Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tuga em Londres

A vida de uma Lisboeta recentemente Londrina.

Desporto ao ar-livre em Londres

Hoje esqueci-me da mochila do ginásio em casa. Por isso, e como me estava mesmo a apetecer exercitar um bocado, quando voltei a casa do trabalho, troquei de roupa e fui mesmo correr para a rua.

 

Claro que o facto de a hora ter adiantado este fim-de-semana ajudou imenso porque às 18:30h estava ainda o sol alto e muito agradável para se estar na rua.

 

Assim que saí da porta do prédio começo a minha corrida e vou por entre a zona das lojas, passando pela confusão da saída do metro até chegar ao parque, sempre a correr. Confesso que me parecia um pouco estranho ao início estar a correr no pavimento onde outras pessoas andavam ainda de mala na mão vindas do trabalho, mas depressa essa sensação passou. Isto porquê, porque em Portugal, eu jamais que ía assim correr para o meio da rua. Até me parece um pouco ridículo esta ideia, mas tal nunca me passaria pela cabeça a não ser que fosse correr para um local devidamente próprio para o exercício tal como a passagem para peões e bicicletas que liga o Guincho a Cascais, ou ali na zona de Belém ou no Parque das Nações ou então numa praia qualquer. Não consigo pensar num outro local onde eu me iria sentir bem a fazer exercício na rua ali na zona de Lisboa. Eu sei que é um pensamento um pouco retrógado, mas este foi um pensamento que me foi incubido pela própria sociedade em que vivia. Acho que não estou a exagerar quando penso que algumas pessoas de facto iriam comentar negativamente o facto de estar uma pessoa a correr no meio da rua em Lisboa. Por isso preferia não fazê-lo, aliás, acho que nem nunca sequer coloquei essa hipótese quando estava em Portugal.

 

Mas aqui é exactamente o oposto. Eu sinto-me mal é de estar na rua a andar e ver tantas pessoas a correr e eu não estar a correr também. Bem, entenda-se que isto também não é assim pela cidade toda. Depende um bocado das zonas. Na área onde eu estava a morar antes, por exemplo, se via uma pessoa a correr na rua das duas uma, ou estava a fugir dum ladrão ou estava a fugir da polícia. Não tinha nada que enganar.

 

Em Clapham Common é impressionante a quantidade de pessoas que vejo a correr na rua todos os dias. Também estamos junto ao Common, ou seja o parque, por isso é normal que as pessoas já venham de casa a correr em direcção ao Common. Mas se isto fosse em Portugal, eu acho que as pessoas iriam a andar até ao parque e só quando lá chegassem é que começavam a correr.

 

Clapham Common 

 

Como estou aqui a morar na zona à relativamente pouco tempo ainda não tinha tido esta experiência de ir correr para o Common ao fim da tarde depois do trabalho, mas sinceramente fiquei fã. Com a temperatura amena, o sol lentamente a esconder-se, campos verdes enormes à minha volta, uma música boa no ouvido e a motivação que é ver tantas outras pessoas a correrem também, faz com que aprecie muito mais a minha corrida. Muito mais do que no ginásio onde aquela passadeira rolante não deixa de ser extremamente monótona.

 

E sinceramente ainda fiquei admirada com a quantidade de pessoas que estavam no parque a correr ou a fazer Tai Chi ou a jogar jogos de equipa,... o ambiente era muito bom mesmo. Aliás, acho que as únicas vezes onde vi tanta gente junta a correr num mesmo local em Lisboa foi mesmo na mini-maratona da Ponte 25 de Abril. Pronto OK, aí estamos a falar de mesmo muitas pessoas, mas acho que por lá é mesmo assim ou é 8 ou 80. Vêm-se umas poucas pessoas a correr nos locais "apropriados" para tal ou então vêm-se aos milhares em eventos públicos. Não há meio termo.

