Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tuga em Londres

A vida de uma Lisboeta recentemente Londrina.

O crescer profissional significa uma regressão social?

Eu sinto uma diferença considerável no meu dia-a-dia, principalmente nos últimos meses. Vejo-me a cancelar ou chegar mais tarde que o habitual a encontros com amigos durante a semana, tenho menos tempo para os meus hobbies incluíndo a minha dança a que ía todas as semanas, e noto que o efeito está a ser reflectido também na frequência com que consigo postar aqui no blog. E quando me perguntam o porquê desta diferença, a minha resposta é só uma - não tenho tempo. E ao começar a pensar bem na razão porque não tenho tempo a razão principal é sem dúvida o emprego. Comecei a ter mais responsabilidades este ano, o que é óptimo, mas isso também significa que tenho que lidar com muitas mais pessoas, e estou em reuniões quase constantemente durante o dia, deixando-me pouco tempo para efectivamente fazer trabalho e, ao mesmo tempo os emails vão-se empilhando. Ou seja, o tempo que tenho para simplesmente parar e tratar dessas coisas é depois das 18h ou antes das 9h. O que significa que saio do trabalho em média pelas 20h e entro o mais tardar pelas 8:30h para conseguir estar concentrada. Eu continuo a adorar o que faço, mas não gosto do facto de chegar sempre exausta a casa, sem energia para quase nada, sentar-me um bocadinho e ir para a cama porque no dia seguinte tenho que novamente acordar cedo para ir ao ginásio (nos dias em que vou) mais cedo do que o que ía dantes para conseguir estar sentada na secretária antes das 9h. 

 

Dantes, até por vezes chegava ao trabalho depois de ter dormido só umas horas porque tinha ido sair na noite anterior, e passava um dia de trabalho assim mais calminho a ver emails e tal. Hoje em dia, tal não é possível. Não que queira ir sair até às tantas a um dia de semana, mas se houver uma festa ou evento, simplesmente sei que tenho que ter imenso cuidado e ser daquelas pessoas mais chatas que saem cedo das festas. Porque o dia seguinte vai ser cheio de tudo e mais alguma coisa e estar a 'esconder-me atrás dos meus emails' simplesmente já não funciona. 

 

Não me estou a queixar mas por vezes precisava mesmo de ter mais horas de trabalho e menos de reuniões para conseguir fazer tudo dentro das horas normais. E hoje em dia nem pensar ir passar férias sem estar a ler e responder a emails todos os dias. Ía-me demorar pelo menos um dia inteiro de volta ao trabalho para os responder a todos se não me mantivesse em cima do acontecimento durante as férias. Agora já percebo melhor porque é que é sempre o pessoal da gerência que trabalha de casa mais frequentemente. Não é que estejam a tentar fazer menos trabalho. É porque assim evitam de estar no ambiente do escritório onde estão constantemente a ser interrompidos. 

 

Estou consciente desta mudança, mas estou também consciente de que não quero ficar sem tempo para mim, para a minha vida social e para os meus hobbies. Tenho que encontrar uma fórmula que ajude a tornar as coisas o mais eficientes possível. Se alguém já tiver encontrado essa fórmula, agradecia saber qual é que encontraram.

overworked.jpeg

 

10º aniversário da primeira turma de Marketing do ISCTE

Fez este ano 10 anos que terminei a minha licenciatura de Marketing e como tal, eu, os meus colegas e alguns professores tentámos marcar um reencontro ao fim destes anos todos. Aproveitámos a altura do Natal para o fazer com o intuito de tentar juntar o maior número de pessoas possível, inclusivé os emigrantes que, como eu, só voltam a Portugal ocasionalmente, sendo que a época do Natal é a data mais certa para estarmos todos em Portugal. Mesmo assim, a coisa não resultou lá muito bem. Ao fim de 10 anos, já muitos têm família e estão ocupados com os mais pequenitos, outros estão emigrados e pretenderam ficar no estrangeiro nesta altura, outros estavam nas terras dos pais, outros a viajar, etc. Portanto, acabámos por ser 7 ex-colegas mais 2 professores. 

