Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tuga em Londres

A vida de uma Lisboeta recentemente Londrina.

Regresso às aulas

Bem me lembro como eu adorava o início de Setembro quando era tempo de escolher os novos cadernos, as novas canetas, a nova mochila, folhear os novos livros e preparar-me para mais um ano de aulas. Esse tempo já lá vai, mas hoje voltei a ter um pouco dessa sensação ao regressar a uma sala de aulas. 

 

Decidi que era este ano que faria a minha pós graduação do Chartered Institute of Marketing e a minha primeira aula começou hoje mesmo. Desta vez não houve grande preparação em termos de livros e mochilas. Foi antes ir a correr ao WHSmith à hora de almoço comprar um caderno A5 para caber na mala e imprimir os slides da primeira aula. Mas ao que pareceu, não fiz o suficiente. Acabei numa turma toda ela feminina com 5 outras marketeres. Todas elas tinham impresso uma quantidade de outros documentos e até já tinham comprado os livros todos aconselhados. Acho que só eu é que não faço a mínima intenção de comprar livro nenhum até que verifique que isso seja necessário. Afinal para que serve a British Library senão para nos providenciar livros? Ainda mais nunca tive uma boa razão para criar um cartão de membro da British Library, portanto aqui está um óptima oportunidade. 

 

Gostei da primeira aula e da turma. O único senão é que já tenho um trabalho para casa (ainda se usa o termo TPC, não usa?) que me vai dar um trabalhão e, sendo que este fim-de-semana vou mudar de casa, não sei ainda muito bem quando é que vou arranjar tempo entre esta semana e a próxima para o fazer. Levar as coisas passo a passo. Algum tempo hei-de encontrar.

Em uma semana a vista da janela vai ser diferente

Afinal acabei por ter 5 pessoas marcadas para ir ver a casa ontem. Das 5, 3 deles confirmaram que queriam ficar com o quarto e oferecemo-lo a uma rapariga Inglesa muito simpática. Gostei mesmo de a ter conhecido e gostei ainda mais quando me telefonou a dizer que queria ficar com o quarto logo 10 minutos após ter saído de lá. De todos era a minha preferida e o meu flatmate também gostou igualmente dela portanto, está resolvido :-)

 

Espero que a primeira impressão não engane e que, efectivamente corra tudo bem a partilhar casa com ela. 

 

O contrato, esse só será assinado no dia em que nos mudarmos para a nova casa. Sinceramente, tendo ficado tão escaldada com a última casa, agora só fico mesmo descansada até ter o contrato assinado e estar a dormir na minha nova cama. Até lá, ainda não estou completamente descansada. 

 

Após ter mostrado a casa às várias pessoas ontem, aproveitei para ir com o meu flatmate dar uma voltinha pela rua principal da minha nova zona. Adorei! É ainda mais giro do que o que estava à espera. Tem imensos cafézinhos agradáveis, padarias (sim, até tem padarias, que é uma coisa não muito habitual de se ver por Londres), restaurantes, lojas de roupa vintage, uma loja independente de aluguer de filmes à qual me parece que irei fazer várias visitas, restaurantes,... É de facto uma rua bem mais longa do que aquilo que estava à espera já que pensava que tivesse só umas lojinhas e acabasse por aí mas, nada disso. A única coisa de que não gostei, que até era uma das razões pelas quais não queria ir viver para o Oeste de Londres, mas que pelos vistos há imenso por lá, são bébés. Aquela zona está cheia de novas famílias com as mães a passearam carrinhos de bébés por tudo quanto é lado. Não é propriamente o ambiente onde me apetecia estar nesta fase da vida, mas enfim,... Não se pode ter tudo. E depois prefiro estar assim numa zona calma e segura para poder voltar para casa à noite sozinha sem problemas, do que estar numa zona mais jovem mas onde tenho que estar a olhar sempre para trás não venha alguém a seguir-me. Só espero é que nas casas mais próximas da minha não hajam bébés nenhuns porque senão já sei que as festas não vão poder existir. 

