Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tuga em Londres

A vida de uma Lisboeta recentemente Londrina.

1º Aniversário na nova casa

Mal posso acreditar que já passou um ano desde que me mudei para o meu apartamento. Há exactamente um ano atrás, por esta hora (20:30h) estava eu no IKEA de Edmonton duvidosa sobre as várias opções de mobílias que tinha visto, com o meu namorado chateado a dizer que eu me tinha que despachar que já estava mais que farto de estar ali  Claro que acabei de sair de lá só mesmo quando fecharam a loja e nos mandaram embora, mas saí sem tudo aquilo que queria e, com a pressa, ainda acabei por trazer umas coisas de que mais tarde me arrependi. 

 

Eventualmente aos poucos e poucos lá fui encontrando as coisas que queria e hoje, um ano mais tarde, sinto-me confortável nesta casa e consegui decorá-la da forma que mais ou menos imaginei ao início. No entanto, ainda não está tudo. Faltam principalmente alguns quadros na parede e um tapete para a sala, mas tenho que ter uma nova onda de energia para voltar a andar à procura deles. 

 

Mantenho-me contente com a decisão de ter comprado em 'shared ownership' e recomendo para quem está na dúvida se essa será uma boa opção. No meu caso ainda não vi qualquer factor negativo relativamente a ter comprado em 'shared ownership' em vez de por inteiro, e bem sei que é uma dúvida que balança muitas pessoas, quando se encontram na fase de comprar casa. Valorizo tanto a localização que tenho a certeza que não iria ter gostado tanto de viver numa casa equivalente mas que fosse totalmente minha, numa zona mais distante onde o valor total da casa fosse mais alcançavel para mim. 

 

No primeiro dia em que fui buscar as chaves e entrei no meu apartamento pela primeira vez, sentei-me no chão da varanda com uma garrafita de vinho branco. 

nova-casa-celebrar.JPG

Um ano depois, estou a celebrar na mesma varanda com um copo de gin e tónico, com a diferença que desta vez já não me tenho que sentar no chão.

1-aniversario-casa.JPG

 

Os sustos da vizinhança

A principal desvantagem que encontro ao viver num edifício novo é que este parece ser mais apelativo a pessoas mal intencionadas. Vai fazer um ano neste próximo domingo que estou a viver no meu apartamento e, apesar de ainda não ter tido problemas pessoalmente, já apanhei uns quantos sustos através de informação recebida pelos meus vizinhos.

Por volta do início deste ano vi que as grades do portão da garagem estavam completamente abertas como se um carro se tivesse enfachado nas grandes. Não fazia ideia do que tinha acontecido por isso decidi criar um grupo no Facebook para o nosso edifício, e coloquei uma carta nas caixas de correios de cada vizinho para convidá-los a juntarem-se ao grupo. Resultou, e apesar de nem todos os vizinhos fazerem parte do grupo, a grande maioria está lá. Foi a partir daí que começamos a trocar informações sobre o que se passa no edifício, problemas a resolver, etc. E o que descobri é que o nosso edifício e os edifícios adjacentes têm sido target de ladrões e afins. É um pouco preocupante. Passo a listar:

