Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tuga em Londres

A vida de uma Lisboeta recentemente Londrina.

O que fazer em Londres em Fevereiro 2017

fazer-fevereiro-2017.jpg

Com Brexit ou sem Brexit, a cidade de Londres continua a ser tão multicultural como sempre desde que vivo cá, e isso também se reflecte nas actividades que decorrem na cidade cada mês. Este mês desde exposições de artistas do Oriente a aulas de Espanhol, a influência que outras culturas têm em Londres é evidente. 

 

Do Ho Suh O que é? Exposição de arte  de Sul Koreano que viveu entre algumas das cidades mais cosmopolitas do mundo e, retrata a experiência da sua trajectória na vida através desta exibição colorida de quartos e caminhos. Quando? De 7 de Fevereiro a 18 de Março. Quanto? Não consigo encontrar informação sobre bilhetes pelo que imagino que seja entrada gratuita. Onde? Victoria Miro Gallery, Hoxton

 

Transcending Boundaries O que é? Exposição dos artistas de Tokyo TeamLab, de instalações de arte imersivas onde se apresenta uma fusão de arte digital. Quando? De 7 de Fevereiro a 11 de Março. Quanto? Gratuito. Onde? Pace Gallery, Mayfair

 

Ano Novo Chinês no Museu O que é? Para quem perdeu as celebrações do ano novo Chinês no início do mês, ainda vai poder apreciar as festividades a decorrer no próximo sábado, no museu da criança, que celebra a variedade a diversidade desta grande celebração Chinesa. Quando? 11 de Fevereiro. Quanto? Entrada Gratuita. Onde? Museum of Childhood, Bethnal Green.

 

Stupid Cupid Anti-Valentine Pub Crawl O que é? para quem não ser saber do da dos namorados, mas gostava de fazer novos amigos, o funzing está a organizar um pub crawl com a temática anti dia dos namorados, pelos bares de Shoreditch no próximo sábado à noite.  Quando? 11 de Fevereiro. Quanto? £12 e o bilhete incluí entrada em todos os bares e numa discoteca e conta com um shot gratuito em cada bar. 

 

Noite de Filme Espanhol O que é? A noite conta com apresentação do filme Espanhol, visualização de curtas metragens e acaba com uma aula de Espanhol gratuita num ambiente social. Quando? 15 de Fevereiro. Quanto? £8.

 

Festival de Gin O que é? Um festival onde podem apreciar alguns dos melhores sabores de gin, enquanto que ouvem seminários sobre o processamento da bebida ou apreciam o entretenimento musical. Quando? de 17 a 19 de Fevereiro. Quanto? £16 Onde? Tobacco Dock, Wapping

 

LDN Talks @ Night O que é? Um novo conceito de TedX Talks mais acessíveis à maioria e com regularidade de frequência. Cada noite conta com 10 apresentações. No caso da noite do link, a temática vai ser a actividade paranormal. Quando? 15 de Fevereiro. Quanto? £10. Onde? Shoreditch. 

Como estar activo e fazer amizades em Londres

Tenho alguns amigos que se queixam da vida sedentária que levam em Londres. Culpam o seu dia-a-dia no trabalho sentados a uma secretária, as longas horas de trabalho, e a comodidade de viverem perto de transportes públicos que faz com quem não andem muito entre o caminho de casa e trabalho. Eu a esses comentários respondo-lhes - “só não levas uma vida mais activa porque não queres.”

 

E isso porque, eu também tenho um emprego onde passo a maior parte do tempo sentada, e também vivo perto de transportes que me poderiam levar ao trabalho sem quase ter que andar, mas escolho não o fazer. Todos sabemos a importância de levar uma vida activa, não só para o corpo mas também para a mente, por isso é de nossa responsabilidade fazer para que isso aconteça. No meu caso eu já troquei os transportes públicos pela bicicleta à mais de 3 anos, e fez no mês passado de Outubro exactamente 10 anos que abri a minha inscrição no ginásio e nunca o deixei de frequentar. Claro que há semanas que já falharam, mas volto sempre ao ritmo. E como sei que geralmente tenho que trabalhar até tarde, o meu horário de ginásio decorre de manhã antes do trabalho. Depois sempre que posso vou dar passeios, ando bastante e vou dançar, quer seja para fazer o meu hobby de dança swing ou simplesmente dançar numa saída à noite.