 

Apesar dos números serem pequenos gostei muito de voltar a reencontrar-me com os ex-colegas, alguns deles que já não via desde o fim da licenciatura. Interessante também ver os diferentes caminhos que cada um tomou, mas o que achei mais interessante é que mais de metade dos que ali estavam mantinham-se na mesma empresa por onde iniciaram a sua carreira quando saíram da universidade. Imagino que isso talvez esteja um pouco relacionado com o que é habitual em Portugal. Os meus pais também trabalharam na mesma empresa a maior parte das suas vidas. Eu, no entanto, talvez por estar em Londres e, a rotatividade de empregos ser maior, nem me passaria pela cabeça ficar tanto tempo na mesma empresa. Eu acho que cresci imenso como profissional por ter tido experiência a trabalhar em diferentes empresas. No meu trabalho actual estou a aplicar os processos e actividades que achei melhores/mais eficientes de outros empregos e apercebo-me de certas coisas que não eram tão efectivas em trabalhos anteriores simplesmente porque não as sabia fazer de outra maneira. Foi a possibilidade de trabalhar com tantas pessoas diferentes, tantas tecnologias, que me permite fazer melhores seleções hoje em dia. Para além de que acho que ficaria super aborrecida de estar sempre a trabalhar na mesma indústria, a comunicar sobre os mesmos produtos, a ir aos mesmos eventos. Adoro a diferença que a possibilidade de novos trabalhos nos oferecem. Além disso, é quando se muda de emprego que, geralmente, se consegue melhorar consideravelmente de salário, o que também é importante.

 

Por outro lado, bem sei que, dada a instabilidade actual de Portugal, esse tipo de mudanças podem ser mais difíceis de fazer, além de que, deve ser um grande risco sair-se dum emprego permanente para outro onde não se tenha tantos benefícios ou segurança. Acho que todos beneficiavam se as políticas das empresas relativamente a fazer os empregados permanentes mais cedo fossem alteradas. Se nos países economicamente mais desenvolvidos tais como o Reino Unido, Estados Unidos, etc., funciona bem contratar pessoas para ficarem permanentes ao fim de uns 3 meses e terem a possibilidade de despedir empregados que não efetuem um bom trabalho mais facilmente, com um mês de aviso (até menos nos EUA, mas eles exageram) e, sem grandes compensações, provavelmente isso também seria uma prática que podia ser benéfica para as empresas em Portugal. As empresas beneficiavam com um pouco mais rotatividade porque íam receber empregados empolgados em fazer o seu melhor, que trazem com eles ideias novas. Era bom para os empregados porque passavam a sentir-se mais confiantes em mudar de emprego e aprendiam mais a nível de carreira por estar expostos a diferentes ambientes de trabalho e indústrias. Era bom para o país porque empresas com empregados motivados e mais qualificados a nível de experiência trariam mais inovação, logo as empresas conseguiriam ter maior sucesso, o que seria reflectido nos salários, consecutivamente no poder de compra e na melhoria da economia a nível geral. Possivelmente estou a ser idealista e isto não é assim tão simples de mudar quanto parece, mas que provavelmente seria melhor para o país, isso penso que seria.

 

iscte_bencao.JPG

 

 

 

A dificuldade de encontrar candidatos a um emprego

Estou a recrutar pela primeira vez para uma posição permanente, mas isto é muito mais difícil do que pensava. E porquê, quando há tantas pessoas à procura de empregos? Possivelmente uma das razões é por não ter investido o suficiente em publicidade, mas principalmente porque simplesmente parece que as pessoas candidatam-se a qualquer emprego sem ter qualquer tipo de experiência relevante para o que é pedido. Eu preciso de um profissional com experiência específica incluíndo bons conhecimentos práticos a trabalhar com o software de automação de marketing - Marketo, para além de experiência com Salesforce, HTML, alguns conhecimentos de design para poder criar os emails e páginas de web e boa qualidade de escrita. Quase todas as empresas B2B hoje em dia têm alguém neste tipo de função por isso não devia ser assim tão difícil, mas já recebi CVs de candidatos que não têm conhecimento de nada do que é pedido. Se precisam de ganhar experiência então devem-se candidatar a um tipo de função mais júnior, não será? Achei que devia comentar aqui sobre o assunto porque caso andem à procura de emprego, aconselho a que tenham isso em consideração e simplesmente evitem perder o vosso tempo e o tempo dos empregadores ao candidatarem-se para empregos que não se adequem de forma alguma à experiência ou qualificações que têm. Quando querem mudar de área a solução passa por tirarem um curso relacionado ou ganhar experiência através de voluntariado nessa área antes de começarem a canditar-se a empregos da área. Se se candidatarem apenas aos empregos relevantes, cujos requerimentos se assemelham muito à vossa experiência, e enviarem uma boa carta de apresentação que indica a razão pela qual são os melhores candidatos para a função, vão ver que vão ter muito maior sucesso na taxa de respostas.  