 

Isto tudo para dizer que não há que ter vergonha de ir exercitar fora de um ginásio, que devia-se aliás fazer muito mais já que é uma sensação tão boa, e isto é um conselho principalmente para mim própria. Estou tão habituada a exercitar num espaço fechado que só agora ando a descobrir as vantagens de ter um parque aqui tão perto de casa. Tenho que fazê-lo mais vezes principalmente agora com o começo dos dias quentes. E quem puder, aconselho o mesmo também que, sinceramente, vale bem a pena!

 

Estava ansiosa para escrever este post

Finalmente!!!!!!!! Mal posso acreditar, mas finalmente encontrei um apartamento em que disse, SIM, é aqui que eu quero morar (isto acho que até parece o slogan de um crédito á habitacao qualquer que já vi por Portugal)!

 

Bem, estes últimos dias tem sido mesmo muito stressantes, de tal forma que já nem conseguia mais escrever sobre o que me estava a acontecer aqui no blog porque isso iria implicar que tinha que pensar ainda mais sobre a situacao em que eu estava no momento.

 

Bem, parei de escrever na parte em que estava na dúvida entre o apartamento de Edgware Road para viver com 2 Alemaes, 1 Austriaco e uma rapariga do Kazaquistao e entre o apartamento de Fulham para viver com a rapariga Turca que me tinha dado a impressao de ser um bocado mandona.

 

Depois de ter recebido vários comentários por aqui e através de amigos que, sem dúvida me ajudaram muito a abrir os olhos, eu decidi-me pelo apartamento de Edgware Road. Muito obrigada a todos que mandaram opinioes.

 

Ora mas nao estava eu a contar que a situacao nao fosse assim tao linear como eu esperava. Telefonei-lhes (pessoal de Edgware Rd.) nessa noite para confirmar que queria ir morar lá em casa, no entanto, a sugestao foi que eu fosse lá ao apartamento novo para os conhecer a todos para a semana. Isto porque na festa que fizeram em casa deles onde eu era suposto conhece-los, um estava na Austria e o outro ficou empanado no trabalho até de madrugada. Por isso nao conheci 2 deles nessa noite. Como me dei tao bem com os outros pensei que fosse suficiente, mas nao. Pelo menos mais um deles tinha que me conhecer antes de eu ir morar lá para casa. Como só me podem ver para a semana já que andavam muito ocupados esta semana, nem pensei duas vezes e voltei logo á net á procura de casa (nao queria esperar até á proxima semana). Mas sinceramente fiquei muito desiludida com a situacao. E isto já era segunda-feira, logo só tinha mais 4 dias para encontrar uma casa nova. Chorei, desesperei, enfim,...

 

Na terca de manha acordei com uma decisao - como eu nao tinha dito ao meu flatmate Austriaco para receber depósito de ninguém nem tinha dado uma data fixa para sair de casa ao senhorio, decidi informar o senhorio e o Stefan de que eu ía ficar mais tempo em casa que era para o Stefan informar a pessoa que supostamente me viria substituir para ela poder encontrar outra casa. Afinal eu tenho todos os direitos de ficar lá em casa porque tinha sido o Nazi do meu flatmate a decidir em que data eu deveria sair em vez de ter sido eu a dizer em que data sairia de casa. Claro que o Stefan ficou todo chateado, mas quero eu lá saber.

 

No entanto, ao longo do decorrer da manha achei que nao queria mesmo ficar mais tempo lá em casa e depois também eu sei que seria uma situacao muito má para a rapariga que me vinha substituir que ela afinal nao tem culpa de nada. Entao decidi contactar um Australiano que tinha conhecido á uns dias atrás que andava á procura de casa para irmos procurar casa juntos. Como ele já tinha marcado para ver umas casas durante a tarde, tirei a tarde de folga e fui com ele (o meu chefe de departamento e a rapariga de GRH sabem bem como tem sido a minha situacao por isso nao colocaram nenhuns problemas por ter pedido a tarde de folga no próprio dia). La fui eu com ele para visitar uma casa de council (bairro social) muito mal tratada, velha e feia; um apartamento de council onde nem sequer entramos porque o agente da imobiliária nao apareceu; um apartamento em cima duma loja com quartos minúsculos e outros apartamento numa casa victoriana com quartos ainda menores.

