Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tuga em Londres

A vida de uma Lisboeta recentemente Londrina.

Aqui lava-se a louça na casa-de-banho

Faz hoje uma semana que foi com grande espanto meu que chego a casa e encontro a cozinha neste estado:

cozinha_vazia.JPG

Ou seja, já não havia cozinha. Onde agora se vê uma parede meia desfeita com uns tubos a sair, costumava estar o louva louças e respectivos armários. Onde se vê um chão de madeira, estava um chão igual ao que se vê no resto da cozinha. Eu sabia que o pessoal da manutenção ía lá a casa naquele dia, mas era suposto irem tapar uns buracos e arranjar a máquina de lavar roupa. Em vez disso, identificaram que o chão tem problemas de infiltrações e tiraram aquilo tudo. Fiquei sem água na cozinha e sem máquina de lavar roupa. 

 

Durante esta semana veiu um especialista analizar a situação do chão e disse que vão ter que tirar aquilo tudo e colocar um chão novo. Isso vai demorar ainda pelo menos mais uma semana e, durante esse período, possivelmente durante 2 ou 3 dias não vamos conseguir aceder à casa-de-banho, visto que é preciso passar pela cozinha para lá chegar. Estou para ver como é que essa situação vai ser resolvida, mas ou vão ter que nos recolocar para outra casa ou pagar um hotel. Senão, como é que vamos fazer sem casa-de-banho e sem acesso a água em casa?

 

A parte da comida para já é a pior porque não dá para estar a cozinhar num local onde não tenho acesso a água e, nas eventuais situações em que não tenho outra hipótese senão utilizar um faca ou outro utensílio, que remédio tenho tido eu se não ter que ir lavar a louça à bacia da casa de banho. Definitivamente não é o local ideal para o fazer por isso tenho-o evitado ao máximo. Esta semana a minha solução para o jantar tem sido, ou jantar fora, ou comprar saladas no supermercado que já venham com garfos de plástico, ou pizza ou então tenho jantado em locais como o Itsu (restaurante Japonês de pronto-a-comer) que, para quem não sabe, todas as noites, meia-hora antes de fechar, vende todos os produtos de frigorífico a metade do preço.

 

A ver quanto tempo é que esta situação vai durar...

Ah e tal, essa já foi!

Passo a noite a pesquisar sites entre o Gumtree, o Spareroom, o Primelocation, o Rightmove, o Zoopla, o Moveflat,...

 

Encontro 4-5 casas boas por noite. Contacto todos os respectivos agentes/senhorios por email e no dia seguinte telefono-lhes que já sei que nenhum deles me vai responder ao email (vá! Lá ocasionalmente há um ou outro que respondem). Assim que lhes pergunto sobre a casa que encontrei na noite anterior - ah essa. Pois essa já foi. Mas tenho aqui outra que é capaz de gostar - "não é na zona que estava à procura mas fica apenas a 2 autocarros de distância da zona que queria; não tem espaço lá fora, mas as janelas são grands; nos quartos até cabe lá uma cama de solteiro, um roupeiro, uma estante e ainda tem um bocadinho de espaço para estar em pé; quanto ao preço, fica £50 acima do seu budget mas olhe que por este vale bem a pena pagar mais, e pode sempre tentar fazer uma oferta por bixo ao senhorio. Quando é que quer lá ir ver?" {#emotions_dlg.sad}

 

Neste momento tenho 3 semanas e 2 dias para sair desta casa. Começa a contagem decrescente...

Mas será que este stress nunca mais acaba?

Ontem era o Dia D, disse eu. De facto, pelo menos durante umas 18 horas até pareceu ter sido após ter falado ontem com a senhoria e ela ter-me dito que estava ali a fazer um contrato verbal comigo de como ficavamos com a casa. Fiquei mesmo contente nas horas seguintes e era só sorrisos de manhã no trabalho. Infelizmente a alegria não durou muito. Durou até eu ter recebido um telefonema do agente com quem tinha arranjado ver a casa, mas que depois me fizeram aquela lenga lenga de que tinha que oferecer mais dinheiro, e tinham dito que me mandavam uma mensagem com a morada da agência para lá ir pagar o depósito, mas nunca chegaram a mandar coisíssima nenhuma. 