 

Essas são as formas como principalmente me vou mantendo activa, mas existem muitas mais opções, por isso, para quem viva demasiado longe do trabalho para ir de bicicleta ou que não goste do ginásio, ficam mais algumas ideias, que permitem também conhecer novas pessoas:

  • Running clubs - existem muitos grupos para correr. Alguns são gratuitos como o park run ou estes apresentados pelo Londonist e outros são pagos para ajudar a manter o clube, mas geralmente é através de grupos pagos onde os membros tendem a ser mais regulares visto que se comprometeram a ir. Existem também grupos para diferentes níveis de experiência, portanto mesmo que ainda nunca tenham feito uma corrida de 5k, existem grupos onde os outros membros também ainda nunca a fizeram, o que ajuda bastante quando se corre com pessoas que têm o mesmo nível que vocês. Encontrem aqui uma listagem dos muitos clubes de corrida em Londres.
  • Desportos de equipa - quer prefiram futebol, andebol, voleibol, basquetebol, dodgeball, hóquei ou outros desportos, existam grupos para todos esses desportos, quer sejam eles grupos masculinos, femininos ou mistos. Muitos desses grupos podem encontrar em sites como o gumtree, ou até no faceboook. Pesquisem pelo nome do desporto que pretendem e a vossa zona preferida.
  • Danças - aprender uma nova dança é não só uma boa forma de se manterem mais activos como, sem duvida oferece boas oportunidades de fazer novos amigos. É necessário ir regularmente e ficar após as aulas para praticar a dança de forma a criar um grupo de amigos dentro dos alunos, mas sem duvida que resulta bem. Existem inúmeros locais e tipos de dança a que se podem dedicar. Ficam alguns exemplos:
  • Clubes de bicicleta - costumam encontrar-se para fazer percursos de bicicleta de distância média a longa, dependendo do dia de semana e geralmente terminam o percurso num pub. Vejam London Cycling Clubs
  • Natação - nem sempre são organizados em grupos mas se forem regularmente nadar a uma piscina irão começar também a conhecer as pessoas que frequentam essa piscina regularmente
  • Patinagem em linha - para quem gosta de patinagem em linha, todas as semanas no Hyde Park encontra-se um grupo de pessoas que percorre as ruas de Londres em patins. Todas as semanas os percursos são diferentes e as ruas escolhidas são selecionadas com cuidado para evitar o trânsito principal. No final estes passeios também terminam num pub.

 

Têm outras ideias que vos permitem manter activos ou recomendacoes de bons grupos a que pertençam ou tenham pertencido? Por favor indiquem nos comentários.

 

 

midnightrunners.jpg

 Fonte - Londonist

Passeios em Londres: Lee Valley

Hoje estava um dia lindíssimo por isso aproveitei para ir visitar uma parte de Londres, por onde já tinha passado várias vezes e visto que tinha aparência de ser uma zona interessante para passear, mas onde ainda nunca tinha estado - o Lea Valley. 

 

O Lee Valley  é muito extenso e vai desde Londres até Essex e Hertfordshire. Hoje fui para a zona do Lee Valey que fica junto a Clapton, a Nordeste de Londres, na zona 3 do metro de Londres (se bem que não há estações de metro ali perto). Apesar de ainda ser relativamente central a Londres, faz-nos sentir como se tivessemos no campo porque é estendido por kilómetros de arvoredo, o rio, canais e parques. 

 

Existe um site dedicado ao Lee Valey, que incluí vários passeios, e foi lá que também encontrei o de hoje. Optei por um de 5 Milhas (= 8 kilómetros) que começou na junção do Lea River com a Lea Bridge Road. De lá, andei ao longo do Rio Lea até chegar a Springfield Park, dei a volta e passeio por um reservatório natural mais a norte, andando até Hackney Marshes, e voltando depois pelo lado sul do rio de volta até Lea Bridge Road. O passeio escolhido era chamado 'Filtering Back in Time', e devo dizer que vale mesmo muito a pena. Por isso para quem apetece dar um passeio na natureza mas que não queira ir para muito longe, esta é uma óptima opção. O caminho percorrido tem uma combinação de zonas selvagens e outras cuidadas, amplos campos, percursos históricos e passam até por esculturas de artistas também.