 

Com crianças ou sem crianças agora estou muito entusiasmada com a mudança, embora também esteja já com imensa nostalgia por sair da minha casa e zona actuais. Será o começo de uma nova fase. 

Ainda falta o flatmate

Ainda não tenho nada assinado para a casa mas as nossas referências pelo menos já estão tratadas. Só falta assinar e pagar. Ah, e claro, encontrar o 3º flatmate. 

 

Queriamos encontrar a pessoa que irá ocupar o 3º quarto o mais depressa possível e logo na quarta-feira o meu flatmate conseguiu arranjar duas pessoas para irem ver a casa à hora de almoço. Eram dois rapazes. Ambos gostaram e queriam ficar com o quarto. O primeiro que veiu chegou a horas, tem um bom emprego (portanto muito provavelmente as referências seriam boas), era calmo e simpático, de acordo com a descrição do meu flatmate. O segundo chegou atrasado, fartou-se de falar com imensas perguntas sobre a casa, muito simpático e extrovertido. Como eu não pude ir ver a casa nesse dia o meu flatmate lá deu a sua opinião em como escolheria o primeiro candidato. Aceitei a opinião dele e, assim sendo, telefonou-lhe a oferecer a casa e perguntar se estaria disponível para se encontrar comigo nessa noite para nos conhecermos. 

 

Lá me fui então encontrar com este Irlandês, de cabelos encaracolados, cara sorridente e ar nervoso num pub em Upper Street. De facto era simpático e até tivemos uma conversa interessante durante 2 horas, mas fiquei com algumas reticências. É que ele só se queria mudar no final de Abril (apesar de estar disposto a pagar o mês inteiro para segurar esta casa até se mudar), fez-me entender que não tem por hábito limpar a casa já que sempre teve empregada das limpezas, disse que ía ficar fora de casa a maioria dos fins de semana já que a namorada vive longe e mencionou que ía trazer com ele um piano, um violino e duas guitarras. 

 

Despedi-me dele a pensar que o via em breve para tratarmos do contrato etc., mas na manhã seguinte quando acordei eu não estava contente com a casa. E apercebi-me de que não estava contente devido ao novo flatmate. Deu-me a entender que queria entrar na casa quando já tudo estivesse tratado, casa arrumada, internet instalada e afins para que não se tivesse que preocupar com isso. Estando fora de casa todos os fins de semana provavelmente não ía ter grande oportunidade nem interesse de se dedicar a limpezas, logo já me estava a imaginar a limpar a casa sozinha a maioria do tempo para dois marmanjos. É que nem pensar nisso!! E depois ía só ter o meu actual flatmate envolvido em algumas coisas de iniciais decorações e afins e o outro não queria saber de nada. Sinceramente para mim só por isso perde-se um pouco o interesse de ter uma terceira pessoa na casa. Imagino que ele fosse se tornar mais um estorvo na casa do que provavelmente alguém com quem sabe bem conviver. 

 

Resultado, falei com o meu flatmate sobre as minhas reservas e ele não se importou que eu telefonasse ao Irlandês para cancelar a oferta, embora me tenha responsabilizado para encontrar o próximo flatmate.

 

Ainda me custou um bocadinho pegar no telefone para dizer ao rapaz que afinal achava que ele não se iria integrar bem na casa, mas enfim, lá teve que ser. 

 

Decisão tomada agora continua o nervosismo se conseguimos ou não encontrar alguém a tempo. Coloquei anúncios em tudo quando é site incluíndo www.gumtree.com, www.roombuddies.com, www.spareroom.com, www.intolondon.com, www.easyroommate.com e em redes sociais das quais faço parte. De início não estava a ter quaisquer respostas o que me estava a deixar um bocado nervosa. Mas entretanto, felizmente consegui marcar 4 pessoas para virem ver o apartamento amanhão. 2 rapazes e 2 raparigas. Espero que consiga encontrar entre eles o meu futuro(a) flatmate.