 

Recruitment1.jpg

 Fonte da image: www.networks3r.com

 

No entanto, e já que estou aqui a falar sobre este emprego, se conhecerem alguém com o tipo de experiência indicada em cima por favor enviem-me um email (o email está no perfil) com o CV que eu envio de volta mais informação sobre o cargo em questão. 

 

 

Emigrante Portuguesa em Londres: 10 anos em revista

Neste sábado que passou fez 10 anos que me mudei permanentemente para Londres. Já cá tinha vivido durante 5 meses como estudante Erasmus no ano anterior, mas foi a 5 de Setembro de 2005 que, depois de uma primeira semana de treino em Munique para o meu primeiro emprego, me mudei permanentemente para Londres. Na altura não sabia que a estadia se ía prolongar tanto, mas também não tinha qualquer intenção de que fosse uma estadia curta. Como tenho dito ao longo destes 10 anos, cada vez que me perguntam se vou ficar - "para já é aqui que quero viver. No futuro logo se vê se pretendo viver noutro local."

 

Penso no passado muito pouco, mas, provavelmente devido à ocasião, este fim-de-semana, acabei por lembrar-me bastante dos diferentes acontecimentos que foram decorrendo ao longo destes 10 anos - os altos e baixos, os amigos que fiz, as viagens e passeios, os diferentes empregos que tive, os amores que não ficaram, as zonas de Londres por onde vivi, a forma como evolui e me transformei numa pessoa diferente daquela jovem tímida que vivia nos arredores de Lisboa à mais de 10 anos atrás.

 

10anosemlondres.jpg

 

AS CASAS

10 anos, 8 casas, 7 localizações

  • Vivi as minhas primeiras semanas em Tower Hill em casa de um amigo de Erasmus. Como o seu contrato estava a acabar, decidimos procurar casa juntos com mais uma Austriaca e vivi com eles na minha primeira residência permanente em Camberwell durante 1 ano até o senhorio vender o apartamento.
  • Mudei-me depois uns metros à frente, mais próximo da estação de Oval, para uma casa com 5 quartos onde vivi por cerca de ano e meio. Ali fizemos muitas e boas festas, até que as coisas começaram a correr mal com o tal amigo Austriaco de Erasmus e quiz procurar nova casa para morar.
  • Lá consegui encontrar quarto num apartamento em Clapham Common mas estava a viver com uma Inglesa com quem era extremamente difícil de viver e, apenas fiquei por lá 3 meses porque não queria estar a viver em condições tão desconfortáveis.
  • Conheci o meu flatmate Português, com quem vivo até hoje quando me mudei para o novo apartamento em Brixton. Vivemos ali cerca de 2 anos até que o senhorio vendeu.
  • Ao contrário do que eu queria e esperava ao fim de mais de 5 anos a viver no sul de Londres, encontrámos novo apartamento no Norte de Londres, em Stoke Newington. Foi uma das melhores mudanças que fiz porque essa mudança também trouxe um novo grupo de amigos que adoro.
  • Ao fim de ano e meio a senhoria decide vender o apartamento e lá temos que mudar outra vez. Essa procura foi muito difícil mas lá encontrámos um apartamento em Dalston à última da hora. Não gostámos do novo apartamento e só lá ficámos 3 meses.
  • Tivemos a oportunidade de ir morar para uma casa um pouco mais a sul onde duas amigas moravam e íam sair. Já passaram 2 anos e 2 meses e por lá continuo. Agora espero que só saia daqui quando fôr para comprar o meu apartamento. Já estou farta de tanta mudança.

Ao contrário do que pensei algumas vezes, o local onde vivo é mesmo importante para o meu bem-estar geral, por isso sou apologista de não entrarem em contratos de arrendamento de longo prazo sem uma claúsula de "escape" porque só mesmo quando lá se vive é que se sabe se se vão sentir bem.