 

Para chegarem lá, o caminho mais fácil será irem de comboio até à estação de Clapton, Hackney Downs ou Hackney Central e a partir daí apanharem um autocarro que vá para Lea Bridge Road. Ficam algumas fotos do passeio:

 

leevalley3.JPG

leevalley1.JPG

leevalley2.JPG

leevalley4.JPG

 

Passeios guiados em Londres e Berlim

Na semana passada estive em Berlim. Tinha uma conferência durante a semana por isso aproveitei e fui logo no sábado para fazer um pouco de turismo durante o fim-de-semana. No primeiro dia andei de um lado para o outro e fiquei um pouco frustrada porque fartei-me de andar e vi apenas uma pequena parte de Kreuzberg. Eu sabia que a zona tem muitos locais interessantes, mas o que me apercebi é que, sem saber ao certo do que estou à procura, é muito difícil conseguir identificar os tais locais. 

 

Então no domingo, optei por fazer um passeio guiado que, por um lado, pensei ao início que talvez fosse um pouco turístico demais, mas afinal adorei e foi a melhor decisão que tomei. Visitei e fiquei a conhecer coisas que de outra forma não saberia. Foi um passeio intitulado "Berlim Moderno" onde nos levaram a ver as zonas mais interessantes com arte de rua, falaram-nos sobre os artistas e a história da zona, fiquei a saber muito mais sobre Berlim e alguns factos interessantes dos quais não fazia ideia. 

 

Isso fez-me pesquisar por opções de passeios guiados por Londres que imagino que também venham a ser igualmente úteis para quem passe por Londres em turismo ou que viva cá e queira ver uma nova perspectiva da cidade. 

 

Encontrei uma companhia que faz passeios variados em Português por ter sido fundada por um Brasileiro. São os passeios do Guri em Londres e têm óptimas reviews no TripAdvisor. As opções de passeios incluem:

 

- Pub Crawl Histórico: Passam por 15 pubs, parando em quatro deles (ou cinco, no inverno) pra beber, olhar o pub por dentro e conversar. A diferença é que mistura muita história desde o Grande Incêndio até a Segunda Guerra Mundial.
* Terças às 17h
 
- Let's Rock!: O tour do rock britânico! Passam por locais relacionados com a história do rock britânico nos bairros do Soho e Camden Town e um pouco de Covent Garden. É mais voltado para a década de 60, mas também fala sobre bandas mais recentes como Oasis e Amy Winehouse. 
* Quintas às 17h
 
- Beatles Tour: Quem pensa que Londres não tem muita história do quarteto de Liverpool está enganado. A banda mudou-se pra Londres por volta de 1964/65 e existem muitos locais em Londres que ficaram marcados na história com a presença dos Beatles. 
* Segundas às 13h
 
​- Harry Potter Tour: ​Neste passeio fala-se de locais que inspiraram a autora a escrever a série, passa-se por locais onde foram efetuadas filmagens e por vários pontos de interesse turístico pelo caminho.
* Segudas às 10h.
 
Os tours acontecem semanalmente e o bilhete inclui 1 passeio para o titular da reserva e acompanhante isento de taxa de reserva e inscrição;
 
​Não inclui transporte até o ponto de encontro nem deslocamento durante o passeio (necessário no "Beatles tour" e no "Let's Rock!").
 
Para mais informação, identificar quais os passeios que vão decorrer no vosso dia de preferência, e reservarem bilhetes selecionem a data neste calendário .
 