De volta ao mercado

Sinceramente já há muito tempo que não me sentia tão stressada com uma mistura de ânsia e receio tal como o que senti na semana passada. Esta história do agente imobiliário com as suas ameaças, mais a senhoria que nunca atendia o telefone e toda aquela incerteza de não saber o que se passava e se tinha a casa ou não tomou completamente conta da minha vida. Estava de tal forma tão desconcentrada de tudo o resto que no trabalho, na quinta-feira mandei para a base de dados Francesa, Italiana, Inglesa e Australiana um email a convidar para assistirem ao webinar Francês deste mês :-S Estamos a falar de umas dezenas de milhares de pessoas que receberam o convite errado. Foi de levar as mãos à cabeça. Mas como se isso não fosse mau o suficiente, na sexta-feira enviei a newsletter italiana à base de dados do Reino unido com mais de 22,000 contactos. Bem, só posso dizer que quando me apercebi do erro desta tamanha gravidade e, ainda por cima, repetido em dois dias seguidos nem sabia o que havia de fazer a mim própria. Uma solução foi sem dúvida não enviar mais emails em massa nessa semana. Muito mau mesmo. Em 1 ano que trabalho naquela empresa nunca fiz tal coisa, e assim de repente o mesmo erro logo em 2 dias seguidos. Enfim, acho que das próximas vezes que enviar o mail que fôr vou verificar quatro e cinco vezes se está tudo correcto antes de carregar no botão para enviar. 

 

O facto é que, como a senhoria não me atendia o telefone, não sabia se era de estar ocupada, se era porque não queria falar conosco por qualquer razão ou porque é que era. Tinha a casa? Não tinha a casa? Não sabia, e isso é que me estava a levar os nervos à flôr da pele. Também não queria começar a procurar nova casa enquanto não tivesse certeza de que não tinha aquela. 

 

No sábado o meu flatmate ligou-lhe de manhã, e nada. Enviou mensagem a avisar que tinham colocado um anúncio falso em nosso nome no gumtree, e nada. Da parte da tarde ele voltou a ligar-lhe do número de casa de um amigo e finalmente ela atendeu. Disse então que achava que nós tinhamos intenções de subalugar o apartamento e, como tal ía mostrar a casa a outros grupos nesse fim de semana. E eu tinha-lhe dito quando falei com ela na terça que queria levar lá a possível 3ª pessoa a visitar a casa no fim de semana para os 3 assinarmos o contrato. Com uma afirmação destas como é que ela pode pensar que queríamos subalugar? Ou viu o anúncio e acreditou, ou o agente fez-lhe a cabeça, ou não sei. Sinceramente já estava tão farta dela que nem queria saber desta casa para mais nada, mas o que me irritou profundamente foi saber que ela já tinha decidido que não queria que nós ficassemos com a casa e não nos tinha dito nada! Isto tendo em consideração que eu lhe tinha mandado um email a meio da semana a pedir por favor para nos dizer algo qualquer que fosse a resposta porque se tivessemos que procurar casa novamente teriamos apenas mais duas semanas para fazê-lo. Mas mesmo assim não disse nada e provavelmente não teria dito se o meu flatmate não lhe tivesse telefonado de outro número. É uma falta de consideração pelas pessoas inacreditável. 

 

No sábado lá voltamos à procura no mercado, se bem que, pesquisas ao fim-de-semana não são ideais visto que os agentes já têm todos casas marcadas para mostrar a potenciais inquilinos. Para marcar é preciso telefonar na sexta-feira, mas como ainda estavamos na dúvida se ficavamos ou não com aquela casa também não queriamos procurar outras. 

 

Ainda conseguimos mesmo assim marcar uma casa para ver no sábado. Ficava em Lower Clapton, mas apesar da casa ser bastante boa, a localização é simplesmente demasiado distante do centro e do trabalho por isso não valia a pena. 