 

O EMPREGO

10 anos, 8 empregos, 6 títulos

  • Comecei num "international graduates scheme" para uma grande empresa, mas o programa deles não incluía experiência em marketing. Não gostei e senti que não estava a fazer um bom trabalho. Saí.
  • Mudei para vendas porque tinham o trabalho anunciado como "field marketing". De marketing não tinha nada. Passei o inverno a andar kilómetros todos os dias a vender de porta em porta linhas telefónicas baratas para as lojas. Um dia não aguentei mais e despedi-me. 
  • A meu envio incessante de CVs resultou numa entrevista para uma agência de marketing. O candidato que fizesse o melhor plano de marketing para um dos seus serviços, ficava com o emprego - consegui e tive o meu primeiro emprego como 'Marketing Assistant'.
  • Essa empresa foi comprada por um grupo de empresas e mudei-me para a sua empresa de construção como 'Marketing Executive'.
  • Passados 2 anos mudei para outra empresa do grupo de processamento de pagamentos, novamente como 'Marketing Executive'.
  • Passados mais 2 anos, chegou a fase da crise, essa empresa foi à falência e fiquei desempregada durante umas 2 semanas.
  • Encontrei novo emprego como 'Marketing Manager - EMEA & APAC' para uma empresa de tecnologia e por lá fiquei durante 4 anos, até ter a infelicidade de ter que lidar com uma chefe péssima.
  • Mudei então para outra empresa de tecnologia como 'Marketing Manager - EMEA' até ter sido despedida devido a cortes de custos. 
  • Ao fim destes 10 anos sou agora 'Senior Marketing Manager - EMEA' para uma empresa de tecnologia que, ao fim dos primeiros 2 meses no novo emprego, estou a gostar bastante.

Nunca é fácil encontrar novo emprego, principalmente no início quando não se tem experiência e todos os anúncios pedem por ela. Demorei 8 meses a encontrar o emprego certo que me lançou na carreira de marketing que pretendia, mas o importante é que não desisti. Sabia o que queria, e tentei não perder muito tempo nos trabalhos "errados" por isso insisti, insisti, insisti, até dar.

Através da experiência ao longo destes anos algumas das lições importantes que aprendi foi para nunca desistir dos meus objectivos; a ser confiante mesmo quando tudo parece estar contra nós; a nunca julgar alguém pelo seu emprego; e a não tratar ninguém de forma diferente independentemente do cargo que ocupam do executivo ao empregado das limpezas.

 

OS AMIGOS

Vieram e foram ao longo dos anos. Uma das situações comuns entre pessoas que são novas numa cidade ou país é que tendem a fazer amizade com outras pessoas que também estão nessa cidade há pouco tempo. São essas as pessoas que procuram estabilizar-se e fazer novos amigos, mas também são eles que mais rapidamente vão mudar de opinião acerca da nova cidade e ou voltar para o país de origem ou procurar outra localidade. Assim foi com os meus amigos também. Do primeiro grupo de amigos próximo que fiz, a grande maioria já não vive em Londres. Cada vez que os mais próximos se vão embora ficava com aquela sensação de vazio. - "E agora, quem é que vou poder convidar para ir sair expontaneamente?" - Tive que recomeçar amizades de raiz várias vezes, mas com o passar dos anos, aquelas pessoas que são estrangeiras e que também ficam por cá, já passaram a fase da dúvida, e são mais prováveis a manterem-se por cá. Com os anos também se começam a criar amizades mais facilmente com outros que sejam ou originários de cá ou que já cá criaram raízes.

Ao fim das primeiras vezes que "perdi" amigos locais devido a mudanças, aprendi a não parar de tentar conhecer pessoas novas. Assim, fui criando uma rede de diferentes grupos de amigos e, hoje em dia, se alguns tomarem a decisão de irem, já não me vou sentir sozinha. 

 

OS AMORES

Nunca desejei a vida convencional - estudar, trabalhar, casar, ter filhos - e a minha mudança para Londres  fez exactamente com que não tivesse essa vida e que aproveitasse com uma variedade de experiências pelas quais, em Lisboa não teria sido possível passar. Mas no que se trata de amor, Londres torna-se um bocado vingativa, porque o facto de haver tantas pessoas nesta cidade, também faz com que todos sejam muito mais selectivos ou muito mais interessados em experimentar estar com diferentes personalidades para perceberem bem o que gostam e não gostam antes de optarem por aquela que é mesmo ideal.

Queixo-me mas não me posso queixar porque também caí na mesma armadilha de pensar assim. Quebrei corações assim como mo quebraram a mim. Alguns marcaram mais que outros mas o facto é que entre aqueles que me marcaram nos últimos 10 anos - 4 namorados (o Britânico de origem Cipriota e Polaca, o Inglês, o Irlandês e o outro Irlandês) e outros que nunca o chegaram a ser - por uma razão ou outra não foram a pessoa ideal. 