 

DSC_1677.JPG

 

 

Contrato da casa está feito

Depois de voltas e revoltas com a situação do novo apartamento, finalmente o contrato está assinado por ambas as partes, o que significa que, em princípio, o apartamento vai ser meu 

 

É super entusiasmante, mas agora a parte chata é que ainda não sei quando me vou poder mudar e, aliás, apenas o vou saber 10 dias antes da data da troca de chaves. Isso significa que vou ter 10 dias para encontrar alguém que me substitue na casa actual, fazer as malas e tudo mais. A data estimada será por volta de Julho ou Agosto, o que também significa que vai ser complicado planear férias de verão por Portugal porque tenho receio de ir e calhar exatamente na semana em que eu recebo a notificação da mudança. 

 

Idealmente iria encontrar alguém para ficar com o meu quarto atual que tenha a flexibilidade de mudar com uma notificação de 10 dias, mas bem sei que é complicado. De qualquer forma, aqui fica o alerta de que vou ter o meu quarto para alugar, caso alguém tenha planos de mudar-se para uma zona sossegada e residencial de Hackney a alguns minutos do overground na zona 2. O quarto é médio/grande, a casa é muito gira e é partilhada com mais duas pessoas - um Português e um Holandês, ambos com uma idade média de 33 anos e bem sei que preferiam alguém com idade semelhante, homem ou mulher. São ambos extremamente simpáticos e respeitadores, damo-nos todos bem e a casa tem uma grande sala, cozinha separada, 1 casa de banho partilhada pelos três e um jardim espaçoso ideal para BBQs. A casa é alugada por uma agência que requer referências dos anteriores senhorios dos últimos 3 anos (no Reino Unido) e do trabalho, por isso será necessário que a pessoa que me vá substituir possa apresentar essas referências. A rua também é super agradável e fica uma foto em baixo. Se alguém estiver interessado, tiver flexibilidade na data de mudança e corresponder ao critério indicado em cima - idade e referências - por favor enviem-me um email e eu mando mais informações. 

 

IMG_1981.JPG

 

Começam os primeiros problemas com a possível compra da casa

A situação da casa ainda não está nada resolvida e, afinal está a ser muito mais complicada e stressante do que o que inicialmente o agente me fez pensar. Stressante devido ao empréstimo bancário que tenho que pedir para o pagamento do apartamento. Quando eu disse que queria avançar com a casa e fiz a entrevista com o consultor de financiamento (é assim que se chama em Português a um Independent Mortgage Advisor?), ela disse que o banco que oferecia melhor taxa de empréstimo seria o Santander. Então lá fiz o pedido de empréstimo com o Santander. Passado um dia, o banco confirmou que o meu empréstimo tinha sido oferecido. Fiquei toda contente e descansada porque assim já podia avançar e comecei por pagar o serviço da consultora de financiamento, a entrada para os advogados e o depósito inicial para o apartamento. Dois dias depois de ter feito isso, a consultora volta-me a contactar e diz que afinal o Santander fez um erro no seu acesso e que afinal já não me vão dar um empréstimo! A consultora disse-me que tinham feito um erro quando analisaram o meu 'credito score' (qual o termo utilizado para credit score? Pontuação de crédito?) e que, afinal não era bom o suficiente para eles me concederem um empréstimo. 

 

- O quê?! Mas podem assim mudar de ideias sem mais nem menos? E porque raio é que o credit score não lhes agrada?? Nunca antes tinha pedido crédito e raramente uso o meu cartão de crédito. 

 

Aparentemente o facto de não estar cheia de dívidas é mau para o credit score. O que os bancos querem ver é que eu já tenha pedido dinheiro emprestado frequentemente e pago as dívidas. Mas isso tem alguma lógica?? Não será muito melhor emprestar dinheiro a alguém que sabe gerir o seu dinheiro de forma natural dentro das suas poses em vez de ter que estar a pedir dinheiro emprestado??

 

Enfim, lá a consultora disse-me que a segunda melhor alternativa era tentar pedir o dinheiro ao Barclays. Eu disse que sim, mas depois estive a fazer umas contas e vi que o HSBC oferecia condições muito melhores. Como tal, disse que já não ía em frente com o Barclays e que ía tentar com o HSBC primeiro. No entanto, o problema é que o HSBC é muito mais demorado no seu processo e, agora como já tinha dado a instrução aos advogados, já tenho uma data limite para fazer o contrato daqui a duas semanas e meia. mas estou com medo se o HSBC não trata das coisas até essa data. E se não tratar também não sei quais serão as consequências. Estou a tentar obter toda essa informação, mas devo dizer que isto é tudo muito stressante. 

