Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tuga em Londres

A vida de uma Lisboeta recentemente Londrina.

O Gráfico Hipster de Londres

Hoje recebi uma mensagem com este gráfico de Londres e achei hilariante - ideal para quem ainda está a começar a conhecer Londres e quer saber onde pode usar os seus novos skinny jeans da Uniqlo. 

 

London area map 600px London by Locals: Hipster Graph + 7 Street Guides

 

Desatei a rir com Clapton e Stratford.

Leicester Square e Shoreditch - sooo true!!!

Só não percebi muito bem Notting Hill. Nunca vi nenhum hippie no meio das "Yummy Mummys'" que se passeiam pelas boutiques de Westbourne Grove durante os dias de semana, mas talvez se estejam mais a referir ao Carnaval de Notting Hill.

 

Muito bom. O pessoal (ou pessoa) que escreveu isto sem dúvida que conhece bem Londres. 

 

E para os que podem estar a ler este post e não sabem o que significa o termo "hipster", refere-se a uma subcultura de pessoas que valorizam a individualização, pensamento progressivo, tendem a ter fortes opiniões políticas e tendem a vestir-se de uma forma que corta com as regras de moda seguida pela maioria das pessoas. Os próprios, no entanto, seguem as suas modas - há o grupo dos hipsters que gostam muito da moda dos anos 80 e das cores fluorescentes; há aqueles que seguem a moda do artísta não compreendido optando por roupas mais justas, maioritariamente em tons de preto, com um chapéu ou bigode. Depois há também o "hipster geek" que se identifica geralmente pelos grandes óculos de massa e camisa apertada até ao pescoço. Há ainda os "vintage hipsters" que parecem saídos de um filme da 2ª Guerra Mundial.

 

Como ultimamente, "ser hipster" também se tornou um pouco numa moda, a essência do hipster perdeu um bocado o sentido, mas tal como todas as modas imagino que mais uns tempos e muitos voltam a outras tendências. Irão restar aqueles que realmente valorizam a cultura hipster. 

 

Há uns poucos anos atrás surgiu este vídeo na net que foi uma sensação e que basicamente goza com a cultura hipster, mas não deixa de ser hilariante. Não quero estar aqui a gozar com ninguém, mas de facto aqueles que simplesmente se vestem "à hipster" porque a American Apparel está na moda e acham que assim ficam mais "cool", merecem que eu partilhe este vídeo. Com mais de 9milhões de visitas, fica o vídeo "Being a Dickhead's Cool"

 

London Style Guide

Sabem quando vão a uma daquelas lojas tipo Urban Outfitters e deliciam-se a folhear aqueles livros com títulos como "100 coisas que tenho que fazer antes de morrer" ou "as melhores capas de albúns do mundo", e pensam como aqueles serão óptimos presentes para darem a um amigo num próximo aniversário; desejavam que alguém se lembrasse de vos oferecer o mesmo; mas nunca considerariam comprar um para voces próprios? Pois finalmente alguém se lembrou de me dar um desses livros a mim. Chama-se "London Style Guide" e trata-se de uma compilação das lojas, restaurantes e pousadas independentes de Londres que costumam estar "escondidas" dos turistas e das multidões.

 

Adorei receber este livro como presente! Ainda só tive oportunidade de andar a folheá-lo um pouco, mas achei interessante que a maior parte das áreas que estão apresentadas no livro encontram-se no Este de Londres. Não estou surpreendida já que é no Este que se encontram os locais mais genuínos e reservados para o uso dos locais. As zonas apresentadas são as seguintes:

 

  • Hampstead (norte)
    London Style Guide cover
  • Islington (nordeste)
  • Primrose Hill (norte)
  • Bermondsey (sul)
  • Chelsea & South Kensington (oeste)
  • Clerkenwell (este)
  • Columbia Road (este)
  • London Fields (este)
  • Stoke Newington e Dalston (este)
  • Shoreditch (este)
  • Bethnal Green (este)
  • Kensal Rise (oeste)
  • Nothing Hill (oeste)
  • Marylebone (centro)
  • Bloomsbury (centro)
  • King's Cross (centro)
  • Soho e Noho (centro)

 

Algumas destas zonas eu penso já conhecer bem, outras nem por isso, mas estou super curiosa para começar a explorar o livro para verificar a veracidade do mesmo e dos tais ditos pequenos gemes localizados em cada uma das áreas. Mal posso esperar por descobrir novos sítio em locais conhecidos, dos quais possivelmente ainda nunca ouvi falar.