 

#

 

Olhando para estes 10 anos, considero que o balanço foi sem dúvida positivo. Posso ainda não ter o cargo, a casa e o namorado que imaginava que teria ao fim de 10 anos, mas tive muitas experiências e coisas boas que valeram muito a pena e compensaram eventuais pontos menos positivos.

Se vou ficar por cá mais 10 anos? O que penso que vai acontecer? - Não sei. - Passem aqui pelo blog em inícios de Setembro de 2025. Se eu ainda estiver por Londres, eu digo o que aconteceu por cá. 

A minha recente procura de emprego

emprego-novo.jpg

Esta semana passada comecei o meu novo emprego e com isso dá-se por concluída a minha recente procura de novo emprego desde que fui informada de que íam haver despedimentos na empresa. O meu último dia oficial na empresa anterior foi a 19 de Junho e, passadas 2 semanas comecei o meu novo emprego. Felizmente não demorou muito tempo na procura, mas acho que valeu bem a pena ter dedicado o máximo de tempo possível na procura. 

 

A partir do dia em que fui notificada que efectivamente tinha que deixar a empresa, fiquei decidida de que queria econtrar um emprego o mais rapidamente possível. Ainda tinha um mês pela frente a trabalhar com a minha empresa anterior e, por motivos éticos queria acabar o máximo que conseguisse daquilo em que estava a trabalhar, se bem que também queria dedicar-me à procura de emprego. Assim sendo, todas as manhãs eu concentrava-me na procura de trabalho e, durante as tardes trabalhava para a empresa.

 

 

Tinha como objectivo candidatar-me a um mínimo de 3 empregos relevantes por dia, sendo que alguns tinham longos processos de candidatura e, portanto, cada um demorava bastante tempo para preparar a candidatura.

 

Comecei primeiro  por listar o meu CV nos sites que considero melhores em termos de reconhecimento para a minha área e frequentados por recrutadores de boas empresas incluíndo:

Cada vez que colocava o CV num desses sites também pesquisava e candidatava-me logo a empregos relevantes anunciados nos respectivos sites. 

 

O risco que correm quando se candidatam a vários empregos é que, se uns dias mais tarde, um recrutador vos telefona relativamente a um deles, vocês poderão não se lembrar do emprego em questão. Por vezes isso pode cair mal se o recrutador vos pergunta o que é que vos atraiu no emprego e, vocês têm que admitir que não sabem a que emprego ele se está a referir. Alguns recrutadores, principalmente se forem representantes da própria empresa, podem achar que isso significa que não estavam mesmo interessados naquele emprego em específico e que apenas querem um emprego qualquer. Para evitar isso e também para me ajudar em termos de preparação para entrevistas no caso de ser chamada por alguns dos empregos, decidi criar uma folha de excel num google doc onde anotava o link para todos os empregos para os quais me candidatava assim como os respectivos contactos, nome da empresa, título do emprego, salário anunciado, data de candidatura, e espaço para observações relativamente ao estado da aplicação. Assim, cada vez que um recrutador me telefonava, podia olhar para essa folha de excel e sabia imediatamente tudo o que precisava saber sobre esse emprego sem ter que estar a fazer perguntas desnecessárias. 

 

Nessa mesma folha de excel, anotava também numa outra folha, os contactos de todos os recrutadores que me telefonavam e os respectivos empregos sobre os quais me falavam. Assim sendo, não só sabia com quem tinha que falar mas também permite-me manter os contactos organizados para o futuro em que possa precisar de contactá-los novamente numa próxima pesquisa de emprego.

 

Durante a primeira semana enviei imensas candidaturas, inclusívie do tipo de candidaturas que se envia através do LinkedIn em que basta enviar o perfil sem ter que escrever carta de apresentação. Esse pequeno esforço resultou em muito pouco e, na semana seguinte decidi mudar a minha estratégia e, passei a candidatar-me a menos empregos mas enviar cartas de apresentaçao muito específicas para cada emprego, o que obviamente também reflectia passar mais tempo em cada aplicação. Na carta de apresentação colocava pelo menos um parágrafo muito personalisado possívelmente relativo a algo que conseguia ver no marketing deles que poderia ser melhorado e como eu gostaria de falar com eles sobre as minhas ideias. No dia em que enviei a primeira carta com esse nível de personalisação recebi um telefonema da empresa e marcámos entrevista para o dia seguinte. 