O que fazer em Londres em Março 2016 (o que resta dele)

fazer-03-16.jpg

 

OK, este mês tenho andado mais preocupada com a história da casa do que qualquer outra coisa, mas isso não afecta as centenas de coisas interessantes que há para fazer em Londres este mês. O post vem atrasado este mês, mas ainda vale a pena pesquisar sobre o que fazer nas restantes semanas de Março. Fica uma selecção do que achei interessante:

 

Eventos que celebram a História da Mulher O que é? Uma organização cultural em Tower Hamlets no Este de Londres está a realizar vários eventos ao longo de todo o mês de Março, desde palestras, a exposições de arte e comédias relacionadas com a história da Mulher. Quando? Até 31 de Março. Quanto? Alguns eventos pagos outros gratuitos. Ver programa. Onde? Vários locais em Tower Hamlets. Ver site para detalhes. 

 

Mariza em Londres O que é? A famosa fadista Portuguesa, Mariza, volta a cantar em Londres. Quando? 15 de Março. Quanto? £45.Onde? Barbican. Estação? Barbican.

 

Strange and Familiar - Exposição de fotografia O que é? Exposição de fotógrafos internacionais que capta a sua persectiva de aspectos da vida no Reino Unido. Quando? De 16 Março a 19 de Junho. Quanto? £12.  Onde? Barbican. Estação? Barbican.

 

St. Patrick's Day O que é? O dia de São Patrício, o Santo Padroeiro da Irlanda, celebra-se a dia 17 de Março, e tudo o que é pub e bar Irlandês vai celebrar o dia em força. Aconselho a lista seleccionada pela Time Out de locais onde celebrar essa noite. Quando? 17 de Março. Onde? Vários locais por Londres inteira.

 

Mercado de Primavera Filandês O que é? Mercado onde se vende artesanato, comes e bebes, incluíndo um BBQ à moda Filandesa. Quando? De 18-20 de Março. Quanto? Entrada gratuita. Onde? Finish Church.  Estação? Rotherhite.

 

Corrida dos Barcos - Oxford vs Cambridge O que é? Todos os anos estudantes das universidades de Oxford e Cambridge entram em competição numa corrida de barcos a remo no Tamisa. Tipicamente, os espectadores passam a tarde nos pubs solarengos junto do Tamisa enquanto esperam ver os barcos passar. Quando? 27 de Março. Quanto? Não se paga para ser espectador. Onde? Zona de Putney.  Estação? Putney ou Hammersmith.

 

O apartamento volta a ser uma possibilidade

E no último post tinha dito que o tal apartamento não me tinha sido alocado, mas entretanto recebi um e-mail a informar que o apartamento já estava novamente disponível porque a pessoa a quem tinha sido alocado mudou de ideias. Como tal, o apartamento é meu se eu quiser!! 

 

Mas com essa notícia, também surge a dúvida - será que quero mesmo este apartamento? Será que esta é a melhor opção? Será que eu devia esperar mais algum tempo para ver se encontro um apartamento que possa comprar por inteiro em vez de shared ownership? E se fôr, será que o apartamento e o bloco de apartamentos tem todas as coisas que preciso - por exemplo parque seguro para a minha bicicleta (não quero ter que andar a acartar com ela para cima e para baixo todos os dias)?; A rua junto ao edifício vai ser cortada para não haver passagem de carros?; Vem com seguro de construção?;... fiz uma grande lista de questões que já enviei ao agente. Dependendo das respostas que ele der, eu logo vejo se vou em frente com o apartamento ou se não. Ao mesmo tempo, tenho andado numa euforia a olhar para tudo quanto é site de propriedades para ver o que mais está por aí à venda. Quero poder comparar preços, qualidade, localização, espaço, etc., para verificar se esta será a melhor decisão. Mas estou entusiasmada!

excited_emoji.PNG

 

Recomeça a procura de nova casa

Os leitores mais regulares podem lembrar-se que por meados do ano passado eu escrevi este post quando comecei a pensar em entrar numa das fases mais complicadas na vida de qualquer Londrino - encontrar casa para comprar.

