Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tuga em Londres

A vida de uma Lisboeta recentemente Londrina.

Amigos em Londres e Slipknot

Os amigos já voltaram para Portugal e o fim-de-semana prolongado está terminado. Chegados na sexta-feira, nessa noite levei-os a jantar a um restaurante Turco em St. Christopher´s Place. Esta é uma ruazinha cuja entrada é localizada junto à H&M de Oxford Street oposta à entrada da estação de Bond Street, e incluí inúmeras lojas muito boas assim como restaurantes com comida deliciosa dos mais variados tipos de cozinha e pubs. Após o jantar e já que estavamos perto, achei que eles íam gostar do ambiente do 12 Bar em Tottenham Court Road, logo foi aí mesmo onde fomos parar. Com vários concertos de diferentes bandas a noite foi bem preenchida e acabamos por lá passar o resto da noite.

 

 

 

 

No sábado, e depois de uma tarde passada em Camden Town, foi tempo de mostrar aos meus amigos como é que são as house parties em Londres. Já no domingo e segunda-feira a zona da Southbank com o seu mercado de Natal, a zona de Tower bridge e o London Bridge Experience foram as atracções turísticas principais, terminando o dia de segunda-feira com o famoso concerto dos Slipknot no Hammersmith Apollo.

A abrir o concerto tocaram Children of Bodum seguidos por Machine Head e finalmente por Slipknot. Tendo ficado com lugares em pé na zona da plateia tive a sorte de conseguir estar junto a uma barra a meio caminho entre o fundo da plateia e do palco, o que me serviu como bom apoio durante as 4 horas que ali passei em pé. Como se sabe eu estava um bocado céptica quanto a este concerto, e sinceramente a minha opinião não melhorou em nada com os Children of Bodum, principalmente na parte em que o vocalista, entre músicas, fez questão de nos fazer sentir uma grande merda ja que eramos todos "mother fu**ers" e que nos deviamos "f*** off" e "f*** you",.. O que o público todo parece ter adorado já que vibravam imenso e faziam todos o símbolo dos cornos com o mão que, ainda não sei bem qual será a razão que está por trás desse símbolo, mas já deu para perceber que o pessoal da onda do metal tem tudo isso como um símbolo dos concertos. 

O palco lá passou então para os Machine Head... ou Machine Fuc***g Head" como gritava o público. Com Machine Head sim, consegui entrar no ritmo do concerto e o tempo passou mais rapidamente. Seguiram-se finalmente os Slipknot com um grande show de entrada em palco e que fizeram a multidão vibrar. Uma das partes diferentes do normal deste concerto foi quando os Slipknot tocaram a música Spit it out na qual fizeram com que o público todo se agachasse (todas as muitas centenas de pessoas que ali estavam) fazendo-nos aguentar nessa posição muito pouco confortável durante uns 5 minutos até que finalmente gritaram "JUMP" e o auditório todo pulou, esperneou, foi moche, foi pontapé, foi cotovelada,... e o público todo adorou e vibrou ainda mais com o concerto depois disso.

A experiência de todo o concerto de forma geral para mim foi sem dúvida interessante e não vou esquecer facilmente. Gostei de ter ido e de ter visto como é um concerto de heavy metal. Gostei de algumas músicas e dancei ao ritmo (ou abanei a cabeça ao ritmo) de umas e outras nem tanto. Perto do final, no entanto, já estava a ser difícil de aguentar lá estar porque o som era tão exageradamente alto que o meu coração estava mesmo a bater a um ritmo demasiado acelerado e tinha uma impressão forte no peito com a qual ainda fiquei até ao dia seguinte. Será que esta sensação acontece só comigo? Posso não ter ficado fã nem estar a pensar voltar a repetir a dose, mas também não me arrependo nada de ter ido e, pelo contrário, gostei da experiência. 

Os meus amigos na terça lá voltaram a Portugal. Ficam as lembranças de um fim-de-semana bem passado e, para a Cassandra in the Midlands, para o Wask e para todos os outros que possivelmente estarão interessados ou curiosos em saber como foi o concerto, aqui fica um pouco da música com que os Slipknot terminaram o concerto.

 

 

9 comentários

Comentar post