 

Entretanto hoje conseguimos ir ver uma casa em Stoke Newington e adoramos. A casa é espectacular, a localização é impecável, muito segura e cheia de lojinhas e restaurantes giros, e também bem perto de um parque. Fizemos uma oferta. Agora é só fazer figas, rezar uns quantos avé marias e esperar que desta a coisa seja mesmo para ficar.

 

Que filho da mãe

Acabei de descobrir o que é que aquele anormal daquele agente imobiliário quiz dizer com o "vais ver o que eu te faço". Ele colocou um anúncio no gumtree a anunciar a casa assinada com o meu nome e o nome do meu flatmate em que anunciavamos a casa como se fosse nossa e a arrendar a um preço estupidamente mais caro. 

Obviamente ele está à espera que a senhoria veja o anúncio e que já não nos queira alugar porque fica a pensar que nós vamos subalugar o apartamento. Filho da mãe!

Mas será que este stress nunca mais acaba?

Ontem era o Dia D, disse eu. De facto, pelo menos durante umas 18 horas até pareceu ter sido após ter falado ontem com a senhoria e ela ter-me dito que estava ali a fazer um contrato verbal comigo de como ficavamos com a casa. Fiquei mesmo contente nas horas seguintes e era só sorrisos de manhã no trabalho. Infelizmente a alegria não durou muito. Durou até eu ter recebido um telefonema do agente com quem tinha arranjado ver a casa, mas que depois me fizeram aquela lenga lenga de que tinha que oferecer mais dinheiro, e tinham dito que me mandavam uma mensagem com a morada da agência para lá ir pagar o depósito, mas nunca chegaram a mandar coisíssima nenhuma. 

 

Ele começou a conversa a dizer que já tinham feito uma oferta na casa e perguntou-me se queria ver outra. Eu disse-lhe que não que também já tinha feito uma oferta noutra casa. Ao que ele respondeu que tudo bem e pediu-me só para eu lhe dar o nome do meu flatmate para ele riscar o nome dele da lista. Disse-lhe o nome dele e ele imediatamente desligou o telefone. Assim que o fez apercebi-me logo que não lhe devia ter dado o nome do meu flatmate. Possivelmente era só isso que ele queria saber para ter a certeza se tinhamos sido nós a fazer a oferta na casa. 

 

Bem dito, meu feito. Passado uns 5 minutos voltou-me a ligar, mas desta vez preferi não atender. Deixou-me um voicemail no qual disse "deves ter a mania que és esperta se pensas que vais viver naquela casa. Vais ver o que eu te faço." {#emotions_dlg.barf}

 

Mal podia acreditar naquela mensagem que ele me tinha acabado de deixar. Ele estava oficialmente a ameaçar-me. Não sei bem do que é que ele me estava a ameaçar, mas o que quer que seja que ele tenha em mente não é uma sensação mesmo nada boa sentir-me ameaçada. Fiquei tão nervosa que nem me consegui concentrar mais no trabalho durante a tarde. O medo era não tanto o de ficar sem a casa mas mais o que raio é que ele quer dizer com "vais ver o que eu te faço." Mas por um lado ainda bem que não atendi e ele deixou a mensagem gravada no meu voicemail. Ao menos tenho uma prova contra ele caso seja necessário levar o caso à polícia ou algo do género. 

 

Não quiz telefonar logo à senhoria porque já sei que ela não gosta que lhe telefonem durante as horas de trabalho, mas enviei-lhe logo um email a remeter o assunto e disse que lhe telefonava ao fim do dia.

 

Segundo ela, quando a conheci, ela não tinha acordado com nenhum agente o arrendamento da casa e disse que queria fazê-lo directamente com os inquilinos. No entanto, se alguns dos agentes tinham as chaves da casa no dia em que a fui ver imagino que ela tenha feito algum acordo com algum deles. Será que este foi um deles? Ficam a saber que o nome desta agência é Dimension Estates portanto ficam já avisados para não se meterem com estes tipos. 