Sabem quem são os vossos vizinhos?

Já há algum tempo que tinha ouvido falar sobre este site mas só hoje é que fui lá dar uma olhadela - upmystreet permite pesquisar o postcode onde vivem ou pretendem morar para obter informação detalhada sobre a zona incluíndo o perfil das pessoas que moram lá, o preço médio das casas para venda e para aluguer, a qualidade das escolas, o nível de crime da zona, etc.

 

Este site é particularmente útil para quem anda à procura de casa numa zona que ainda não conhece bem e gostava de saber um pouco mais sobre a área antes de tomar decisões precipitadas de ir morar para lá. Basta colocar o código postal no botão de busca do website, e depois poderão obter todas estas informações ao clicarem no botão "My Neighbourhood" e um, a um, todos os tópicos relacionados com o bairro pretendido. 

 

Toda a informação publicada é proveniente de dados adquiridos através de pesquisa efectuada pelo Estado inclusivie através dos Census.

 

Eu fiquei a descobrir que na minha rua vivem pessoas maioritariamente educadas a nível universitário que gostam de ler jornais diários como o The Guardian, Independent, The Times and Financial Times. Maioritariamente são profissionais jovens solteiros ou casais jovens que aqui residem em propriedade alugada. 1 em cada 4 tem um curso de pós graduação ou especialização profissional e costumam passar as férias de inverno a esquiar. Nas escolas locais os estudantes têm os resultados dos GCSE's (tipo provas globais do 9º ano) a cerca de 2% abaixo da média nacional, e a percentagem de faltas às aulas ronda os 3%. 

 

Impressionante o nível de detalhes que eles levam nas descrições, não é? Não sei bem se os resultados são mesmo representativos, mas ao menos coisas como o facto de haver na rua poucas crianças, e se houver são crianças pequenas, concordo que assim o seja, já que efectivamente não vejo muitas pela rua. 

 

De qualquer forma mesmo que não seja exactamente correcto acho que este site pode ajudar bastante pessoas que procuram cassa para alugar ou comprar por providenciar alguma informação útil sobre a vizinhança e o bairro.

Londres vista de outra perspectiva

Estou a adorar esta coisa das Barclays Bikes, as tais bicicletas de aluguer espalhadas pela cidade de que já falei num post anterior.

Tive a primeira experiência neste fim-de-semana. Apeteceu-me ir passear um bocadinho para a zona da Southbank junto ao rio, e mal chego a Waterloo dou de caras com uma das estações destas bicicletas. Ora não foi tarde nem cedo, foi logo ali que peguei na minha primeira bicicleta. Acabei por descobrir umas ruas laterais nas quais ainda nunca tinha estado e fiquei com a ideia de que mesmo ali na zona onde já passei tantas vezes ainda me ficaram mais outras quantas ruelas por descobrir.

 

Acabei por estacionar a bicicleta numa estação junto ao Borough Market em London Bridge que ainda estava cheio de gente, e lembrei-me de que sendo final do dia, era altura dos vendedores se livrarem de todos os produtos frescos a metade do preço, por isso sem dúvida o momento ideal para lá dar uma voltinha.

 

15 minutos depois e com um Apple Strudel delicioso na mão que me tinha custado uma pechincha lá continuei o meu passeio a pé até Tower Bridge. Claro que me ficou o bichinho de andar de bicicleta e, como tal na volta optei por apanhar nova Barclays Bike com a intenção de deixá-la junto a Kennington e apanhar ali o metro o resto do caminho até casa. Sem dúvida que a parte mais interessante até lá chegar foi a de atravessar a bela da rotunda de Elephant & Castle de bicicleta. Diga-se de passagem aquela rotunda é um desafio para qualquer tipo de veículo com ou sem motor. Mas lá a fiz sem contratempos. O único senão foi mesmo ao chegar a Kennington e não ver coisíssima nenhuma de estação das Barclays Bike. Ora aí é que se torna um bocadinho problemático. É que sem saber onde raio encontrar uma estação e com a minha meia hora gratuita quase a acabar a coisa torna-se mais chata. Mas lá decidi continuar na diracção de Vauxhall visto que Vauxhall é na zona 1 por isso sem dúvida que lá teria que haver uma estação daquelas. E lá estava ela. A 3 minutos antes da minha meia hora terminar lá consegui deixar a bicicleta.

 

Entretanto já descobri onde fica a estação de bicicletas de Kennington e até existem duas lá perto, mas esta coisa da descoberta também tem a sua piada.