 

Ele começou a conversa a dizer que já tinham feito uma oferta na casa e perguntou-me se queria ver outra. Eu disse-lhe que não que também já tinha feito uma oferta noutra casa. Ao que ele respondeu que tudo bem e pediu-me só para eu lhe dar o nome do meu flatmate para ele riscar o nome dele da lista. Disse-lhe o nome dele e ele imediatamente desligou o telefone. Assim que o fez apercebi-me logo que não lhe devia ter dado o nome do meu flatmate. Possivelmente era só isso que ele queria saber para ter a certeza se tinhamos sido nós a fazer a oferta na casa. 

 

Bem dito, meu feito. Passado uns 5 minutos voltou-me a ligar, mas desta vez preferi não atender. Deixou-me um voicemail no qual disse "deves ter a mania que és esperta se pensas que vais viver naquela casa. Vais ver o que eu te faço." {#emotions_dlg.barf}

 

Mal podia acreditar naquela mensagem que ele me tinha acabado de deixar. Ele estava oficialmente a ameaçar-me. Não sei bem do que é que ele me estava a ameaçar, mas o que quer que seja que ele tenha em mente não é uma sensação mesmo nada boa sentir-me ameaçada. Fiquei tão nervosa que nem me consegui concentrar mais no trabalho durante a tarde. O medo era não tanto o de ficar sem a casa mas mais o que raio é que ele quer dizer com "vais ver o que eu te faço." Mas por um lado ainda bem que não atendi e ele deixou a mensagem gravada no meu voicemail. Ao menos tenho uma prova contra ele caso seja necessário levar o caso à polícia ou algo do género. 

 

Não quiz telefonar logo à senhoria porque já sei que ela não gosta que lhe telefonem durante as horas de trabalho, mas enviei-lhe logo um email a remeter o assunto e disse que lhe telefonava ao fim do dia.

 

Segundo ela, quando a conheci, ela não tinha acordado com nenhum agente o arrendamento da casa e disse que queria fazê-lo directamente com os inquilinos. No entanto, se alguns dos agentes tinham as chaves da casa no dia em que a fui ver imagino que ela tenha feito algum acordo com algum deles. Será que este foi um deles? Ficam a saber que o nome desta agência é Dimension Estates portanto ficam já avisados para não se meterem com estes tipos. 

 

Após o trabalho, quando tentei telefonar à senhoria ela não atendeu. Ao fim da segunda tentativa, poucas horas depois, deixei-lhe um voicemail. Sinceramente não sei se o facto de ela não ter atentido tem alguma coisa a ver com a situação ou se apenas quer dizer que ela estava a trabalhar de noite e não podia atender (ela é médica) ou qual será a razão. mas o facto é que agora enquanto não falar com ela não descanso. Se ficar sem a casa fiquei. Não será o fim do mundo, mas quero é saber o quanto antes o que vai ser da minha vida porque terei que procurar novamente e cada vez o tempo escassa mais.

Procura de casa - parte 4

Nem sei se encontrei casa se não. Digamos que encontrei mais ou menos. {#emotions_dlg.serious}

 

Como tinha indicado no post anterior, no sábado tinha duas casas para ver. Quando estava a chegar à primeira casa, no caminho eu e o meu flatmate só dissemos um para o outro que aquilo era mesmo fruta a mais para ser verdade. É que a casa estava super bem localizada no centro da cidade numa zona calma, de casas Georgianas que tinham ar de ser bem caras, nem que fosse só pela localização. Como esta que íamos ver não o era, ou era apenas um pouco acima do nosso budget, parecia bom demais para ser verdade. 