 

Nessa noite preparei-me muito bem para a entrevista, memorizando bons exemplos de actividades em que tinha trabalhado no passado, com os respectivos resultados. Não me chegaram a chamar para a segunda fase desta empresa porque não tinha toda a experiência que eles queriam mas, valeu a pena dedicar esse tempo a preparação porque isso facilitou a preparação para todas as outras entrevistas que tive depois bastando investigar sobre a empresa, a sua história e produtos ou serviços e reler tudo aquilo que já tinha preparado sobre a minha experiência. Aconselho lerem este post sobre preparação de entrevista. 

 

No final da segunda semana comecei a ter mais chamadas e pedidos de entrevistas, mas aí também se apresentou o problema de que na quarta-feira da semana seguinte eu ía para férias durante 10 dias logo não estaria disponível para entrevistas presentes. Mesmo assim, os recrutadores foram bastante flexíveis e acabei por marcar 3 entrevistas no dia antes de ir para férias e tive mais 3 entrevistas por skype e telefone enquanto estive de férias em Itália. Todas essas 6 entrevistas correram muito bem e fui convidada a ir à segunda fase para todas elas. Entretanto, enquanto estive de férias recebi várias chamadas e, com tudo isso, na semana em que voltei tinha 10 entrevistas marcadas. Nessa segunda-feira em que voltei, tive logo 4 entrevistas e uma das empresas, que estava no meu topo 2 de preferência entre todas as com quem tinha entrevista marcada, fez-me uma oferta de emprego, nesse mesmo dia. 

 

Decidi tomar o risco de não aceitar imediatamente por duas razões - 1) porque queria continuar o processo de candidatura em pelo menos uma outra empresa de que também gostava e 2) porque ao demonstrar que estava em mais processos de candidatura também me tornaria uma candidata mais atraente para esta empresa e, como tal, haveria mais probabilidade de me oferecerem o salário que eu tinha pedido porque não me iriam querer perder para outra empresa. 

 

Assim continuei nos outros processos de candidatura de que gostava mais e cancelei todos os outros pelos quais não tinha tanto interesse. Para o final dessa semana a outra empresa de que eu queria concluir o processo de recrutamento tinha indicado que me queria ver para uma fase 3 de entrevistas, mas que o processo só podia ser finalizado dali a 2 ou 3 semanas porque entretanto também havia um novo candidato interno e, como tal tinham que dar prioridade ao candidato interno. Visto isto decidi que não queria continuar com o processo porque senão iria estar a rejeitar uma outra boa oportunidade que era a do primeiro emprego que me tinha sido oferecido e, obviamente não os podia fazer esperar mais 2 ou 3 semanas. Por isso na semana seguinte tratei dos detalhes com essa empresa e acordamos que eu começaria na semana seguinte que, foi a passada segunda-feira. 

 

Claro que todo o processo foi um bocado stressante porque nunca se sabe o que se vai conseguir, o tempo que vai demorar, etc., mas felizmente as coisas correram pelo melhor e não demorou muito tempo. Acho que também ajudou bastante ter um CV em que eu indiquei factores de sucesso dos meus trabalhos anteriores apresentados com dados, percentagens de sucesso ou outros dados quantitavos que os recrutadores gostam sempre muito. Para dicas sobre como construir um bom CV já escrevi este post

 

Agora a ver como as coisas vão correr com o novo emprego, mas para já estou satisfeita e entusiasmada com os desenvolvimentos da primeira semana e curiosa sobre o que me aguarda nesta semana que vem. 

De volta a Londres e a 100 à hora

Uff, finalmente tenho oportunidade de fazer um update no TugaemLondres. Bem sei que tenho vários e-mails por responder e, irei chegar a todos nos próximos dias. As férias Italianas acabaram no domingo à noite e, a partir do momento que cheguei, ainda não tive tempo para parar. Só tinha dormido umas 3 horas no sábado, e no domingo também tive pouco mais de 5 horas para dormir porque tinha que me levantar cedo para a primeiro entrevista que ía ter nesse dia, para a qual ainda não me tinha preparado. No total, tinha umas 10 entrevistas marcadas para esta semana. Como tal tem sido um corropiu entre entrevistas, levando o portátil comigo para poder fazer uma revisão nos cafés para a entrevista seguinte no tempo que ía tendo entre cada uma.