 

Foi também nessa altura que fizeram cortes na minha empresa anterior e lá fui eu juntar-me à fila dos desempregados. Claro que essa não era altura para comprar casa nenhuma e, quando recomecei o novo emprego tive que esperar alguns meses até ficar permanente, antes de sequer poder pensar em comprar casa, visto que a maioria dos bancos não me iriam oferecer um empréstimo nessas condições.

 

Assim que fiz os 6 meses na empresa achei que seria altura de voltar a pensar no assunto. Primeiro fui falar com o meu banco para saber quanto podia emprestar e depois comecei a olhar para os anúncios de propriedades e inscrevi-me para receber alertas das mesmas dentro do meu orçamento.

E começam os alertas – uma mistura entre estúdios, apartamentos em edifícios sociais, apartamentos mais modernos ou em casas bonitas antigas localizados no cú de judas :-S Escusado será dizer que nenhum deles correspondia ao tipo de apartamento que eu gostava de poder comprar. Os preços de casas para comprar são absolutamente ridículos e, sinceramente pergunto-me como é que estas pessoas conseguem comprar as centenas de apartamentos de luxo que estão espalhados pela cidade e que não param de construir.

 

Ao deparar-me com a impossibilidade de comprar o tipo de apartamento que gostava de ter numa zona da minha preferência comecei a pensar que a minha melhor alternativa seria mesmo optar por ‘Shared Ownership’ ou ‘Help to Buy’, sendo que ambos são esquemas oferecidos pelo Estado para ajudar os compradores a comprar a sua primeira casa. No post que escrevi no ano passado já escrevi um pouco sobre shared ownership e, o conceito do Help to Buy é semelhante no sentido em que também não podem usar o esquema se não tiverem intenções de viver na casa. A diferença é que, com o Help to Buy, a casa é toda vossa, mas para além do empréstimo ao banco, o governo também vos dá um outro empréstimo que, até agora tem sido no valor de até 20% do valor total da casa, mas a partir de Abril deste ano vai passar a ser até 40% do valor total da casa para propriedades em Londres. Isso sem dúvida que vai abrir as portas a mais compradores mas também facilita aos construtores que podem continuar a manter os preços elevados sem perderem dinheiro com isso. O problema é que para beneficiarem do ‘Help to buy’ é necessário comprar casa num dos desenvolvimentos especificamente aprovados pelo esquema ‘Help to Buy’ e, a oferta desse tipo de propriedades é muito limitada.

 

Comecei então a pesquisar mais no site de shared ownership por desenvolvimentos que fossem do meu interesse já que essa foi a única opção que encontrei para poder conseguir comprar algo de que goste. Encontrei um desenvolvimento que parecia interessante e bem localizado e fui visitar o apartamento modelo. Gostei e submeti o meu interesse de imediato. Até ao momento em que eu tinha ido visitá-lo já tinham havido 20 pessoas a submeter interesse para os 14 apartamentos disponíveis. Passado uma semana recebi um email a informar-me que nenhum apartamento me tinha sido alocado. 

 

Este é um dos problemas da shared ownership. A concorrência. Preferência é dada a pessoas que vivam e/ou trabalhem na junta de freguesia para a qual se estão a candidatar a um apartamento. Eu correspondo a esse critério, mas existem muitos mais critérios tais como – preferência é dada a cidadãos que tenham cargos considerados ‘essenciais’ tais como enfermeiros, bombeiros, etc. Preferência é também dada a quem já esteja a receber ajudas financeiras do Estado, tais como a viver em acomodação social por exemplo. E eu não correspondo a nenhum desses critérios por isso também sou remetida para o fim da lista. Felizmente esse crit]erio todo está para ser eliminado em Abril deste ano, sendo que apenas os militares vão ter prioridade.