 

Ao chegarmos à porta verificamos que já estavam lá umas 15 outras pessoas também à espera para ver o apartamento. Aquele foi o open day da casa em que tudo veiu ao mesmo tempo e, basicamente, os agentes depois esperam receber ofertas que por sua vez apresentam ao senhorio, o qual irá escolher a que preferir. 

 

Quando chegou a nossa vez lá entramos para o apartamento que fica localizado no rés do chão e cave do edifício (ponto no.1 para ser mais barato). verificamos que dois dos quartos eram efectivamente pequenos, mais pequenos que os nossos quartos actuais, e o terceiro quarto era enorme. Havia uma casa de banho bonita e moderna, uma cozinha igualmente moderna e uma sala que abria para um jardim bem grande e bonito. Portanto aparte do tamanho dos quartos (ponto no. 2 para justificar o preço) o apartamento era óptimo. 

 

Não tivemos que pensar muito sobre o assunto. Ficavamos com os dois quartos mais pequenos e alugávamos o quarto grande ao preço de mercado que seria obviamente mais caro que os quartos pequenos. Fizemos logo a oferta ao agente, para o valor total que ele tinha pedido e dissemos que estavamos dispostos a mudar já para a semana, de forma a que a nossa proposta fosse ainda mais atraente para a senhoria. Ele disse para esperarmos na zona enquanto todos os potenciais inquilinos acabavam de ver a propriedade e que depois nos telefonava para dizer se tinhamos sido os escolhidos e, caso fossemos, levava-nos para a agência de forma a colocarmos logo o depósito para segurar a casa. 

 

Assim esperamos na zona e cancelamos a próxima casa que tinhamos para ver em Archway ainda essa tarde. O tempo passou e como ele não nos ligava mais, ligamos-lhe nós a perguntar o que se passava. Ele disse que tinham feito outra proposta mais alta mas que se nós dessemos mais ele aceitava o nosso depósito em vez do das outras pessoas. Mas deu uma grande lenga lenga para nos tentar convencer a oferecer mais dinheiro. Ainda mais já nem sequer estava na casa e já tinha ido para a agência apesar de inicialmente nos ter dito o contrário. Enfim, não fiquei nada contente com o desfecho daquela conversa e, ao desligar o telefone, disse ao meu flatmate para lá voltarmos para a casa e ver o que se estava a passar. 

 

Ao lá chegarmos estava lá a senhoria a quem contamos a situação com o agente e ela disse-nos que com alguns dos agentes que lá tinham estado a mostrar casas, ela ainda nem se quer tinha aceite trabalhar. No entanto eles disseram-lhe que já tinham recebido depósitos de potenciais inquilinos para a casa. Impressionante! Ela lá nos levou para dentro da casa e sentou-nos na sala para conversarmos. Disse-nos que preferia tratar das coisas directamente com os inquilinos e pediu-nos as nossas referências e tudo. O problema foi quando nos perguntou quem era o 3º flatmate. Eu disse logo o nome de um amigo meu que sabia que não se ía importar em dizer que estava interessado na casa inicialmente caso ela lhe telefonasse. E, efectivamente no dia seguinte telefonou-lhe. Ele deu-lhe também as suas referências e combinaram que ele ía visitar a casa no próximo sábado. 

 

Claro que estamos portanto com medo que quando ela descobrir que ele não vai efectivamente ficar na casa ela prefira procurar antes 3 pessoas que já se conheçam e tenham confiança umas nas outras para evitar potenciais problemas entre desconhecidos que depois poderiam querer sair da casa mais cedo. 

 

De qualquer forma ontem à noite já colocamos o anúncio do quarto. Estavamos com algum receio de não ter boa resposta já que o quarto, apesar de totalmente nos valores do mercado, ser demasiado caro e difícil de alugar, mas ao que parece não vai ser nada difícil que já tivemos mais de 8 pessoas a contactar-nos. 