  • Como todos os apartamentos têm janelas do chão ao tecto é muito fácil ver o que está dentro da casa, e num apartamento de rés-do-chão no edifício oposto ao meu, uma tarde uns gatunos tentaram quebrar os vidros de uma janela para entrar no apartamento. Felizmente os vidros são de qualidade e, apesar de conseguirem raxar o vidro, não foi suficiente para o partir.
  • Os apartamentos do nosso edifício têm acesso a uma área de bicicletas fechada numa zona na garagem, que portanto é relativamente difícil de aceder sem a chave de acesso, mas outros apartamentos da parte lateral do edifício têm uma área de bicicletas cujo acesso dá para a rua e já ouveram duas tentativas, uma delas com sucesso, de roubo de bicicletas.
  • Já desapareceram umas poucas encomendas da zona do hall de entrada.
  • No outro dia um vizinho encontra um rapaz adolescente sentado nas escadas. O vizinho pergunta-lhe o que está ali a fazer e se precisa de alguma ajuda. O rapaz diz que veio visitar a mãe dele que mora no apartamento 20 mas que ainda não está em casa por isso ele está à espera dela. O vizinho disse-lhe que ele tinha que esperar na rua que não o podia deixar ali. E ainda bem que o fez, porque assim que ele informou-nos do assunto no Grupo do Facebook um rapaz respondeu a dizer que ele vive sozinho no apartamento 20, logo o rapaz estava a mentir. Mas claro que estaria, e o meu vizinho sabia disso porque simplesmente não mora ninguém com idade de ser mãe de um adolescente neste edifício. É tudo pessoal relativamente jovem na casa dos 20 e 30 anos, e as únicas pessoas com filhos, têm filhos bebés. Não sabemos porque ele queria ficar sentado na escada do edifício, mas coisa boa não era.
  • O último, ontem mesmo, foi quando um vizinho informou que pela segunda vez reparou que um homem fica parado na nossa rua por muito tempo a olhar para os apartamentos, e quando o homem reparou que o meu vizinho estava a olhar para ele, começou a masturbar-se. O vizinho chamou a polícia e o homem fugiu. Quando ele colocou a informação no Facebook, outras pessoas disseram que também já tinham reparado nesse homem.

Parece inacreditável como em um ano, já tantos eventos ocorreram que retratam que existe perigo eminente aqui à volta. Mas pergunto-me se este tipo de perigo se encontra particularlmente por estes edifícios por serem novos, por esta zona especificamente, ou simplesmente, como temos este grupo, acabamos por saber e trocar mais informações do que em apartamentos onde vivi anteriormente, onde não tinha qualquer forma de comunicação com vizinhos para além de um 'bom dia' ocasional. Adorava saber se outras pessoas que vivam em Londres em edifícios ondem exista comunicação entre vizinhos, também têm conhecimento de semelhantes perigos?

Lisboa já não é o que era

Está cada vez melhor! Estive de visita durante a semana passada por cerca de 5 dias e devo dizer que descobri vários locais diferentes, e gostei bastante da nova atmosfera. Lisboa está cada vez uma cidade mais cosmopolita, os residentes estão a aproveitar os edifícios bonitos da cidade como espaços para novos estabelecimentos interessantes mas mantendo o seu carácter original. Nota-se que há um cuidado maior e apreciação pela cidade e por manter a tradição, se bem que com um toque mais moderno e original. Já tinha ouvido pessoas dizerem que Lisboa é considerada a nova Berlim, e parece-me que têm razão. Lisboa está a tornar-se mais apelativa como cidade de residência para artistas e pequenos empresários, que conseguem obter rendas de estabelecimentos e residência mais baratas que nas outras principais cidades Europeias, enquanto que tem a vantagem do bom clima, comida e simpatia dos Portugueses. Este factor está intimamente ligado ao aumento do turismo. Lembro-me que nos primeiros anos em que cá estive, sempre que ouvia alguém dizer que ía a Portugal, estavam a referir-se ao Algarve, mas hoje em dia, ambos Lisboa e Porto são frequentemente mencionados como as cidades de destino quando vêm a Portugal. 

 

Parece-me que o Porto até está um pouco mais avançado em termos de ter estabelecimentos interessantes e apelativos ao turismo e aos residentes, pelo que tenho ouvido falar, mas já não vou ao Porto desde a minha época de universidade, por isso está na minha lista de locais a revisitar em breve. 

 

No outro dia estava eu a tomar uma bebida no Broadway Market, quando ouço a conversa de um casal jovem Britânico ao meu lado que estavam a contar aos amigos como tinham apresentado a sua demissão no trabalho e se íam mudar para Lisboa, explicando todas as vantagens que eles encontram por se mudar para lá, tais como as que mencionei acima.