 

Hoje já voltei a dar novo uso às bicicletas ao ir desde o ginásio até ao trabalho de bicicleta em vez de utilizar o metro. E que óptimo que soube. Novamente descobri uma nova rua por onde ainda não tinha passado e ainda cheguei a atravessar metade do Hyde Park a pedalar o que também fez com que a viagem fosse mais agradável ainda.

Estou mesmo fã deste esquema das bicicletas. 

Porque é que eu gosto de Broadway Market

Clique para oferecer mamogramas
No fim-de-semana anterior apeteceu-me ir passear um pouco pela cidade, mas queria ir a algum local onde nunca tivesse ido antes. Enquanto olhava para o mapa de Londres sem muita sorte em encontrar uma zona onde ainda nunca tivesse estado, lembrei-me de que há relativamente pouco tempo me tinham falado de um mercado muito giro em Hackney. Não me lembrava do nome mas nada que uma pesquisa no Google por mercados em Hackney não tivesse resolvido. Chama-se Broadway Market e, efectivamente, ainda nunca lá tinha estado. Verdade seja dita eu não morro de amores pela zona de Hackney, mas, tal como se diz é "up and coming", e a pouco e pouco esta área de Londres que já foi muitas vezes classificada como uma zona com elevada criminalidade em Londres, está cada vez a atrair mais jovens profissionais para lá irem morar e a criminalidade está a diminuir. Surgem barzinhos giros, cafés, boutiques, novas propriedades e com locais como o Broadway Market (que neste caso já existe há muito tempo) às portas de London Fields ajuda a atrair ainda mais pessoas.

 

O Broadway Market em si é um mimo. Localizado junto ao Regent's Canal, na rua com o mesmo nome, logo à distância apercebi-me de que estava a entrar num local com óptimo potencial pela música que se fazia ouvir de uma das barraquinhas do mercado que vendia CDs e discos de música que não se costuma ouvir nos tops. De cada um dos lados da rua existem lojas mesmo muito giras em que só apetece comprar tudo. Desde lojas de roupa e acessórios vintage, livrarias independentes, lojas de arte e design, e cafés com um aspecto super convidativo para lá entrar com um livro e passar a tarde sentada a ler acompanhada de um daqueles cappuccinos cheios de espuma e muffins saborosos feitos no dia.

 

No centro da rua ficam duas fileiras de barraquinhas onde maioritariamente se vendia comida desde fruta e vegetais a empadas e comida saudável feita na hora, mas também com umas barraquinhas com livros, artesanato, acessórios e roupa.

 

Tudo com óptimo aspecto e um ambiente geral da rua muito agradável. Adorei! A parte menos favorável é que eu queria mesmo sentar-me num café para escrever um bocadinho, mas a maioria dos cafés estavam cheios ou quase cheios e eu queria um bocado de calma. Já estava a pensar ir a algum café mais afastado do mercado, mas foi logo ao atravessar a ponte do canal que me deparei com uma loja de bicicletas por onde me decidi ficar. Sim, leram bem, uma loja de bicicletas. É que lá dentro, metade do espaço era a tal loja de artigos de ciclismo, e a outra metade (se bem que os dois lados se fundiam um pouco com acessórios de bicicletas junto às primeiras mesas) era um café com mesas de madeira e umas janelas muito longas viradas directamente para o canal. Chama-se Lock 7. Muito agradável mesmo. Adorei a minha descoberta.

 

Artista de rua no Broadway market

 

Para chegar ao Broadway Market podem andar cerca de 30-40 minutos desde Liverpool Street, ou então apanham um autocarro na direcção de Hackney Central, e ao passarem por hackney Road, junto à paragem do Haggerston Park, saiam do autocarro e percorram o resto a pé. Melhor ainda é aproveitarem já que estão em Haggerston Park e visitem a Hackney City Farm (mais outra descoberta que fiz nesse sábado). Tal como o nome indica essa é nada mais nada menos do que uma quinta, e qualquer pessoa pode lá entrar e ver os animais - porcos, galinhas, coelhos e outros quantos animais variados. É sem dúvida um bom local para se visitar principalmente para quem tiver crianças, visto que aquela quinta estava cheia de famílias com a criançada toda divertida ao ver os animais ali ao vivo e a cores, bem no centro da cidade de Londres. Passando pelo lado direito do Haggerston park, pela Goldsmith's Row vão ter directamente ao Broadway Market.

 

Notem que o dia de mercado é ao sábado entre as 9h e as 17h. Podem visitar o site do Broadway Market aqui.