 

Agora vou ter é que telefonar à senhoria amanhã a dizer-lhe que o meu amigo afinal já não está interessado na casa mas que temos outros potenciais inquilinos a ver se ela aceita mostrar-lhes a casa no sábado. Afinal, de momento, ainda nada é certo e nada está acordado. 

 

Portanto amanhã lá será o Dia D para saber se já temos casa ou se teremos que continuar na saga a 2 semanas e meia da data em que temos que nos mudar. 

2ª mudança de casa em 3 meses.

Finalmente, é amanhã que vou poder sair deste apartamento para a nova casa. Mas já quase que não ía ser amanhã. Isto claro, porque com o azar que eu tenho tido, as coisas não se resolveram de forma nada fácil também para esta nova casa.

O problema foi mesmo com a agência imobiliária que, inicalmente tinha-nos mentido relativamente à mobília que ía ficar na casa (que afinal muita não fica) mas o pior foi mesmo nesta quarta-feira quando fomos à agência para assinar o contrato e, uma vez lá, descobrimos que existe uma cláusula da qual não tinhamos ideia anteriormente. Já sábiamos que o contrato era suposto ter a duração de 16 meses, mas o que o agente me tinha dito era que se quizessemos sair antes bastava encontrar novos substitutos e estava o assunto resolvido. Mas afinal não é bem assim. O facto é que se ambos decidirmos sair da casa antes do fim dos 16 meses teremos que pagar 10% do restante que falta de renda até ao final do contrato. Oquê???? 10%?? Devem estar mas é doidos se pensam que eu alguma vez ía aceitar uma cláusula dessas. Resultado, saimos da agência sem assinar nada e ficou a promessa de que o agente ía falar com o senhorio e resolver o assunto. Escusado será dizer que para resolver o assunto tive que andar a trocar imensos mails e telefonemas com o agente que o homem não queria ceder nem por nada. Como estavamos a ver a coisa mal parada achamos por bem recorrer a um plano B e recomeçar à procura de nova casa em casa do outro senhorio não concordar em retirar a cláusula dos 10%. Ora lá andei eu novamente, 2 dias antes da data em que era suposto mudar-me (e isto já tendo encontrado a casa à mais de 1 mês) novamente a ver casas. Também acho que isto é preciso ter um azar impressionante! 

Felizmente hoje (sexta-feira) o agente lá percebeu que eu estava a falar a sério quando disse que não ía assinar o contrato se não retirasse aquela cláusula, e lá surgiu com uma nova alternativa, à qual nós concordámos. 

Lá fomos assinar finalmente o contrato à agência ao fim do dia, e desde as 19h até às 23h entreti-me a fazer as malas. Pior que tudo - as malas ainda não estão totalmente feitas. É impressionante a quantidade de coisas que eu consegui enfiar dentro deste pequeno quarto. 

Bem amanhã lá vou para a minha nova casinha. Estou tão entusiasmada finalmente!! grande diferença com a minha última mudança de casa à 3 meses atrás. Tinha passado parte da noite anterior ao dia da mudança no jardim a relembrar os bons momentos passados naquela casa durante o primeiro ano em que lá estive. Que pena que as coisas não continuaram a correr assim, mas sem dúvida que as boas lembranças foram mesmo muito boas. Senti uma grande nostálgia ao deixar aquela casa e um certo vazio ao chegar a esta nova onde não conhecia quem cá morava.

Hoje o cenário é totalmente oposto. Se me lembrar de experiências desta casa, à excepção de algumas noites de longas conversas com o Michael, de restante só tenho más lembranças deste apartamento.

Agora neste novo apartamento o único problema vai ser mesmo a falta de internet durante pelo menos as duas primeiras semanas :-S Vou vendo mails e talvez dê para postar alguns textos escritos na noite anterior quando eu estiver no trabalho, mas de certeza que vou sentir a falta da internet estas duas semanas. Também de certeza que só me vai fazer bem. A ver se leio mais livros em vez de passar as noites enfiada em frente ao portátil.