 

Com o despero com que estava por nao encontrar nada e já ser terca-feira, telefonei á Turca a dizer que queria ficar com o quarto. Ela disse-me que outra rapariga tinha acabado de telefonar e ficou com ele. Fiquei com um melao!!

 

Na quarta convenci-me de que tinha que encontrar alguma coisa, qualquer coisa. Marquei 3 visitas a casas para essa noite - uma em Westbourne Park, uma em Fulham e uma em Clapham North. A primeira que vi, gostei do quarto que era grande e apesar de nao gostar muito do resto da casa, paguei um pequeno depósito de £100 ali mesmo ao senhorio para ele retirar o anúncio. Estava um pouco na dúvida mas ao menos o quarto era bastante grande e a zona é agradável e central por isso fiqui com ele. No entanto nao conheci nenhuma das pessoas que moram na casa. Aparentemente é uma daquelas casas onde cada um aluga o seu quarto e nao interagem muito entre eles. Ou seja, nada daquilo que eu queria, mas o desespero era tal que nao queria deixar escapar aquele quarto já que pela minha experiencia sei que o mais provável e que os próximos sejam ainda piores.

 

Quando saí de lá mandei uma mensagem á rapariga de Fulham a dizer que ja lá nao ía porque tinha aceite um quarto. Quando ía a mandar a mesma mensagem para o rapaz de Clapham north, pensei, "espera lá, entao e se este apartamento for melhor? Fica so mais a 2 estacoes de metro depois da minha por isso mais vale lá ir ver a casa no caso de ser espectacular. Ainda mais nao estou muito satisfeita com esta onde acabei de deixar o depósito, por isso mais vale ir ver este apartamento". E fui!

 

Ficava numa casa victoriana no rés-de-chao. Era muito perto da estacao e ficava numa rua paralela a outra onde vive uma grande amiga minha, por isso a localizacao era optima. O apartamento em si era um bocado pequeno mas também era só para partilhar com mais um rapaz. Tinha um pequeno quarto, uma pequena sala, uma pequena cozinha e um enorme jardim. Nao era nada de extraordinário mas como também só tem 2 quartos acho que cria um ambiente muito mais acolhedor e comecei logo a imaginar como ia mudar a decoracao ao meu gosto. Hehe! Bem, mas fiquei durante uns momentos na dúvida entre esse apartamento e o outro quarto onde tinha pago as £100. Sem dúvida que o homem nao me iria dar o depósito de volta. Mas como prefiro morar em Clapham North do que em Westbourne Park, aliás, nos últimos dias tinha andado só á procura de casa ali em Clapham North e Clapham Common (a zona do Common seria a ideal mas também é mais cara). Entao, nessa noite já em casa, mandei uma mensagem ao rapaz de Clapham North a dizer que queria ficar com o quarto. Na manha seguinte ele responde-me a dizer que outra pessoa ficou com o quarto

 

Com isto tudo era quinta-feira e eu tinha a possibilidade de me mudar para uma casa em Westbourne Park sem sala, sem pessoas sociais e longe dos meus amigos. Sinceramente nao estava nada feliz. Apenas aliviada porque, ao menos, já podia sair da casa onde estou actualmente no dia 1 de Marco. Marquei mais 4 visitas para ver casas nessa noite mas sinceramente nao tinha grandes esperancas. A primeira foi um apartamento junto a uma estrada enorme, com a vista para armazéns grandes tipo AKI e rodeada de council flats por todos os lados. No entanto este edifício em si era espectacular! Construído apenas á 5 anos atrás, o edifício era super moderno e o apartamento ficava no último andar (quarto andar). Era um apartamento de apenas 2 quartos e para partilhar com uma Portuguesa que também se ía mudar para lá este fim-de-semana. A rapariga era muito simpática e o apartamento impecável, sendo que o quarto disponível era grande com ensuite e "walk-in-wardrobe" (daqueles roupeiros em que se entra lá para dentro). O apartamento tinha varanda e o edificio tinha terraco com barbeque onde o pessoal costuma fazer festas. Muito bom! E também muito caro! Claro está! Mas apesar de ser muito caro e apesar de ser em Clapham Junction, o que nao me agrada muito, principalmente naquela zona de Clapham Junction junto á estrada enorme sem nada de lojas ali perto, mesmo assim, preferia ficar com aquele apartamento do que com o outro de Westbourne Park.

