Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tuga em Londres

A vida de uma Lisboeta recentemente Londrina.

Estou a exagerar?

Neste momento estou chateada e preciso de desabafar. Acho que escrever sobre o assunto também me vai ajudar a pensar melhor sobre isto e talvez ajude a ter outra perspectiva das coisas.

 

Durante os últimos 6 dias estive de férias em Portugal. Foi lá ter comigo uma amiga de Londres que ficou lá em casa dos meus pais durante os últimos 5 dias. Fartamo-nos de passear para ela ficar a conhecer Lisboa, Sintra, Cascais e afins e os dias passaram-se bem e rapidamente. A viagem de volta estava marcada para hoje e, quando eu estava a fazer o meu check-in, o rapaz que me atendeu disse-me que o voo estava overbooking, e perguntou-me se eu me queria voluntarizar para ficar em terra caso, efectivamente houvessem pessoas a mais no voo. Em troca teria direito a receber cerca de €400 em dinheiro, uma estadia num hotel e lugar num voo às 11h de amanhã. Eu pensei um bocadinho no assunto, principalmente por causa do trabalho, mas achei que não seria problemático trabalhar só meio dia amanhã e assim sempre podia passar mais uma noite calma com os meus pais e ficava com aquele dinheiro extra que claro que seria bem vindo, portanto voluntarizei-me a ficar em terra. 

 

Quando me volto a encontrar com a minha amiga depois do check-in, já que o fizemos separadas, conto-lhe o sucedido e ela fica toda entusiasmada com o assunto e diz que também quer voluntariar-se e pede-me para irmos lá perguntar ao rapaz se é possível que ela também fique na lista caso haja outro segundo lugar extra necessário vagar. A minha primeira reacção foi pensar que preferia ficar essa noite só com a família, caso efectivamente acontecesse, mas como ela estava tão entusiasmada com a ideia, e havia a hipótese de receber aquele dinheiro também, claro que fui lá com ela novamente ao check-in perguntar se precisavam de mais outra voluntária. Ele disse que talvez já não fosse preciso outra pessoa, mas colocou-a na lista de voluntariados de qualquer forma pelo sim, pelo não. 

 

Ao chegar à porta de embarque, quando eu passo, não me pedem para ficar, mas a ela pediram. Depois quando lhes dizemos que estamos juntas eles informam-nos que só vão precisar que uma pessoa fique em terra. Eu olho para ela e vi logo que ela queria ficar, ao que eu fico meio estufacta, porque, tudo bem que calhou ter sido a ela que perguntaram, mas ela apenas estava na lista porque eu tinha estado primeiro, e ela tinha dito que queria ficar comigo se eu ficasse. Ela perguntou-me o que eu achava, ao que eu respondi que eu gostava de ficar. Mas ela não ficou satisfeita e sugerio então atirarmos uma moeda ao ar para ver quem ficava. 

 

Eu mal queria acreditar que ela me estava a sugerir isso, porque para mim a situação era mais que lógica. Se a situação fosse invertida eu sei que não precisava de pensar duas vezes quem é que ía ficar em terra, e claro que diria para ela ficar. Mas ela vai-me pedir para jogar cara ou coroa, como se fosse igualmente justo que qualquer uma de nós ficasse em terra. Mas também não me quiz chatear. Aceitei atirar a moeda e perdi. Disse-lhe adeus e fui para o avião. Mas saíi dali mesmo com uma sensação de ter sido injustiçada, e ainda não me passou. 

 

Geralmente sou aquela pessoa que tenta sempre ver o lado das outras pessoas, tentar apaziguar zangas e tenta perceber as duas partes. Mas desta vez sincerimente ainda não consegui encontrar um ponto de equilíbrio nesta situação e ainda estou chateada com o acontecimento. Então eu é que tinha sido convidada a ser voluntária, depois volto lá com ela porque ela também queria ficar caso houvesse um segundo lugar, e como calhou que a rapariga do embarque lhe pediu a ela, vai-se aproveitar da situação para ir ela e não me dá o lugar mim que estava primeiro? A rapariga da porta de embarque não sabe quem estava primeiro, mas nós sabíamos. 

 

Eu estava a tentar compreender porque é que estou assim tão chateada com ela, mas cheguei à conclusão que nem é pelo facto de não ter tido a noite extra em Lisboa nem o dinheiro de compensação, mas sim a atitude que ela tomou. Eu tenho a certeza que nunca tomaria essa atitude no lugar dela. Nem tal me passaria pela cabeça. Porque é que não foi assim com ela. Ganância? Ela pensou como amiga ou pensou nela própria? Ou sou eu que estou a exagerar e qualquer outra pessoa no lugar dela teria feito o mesmo que ela fez?