Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tuga em Londres

A vida de uma Lisboeta recentemente Londrina.

A procura da minha 7ª casa em Londres - Parte I

Já estou mais mentalizada que vou ter mesmo que mudar de casa e este sábado tive o meu primeiro dia de procura à séria. Como é a primeira vez que tenho um raio curto relativo à zona onde retendo morar, também torna a pesquisa menos dolorosa porque evito andar por longas distancias em diferentes zonas de Londres. Então eu e o meu flatmate lá saímos de casa pelas 10h da manhã de sábado pelas ruas locais à procuras de placas com sinalização de aluguer. Telefonamos para cada agência anunciada nas placas e fomos directamente a todas as agências de imobiliária da zona e arredores para nos inscrevermos em cada uma delas.

 

Ainda chegámos a ver uma casa que seria uma boa oção, caso não fosse o facto de um dos quartos ser um "box room", ou seja, daqueles em que cabe lá uma cama que é encostada à parede por três dos lados, um roupeiro estreito e desengonçado do Argos e um armário mínimo imediatamente colado ao guarda-roupa. Ah, mas não me posso esquecer do espaço livre para andar - devia dar praí, pelo menos para dar um passo entre a porta e a cama. Enfim, acho que perceberam a ideia. É pena porque de resto o apartamento era bem giro e até tinha um bom terraço e grandes janelas. 

 

Houve uma outra agência que nos falou de um outro apartamento sobre o qual ficamos interessados apesar de ser pó carote - ou pelo menos ficámos muito curiosos assim que ouvimos a descrição da casa: - "esta casa tem 3 grandes quartos, e efectivamente são mesmo todos eles grandes, ao contrário do que é costume, tem 1 jardim, 1 boa cozinha, 2 casas de banho, 2 salas e... 2 cozinhas!!! Um apartamento com 2 cozinhas, de facto é coisa que nunca vi antes, mas não deixa de ser um facto muito curioso. Estavamos tão interessados que decidimos passar por lá à porta apesar de não podermos visitar a casa nesse dia. A rua e a casa pareceram agradáveis o suficiente (a casa é a da foto em baixo - sim, a côr-de-rosa) mas o caminho a andar desde a paragem do autocarro até à casa é que deixavam um bocadinho a desejar e, não sei se ao fim de uma noite fora, ir para casa sozinha a passar por ali seria lá muito boa ideia. De qualquer forma, a agencia telefonou e marcou para irmos lá ver a casa por dentro amanhã. Ainda estamos a ponderar se vale ou não a pena ir lá vê-la. 

 

Casa para alugar

Ano novo, casa nova

E voltou a acontecer outra vez! Ao fim de pouco mais de um ano e meio volto a receber o mesmo email a avisar que tenho que mudar de casa já que a senhoria pretende vender o apartamento. mal posso acreditar que isto já me está a acontecer novamente. E pior ainda é que desta vez tenho mesmo mesmo muita pena porque adoro esta casa e esta localização. Recebi o aviso ontem e comecei logo a pesquisar o mercado para ver a como se encontram as casas - digamos que barato ou, em conta, não é algo que exista de momento. Caríssimo! Ou as casas em conta encontram-se numa localizaçao não tão  agradável. 

 

E logo agora que entrei tão satisfeita no novo ano, com aquelas perspectivas positivas como é costume quando se entra num ano novo, mandam-me logo com esta em cima. Em fim há que aceitar e começar à procura novamente. Nunca é fácil, mas quanto mais procurarmos, maiores hipóteses teremos de encontrar um sítio ao nosso agrado. 

 

Nas próximas semanas, os sites por onde vou passar a maior parte do meu tempo vão ser:

É por isto que os contratos de 6 meses são de evitar

Aumentaram-me a renda! Estou fula e só me apetece bater no pessoal  todo da agência imobiliária ou na senhoria ou em quem quer que seja o responsável pela decisão. Eu logo vi que a intenção deles de me fazerem um contrato só de 6 meses ao início devia ter a haver com mais do que apenas para ver se tratavamos bem da casa. Claro que queriam era aumentar a renda rapidamente. Raios os partam também!