Enfim, não vejo outra possibilidade senão continuar atenta e candidatar-me para outro apartamento, quando eventualmente aparecer algo de que goste.

 

 

 Este mapa indica o valor médio do preco das propriedades por estação de metro de Londres. Vejam o mapa grande aqui

Property-Map-London-2.jpg

 

Segurança em Londres

O facto da porta da minha casa ter sido arrombada é sem dúvida muito desconcertante, e não só não foi a primeira vez que me tentaram assaltar a casa como conheço várias pessoas que já tiveram situações semelhantes ou piores. Os piores casos foram:

  • Entraram pela janela da casa da minha amiga que vivia em Muswell Hill durante o dia e roubaram tudo, tudo, tudo que fosse de valor. Desde portáteis a máquinas fotográficas, roupa, dinheiro, etc. - exactamente a mesma situação aconteceu com um amigo que vivia em Putney (não sei como entraram no apartamento dele). 
  • Numa casa ao lado da minha quando morava em Camberwell, viviam lá 5 raparigas. 4 delas tinham ido sair à noite e a outra ficou em casa a dormir. Como uma delas tinha ficado em casa, as outras decidiram fechar a porta apenas no trinco. Os ladrões facilmente abriram a porta com um cartão ou algo semelhante que fez a porta abrir sem estragos ou barulho. Roubaram também tudo da casa expecto as coisas que estavam no quarto da 5ª rapariga que tinha ficado a dormir. Obviamente eles devem ter entrado no quarto, viram que estava a dormir e deixaram-na ficar. 'Sorte' a dela ter estado a dormir porque nunca se sabe o que fariam caso ela não estivesse. 
  • A pior de todas foi mesmo o assalto ao apartamento do amigo de um amigo que acordou a meio da noite no seu quarto, com um ladrão com uma arma apontada para ele enquanto o outro roubava o portátil.  -  Horrível mesmo!

 

Apesar de todas essas situações, quando me perguntam se Londres é uma cidade perigosa, eu respondo que não é propriamente perigosa. Sendo uma cidade grande, claro que vão haver pessoas mal intencionadas, mas de forma geral, é uma cidade onde se pode andar à noite sozinho sem problemas nas zonas movimentadas. Claro que se voltarem sozinhos para casa a meio da noite é sempre mais seguro apanhar um táxi, mas não é do tipo de cidades em que a probabilidade de que algo aconteça seja alta. Nestes 10 anos em Londres tenho voltado para casa sozinha à noite muitas vezes e fui assaltada uma vez. Além disso, se eu pensar nas minhas amigas próximas que estão em Londres há tanto ou mais tempo que eu, nunca sofreram nenhum assalto. 

 

Portanto, de forma geral, sim é preciso ter cuidado, tanto em casa como na rua com possíveis ladrões, mas de forma geral Londres não é uma cidade onde tenham que estar constantemente preocupados com a segurança. Ficam algumas sugestões de precaução:

 

Em casa:

  • Fechar sempre a porta de casa à fechadura mesmo quando estão em casa
  • Fechar as janelas quando não estão em casa para não dar oportunidades aos ladrões de entrarem nem de verem o que se encontra dentro da casa
  • Se forem de férias, vale a pena comprarem uma das luzes que se acendem automaticamente a certas horas do dia para parecer que a casa está ocupada

 

Na rua:

  • Não andar a falar com telemóveis na rua à noite
  • Cobrir sempre bem o PIN quando estão numa caixa multibanco e não utilizem a caixa se estiver alguém com ar suspeito ali próximo
  • Não andar com câmaras ao pescoço ou outro equipamento de alto valor que possa atrair as atenções
  • pelo sim, pelo não é aconselhável que apanhem um taxi para casa se voltarem sozinhos depois da meia-noite
  • Se tiverem uma bicicleta, certifiquem-se de que a prendem a um local apropriado sempre com pelos menos duas trancas, uma para cada roda, sendo que uma delas deve também trancar a estrutura da bicicleta

 

Para quem vive em Londres, se tiverem outras dicas que achem úteis na precaução de possíveis assaltantes, por favor indiquem nos comentários.

 

safety_first.jpg