Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tuga em Londres

A vida de uma Lisboeta recentemente Londrina.

O que leva estas pessoas a fazer o que fizeram?

Pela segunda vez em menos de 3 anos que uma pessoa se decide suicidar atirando-se de um exclusivo bar/restaurante localizado no topo de um edifício na zona da City of London (uma das principais zonas financeiras de Londres). Desta vez foi um jovem que trabalhava na banca e prestes a celebrar o seu 25º aniversário esta semana, que decidiu tomar esta decisão drástica após ter sido mandado pelo patrão ir mais cedo para casa na sexta-feira passada. Estava em vias de ser despedido (a situação ainda nem sequer estava confirmada) e OK, claro que ser despedido não é nada agradável, claro que é motivo para ficar extremamente infeliz, descontente, chateado, mas epá, ele ainda nem tinha 25 anos! Aparte do seu trabalho na banca e de ter o seu próprio apartamento no centro da cidade, tinha criado uma empresa de organização de eventos para a socialite, terminou o curso da universidade de Oxford apenas com 20 anos e com notas de distinção, vivia o que ele próprio chamava de "uma vida de sonho" nos sites de redes sociais em que tinha perfil,... e mesmo assim chega à conclusão de que o melhor após ter ficado potencialmente sem o emprego seria terminar com a vida?? Mas será possível que não conseguisse ver mais para além daquele emprego. Talvez o facto de viver esta "vida perfeita" fez com que achassse que antes que fosse efectivamente despedido preferia morrer a passar pela "humilhação", talvez, de ter que admitir a amigos e família de que foi despedido. Isto claro, estou a divagar para tentar decifrar o que vai na cabeça de alguém que decide tomar tal decisão estando ele na situação em que estava. Mas de facto esta notícia mexeu um bocadinho comigo tal como não me esqueço do primeiro caso em que um outro jovem também se decidiu atirar do terraço do mesmo bar. Se bem me lembro, as razões pelas quais o primeiro se atirou também estavam relacionadas com o emprego. Parece-me demasiado estranho como jovens se deixam ir assim tão abaixo com situações como estas e não conseguem pensar mais além, não conseguem pensar em alternativas para o futuro. Claro que não posso julgar visto não conhecer as situações em que eles estavam, mas mesmo assim, não posso deixar de pensar que haveria outras alternativas para estas pessoas.

Depois o facto de escolherem como local para o suícidio este restaurante exclusivo em Bank também poderá dizer algo que muitos psicólogos possivelmente estariam interessados em analisar. Já que viviam a vida de luxo preferem morrer associados ao luxo também? Dada a belíssima vista que se tem dos jardins do restaurante sobre a zona da City of London, querem sentir que estão a voar sobre o local que talvez lhes tenha trazido maiores alegrias e tristezas também? Ou talvez simplesmente porque é o sítio mais perto do trabalho? Não sei. Divagações novamente, mas uma coisa é verdade, se este bar, que é chamado de Coq d'Argent não se decide a colocar uma protecção para evitar que as pessoas se atirem facilmente do muro dos seus jardins, depois deste segundo assassinato no mesmo local, acharei muito estranho. É que realmente o Coq d'Argent tem um jardim na sua zona do terraço mesmo muito agradável com uma vista desafogada e quase desempedida, mas para conseguir essa vista, tem um muro de protecção que não chega nem sequer à cintura de uma pessoa. Daí ser um local muito fácil a partir do qual alguém decidir suicidar-se e, mesmo até que não seja essa a sua intenção, basta ter tomado uns copos de álcool a mais para estar propenso a cair para o lado de lá. Sendo que este restaurante fica localizado no 8º andar poucas ou nenhumas são as probabilidades de salvação pelo que, sem dúvida o próprio restaurante devia fazer algo pela segurança dos seus clientes. Ainda por cima já que cobram £6 por um copo de vinho de qualidade duvidosa têm dinheiro que sobra para investirem num muro mais alto, por isso não têm sequer desculpa para não o fazerem.

15 comentários

Comentar post

Pág. 1/2