 

A minha chefe de Nova York também tem planeado fazer uma visita de 2 semanas com a família este verão por Lisboa, Porto e Algarve, e duas outras colegas de NYC também planearam uma viagem de 1 semana a Portugal este verão. Tenho outro casal amigo que foi passear ao Porto na semana passada, outro casal tinha vindo à duas semanas a Lisboa, etc, etc, etc. Só para verem a frequência com que isto está a acontecer. Adoro saber que os estrangeiros estão a apreciar cada vez mais visitar o nosso país, e depois desta minha passagem por Lisboa, ainda tenho mais locais para recomendar. 

 

Alguns dos locais onde fui pela primeira vez que desconhecia incluem:

  • O bar da Duna da Cresmina com uma vista espectacular para o Guincho e com um DJ a animar o ambiente
  • Bar Procópio nas Amoreiras - já existe há muitos anos mas ainda não conhecia. Ambiente vintage e cocktails deliciosos
  • Embaixada LX no Príncipe Real - todo o carácter deste edifício do século XIX com lojinhas, restaurantes e bares muito giros e altamente populares
  • Pão à Mesa no Príncipe Real - restaurante com bom ambiente e cozinha
  • Vários bares e restaurantes no Cais do Sodré, perto da Rua Cor-de-rosa

 

O que fazer em Londres em Julho 2017

fazer-julho-2017.jpg

A variedade de eventos ao ar-livre que decorrem em Londres este mês é enorme, e o melhor de tudo é que muitos deles são gratuitos. Desde cinema a escorregas de água, teatro e muito mais, este não é um mês para se ficar em casa. Fica uma seleção de alguns dos eventos a decorrer este mês pela cidade.

 

Cinema ao ar-livre no British Summer Time O que é? Sessões de cinema abertas ao público que apresentam desde La La Land, ao Rei Leão ou Dirty Dancing, entre vários outros filmes. Quando? 3 a 7 de Julho. Quanto? Gratuito. Chegar cedo para conseguir lugar. Onde? Hyde Park

 

Ecrãs gigantes para o Wimbledon O que é? Os fãns de ténis que não conseguirem um bilhete para Wimbledon, podem ver os principais jogos no ecrã gigante de Kings Cross. Quando? De 3 a 17 de Julho. Quanto? Gratuito. Onde? Lewis Cubitt Square

 

Regent's Park Open Air Theatre O que é? Peças de teatro apresentadas ao ar-livre no Regent's Park. Este ano as peças apresentadas vão ser 'On the Town', 'A Tale of Two Cities' e 'Oliver Twist' Quando? Até 16 de Setembro. Quanto? A partir de £23 Onde? Regent's Park

 

Our/ London Vodka Festival O que é? A equipa da Our/ London Vodka está a organizar um mini-festival de vodka que conta com música e comida em Hackney Downs Quando?  Todos os sábados até 19 de Agosto . Quanto? A partir de £10. Onde? Hackney Downs

 

Zip World em Londres O que é? Este verão vão poderia experimentar ver o centro de Londres a alta velocidade empoleirados num zip wire, que está para ser o zip wire mais longo e veloz dentro de uma cidade. Quando? De 6 Julho a 1 Outubro. Quanto? Bilhetes para adultos a £22.50. Onde? Archbishops's Park, Southbank.

 

BP Big Screens O que é? Os fãns de ópera vão poder ver a La Traviata ou a Turandot gratuitamente ao ar-livre e ao vivo através dos ecrãns patrocinados pela BP que todos os anos deliciam os fãns de ópera por altura do verão. Quando? 4 e 14 de Julho. Quanto? Gratuito Onde? Hammersmith, Trafalgar Square e Woolwich para ambos os dias

 

Festival de Verão de Alexandra Palace  O que é? Este festival é recomendado para toda a família e conta com diversões, música, comida, teatro, silent disco, escorrega gigante e cinema ao ar-livre. Quando? 22 de Julho. Quanto? Preços variam dependendo da atração escolhida. Onde? Alexandra Palace.

Um casamento muito (pouco) Britânico

Não tenho parado nas últimas duas semanas - foi a semana final de preparação para um evento importante que tivemos no trabalho, decorreu o tal evento, e este foi seguindo de umas mini férias em Como na Itália para ir a um festival de lindy hop. Apesar de todo o entusiasmo que rondou as duas últimas semanas, estou contente por ter finalmente uma semana mais calma pela frente. 