 

Já estava um bocado atrasada para as próximas visitas a casas e ainda pensei em saltar a próxima e ir antes á seguinte, mas depois achei que mais valia ir a todas pelo sim pelo nao e mandei mensagem a todas a dizer que estava atrasada.

 

A visita que fiz seguinte foi a um apartamento em Clapham Common (a minha zona de eleicao para morar), localizado numa área muito calma residencial a 5 minutos da estacao de metro. O edifício por fora nao era tao bonito como o que tinha visto antes mas mesmo assim, tipicamente um edificio ingles mais antigo e bem conservado. Ao entrar no apartamento estava uma senhora inglesa nos seus 60 anos á minha espera. Fiquei logo a pensar que nao queria morar com pessoas mais velhas do que 40 anos de idade. Mas ela era muito simpática, mostrou-me o quarto muito bonito embora de tamanho médio (como o meu actual), seguido da sala enorme com tudo XPTO lá dentro, mesmo impecável. Seguiu-se a casa de banho - normal - e a cozinha. Adorei a cozinha! Tudo novo e tem tudo mesmo, linda embora relativamente pequena. No entanto a sala tem uma mesa de jantar por isso tem todo o espaco necessário para um bom jantar. Depois ela apresentou-me ao Michael, o Holandes que vive lá e a Louise nao estava em casa para a conhecer. Ou seja, a senhora é apenas a senhoria e nao vive lá em casa. Nada contra ela, muito pelo contrário, era mesmo super simpática, mas prefiro viver com pessoal assim mais jovem prás festas e tal. Depois o apartamento ainda tinha uma porta que dava para um jardim comum ao prédio que tem barbeque, bancos de jardim, e é tudo relvado, tendo também uma cerca daquelas de arbustos aparados de uma forma simétrica que impedem que quem esteja a passar na rua veja o que se passa no jardim. Apesar de também nao ser barato, era mais barato do que o apartamento anterior que tinha visto com a rapariga Portuguesa, e a localizacao é excelente! Tal como eu queria. Disse logo ali á senhoria que estava muito interessada. Ela disse-me que também tinha uma outra rapariga interessada e eu a pensar para mim "ora bolas, já está tudo estragado. É sempre assim comigo. Nunca os sítios que gosto dao certo". Mas a senhoria continuou..."pois a rapariga era muito simpática, gostei muito dela, mas de facto ela só se pode mudar em Abril e o quarto está vago para já.." Apanhei o ponto de situacao ideal e digo.. "Mas eu posso-me mudar já este fim-de-semana e posso colocar o depósito já hoje á noite quando chegar a casa". Ela disse logo que sim, que ficava muito contente que eu ficasse com o quarto e o Michael também pareceu concordar.

 

Yeahhhhhhh!!! Estou tao tao contente! Quase que nao! Mas valeu a pena todo este esforco que de facto gosto mesmo muito do apartamento e da localizacao.

 

Sim, claro que perdi os £100 do depósito, esse senhorio da casa de Westbourne park foi super antipático quando lhe telefonei a informar que nao ia ficar com a casa, mas quero lá saber. Ainda bem que nao o vou ter como senhorio. Arghhh.

 

Vou-me mudar amanha e o meu alivio e entusiasmo sao enormes. Mas este mes foi mesmo de loucura. Desde ter andado kilometros á procura de casas; a ser enganada relativamente ás casas; a ter sido alvo de descriminacao por nao ser Inglesa (sim, descriminacao! Perguntaram-me se eu tinha permissao para trabalhar no país e outras coisas. Disse logo a essa pessoa que já nao estava interessada na casa e que nao iria lá). Vi uns sítios horríveis e outros muito bonitos; fui rejeitada em alguns ou saí decepcionada na maioria dos casos; vi casas aos precos mais ridículos por quartos minusculos; chatei-me com o Austriaco que vive comigo ainda mais; practicamente nao saí para me ir divertir já que todos os dias foram dedicados á procura de casa; chorei; desesperei; vi mais de 40 casas/apartamentos durante as últimas 5 semanas, perdi £100, mas finalmente consegui!