Casas Problemáticas

Pelos vistos não sou só eu que ando com problemas com a casa onde moro. Em conversa com duas colegas de trabalho hoje apercebi-me que os problemas com casas por cá perseguem-nos, cada qual pela sua razão diferente.

 

A Simona teve que sair do anterior apartamento dela que adorava porque o senhorio decidiu vendê-lo. Andou o mês de Abril inteiro à procura de casa, mas finalmente, cerca de 2 semanas antes de ter que se mudar encontrou novo apartamento em West Hampstead. Um bocado para o caro mas com quartos espaçosos, muita arrumação e boa decoração. Ela estava toda contente com o novo apartamento que ía partilhar com mais 2 outras amigas e ía-se mudar no último sábado do mês de Abril. Nessa quinta-feira anterior o futuro senhorio telefona-lhe às 22h para lhe pedir para ela e outra amiga irem ter ao restaurante dele para assinarem o contrato da casa. Como já era tão tarde a Simona, que vivia na zona Este de Londres não ía agora percorrer meia cidade para assinar o contrato, mas a amiga dela foi. Quando a amiga chegou ao restaurante o futuro senhorio informou-a que, afinal não podem ficar com o apartamento que tinham visto porque houve outro grupo de pessoas que ofereceu mais dinheiro pelo apartamento e por isso ficaram com ele. Em alternativa ele disse que lhes alugava o apartamento oposto ao que tinham visto, que, segundo ele é simétrico ao que tinham visto e com o mesmo tipo de decoração. Lá a rapariga assinou o contrato visto também não ter grande opção nem tempo para procurar alternativas. No sábado, quando se mudaram para a nova casa depararam-se com um apartamento que tinha muito pouco de simétrico com o que tinham visto. O facto é que os quartos são os chamados "box rooms", onde cabe a cama, o roupeiro e pouco mais. Resultado, agora estão agarradas a um contrato num apartamento de que não gostam e a Simona ainda nem sequer conseguiu tirar todas as coisas dela de dentro das caixas porque simplesmente não tem espaço onde colocar as coisas. Ou seja, ela tem andado num stress enorme, e apesar de só se ter mudado à duas semanas diz que não consegue dormir de noite (porque ainda por cima o quarto fica virada para a estrada principal barulhenta) e já anda em visitas para procurar nova casa. Quer sair, e com razão, daquela casa o mais depressa possível.

 

Com esta situação como a da Simona percebe-se que, apesar das agências imobiliárias terem imensas taxas e burocracias, serão também de maior confiança do que por vezes ter que lidar directamente com os senhorios. Claro está, depende de caso para caso. Já morei em 3 casas desde que estou em Londres, incluíndo a actual, e para todas elas lidei directamente com o senhorio e nunca tive problemas com eles. Infelizmente isso nem sempre acontece e é preciso ter algum cuidado quando se lida directamente com os senhorios.

 

Já no caso da minha outra colega, a Annamaria, o problema dela é exactamente o oposto. Em vez de ter problemas com o senhorio,tem problemas com os inquilinos, visto que ela é que é a senhoria, neste caso. Está a alugar um apartamento a um padre e à mulher dele e, o facto é que já há 2-3 meses que estes inquilinos ou não pagam a renda ou pagam muito em atraso. Depois ele sendo padre vem com conversas de que ela deveria ter caridade para com eles, e a Annamaria lá vai deixando a renda atrasar, mas não deixa de sentir que está a ser alvo de chantagem emocional de uma certa forma. Depois revolta-se consigo própria por estar a ser tão paciente com eles mas ao mesmo tampo também não os pode mandar evacuar.

 

Enfim, quer do lado dos inquilinos, quer do lado do senhorio, quer na própria casa entre os moradores, isto parecem só haver problemas no que toca à casa. A ver se para todas a situação começa a correr melhor brevemente.