 

No meio destas duas semanas, fui também a um casamento de que gostei imenso. Talvez tenha até sido o casamento de que tenha gostado mais até agora. Não por ter sido um casamento bonito tradicional (que foi), pelo local escolhido para o casamento (que foi uma mansão de campo lindíssima), ou pela comida e bebida fornecidas (que também foram bons, se bem que num casamento Inglês nunca se tem tanta grandeza e variedade de comida e bebida como num casamento Português), mas sim pela forma como os convidados participaram na festa. É que tenho a sensação de que nos vários casamentos, ao chegar a parte da dança há sempre muitas pessoas que ficam sentadas de lado a olhar para a minoria que dança um pouco. Neste casamente, no entanto, todos dançavam, todos estavam animados, dos mais velhos aos mais novos, e foi muito giro ver como todos os convidados se demonstraram tão envolvidos na festa o que os noivos gostaram imenso. Acho que também ajudou ao ambiente o facto de que depois do primeiro intervalo da banda, todos os convidados foram presenteados com um set de luzinhas (como as que se colocam numa árvore de natal), e todos foram para a zona de dança, coloridos com luzes. Nunca tinha visto isso em nenhum casamento antes mas a ideia foi excelente porque tornou o ambiente muito agradável e divertido. 

 

Quando a música teve que parar à meia-noite, como íamos todos passar a noite na casa onde se realizou a festa do casamento, fomos um grande grupo para o relvado da casa, incluindo familiares dos noivos, conversar, cantar, etc. Foi mesmo muito giro e, apesar de ser realizado de forma altamente tradicional conseguiu ser o casamento mais diferente a que já fui. 

 

Fica uma séria de fotos que coloquei no Instagram:

 

 

 

Um dia de casamento lindo num edifício fabuloso no campo de #westsussex #sussex #casamento #campoingles #arquitectura #manorhouse #wistonhouse

Uma publicação partilhada por Tuga Em Londres (@tugaemlondres) a

 

Dia de eleições

Hoje é o grande dia das eleições para decidir o próximo governo. Quando a actual Primeira Ministra Theresa May, convocou este dia em meados de Abril, todo o país estava certo de que o seu partido dos Conservadores iria ganhar a larga maioria, principalmente porque o líder do partido Trabalhista tinha uma imagem muito negativa. 

 

Foi interessante ver o desenrolar destas últimas semanas porque a situaçāo mudou um pouco e, actualmente, apesar de ainda ser provavel que os Conservadores ganhem as eleições, as sondagens demonstram que o Partido Trabalhista está a ter muitos mais adeptos e o seu líder Jeremy Corbyn cada vez é melhor visto pela populaçāo. 

 

Gostava muito de poder votar, mas sinceramente, mesmo que votasse acho que o meu voto nãiria contar assim tanto porque, ao contrário do que acontece em Portugal, onde o número de deputados eleito é propocional ao número de votos para o partido. No Reino Unido os deputados são eleitos, um por constituiçāo, sendo que é a maioria dos votos da constituiçāo que conta em vez da maioria dos votos de todo o país. Penso que em Londres a maioria dos votos nāo seja para o Partido Conservador, mas o mesmo nāo posso dizer das constituições em muitas outras partes do país. 

 

A ver vamos os resultados ao final do dia. Estou curiosa pelos resultados. 

 

poling-station.jpg

 

Homenagem às vítimas do ataque de Londres

Os acontecimentos de sábado são inexplicáveis e incomprensíveis. Nada que se possa dizer pode trazer as vidas inocentes perdidas de volta. Mas quiz perceber como o público respondeu aos ataques através dos posts que têm colocado no Instagram. Fica a selecção de alguns posts que demonstram o sentimento da população Britânica e não só. 

 

 

 

I can't say I'm shocked/surprised/horrified by the recent terror attacks in the #manchester and #london. I pretty much grew up with it being all around back at home. We used to have a period of few years when every week there was a suicide bomber attack on a bus, restaurant or a mall..... . But for my fellows here in the UK and all over the world i can say: Never be afraid. Choosing life and love is the key to defeat all the evil in this world. . This video of me was taken on November 2015 while i was playing for the thousands of people that came to the solidarity vigil in #trafalgarsquare after the #parisattacks . Sadly to say it is still relevant today. ☮️&💜for all. . 🎵"Je Suis Malade" . #violin #violinist #violins #violino #violinista #violine #violín #violinplayer #virtuoso #soloist #classicalmusician #orchestra #ilovelondon #ilovemanchester #prayformanchster #barmarkovich #classicalmusic #prayforlondon #jesuismalade #beaumontmusic #london🇬🇧 #londonbridge #musician #violin🎻 #stringplayer

Uma publicação partilhada por Bar Markovich🔹 (@violin_bar) a

 

 

 

#morelove#westandtogether #Ilovelondon#Londonbridge#manchester #Londonisopen #peace#westminsterbridge #thankyou

Uma publicação partilhada por MYMYMY (@mariemariemarie1207) a

 

 

 

 

Como complicar uma viagem de trabalho

Na semana passada fui a Berlim a uma conferência onde íamos ter um stand e fazer uma apresentação.

 

Cheguei a Berlim na quarta à noite, fui do aeroporto para o centro da cidade de comboio, lá sempre com a preocupação de sair na estação correcta. Quando estava já em Aleksander Platz, estava a mandar mensagem para os meus colegas que já lá estavam, acerca do horário para nos encontrarmos no dia seguinte. E é no momento em que escrevo sobre os preparativos e todas as coisas que tinha comigo para levar para a conferência, que olho para baixo e reparo que não tinha a minha bagagem comigo. Com a preocupação de sair na estação correcta, tinha deixado a mala no comboio!  Mal queria acreditar que tinha sido tão distraída ao ponto de me esquecer da mala. Voltei a correr para a plataforma mas claro que o comboio já lá não estava e, como eram cerca de 22h também não consegui encontrar staff nenhum pela estação. Fiquei com aquela sensação de incapacidade, sem saber o que fazer, mas ao mesmo tempo sem a possibilidade de fazer nada. Lá encontrei a zona de informações que tinha apenas alguns números de telefone indicados, mas as linhas apenas estariam abertas no dia seguinte. 

 

Ali estava eu, em Berlim, às 22h da noite, quando já estava tudo fechado, com mais nada para além do que tinha na minha mala de ombro. No hotel lá me deram uma escova e pasta de dentes, e na recepção havia forma de carregar o telemóvel, por isso ao menos isso. 

 

Pensei que no dia seguinte podia comprar roupa para usar na conferência, visto que estava vestida um pouco casualmente com calças de ganga, mas rapidamente apercebo-me de que era um feriado na Alemanha, e na Alemanha todas as lojas estão fechadas aos feriados. Perfeito! 

 

Como a conferência só começava pela parte da tarde, ainda fui ao centro de Perdidos e Achados numa estação no Este de Berlim. A pessoa que me atendeu não falava uma palavra de Inglês o que não ajudou nada, mas deu para perceber que tinha que ir online para indicar a perda da mala, e só no dia seguinte é que talvez eles tivessem alguma novidade acerca da mala. 

 

Até então ainda não tinha telefonado ao meu escritório a indicar que tinha perdido todas coisas que tínhamos preparado para trazer para o evento, com esperança de que ali fosse encontrar a mala. Mas lá tive que fazer o telefonema. Como o meu patrão vinha no dia seguinte, ele podia trazer mais material e, entretanto, tínhamos que nos aguentar com as poucas coisas que um outro colega que lá estava também tinha trazido. 

 

As coisas lá se resolveram entre eles os dois, e eu tive que ir para a conferência de calças de ganga, mas não tinha mesmo escolha. Apesar de só ter trazido roupa para 2 dias tinha lá dentro coisas com algum valor que não iam deixar de ser uma chatice de substituir. Ao fim de sexta-feira ainda não havia sinais da mala e eu tinha que voltar para Londres. Já estava conformada que não ia voltar a ver a mala. Entretanto, esta tarde, ao fim de 5 dias de ter deixado a mala naquele comboio, recebo um e-mail dos Perdidos e Achados a dizer que tinham encontrado uma mala. Respondi logo, mas ainda não sei se é a minha.

 

Enfim, resumo da história, fiquem sempre atentos às malas, principalmente se as colocarem num compartimento onde a mala não vai estar à vista. E sem dúvida que aconselho colocarem sempre uma etiqueta com o vosso nome e endereço de email ou telefone. Eu tinha só o nome e o email, e acho que foi através da informação nessa etiqueta que entraram em contacto comigo visto que o seu email não fazia referência ao facto de eu ter submetido um alerta de perca da mala. A ver vamos. Espero que me reencontre com a mala e sem dúvida que vou ter muito mais cuidado de futuro. 

 

Por um lado mais positivo, a temperatura em Berlim estava óptima e só me fez apetecer voltar lá em férias. 

berlin-riverside.jpg

 Margem do Rio Spree no SpreeBogenPark

A volta aos restaurantes do mundo em Londres: 'A' de América do Norte

Hoje fui à festa de despedida de uma amiga que, ao fim de 15 anos a viver em Londres, decidiu voltar para a Suécia para viver com o seu namorado, também Sueco, em Estocolmo. Quando lá estava, conheci um casal amigo dela muito simpático que nos falou de uma ideia que tiveram recentemente - a de ir a restaurantes com comida inspirada por um país cujo nome começa por uma letra do alfabeto por essa ordem. Ou seja, eles começarem pelo G, ao ir a um restaurante da Geórgia e acabaram na letra F, ao ir a um restaurante Francês. Para algumas das letras foi muito fácil de encontrar restaurantes na zona onde moram, mas para outros tantos, tiveram que visitar novas partes de Londres onde nunca antes tinham estado. Demoraram 18 meses a percorrer restaurantes de países correspondentes a todas as letras do alfabeto, excepto a um restaurante de um país iniciado com a letra Z (tentaram duas vezes ir a um restaurante do Zimbabwe, mas das duas vezes estava fechado e não encontraram outro), mas adoraram a experiência e recomendaram-na. 

 

Eu adorei a ideia e, nem foi tarde nem foi cedo, fui esta noite ao primeiro restaurante da 'Volta aos restaurantes do Mundo' a começar pela letra 'A' correspondente à América do Norte (o que neste caso estamos a pensar nos Estados Unidos da América. Bem sabemos que 'América do Norte' não é o nome do país, mas OK, apetecia-nos comida Americana. E tínhamos um voucher de desconto para o restaurante em questão. Por isso, começamos o 'jogo' por moldar as regras já um bocadinho e considerar a cozinha Americana, como a nossa selecção para o restaurante da letra 'A'. 

 

O restaurante seleccionado foi o BIRD, um restaurante de galinha frita com temática norte Americana, localizado em Shoreditch. A entrada foram asas de galinha fritas e o meu prato principal foram pernas de galinha fritas com batatas fritas. (Eu sei, foi uma refeição altamente saudável ). Mas soube bem. Começa assim 'A Volta aos Restaurantes do Mundo em Londres'. A ver quanto tempo vai demorar experimentar os 26 restaurantes correspondentes a todas as letras do alfabeto. 

 

File_000.jpeg

 

 

O poder do Instagram como plataforma para novas celebridades

Como trabalho para uma tecnologia de marketing que está altamente envolvida com as redes sociais, no outro dia organizei um evento para os nossos clientes e, como parte do evento, quis incluir uma discussão entre 'micro-influencers' no Instagram. Ou seja, pessoas que tenham bons feeds de Instagram com cerca de 8.000 a 80,000 seguidores. Tivemos 3 Instagrammers e, entre elas, rapidamente descobri que a mais popular das três, com mais de 63,000 seguidores, era Portuguesa. Chama-se Mia Soarez, e conta com o nome de perfil nas redes sociais de Silver Girl. Já começou à alguns anos a postar maioritariamente sobre moda, e tem também um perfil no YouTube e está a começar a fazer mais com o music.ly também. 

 

As outras duas Instagrammers eram a Andrea Cheong e a Shelley Morecroft. Todas elas têm um feed virado para a moda, viagens e estido de vida, mas cada um dos feeds tem a sua personalidade distinta. Achei muito interessante a discussão entre as três e as histórias que partilharam relativamente ao seu sucesso no Instagram. A Mia que, me pareceu ser a mais jovem de todas, basicamente passou grande parte da adolescência a postar no Instagram, enquanto que as outras duas começaram mais recentemente. Nos três casos, o que tinham em comum, é que postam frequentemente, são muito selectas na qualidade das fotos que colocam no Instagram, e querem que as suas personalidades estejam representadas nas fotos. Elas sabem que os seus seguidores, decidiram começar a segui-las porque gostam da consistência do seu feed, e elas próprias indicaram que os seus posts não perfomam tão bem se não tiverem sempre os mesmos cuidados. 

 

Uma das partes interessantes da discussão foi quando começaram a falar sobre como trabalham com marcas. Todas elas são contactadas regularmente por marcas que querem que elas publiquem fotos com os seus produtos, quer estes sejam acessórios, roupa ou hotéis, restaurantes, etc. Algumas das marcas pedem para que façam posts sem oferecer contrapartida; outras vezes oferecem-lhes os produtos gratuitamente, em troca de uma foto e referência nas suas redes sociais; outras vezes as marcas pagam-lhes para isso, e em alguns casos mais especiais, as marcas convidam-lhes para participar nas suas próprias campanhas de publicidade, como se de modelos se tratassem. O que achei positivo por parte das três é que, em todos os casos, dizem que só porque uma marca lhes possa oferecer produtos ou dinheiro para que coloquem fotos sobre os seus produtos, elas confirmam que só o fazem se efectivamente gostarem das marcas e acharem que estas marcas estão relacionadas com as personalidades que transmitem nas redes sociais. Elas sabem que se começarem a fazer posts que sejam pura publicidade sem ter qualquer interesse no produto em questão, os seus seguidores vão notar essa falsidade e vão deixar de estar interessados em seguir os seus perfis. 

 

As suas actividades com marcas também significam que têm o seu tempo-livre limitado e, por isso duas delas decidiram trabalhar para o seu Instagrama, blog e relações com marcas a tempo inteiro. É uma decisão arriscada, mas ao deixarem o seu trabalho normal, também significa que têm mais tempo para criar mais e melhores fotos com o intuito de crescer a sua rede de seguidores e, consequentemente, poderem cobrar mais caro às marcas que querem trabalhar com elas. 

 

Outros assuntos que também foram discutidos incluíram o próprio acto de tirar as fotografias. Sendo que elas são a 'modelo' em muitas das suas fotografias, como é que elas fazem para tirar a foto? Todas elas tinham alguém que lhes tira essas fotos ou utilizam um triped. Num caso é um amigo que tira as fotos, noutro caso era outra Instagrammer que lhe tirava fotos e, basicamente tiram fotos uma à outra para os seus respectivos feeds no Instagram. 

 

Gostei muito de ouvir a sua experiência e perceber melhor o tempo e dedicação que têm que dar a cada foto, mas o que é mais interessante é que, estes são exemplos de raparigas que há alguns anos atrás, só poderiam conseguir o mesmo nível de reconhecimento e trabalho, se tivessem certos requisitos que as agências de modelos considerassem bons para as poderem representar em frente a marcas. Hoje em dia, no entanto, qualquer pessoa pode ser modelo, trabalhar com campanhas de marcas e ter os seus momentos de fama, através das suas próprias redes sociais. Estas redes passaram o poder para as mãos do indivíduo em vez das agências e o seu sucesso nunca foi tão pessoal como o que é hoje em dia com as redes sociais. 

 

A Mia chegou a publicar uma foto no seu Instagram no dia em que foi ao nosso evento por isso aqui fica a mesma:

 

miasoarez-post.PNG