 

Guy Fawkes e noitada em Clapham

Parece incrível! São agora 24:50h e já estou em casa depois de uma noitada que incluiu fogos de artificio, jantar fora e bombar na discoteca!! Tipo, se tivesse neste momento em Lisboa ainda estava algures num bar em Santos a fazer tempo para entrar numa discoteca já que não se vai entrar à meia-noite na discoteca que isso só os miúdos é que estão lá a essa hora. Enfim, mas em Londres as coisas passam-se bem diferente e, como começam hoje as celebrações do Guy Fawkes day, decidi ir ver os primeiros fogos de artificio com uns amigos em Clapham Common.

 

Primeiro acho que devo uma explicação sobre o que é o Guy Fawkes day. Basicamente Guy Fawkes era um homem que, durante o século XVI queria explodir com as Torres do Parlamento de Londres (onde está o Big Ben) e mtar o rei James I porque este último estava contra a religião católica. A tentativa saiu-lhe falhada e acabou por ser morto na Torre de Londres. As torres do parlamento continuam em pé e, para celebrar o facto, todos os anos no dia 5 de Novembro é celebrado o dia em que Guy Fawkes não conseguiu explodir com o parlamento. As celebrações são feitas através de fogos de artifício um pouco por todo o país.

 

Então lá fui a correr sair do trabalho, mudar de roupa para estar em Clapham North às 19:30h. De lá já se conseguiam ver os fogos de artificio embora ainda estivessemos a cerca de 15 minutos do parque onde os fogos estavam a decorrer. Como os fogos começaram às 19:25h (quem é que se lembra de fazer fogos de artifício às 7h da noite é que não me perguntem. Esta gente é, por vezes, muito estranha), ía vendo os fogos enquanto caminhava na direcção de Clapham Common. E ía eu e tantas outras pessoas que estavam a encher a Clapham High Street, também atrasadas como eu.

 

 

Acabei por ver a maioria dos fogos de artifício junto aos bares de Clapham Common onde toda a gente estava comfortavelmente instalada nas esplanadas dos bares com a sua cervejinha na mão a olhar para os fogos que, estavam apenas a alguns metros daquele local.

 

Acabados os fogos de artifício, eu olho para uma amiga minha e ela olha para mim e, como duas boas moças, dizemos em simultâneo: "OK, let's go drink!"

 

 

Acabamos por ir primeiro ao restaurante Nando's que, como muitos já devem saber, é considerado um restaurante Português por ter como logotipo o galo de barcelos, vender maioritáriamente frango na brasa e vender bebidas e bolos Portugueses. Pena que de facto o fundador é Sul Africano, mas enfim, não se pode ter tudo.

 

Depois do jantar, ou seja por volta das 21h entramos num bar7discoteca ali da zona que já estava completamente a abarrotar e ficamos lá umas 3 horas a divertirmo-nos à grande.

 

Ou seja, ao final de contas isto bem visto, se eu estivesse em Portugal saía de casa às 22h e voltava para casa às 4h da manhã, num total de 6 horas. Hoje em londres saí de casa às 19h e voltei às 24:30h, fazendo um total de 5:30h. Ou seja, é ela por ela em termos do tempo e de diversão. A diferença é que se está em casa muito mais cedo. Ainda vou ter a noite inteira para dormir e vou poder acordar a horas de aproveitar a manhã de sábado. Hum, acho que cada vez estou a gostar mais desta ideia de começar e acabar a noite mais cedo. Ao fim e ao cabo a diversão e o tempo dispensados para a noite acabam por ser os mesmos por isso acaba-se por ter mais tempo para se fazer o que quizer durante o resto da noite. Como por exemplo colocar novos posts no blog ;-)