 

Após o trabalho, quando tentei telefonar à senhoria ela não atendeu. Ao fim da segunda tentativa, poucas horas depois, deixei-lhe um voicemail. Sinceramente não sei se o facto de ela não ter atentido tem alguma coisa a ver com a situação ou se apenas quer dizer que ela estava a trabalhar de noite e não podia atender (ela é médica) ou qual será a razão. mas o facto é que agora enquanto não falar com ela não descanso. Se ficar sem a casa fiquei. Não será o fim do mundo, mas quero é saber o quanto antes o que vai ser da minha vida porque terei que procurar novamente e cada vez o tempo escassa mais.

Procura de casa - parte 4

Nem sei se encontrei casa se não. Digamos que encontrei mais ou menos. {#emotions_dlg.serious}

 

Como tinha indicado no post anterior, no sábado tinha duas casas para ver. Quando estava a chegar à primeira casa, no caminho eu e o meu flatmate só dissemos um para o outro que aquilo era mesmo fruta a mais para ser verdade. É que a casa estava super bem localizada no centro da cidade numa zona calma, de casas Georgianas que tinham ar de ser bem caras, nem que fosse só pela localização. Como esta que íamos ver não o era, ou era apenas um pouco acima do nosso budget, parecia bom demais para ser verdade. 

 

Ao chegarmos à porta verificamos que já estavam lá umas 15 outras pessoas também à espera para ver o apartamento. Aquele foi o open day da casa em que tudo veiu ao mesmo tempo e, basicamente, os agentes depois esperam receber ofertas que por sua vez apresentam ao senhorio, o qual irá escolher a que preferir. 

 

Quando chegou a nossa vez lá entramos para o apartamento que fica localizado no rés do chão e cave do edifício (ponto no.1 para ser mais barato). verificamos que dois dos quartos eram efectivamente pequenos, mais pequenos que os nossos quartos actuais, e o terceiro quarto era enorme. Havia uma casa de banho bonita e moderna, uma cozinha igualmente moderna e uma sala que abria para um jardim bem grande e bonito. Portanto aparte do tamanho dos quartos (ponto no. 2 para justificar o preço) o apartamento era óptimo. 

 

Não tivemos que pensar muito sobre o assunto. Ficavamos com os dois quartos mais pequenos e alugávamos o quarto grande ao preço de mercado que seria obviamente mais caro que os quartos pequenos. Fizemos logo a oferta ao agente, para o valor total que ele tinha pedido e dissemos que estavamos dispostos a mudar já para a semana, de forma a que a nossa proposta fosse ainda mais atraente para a senhoria. Ele disse para esperarmos na zona enquanto todos os potenciais inquilinos acabavam de ver a propriedade e que depois nos telefonava para dizer se tinhamos sido os escolhidos e, caso fossemos, levava-nos para a agência de forma a colocarmos logo o depósito para segurar a casa. 

 

Assim esperamos na zona e cancelamos a próxima casa que tinhamos para ver em Archway ainda essa tarde. O tempo passou e como ele não nos ligava mais, ligamos-lhe nós a perguntar o que se passava. Ele disse que tinham feito outra proposta mais alta mas que se nós dessemos mais ele aceitava o nosso depósito em vez do das outras pessoas. Mas deu uma grande lenga lenga para nos tentar convencer a oferecer mais dinheiro. Ainda mais já nem sequer estava na casa e já tinha ido para a agência apesar de inicialmente nos ter dito o contrário. Enfim, não fiquei nada contente com o desfecho daquela conversa e, ao desligar o telefone, disse ao meu flatmate para lá voltarmos para a casa e ver o que se estava a passar. 

 

Ao lá chegarmos estava lá a senhoria a quem contamos a situação com o agente e ela disse-nos que com alguns dos agentes que lá tinham estado a mostrar casas, ela ainda nem se quer tinha aceite trabalhar. No entanto eles disseram-lhe que já tinham recebido depósitos de potenciais inquilinos para a casa. Impressionante! Ela lá nos levou para dentro da casa e sentou-nos na sala para conversarmos. Disse-nos que preferia tratar das coisas directamente com os inquilinos e pediu-nos as nossas referências e tudo. O problema foi quando nos perguntou quem era o 3º flatmate. Eu disse logo o nome de um amigo meu que sabia que não se ía importar em dizer que estava interessado na casa inicialmente caso ela lhe telefonasse. E, efectivamente no dia seguinte telefonou-lhe. Ele deu-lhe também as suas referências e combinaram que ele ía visitar a casa no próximo sábado. 

 

Claro que estamos portanto com medo que quando ela descobrir que ele não vai efectivamente ficar na casa ela prefira procurar antes 3 pessoas que já se conheçam e tenham confiança umas nas outras para evitar potenciais problemas entre desconhecidos que depois poderiam querer sair da casa mais cedo. 

 

De qualquer forma ontem à noite já colocamos o anúncio do quarto. Estavamos com algum receio de não ter boa resposta já que o quarto, apesar de totalmente nos valores do mercado, ser demasiado caro e difícil de alugar, mas ao que parece não vai ser nada difícil que já tivemos mais de 8 pessoas a contactar-nos. 

 

Agora vou ter é que telefonar à senhoria amanhã a dizer-lhe que o meu amigo afinal já não está interessado na casa mas que temos outros potenciais inquilinos a ver se ela aceita mostrar-lhes a casa no sábado. Afinal, de momento, ainda nada é certo e nada está acordado. 

 

Portanto amanhã lá será o Dia D para saber se já temos casa ou se teremos que continuar na saga a 2 semanas e meia da data em que temos que nos mudar. 

Procura de casa - parte 3

Já começo a entrar na fase do desespero. Na Internet parece haver muita oferta mas assim que telefono às agências e senhorios já nada está disponível. O que me leva a crer que a maioria daqueles anúncios ou são falsos ou apenas são anúncios antigos de propriedades que tiveram muito interesse e as agências apenas os deixam lá para chamar a atenção de pessoas para ficarem com os seus contactos e, consequentemente, uma grande lista de potentiais inquilinos de forma a incentivarem os senhorios a utilizarem as suas agências. 

 

Mesmo que a maioria dos anúncios sejam falsos lá lhes deixo os meus contactos na esperança de que me voltem a telefonar quando tiverem algo dentro daquilo que procuro. 

 

O problema é que como há muito pouca oferta mesmo apartamentos que calham naquilo que quero saem do mercado tão rapidamente quanto entraram. Já chegou o caso do agente me telefonar a dizer que esta nova casa veiu para o mercado, eu marco para ver a casa no fim do dia depois do trabalho e, antes do fim do dia, o agente volta-me a telefonar a dizer que já alguém fez uma oferta para a casa. É preciso estar mesmo em cima da situação porque tudo o que é casas boas desaparece do mercado quase tão rapidamente quanto aparece. 

 

Então para tentar encontrar algo já verifiquei que não tenho outra hipótese senão ceder em algumas características que queria na casa que não vou poder ter:

- localização: já estou à procura em qualquer área dentro da zona 2 (e algumas na zona 3) a norte, sul e este de Londres mesmo que fique um pouco distante do metro, mas desde que tenha uma paragem de autocarro nocturno por perto.

- espaço: já estou disposta a ter um open plan entre a cozinha e a sala em vez de tê-las separadas.

- jardim: já estou disposta a não ter um espaço exterior (jardim/varanda).

- preço: já estou disposta a pagar um pouquinho mais do que aquilo que queria.

 

A ver se assim a coisa vai. Hoje vou ver duas casas no norte de Londres. Ainda não estou muito contente com a ideia de me mudar para o norte do rio mas estou a ver que a sul a coisa está mesmo complicada por isso há que experimentar. Daqui a 3 fins-de-semana tenho que sair desta casa. 

Procura de casa - parte 2

Continua tudo na mesma como a lesma. 

 

Neste momento já conto 9 as casas que visitei como potenciais futuras residencias. Só 1 delas é que tinha os critérios necessários para eu poder dizer que sim senhora, quero fazer uma oferta a esta casa. 3 bons quartos, sala e cozinha separadas, ambas com bom tamanho, boa decoração, bem conservada, jardim e tudo dentro do budget. OK, ficava um bocado longe do metro mas também não se pode ter tudo. O problema é que após ter visto a casa e já estar toda entusiasmada a agente indica que podemos mudar para lá no início de Maio {#emotions_dlg.barf} Maio? Eu preciso de sair no início de Abril. Resultado,... a procura não terminou por aí. 

 

Entre as casas que vi o principal problema tem sido mesmo o espaço. Algumas delas são tão ridículamente pequenas que até faz confusão como alguém alguma vez poderá aceitar pagar o preço que eles pedem por aquelas casas. Houve uma então que particularmente me fez confusão. Tudo bem que ficava a 5 minutos da estação de Clapham Junction, mas mesmo assim isso nem é assim tão bom porque em Clapham Junction não há metro, só há comboio. Ficava localizada numa rua principal e barulhenta e o apartamento era localizado por cima de uma loja. Até agora nenhum desses pontos é positivo na minha opinião. Mas,... claro está, se a casa fosse muito boa lá por dentro até seria de considerar. Ao entrar o agente mostra-me o primeiro quarto. Tinha apenas o espaço suficiente para caber lá uma cama de casal, com um bocadinho de espaço o suficiente para uma pessoa passar de lado entre a cama e a parede, e aos pés da cama tinha mais cerca de meio metro de distância entre a cama e o pequeno guarda-fato. OK, sem dúvida que o espaço neste quarto não era a sua parte positiva, mas se os outros dois quartos fossem bons, talvez ainda se considera-se.

Ao chegar à frente do segundo quarto achei estranho que a porta não fosse uma porta normal mas sim daquelas portas que abrem deslizando para o lado. Mas rapidamente descobri a razão pela qual a porta deslizava em vez de abrir para dentro. É que não havia espaço para a porta abrir para dentro! A cama de casal estava imediatamente colada à porta e quem quizesse lá entrar teria que, literalmente, saltar para cima da cama para depois ir sair pelos pés da cama onde tinha um pouco de espaço entre esta e o guarda-fato. Ridículo! Uma destas nunca tinha visto. O pior ainda é que, sendo o espaço tão pequeno, assim que abri a porta veiu de lá de dentro um cheirete de quarto encafuado, fechado, com uma mistura de cheiros de suor e sei lá mais o quê. Arghh,... só de pensar até já me sinto mal disposta novamente.

O terceiro quarto era o quarto "grande" que não era grande coisíssima nenhuma mas sempre era um bocadinho maior que qualquer um dos outros dois. A casa ficava completa com um open plan entre a sala e cozinha de tamanho razoável e uma pequena casa de banho. 

Quanto é que estavam a pedir pela casa? £400 por semana, ou seja £611 por mês para cada pessoa! Devem estar mas é feitos parvos ou metem-se na droga, só pode. Pedir este preço por uma minorquisse de apartamento com verdadeiros "box rooms" é mesmo de loucos. Acho piada é ao texto que colocaram no anúncio - "First to see will take". Yeah,..... right!

 

Bem, com tanta coisa o problema é que continuo sem casa. Ontem tinha encontrado no rightmove.com umas cerca de 20 casas com boas perspectivas. Telefonei para todas hoje e nem sequer uma única estava disponível. Já tinha sido tudo alugado. Porra!!!! A ver se a coisa corre melhor com os telefonemas que efectuar amanhã. E, falando nisso, vou mas é lá voltar à minha pesquisa.

