à meia-noite, como íamos todos passar a noite na casa onde se realizou a festa do casamento, fomos um grande grupo para o relvado da casa, incluindo familiares dos noivos, conversar, cantar, etc. Foi mesmo muito giro e, apesar de ser realizado de forma altamente tradicional conseguiu ser o casamento mais diferente a que já fui. 

 

Fica uma séria de fotos que coloquei no Instagram:

 

 

 

Um dia de casamento lindo num edifício fabuloso no campo de #westsussex #sussex #casamento #campoingles #arquitectura #manorhouse #wistonhouse

Uma publicação partilhada por Tuga Em Londres (@tugaemlondres) a

 

Escapadela de fim-de-semana para as origens

Eram 9:30h da manhã, o sol brilhava e começava a sentir o calor que ía estar durante o resto dia. Claro que isto não foi em Londres. Tinha acabado de aterrar em Lisboa.

Já tinha este fim-de-semana planeado à muito tempo para ir ao casamento de uma grande amiga minha de faculdade.

 

Este casamento teve a particularidade de que fui convidada pela primeira vez por amigos meus, ou seja não serem amigos nem dos meus pais nem familiares. Isto tem a desvantagem de que eu sempre disse que quando começasse a ser convidada para ir a casamentos de amigos era sinal de que estava a ficar velha...   Porra, também não podiam ter esperado mais uns aninhos, não?

 

O casamento, celebrado em Sintra foi lindo, desde o vestido da noiva ao local escolhido para a boda de água, foi tudo muito bom para um dia bem passado. Inclusivie o tema do cinema  foi bastante engraçado também. À minha mesa calhou-nos o filme "Love Actually" - adorei! Além do mais passar um dia com pessoas dos meus tempos de universidade que já não via à alguns anos sabe sempre muito bem.

 

 

Depois do casamento ainda aproveitei para ir ter com uns amigos, já que estava em Portugal, e lá fomos parar novamento a um bar na Praia das Maçãs. Resultado, acabei por dormir umas 2 horas essa noite já que tinha que acordar cedo no domingo para voltar para Inglaterra. Doeu um bocadinho, depois de um fim-de-semana nada pouco cansativo, mas valeu bem a pena.

 

Agora só volto a Portugal por alturas do natal, mas ao menos fiquei a saber que a TAP está a fazer uma mega promoção nos voos até ao final do ano, por isso já sei que vou poder aproveitar isso.

 

Fiquei também a saber que não é só no Reino Unido que esta música Britânica está no auge: