Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tuga em Londres

A vida de uma Lisboeta recentemente Londrina.

Estou aprovada como cidadã Britânica

Isto demorou-me cerca de um ano a tratar, mas finalmente está resolvido! - Quando voltei a casa das férias do Natal em Portugal, deparei-me com a carta que confirmava que tinha efectuado a minha aplicação para a cidadania Britânica, com sucesso! 

 

fullsizeoutput_2d5b.jpeg

E pronto, em finais de Janeiro lá irei fazer o juramento de que aceito ser fiel à rainha de Inglaterra e aos seus subdítos para poder receber o meu comprovativo de cidadania. 

 

De facto, eu demorei um ano a preparar a papelada porque também fui um bocado preguiçosa e não fiz tudo de seguida. Um amigo meu, vai ter a cerimónia no mesmo dia que eu e ele só começou a tratar da aplicação por volta de Outubro. 

 

Como a papelada era um bocado confusa, eu fui tomando nota dos passos que tinha a tomar, caso possa ajudar alguém que ainda esteja a tentar efectuar a aplicação para ser cidadão Britânico antes do Brexit (ainda o devem poder fazer depois, mas talvez os requesitos alterem). 

 

  1. É necessário tirarem o documento da permanencia de residência (se ainda não fizeram isto, talvez seja melhor esperar para o Brexit entrar em vigor em Março porque, aparentemente, os requesitos para efectuarem o novo 'Settled Status' vai ser simplificado). Se quiserem ler sobre a chatisse que foi tirar este documento, podem ler sobre isso aqui, aqui e aqui
  2. Passado um ano de terem tirado esse documento, ou imediatamente, caso tenham provado que vivem no Reino Unido há mais de 5 anos, é que começam o processo de aplicação para a cidadania Britânica. Eu comecei por fazer o teste Life in the UK. Podem ler sobre a minha experiência e testar os vossos conhecimentos aqui, aqui, aqui e aqui
  3. Depois fui fazer o teste de Inglês GESE Grade 5 no Trinity College que basicamente consistiu em 10 minutos de conversa básica com o examinador e sabe-se o resultado na hora.
  4. A partir daí, é começar a preencher a papelada chata. Se quiserem ir tirar fotocópias de todos os documentos oficiais a uma entidade autorizada para não terem que ficar sem o vosso passaporte durante os meses, então devem efectuar a aplicação online. que a encontram aqui: https://www.gov.uk/government/collections/citizenship-application-forms#apply-to-register-as-a-british-national
  5. Como um cidadão da União Europeia, devem utilizar a forma 'Apply to become a british citizen by naturalisation (form AN) https://www.gov.uk/government/publications/application-to-naturalise-as-a-british-citizen-form-an Convém abrirem ao mesmo tempo, o 'guide for applicants' que explica o que colocar em cada questão do formulário, em caso de dúvidas.
  6. Custos indicados aqui: https://www.gov.uk/government/publications/fees-for-citizenship-applications
  7. Mais informação sobre o document return service aqui: https://www.gov.uk/government/collections/nationality-document-return-service . A lista de autoridades locais de Londres onde podem utilizar o 'document return service' encontram-se listadas aqui https://www.gov.uk/government/publications/nationality-document-return-service-greater-london - podem ir a outros concelhos que não o vosso local para utilizar este serviço. 
  8. Para efectuar a aplicação para um passaporte Britânico ao mesmo tempo que a aplicação para a cidadania é necessário ir pedir o respectivo formulário ao posto dos correios
 
Outras considerações necessárias para o preenchimento do formulário de aplicação:
  • Vão precisar de ter dois cidadãos Britânicos dispostos a servir como referências. Estes dois cidadaos têm que vos conhecer por pelo menos 3 anos e estar dispostos a ser contactados pelo Home office para responder a questões sobre o conhecimento que têm de vocês. Não podem ser familiares, parceiros ou pessoas que vos prestem um serviço, tal como o vosso advogado.
  • Vão ter que enviar os vossos dados biométricos, mas a informação e documentos para fazerem isso apenas vão aparecer depois de já terem submetido o formulário da aplicação. Isso será fácil porque basta irem aos correios fazer isso e levar a papelada que vos pedem. 
  • Tenham em atenção que ao se aplicarem para o passaporte ao mesmo tempo que a cidadania, têm que enviar 4 fotos tipo passe no total e todas elas devem ser idênticas.
  • Durante a vossa aplicação também vos é providenciada uma check list com todos os documentos que devem apresentar ou enviar com a vossa aplicação. 

 

Em resumo, isto tudo dá trabalho e é confuso, mas com paciência vai lá. 

 

Mais um ano em Londres em revista

Ao aproximar-nos do final do ano, é inevitável querer fazer um balanço do ano que passou, do que gostámos, do que não gostámos, do que nos marcou, do que queremos melhorar para o ano seguinte,... Este foi o meu:

 

Trabalho: Comecei o ano com uma promoção. Foi das promoções mais entusiasmantes e mais assustadoras que já recebi. Não veio sem os seus problemas - houve uma pessoa que não gostou nada e me fez a vida negra durante uns tempos; comecei a trabalhar com outras novas pessoas com quem aprendi mais; ao ter mais responsabilidade aprendi que quando há problemas a culpa deve ser assumida por mim, quando há prezas, devem ser passadas para a equipa; aprendi mais sobre psicologia e como lidar com pessoas diferentes; aprendi que há limites para energisar os outros quando eles não querem ser energisados; aprendi a importância de me reunir com diferentes pessoas mesmo que seja uma perca de tempo, para dar visibilidade do que fazemos a pessoas mais sénior que eu. Em 2019 já sei que vão haver mais mudanças e ainda não sei se vou gostar delas ou se não, mas o importante é que quero manter a minha energia, dedicação e paixão por aquilo que faço. Se isso deixar de se concretizar eu sei que será tempo de mudar.

 

Amizades: Fiz muito poucas amizades novas este ano. Consigo contar uma ou duas, o que é uma grande diferença do que eu costumava fazer em anos anteriores. Acho que estou na fase em que gosto mais de passar tempo de qualidade com os amigos que tenho do que estar sempre a tentar aumentar o meu grupo de amizades que já é relativamente estável. Digo relativamente porque de repente este ano muitos amigos saíram ou planearam sair de Londres, o que me deixou triste. A ver como a vida se vai desenvolver no ramo de amizades para o próximo ano.

 

 
 
 
 
 
View this post on Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Adorei passear pelo #Porto hoje. Vista do terraço #portocruz em #vilanovadegaia #gaia #tugaemferias #tuganoporto #feriasporto

A post shared by Tuga Em Londres (@tugaemlondres) on

Viagens: Fiz duas grandes viagens este ano - para o Oeste da Austrália para ir a um casamento no início do ano, e às Ilhas Maurícias mais para o fim do ano. Aproveitei também para visitar o Porto por alturas da Páscoa que já lá não ia há muito, e adorei a visita. Depois tive várias pequenas viagens com o trabalho, mas sem dúvida que as mais marcantes foram estas três. Ainda não tenho planos de viagens para 2019 para além de várias visitas a Portugal.

 

Verão: O verão em Londres este ano foi estupendo. Um dos melhores verões em termos de temperatura desde que vivo em Londres, e isso reflectiu-se na alegria das pessoas no dia-a-dia. Alguns momentos vão fazer-me lembrar deste verão, principalmente o Queen's Yard Summer Party em Hackney Wick que foi um dia excelente passado com amigos num ambiente de festa ao ar-livre; o ambiente durante o Mundial de futebol de que falei aqui e aqui; os passeios de bicicleta, e os festivais de verão onde fui.

 

Novos locais que descobri: Os leitores do blog habituais já sabem que adoro descobrir novos locais, e felizmente, em Londres, novos locais é coisa que nunca falta. Estes foram aqueles que visitei pela primeira vez este ano e que gostei para lá querer voltar - Peckham Levels (efectivamente fui a uma festa num escritório nos andares do Peckham Levels, portanto apenas passei pelos bares a caminho da festa, mas gostei do que vi); os Nomadic Community Gardens em Brick Lane que descobri um dia em que estava a passear pela zona; Grow, um bar e café nas margens do canal em Hackney Wick que conta com inúmeros eventos de música ao vivo, nomeadamente jazz, bossa nova, reggae e outros estilos, que decorrem ao longo de todo o ano;  Coal Drop Yard, a nova zona comercial junto a Granary Square que, para mim, fez com que Kings Cross se tenha transformado num novo destino para compras, o que prefiro muito mais do que ir ao Centro de Londres por ser mais calma e agradável. Este ano também fui a 4 restaurantes adicionais do nosso A-Z dos Restaurantes que já ando a fazer com o namorado à dois anos em que tentamos visitar um restaurante diferente para cada letra do alfabeto. Ainda só estamos na letra H, porque há sempre alguma letra que é complicada. Por exemplo, para a letra H, queríamos ir comer comida Húngara, mas neste momento só há um restaurante Húngaro em Londres que fica em New Cross e demorou uns tempos para lá ir. Este ano fomos a restaurantes do Equador, França, Grécia, e Hungria. Se continuarmos com esta média de 4 restaurantes por ano, ainda nos vai faltar uns anitos até conseguirmos chegar à letra Z da nossa #voltaaosrestaurantes.

 

Amor: Em termos de amor a coisa anda bem. Tão bem, que este ano, o Inglês fez-me um daqueles momentos à filme, durante um pôr-do-sol quando estávamos nas Ilhas Maurícias, para me pedir em casamento. Resultado, vamos ter casório para 2019 e desde então tenho andado de um lado para o outro a tentar perceber os vários detalhes de organizar um casamento que são mais que muitos. Desde a burocracia, à organização e aos convidados, isto de organizar casamento não é assim tão simples quanto pensava. Mas também ainda estou no início dos preparativos e acho que ainda vou ter muito que falar sobre este assunto em 2019. 

 

Desejos de uma entrada em grande e óptimo ano de 2019 para todos os leitores do Tuga em Londres!

 

 

Feliz Natal!

Enquanto estou estes dias por Portugal, aproveito para desejar aos leitores do blog uma época Natalícia muito feliz! 

O gato dos meus pais também vos quer desejar as Boas Festas! 

image.GIF

 

Entrega de CVs porta-a-porta - os prós e contras

Esta semana, estava eu no trabalho, quando uma rapariga entra pelo escritório a dentro à procura da zona da recepção, que não há. 

 

 Ela disse que já conhecia a nossa empresa há alguns anos e que vinha entregar o CV na esperança que houvesse alguma vaga de emprego em Account Management ou Marketing. Disse também que tinha já alguma experiência em Lisboa mas que pretendia mudar-se para Londres.

 

Um dos meus colegas apresentou-a logo à nossa recrutadora, que teve uma conversa inicial com ela e, mais tarde nesse mesmo dia, ela voltou para ter uma entrevista inicial com a Directora de Account Management. O facto é que, efectivamente, uma das nossas Account Managers despediu-se recentemente e iremos ter que substituí-la para o próximo ano. A vaga ainda não existe mas é possível que venha a existir para breve. Além disso, a rapariga Portuguesa disse que só estava em Londres durante dois dias e que tinha vindo propositadamente para entregar CVs às empresas onde estava interessada em trabalhar.  Por isso mesmo, e como ela tinha um bom CV, achámos por bem aproveitar que ela estáva por cá e fazer logo a entrevista em pessoa caso o lugar venha a estar mesmo disponível.

 

Devo dizer que é preciso ter uma certa dedicação e empenho para ir directamente à porta das empresas entregar o CV e isso foi apreciado também pelos meus colegas, daí o interesse em darem-lhe atenção e ouvir o que ela tinha para oferecer.

 

Agora vocês perguntam-se se eu aconselho quem esteja interessado em encontrar um emprego em Londres a tomar este tipo de iniciativa? Nem digo que sim, nem que não à partida. Nem sempre este tipo de iniciativa apresenta os resultados esperados, mas até que poderá ser muito positivo em situações como esta. Vamos então ver os prós e os contras.

 

Prós:

  • Uma pessoa que faz isso demonstra coragem, entusiasmo, dedicação e extroversão.
  • As características associadas a esta atitude são óptimas para quem pretenda encontrar um trabalho em vendas, account management ou semelhantes. O nosso Director de Vendas achou logo que ela seria óptima para vendas.
  • Encontrar um candidato directamente, é positivo para a empresa por pouparem tempo e evitam os custos de empresas de recrutamento.
  • Ao vierem entregar o CV a uma empresa específica, significa que estão realmente interessados nessa empresa, e as organizações gostam de se sentir especiais.

 

Contras:

  • É estranho ter alguém a bater à porta a vir dar o CV e esta atitude é considerada mal prática. Ir entregar o CV no escritório de uma empresa não é o mesmo que ir fazer a ronda dos pubs para um trabalho de empregado de bar.
  • Há empresas e pessoas que podem achar essa atitude demasiado desesperada e os recrutadores podem considerar que um profissional que tome essa iniciativa não consegue que ninguém o empregue o que é visto negativamente por empregadores.
  • Não sabem o que está a acontecer na empresa no dia/momento em que decidem lá ir entregar o CV, e ao chegarem lá por horas de uma grande reunião ou em época de crise com clientes, a vossa presença poderá incomodar e ser muito mal vista.

 

A ter em consideração:

  • A época do ano ou o dia da semana em que vão à empresa é a considerar. A rapariga que veio à nossa empresa, veio no meio da semana, o que, se não fosse a última semana antes do Natal, onde as coisas estão a acalmar, poderia ser difícil de encontrar alguém relevante que lhe tomasse nota do CV e que tivesse tempo para falar com ela. Sextas-feiras ou épocas antes das férias ou feriados, geralmente são melhores porque as pessoas tentam evitar muitas reuniões no último dia antes das folgas.
  • A dimensão da empresa. Se tentarem ir a uma empresa tipo a Google ou até uma de tamanho médio, mas grande o suficiente para ter grandes processos, o vosso CV possivelmente nunca chegará às mãos certas porque nesse tipo de empresas, ou o edifício tem muita segurança e não vos deixam entrar sem terem uma reunião previamente marcada, ou a recepcionista diz-vos que têm que fazer o mesmo processo que todos os outros candidatos fazem, e enviarem a vossa aplicação através de um formulário gigantesco no website da empresa, etc.
  • Devem sentir-me mesmo seguros de que têm as qualificações necessárias para o tipo de cargo a que se pretendem candidatar porque senão as empresas apenas vão achar que a vossa atitude é triste.
  • Se entregarem o CV pessoalmente mas não tiverem a certeza que a pessoa certa o tenha recebido, vale a pena enviarem o CV através do website ou email também, indicando na carta de apresentação que passaram por lá pessoalmente. Já escrevi um post detalhado sobre como escrever um bom CV.

cv-exemplo.PNG

 

Em resumo, como quase ninguém toma esse tipo de atitude hoje em dia (de facto, eu era o única da empresa que conhecia alguém que já tinha ido dar o CV directamente a empresas – e ele também era Português, por isso não sei se é algo que apenas os Portugueses gostem de fazer), e o dia escolhido foi um bom dia, nós ficámos bem impressionados com a coragem e atitude da rapariga. Pensando nos prós e nos contras parece-me que desde que escolham as empresas muito bem, que as empresas sejam pequenas/médias e que tenham experiência muito relevante para as empresas escolhidas, até acho que as possíveis vantagens de tomar uma atitude semelhante podem ser mais significativas que as desvantagens.

O que fazer em Londres no Natal de 2018

O que fazer em Londres.png

Adoro o mês do Natal!! Adoro percorrer as ruas enfeitadas de Londres, adoro as inúmeras festas de Natal e a necessidade constante para encontrar amigos para bebidas de Natal. Vêm-se tantas pessoas bem-dispostas que só tenho pena que este ambiente não se prolongue pelo ano inteiro. Se bem que, se fosse assim o ano inteiro, este ambiente não seria especial. Quer uma pessoa tenha muitos amigos e familiares com quem passar esta época ou não, Londres tem muito para oferecer para agradar a todos e para que ninguém tenha que se sentir sozinho nesta cidade tão grande. Por isso, este mês, em vez de escolher os variados eventos do mês inteiro, apresento antes aqui algumas opções onde passarem o dia do Natal ou os dias próximos do Natal, caso estejam por cá nessa altura. 

 

A fazer no Natal, sozinhos

 

Voluntariado - se quiserem ajudar aqueles que são menos sortudos que vocês, há muitas instituições que procuram voluntários para ajudar nos vários eventos e serviços de comida e acomodação que operacionalizam nesta época de Natal e não só. Preferencialmente, contem com mais que um dia para estar disponíveis para ajudar porque será necessário receberem treino. Existem muitas formas como podem ajudar, desde servir refeições de Natal, a visitar idosos, apoiar jovens, etc. Algumas associações que estão a aceitar voluntários incluem - Crisis, FoodbankMagic MeTimebank, Community Christmas

Jutem-se ao GoodGym - é um clube de corrida que, quando se juntam para fazer exercício, fazem também alguma actividade para ajudar a comunidade.

Passem o Natal com Londrinos através do couchsurfing - se estiveram a viajar sozinhos para Londres durante a época do Natal, uma boa forma de conhecerem pessoas locais e, talvez até passarem o Natal com elas, é ficando em casa das mesmas através do couchsurfing.

Meetup Almoço de Natal - através do Meetup.com existem grupos que organizam vários eventos, inclusive no dia de Natal.

Ir ao cinema ver filmes Natalícios - o cinema Prince Charles em Leicester Square conta com uma longa sessão de filmes Natalícios nos dias adjacentes ao dia de Natal.

Meditação no Buddhist Centre - se gostam de meditação e reflexão, o Bhuddist Centre em Bethnal Green proporciona um dia destinado a isso mesmo no dia de Natal. 

Ouvir coros de Natal na Westminster Abbey - no dia 24 e dia 25 podem contar com vários eventos de oração e também de música na Westminster Abbey.

 

A fazer no Natal, acompanhados

 

Cocktails no Miracle- Localizado no Henrietta hotel, este bar temático ao famoso Miracle on ninth Street bar em Nova York com decorações Natalícias dos anos 50.

Bailey's Treat Bar - Até dia 22 de Dezembro, podem ir tomar um cocktail de Bailey's original no Bailey's Treat Bar em Convent Garden, e, se forem ao website primeiro, podem lá fazer o download de um voucher de desconto.

Winterville - Até 23 de Dezembro encontram bares, música, teatro, comédia, e discotecas no Winterville em Clapham Common.

 

A fazer no Natal, sozinhos ou acompanhados

 

Noites de Quarta-Feira em Columbia Road - Até à quarta-feira dia 19, as lojas de Columbia Road (onde há habitualmente o mercado das flores aos Domingos) estão abertas até às 21h e podem contar com um ambiente animado e mulled wine quentinho para vos aquecer o estômago na noite fria. É na Columbia Road que podem também encontrar a conhecida loja Portuguesa 'A Portuguese Love Affair'.

The Nomad Cinema - Até dia 21 podem ver cinema aconchegados num puff dentro de um igloo instalado no City Point até dia 21 de Dezembro.

Winter Wonderland - Nos dias adjacentes ao Natal, podem ir passear e divertir-se no mercado de Natal, Winter Wonderland em Hyde Park. 

Alice in Winterland - Aberto até dia 31 de Dezembro, inclusivé no dia de Natal, é esta instalação de luzes e lanternas no parque de Southwark onde percorrem um caminho na descoberta do País das Maravilhas da 'Alice no País das Maravilhas'. 

Luzes do Zoo - Todos os dias de 12 de Dezembro até 31 de Dezembro, inclusivé no dia de Natal, o Jardim Zoológico de Londres vai estar aberto para visitarem uma bonita instalação de luzes pelo parque. Decorre todos os dias às 16:45h. 

Peter Pan Cup - No dia de Natal, podem ir ver alguns bravos homens e mulheres a competirem numa competição de natação nas águas do lago de Hyde Park.

 

O que oferecer de presente quando não se sabe o que oferecer

A minha amiga fez 40 anos e, sendo uma data tão importante, fiquei bem na dúvida sobre o que seria um presente apropriado para a ocasião. Primeiro pensei oferecer-lhe algo com que ela fique de lembrança, tipo um fio ou algo para o apartamento novo. Ao mesmo tempo ainda nunca tinha ido ao apartamento dela e não sabia o que ela já tinha ou deixava de ter. Também achei que o fio seria difícil de comprar para ela, porque é uma estilista e tem um gosto muito selecto, portanto o fio ou algo de acessórios podia ser arriscado. Outra ideia seria um voucher para massagem, mas essa ideia já está mais que usada ou eu a ela ou ela a mim, e não parecia única o suficiente.

Então pensei no que eu gostaria de receber quando chegar aos 40. Acho que algo que é sempre agradável são experiências em conjunto com a pessoa que oferece o presente. Lembrei-me de que ela é uma foodie, adora comer bem e ir a bons restaurantes com decoração moderna e interessante. Ora eu já há uns meses que ando a seguir no Instagram este café em Hackney que abriu à não muito tempo, e que acho que tem óptimo aspecto, e lembrei-me que eles ocasionalmente fazem supperclubs no café. Fui ver quando era o próximo, comprei os bilhetes, e fomos agora no fim da semana passada. Ela adorou! Muito interessante e original, a comida tinha bons paladares Italianos, visto ser organizada por três irmãs de origens Sicílianas, que decidiram abrir este negócio de supperclubs e catering Italianos, chamado Strazzanti. Decorreu no Hackney Coffee Company em Hackney Road, e ficam aqui algumas fotos para terem uma ideia da noite.

IMG_8214.jpg

IMG_8211.jpg

IMG_8212.jpg 

Isto faz-me pensar também nos vários outros presentes que tenho para comprar para o Natal e ainda não sei bem em que me decidir. Dar supperclubs a toda a gente não fica assim tão barato, mas há várias outras opções semelhantes que estou a considerar - bilhetes para peças de teatro locais; bilhetes para passeios com pistas para se ir à descoberta de vários caminhos, não só em Londres, como no Reino Unido inteiro, por exemplo através da Treasure Trails; voucher para um jantar caseiro (feito e servido por mim em minha casa); bilhetes de comboio para ir passar o dia a Cambridge ou outra cidade bonita próxima de Londres. Estou a gostar destas ideias de experiências e estou cá a pensar numas quantas pessoas que vão receber experiências este Natal. 

Detox do telemóvel

Hoje quando cheguei ao escritório e ía tirar o telemóvel para o colocar na mesa ao lado do meu teclado, como sempre faço, reparei que não tinha o telemóvel! Ao pensar no assunto, lembrei-me de que provavelmente o tinha colocado numa outra mala que estava a pensar trazer esta manhã. 

 

A minha primeira reacção:

via GIPHY

Quando me apercebo bem as consequências da situação:

via GIPHY

Ao pensar melhor nas minhas opções:

via GIPHY

Mas depois lembro-me que também uso o telemóvel para o trabalho:

via GIPHY

Mas afinal até que foi bom, porque passei o dia mais concentrada no trabalho

via GIPHY

E até pude aproveitar melhor a hora de almoço para fazer outras coisas

via GIPHY

Eventualmente com o final do dia aproximou-se a hora de ver todas as mensagens que perdi

via GIPHY

E chega o momento...

via GIPHY

Uma despedida é triste, mas seis...?

De repente, este ano, vejo-me numa situação em que uma grande quantidade de amigos próximos decidiram sair de Londres. Assim, mais ou menos de repente, e com saídas próximas umas das outras.

 

Primeira - uma amiga que vivia próximo de mim e, com quem costumávamos nos encontrar frequentemente, deixou Londres para ir viver com o namorado na zona de Bristol, por voltas de Julho.

 

Segunda - outra amiga voltou para Stratford upon Avon em Setembro para viver com os pais durante uns tempos até conseguir poupar dinheiro para comprar uma casa por essa zona.

 

Terceira - outra amiga conseguiu ser transferida com a empresa para Sydney na Austrália, para onde vai a partir de Janeiro, mas entretanto tem até lá uma licença do trabalho e decidiu ir viajar para a Ásia, onde está desde finais de Setembro. Volta em Dezembro, fica cá umas 3 semanas, e depois vai-se embora de vez para a Austrália. 

 

Quarta - Uma das minhas amigas mais próximas estáva farta do trabalho dela, e sempre teve a vontade de ir viajar pelo mundo, por isso pediu uma licença sem vencimento e foi também para a Ásia em inícios de Outubro durante 6 meses.

 

Quinta - Uma outra amiga conseguiu entrar num Doutoramento numa universidade em Manchester, e vai morar para lá em Janeiro. 

 

Sexta - Esta, que também é uma amiga próxima, não saiu de Londres mas mudou-se a semana passada da zona onde moro para Croydon, bem no sul de Londres, o que inevitavelmente vai fazer com que não vá ser tão fácil encontrarmo-nos frequentemente.

 

Uff!! Acho que já chega, não chega? Isto deixa-me triste, com tanta mudança repentina de tantas amigas a mudarem-se da zona. Faz-me lembrar outras alturas da minha vida em Londres em que me tive de despedir de amigos. Houve uma altura em que, todos os anos me despedia de alguém, mas não me lembro de haver uma situação em que tantas pessoas se tenham mudado tão repentinamente. Acho que é uma das situações inevitáveis das relações criadas em Londres. Há muitos que não querem ter a vida da cidade por toda a vida e, mais tarde ou mais cedo, decidem tomar a grande decisão da saída final. Mas inevitavelmente, afecta-me sempre um pouco (outras vezes afecta muito, mas depois passa e começa-se outra vez, conhece-se novas pessoas, continua-se com a vida para a frente). Aqui no blog já tinha falado sobre despedidas em 2008, 2009, e 2010. Entretanto fiquei uns anos com os amigos mais estáveis, e agora, olha, lá vão eles outra vez. 

 

 

A minha primeira experiência no Web Summit

Esta semana que passou estive por Lisboa para ir à Web Summit. Fiquei com interesse em ir quando, uma ex-colega que foi o ano passado, me descreveu tudo o que de positivo achou de ter lá ido. Então nessa altura adicionei o meu e-mail à newsletter do 'Women in Tech' da Web Summit e, quando os bilhetes 'early bird' abriram por volta de Março ou Abril, comprei logo. Ficou a cerca de £85 por dois bilhetes, por isso vale bem a pena marcar logo. Infelizmente esse desconto está só disponível para mulheres, que eu saiba, com o intuito de atrair mais mulheres da indústria à conferência. 

 

Devido a ser uma altura complicada no trabalho, não consegui dedicar os dias todos à conferência, mas estive lá na noite de abertura e o dia todo de Terça-feira. E devo dizer que estava cheia de pena de não ter lá ficado mais, quando me dirigi para o aeroporto nessa noite. Para quem esteja na área da tecnologia, ou que esteja numa empresa que aprecia inovação em tecnologia, acho que a conferência vale mesmo a pena visitar. As palestras em si, são muito variadas e, as que ouvi, foram muito boas. Mas o que é também muito bom é o networking proporcionado. Eu estava sozinha na primeira noite, mas fui à zona do 'Night Summit', que basicamente se refere à zona de entretenimento nocturno, e facilmente comecei a conhecer logo pessoas tive conversas muito interessantes com empreendedores e outros profissionais. Tendo a experiência de outros eventos onde as pessoas costumam ficar nos seus grupos, aqui, sinceramente foi muito fácil conhecer outras pessoas e ter conversas relevantes para a minha área de trabalho. 

 

Este ano anunciaram que a Web Summit está contratada para continuar a decorrer em Lisboa durante os próximos 10 anos, e foi bom ver que uma grande quantidade de empresários Portugueses na área da tecnologia estão envolvidos no desenvolvimento e apoio da realização da Web Summit, já que todos foram chamados ao palco em forma de agradecimento. O que não foi bom ver, foi o facto de que, quando estes cerca de 50 empresários vieram ao palco, entre eles só consegui ver cerca de 2 ou 3 mulheres. Na conferência, de forma geral, não senti essa diferença, e os números entre homens e mulheres até parecia relativamente balançado, mas ali, naquele palco, no momento em que os empreendedores Portugueses foram chamados, ver tão poucas mulheres foi sem dúvida muito estranho. Pergunto-me se isso será por haver menos mulheres em Portugal a interessarem-se por tirar cursos relacionados com tecnologia, ou se têm menos interesse em empreendorismo, ou se se sentem com menos apoio para o fazer? Não sei bem a razão, mas sem dúvida que demonstra a grande disparidade que ainda há. 

 

Nesse primeiro dia de abertura, além de algumas apresentações do inventor da World Wide Web, Tim Berners-Lee, apresentações da Apple, etc., o Presidente da Câmara de Lisboa e o Primeiro Ministro Português também subiram ao palco para dar as boas vindas à conferência. Eu até percebo que, para um evento que traz 70,000 pessoas a Lisboa de todo o mundo, esta é uma óptima oportunidade de Lisboa, não só a se dar a conhecer como cidade, como a dar-se a conhecer como uma cidade que apoia e investe em tecnologia e que o país aprecia investimento do estrangeiro. Como tal, até que acho razoável termos a presença do Presidente da Câmara de Lisboa a vir dar as boas vindas e falar um pouco sobre o que a cidade tem para oferecer, mas daí a termos o Primeiro Ministro a dar as boas vindas à conferência acho um pouco exagerado. Não imagino que qualquer Primeiro Ministro Britânico tenha dado as boas vindas a uma conferência realizada na ExCel (o maior centro de exposições e conferências do país e um dos maiores da Europa). Parece-me que a presença de um Primeiro Ministro neste tipo de eventos é desnecessária e, até transmite a impressão de que somos um país pequenininho onde não é costume realizarem-se encontros destes, já que lhe estamos a dar tanta importância. 

 

De qualquer forma, gostei bastante e só tive pena de não poder ter ficado a semana inteira. 

 

web-summit.jpg

 

O que fazer em Londres em Novembro 2018

fazer em Londres 2018.png

Já mudou a hora, os dias ficam escuros mais cedo, e a temperatura está cada vez mais fria. mas este frio também sabe bem quando estamos agasalhados a ver os fogos-de-artifício da Bonfire Night ou a passear pelos mercados de Natal. São esses alguns dos eventos que marcam o mês de Novembro todos os anos, assim como os eventos do acender das luzes de Natal, as pistas de patinagem no gelo e afins. Este mês conta também com o evento organizado pela revista Stylist - o Stylist Live - dedicado a mulheres e que conta com palestras interessantes, moda, comida e afins. Eu vou novamente este ano, mas inicialmente comprei bilhetes para Domingo e, já não vou poder ir ao Domingo, por isso comprei outro bilhete para Sábado e estou a tentar vender os meus dois bilhetes de Domingo. Comprei-os no preço Early Bird, por isso se algumas das leitoras estiverem interessadas, é de aproveitar. Estou a vendê-los directamente através do mercado Fan to Fan do See Tickets, e são os primeiros que estão aqui listados a £9 cada um.

 

Aqui ficam então a minha selecção de eventos do mês:

 

Pistas no gelo - O que é? Londres vai estar cheia de locais onde podem fazer patinagem no gelo este mês. Desde patinagem no terraço da loja de departamento do John Lewis, ou no terraço da tobacco Dock, até à pista com uma vista monumental na Somerset House ou no Natural History Museum, as opções são mais que muitas. Ver no link sugerido várias listagens e as datas de quando abrem. 

 

Bonfire Night - O que é? De 2 a 5 de Novembro vão ouvir os fogos de artifício praticamente em qualquer local onde estejam em Londres. Existem vários locais dedicados a shows de fogos, alguns gratuitos e outros pagos. Encontram uma lista de opções no link indicado.

 

Enchanted Forest - O que é? Este parque, pode não ser o mais acessível para todos em termos de localização, mas contém uma atracção com instalações de luzes por uma grande área de bosque, que o torna um destino muito interessante para famílias. Quando?  De 9 a 25 de Novembro.  Quanto? Bilhetes por adulto de £10-£12 e £5 para crianças.  Onde? Syan Park, Brentford. 

 

Stylist Live - O que é? Este festival de 3 dias conta com seminários sobre empreendorismo, política, maternidade, moda, saúde, conta também com workshops, salões de beleza, uma passarele, muitas amostras e oportunidades para conhecer algumas celebridades. Quando? 9, 10 e 11 de Novembro. Quanto? A partir de £15 (ou podem comprar os dois bilhetes que estou a vender a preço early bird de £9). Onde? Olympia

 

Mercados de Natal - O que é? Desde ao pequeno mercado de Southbank Centre ao grande Winter Wonderland de Hyde Park, não faltam opções onde fazer as vossas compras de Natal. Ver aqui uma listagem de vários mercados por toda Londres.

 

EFG London Jazz Festival - O que é? Uma série de eventos de jazz em vários locais em Londres. Quando? 16 a 25 de Novembro. Quanto? Alguns eventos gratuitos outros pagos. 

 

Queen of Hoxton French Winter Terrace - O que é? Todos os anos o terraço do Queen of Hoxton costuma ser transformado num local acolhedor para noites com amigos. Desta vez o tema é de bar dos anos 1900s de França. Quando? Abriu esta semana e vai ficar todo o inverno. Quanto? Gratuito. Onde? Shoreditch.