O que fazer em Londres em Março 2011

A Primavera, para a maioria de nós, pode só ter início a 21 deste mês, mas na Rússia já estão a celebrar o início desta estação do ano que começou no seu calendário a 1 de Março, e Londres embraça esse festejo Russo. Estamos no mês do Carnaval que também se celebra por cá à moda Brasileira em alguns locais apesar de não ser um evento oficial do Reino Unido. Em alternativa ao Carnaval têm por cá o Dia da Panqueca, e ainda podem contar este mês com exibições e vários outros eventos interessantes a decorrer até ao final de Março.

 

Festival da Rússia Maslenitsa O que é? No calendário Ortodoxo Russo a Primavera começa a 1 de Março e, em celebração, a Rússia festeja essa data como uma festa pagã à semelhança do nosso Carnaval. Em Londres a data é festejada com um festival em Trafalgar Square com música Folk tradicional Russa, danças e muitos comes e bebes. Quando? Hoje, 6 de Março. Quanto? Gratuito Onde? Trafalgar Square Estação? Charing Cross

 

The British Art Show O que é? Exibição de arte contemporânea Britânica que tem circulado por várias localidades do país e que finalmente volta a Londres (apenas cá tinha estado exposta uma vez em 1990). Quando? De 16 de Fevereiro a 17 de Abril. Quanto? £8 (adultos), £6 (descontos) Onde? Hayward Gallery Estação? Waterloo.

 

Carnaval Brasileiro em Londres O que é? Celebração do Carnaval à moda Brasileira em Londres ocorre em vários bares e discotecas Brasileiros ou não com muitos shows e samba. Quando? Até terça-feira dia 8 de Março. Quanto? Depende dos locais Onde? Diversos locais. Ver a lista de eventos seleccionada pela JungleDrums no link que indiquei.

 

Dia da Panqueca O que é? No Reino Unido não se celebra o Carnaval como nós o conhecemos, mas nessa mesma terça-feira é o dia das panquecas. Para se celebrar este dia em Londres, além de ser um "must" visitarem um dos muitos "brunch places" – tipo cafetarias onde podem comer aqueles pequeno-almoços reforçados - para tomarem a vossa dose de panquecas com todo o tipo de coisas em cima; o tradicional neste dia são as corridas de panquecas. Nestas corridas os participantes estão geralmente vestidos com algum tipo de máscara e correm enquanto vão virando as panquecas na frigideira. Ganha quem chegar primeiro sem a panqueca ter caído ao chão. Muitos dos lucros deste tipo de eventos vai para caridade. Quando? Terça 8 de Março. Quanto? Gratuito assistir. Onde? Podem assistir a corridas destas um pouco por toda a cidade. Cliquem no link para verem algumas das suas localizações.

 

St. Patrick´s Day O que é? Celebração do Santo padroeiro Irlandês com muito festejo e muita Guiness. As celebrações oficiais decorrem em Trafalgar Square com um stand com performances, comes e bebes. No dia 17 propriamente dito para celebrar basta ir a qualquer pub Irlandês, pedir umas cervejas Guiness e, geralmente, ao comprarem 2 ou 3 ganham um dos chapéus verdes gingatescos típicos dos gnomos Irlandeses. Quando? O dia oficial decorre a 17 de Março, mas os festejos no centro de Londres decorrem no domingo dia 13. Quanto? Gratuito. Onde? Trafalgar Square Estação? Charing Cross.

 

Cheese and Wine Festival O que é? Mercado ao ar-livre onde vai estar à venda uma grande selecção de queijos e vinhos das mais variadas origens. Quando? De 18 a 20 de Março. Quanto? Gratuito ir ver Onde? Nas traseiras do Southbank Centre. Estação? Waterloo

 

A corrida de barcos a remos de Oxford e Cambridge O que é? Todos os anos, estudantes das duas universidades mais reconhecidas do Reino Unido competem pela posição dos mais rápidos remadores de remos ao longo de uma extensão de 6.8km do Rio Tamisa. 250,000 pessoas assistem ao evento todos os anos. Quando? 26 de Março Quanto? Gratuito assistir Onde? Putney Bridge

Pág. 1/2