 

Já chegámos a quinta-feira e mal vi a semana a passar. Acho que provavelmente pela falta de sono e cansaço geral o meu corpo começou a fraquejar e hoje tive que passar o dia em casa, com tosse, dor-de-cabeça, corpo dorido e actualmente encontro-me sentada no sofá rodeada por um mar de lenços de papel usados. Felizmente já tinha desmarcado as 3 entrevistas que ía supostamente ter hoje, já que não seria mesmo capaz de sair de casa. Em vez disso, passei o dia a trabalhar para uma apresentação para outra entrevista que tenho amanhã. A empresa parece ser interessante, cheia de 'geeks' já que é uma consultoria de informática, mas gosto muito do conceito que tem e estou curiosa para lá ir conhecer as pessoas e os escritórios. Esta vai ser a segunda entrevista com eles visto que a primeira foi feita por telefone. Esta posição será para a única pessoa de marketing na empresa, mas tem potencial para crescer em termos de equipa. Acho que seria uma oportunidade um pouco  diferente daquilo que tenho feito até aqui, mas também será mais desafiante que outros empregos que tenho em consideração. E uma coisa interessante é que estes tratam os empregados MUITO bem. Para terem uma ideia, para a festa de verão deles, eles vão alugar uma ilha privada onde todos vão festejar com parceiros, crianças, etc. Yep, uma ilha privada!! 

 

Com isto posso dizer que a procura de emprego está a correr positivamente. Quando estiver tudo finalizado irei escrever um post sobre como procedi à pesquisa durante este período e os altos e baixos por que tenho passado, para que possívelmente vos possa  ajudar também numa próxima que estiverem a procurar por novo emprego. 

 

Entretanto, as minhas férias em Itália já parecem um sonho distante. Foram mesmo relaxantes e animadas. Adorei! Ficam fotos que tirei na segunda parte das férias quando estava em Como:

view_flat.jpg

Vista do apartamento

 

swing_square.jpg

 Swing dancing on the square @SwingCrash

 

O início da pesquisa de novo emprego

Já me candidatei a cerca de 10 empregos, dedicando todo o tempo necessário para cada um deles de forma a fazer as candidaturas o mais personalisadas possível. Também já coloquei o update do meu CV no LinkedIn, no Monster.co.uk, no Simplymarketingjobs.co.uk. Mas ainda me faltam uns sites importantes tais como o CV-Library e o Jobsite.co.uk.

 

É interessante que, agora que fiz o upgrade da minha conta LinkedIn para a Premium porque oferece algumas vantagens para quem está à procura de emprego, vejo também a concorrência que tenho para cada emprego. A conta Premium indica, não só o número total de aplicantes, mas também qual a universidade que a maioria frequentou, e identifica quais os perfils que estão mais adequados a certas ofertas de emprego. Assim sendo, mesmo antes de enviar candidatura consigo ver logo se estou no topo 10% ou no topo 50% dos candidatos, por exemplo. Consigo ver se a concorrência é pouca ou muita e isso ajuda um pouco para me ajudar a decidir se vale a pena dedicar muito tempo a certa candidatura ou se não. Ontem por exemplo candidatei-me a um que indicava as seguintes como as universidades de alguns dos outros candidatos. Afinal o ISCTE está quase ao nível, certo? Só talvez não seja assim tão conhecido por aqui 

linkedin_univs.PNG

 

Dia D

Hoje é que vou saber se fico ou se vou mais cedo para casa. Existe algum nervosismo que claro que a decisão desta reunião que vou ter por volta do meio-dia vai definir se posso aproveitar este fim-de-semana prolongado tal como queria ou se me devo dedicar às cartas de apresentação e pic-nics (pic-nics porque não posso gastar dinheiro, mas também não quero colocar a minha vida social de lado) 

 

Qualquer que seja o resultado, hoje está sol e sinto-me com energia por isso a positividade irá manter-se.

 

DIA D.png

 

 

Fim-de-semana surpresa em Portugal

Relativamente à situação no emprego, não há grandes novidades. Decidiram adiar a decisão por mais uma semana  No entanto, houve uma colega minha que entretanto encontrou um novo emprego através dos contactos dela e já tinha entregue a carta de demissão (fiquei a saber na sexta-feira). Talvez a redução desse salário seja suficiente? Não sei. O facto é que decidiram adiar a decisão na base de novos contratos que foram fechados desde que eles enviaram o aviso. Não estão relacionados, mas houve um certo factor sorte pelos contratos terem fechado nessa semana. De qualquer forma, não concordo com esta ideia de adiar a decisão. Ficamos mais uma semana na dúvida. Ou querem despedir, ou não querem despedir - decidam-se! Caso esses novos contratos fossem suficientes para manter o pessoal já deviam ter tomado essa decisão. 

 

Trabalho à parte, na sexta-feira à tarde parti para Lisboa. O meu irmão foi ter comigo ao aeroporto que era o único que sabia que eu ía lá este fim-de-semana já que tinha como objectivo fazer uma surpresa à minha avó para o seu 87º aniversário que decorreu este domingo. No entanto, a reação que a família teve ao ver-me não foi exactamente a que eu esperava:

Quando a minha mãe chegou a casa e me viu disse - "A minha filha?!" E depois ficou notavelmente nervosa e perguntou assustada "Mas o que é que aconteceu?"

Quando a minha avó me viu disse (ela já não vê muito bem) - "Mas quem és tu?" 

 

OK, foram reações um bocadinho diferentes daquilo que imaginei, mas pareceu-me que quando passou o estado de choque elas ficaram contentes com a visita. 

 

O sábado foi passado na Praia Grande (e que bom que estava com os seus altos 20ºC!) e o domingo foi passado na aldeia da minha avó em festejos com a família. Voltei a Londres hoje de manhã recebida por 10ºC e chuva. Oh, enfim, ao menos passei um fim-de-semana muito solarengo. Eis a vista de sábado para a vista de hoje. Descubram as diferenças 

praia_londonbridge_horizontal.jpg

 

A reunião com os Recursos Humanos

Ontem tive a reunião com os Recursos Humanos sobre a minha eventual redundância. Basicamente ela não me deu qualquer formato e simplesmente pediu-me para justificar as razões pelas quais o meu trabalho é importante para a empresa. Até que preferi essa falta de formato na reunião porque assim eu pude dizer tudo aquilo que queria. Quando terminei ela disse-me que tinha anotado o máximo que conseguiu daquilo que eu disse, mas que talvez não tivesse apanhado tudo, por isso, se eu quizesse, que lhe enviasse algumas notas em resumo.

 

 

Então decidi que, em vez de lhe enviar um email a ela, devia enviar um email directamente a todo o conselho executivo já que são eles que vão tomar a decisão final - o CEO, o CRO (Chief Revenue Officer), o VP de Finanças e a VP do departamento Legal fazendo cópia para a gestora de Recursos Humanos  e os meus dois chefes - o Director Regional e o VP de Marketing. Estruturei o meu email muito bem, tal como o tinha feito na reunião com os Recursos Humanos, começando por indicar os objectivos da empresa no momento em que decidiram contratar-me e indicando quais os resultados da minha função face a cada um dos objectivos. Indiquei os resultados para 2014 baseados em factos e números provando que o meu trabalho trouxe mais de 300% de retorno sobre o investimento para a empresa nesse ano. Depois passei por explicar os meus objectivos para este ano, os resultados apresentados até agora e o trabalho que tenho feito e planeado para os próximos meses. Terminei a indicar que actualmente já tenho um valor significativo investido em actividades de marketing que estão por decorrer e uma quantidade de acordos com parceiros influenciantes na nossa indústria e, dado que me preocupo com o que vai acontecer com todas essas actividades caso eu saía subitamente da empresa, perguntei quais os seus planos para levar essas actividades adiante sem mim. A pergunta era retórica mas só a quis deixar no ar para eles pensarem sobre o assunto. 

boardmeeting.jpg

Enviar um email directamente ao conselho executivo nāo é propriamente algo que eu deveria ter feito sendo que o CEO, quando nos enviou o email de notificação na semana passada, indicou que devíamos comunicar com os Recursos Humanos sobre o assunto. Imagino que a Gestora de Recursos Humanos também não deve ter achado muita piada a eu ter eliminado o seu intermediário, mas queria ter a certeza que a minha mensagem era passada tal como eu queria. Fiquei nervosa no momento em que carreguei no botão Enviar, mas fiquei satisfeita ao mesmo tempo por tê-lo feito. Acho que demonstra interesse, atitude, perseverança, para além de justificar a importância do meu trabalho. Acho que qualquer gestor de um negócio iria querer manter-me na empresa depois de ler um email daqueles a não ser que efectivamente não tenha o dinheiro para me manter. E se por outro lado, eles acharem que o meu email foi intrusivo e desrespeitador, qual é a pior coisa que me podem fazer? Despedir-me?