Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tuga em Londres

A vida de uma Lisboeta recentemente Londrina.

Festa na praia em Londres e volta ao mundo

Sim, é verdade. Em Londres também se fazem festas na praia, ou melhor dizendo, festas DA praia. Pois porque a praia não apareceu milagrosamente de um dia para o outro em Londres, a não ser que se considere como praia aquele manto de areia/terra que surge no Tamisa cada vez que a maré desce.

Foi mesmo mais uma festa temática que, desta vez tinha como objectivo representar a forma como estamos vestidos para ir para a praia.

 

 

A ideia veiu do organisador, cuja festa foi a sua festa de despedida de Londres. Porque é que ele vai deixar Londres? Porque decidiu ir dar uma volta ao mundo durante 8 meses. Nada mau, ham?

Conheço tanta gente por cá que ou já fez ou pretende ir fazer viagens semelhantes. É mesmo muito popular fazer algo do género. Ainda à cerca de 2 semanas atrás a irmã de um colega meu lá partiu para semalhante aventura com planos de passar por muitos países e com £8000 na algibeira para a manter fora do Reino Unido, até dar.

Apesar das centenas de países, o roteiro de quem faz este tipo de viagens costuma ser mais ou menos semalhante a todos, visto que geralmente têm preferência por começar pelos países Asiáticos (a Tailândia sendo um dos destinos preferidos), passando depois pela Austrália e Nova Zelândia, subindo para a América do Sul e terminando na América do Norte antes de voltarem para a Europa. Depois, dependendo das poupanças de cada um, há quem decida apenas aproveitar para viajar, visitar o máximo possível e divertir-se, voltando às origens quando o dinheiro acabar e há outros que preferem ir viajando enquanto trabalham. Geralmente encontram empregos num bar numa praia paradisiaca qualquer ou algo do género para terem um tipo de trabalho que seja temporário, com horários flexiveis mas que mesmo assim "saiba a férias". Já na Austrália, por exemplo, os viajantes de mala às costas (ou "bag packers") geralmente conseguem encontrar frequentemente trabalhos no campo tipo na apanha da laranja ou outros semelhantes visto que, aparentemente recebem bem e são trabalhos também temporários que costumam ser sempre preenchidos por aqueles que estão de passagem pela Austrália e que querem ganhar uns trocados para ajudar a pagar a viagem.

Claro que quando voltam só dizem maravilhas da experiência, desde os locais que visitaram às pessoas que conheceram e aventuras por que passaram e cá fico eu e as restantes pessoas roidinhas de inveja ao ver as fotos e ouvir os relatos das viagens. Mas claro ficamo-nos pela inveja porque queremos. Afinal, qualquer um pode fazer uma viagem semelhante à volta do mundo. Com muitas ou poucas poupanças dá perfeitamente para o fazer desde que tenham o dinheiro suficiente para comprar o primeiro voo e os custos fixos das primeiras semanas. Mas a questão neste tipo de viagens não é o dinheiro mas mais a coragem para o fazer. Para começar, nem todos conhecem uma segunda pessoa que também queira fazer a viagem. E para os que conhecem, essa pessoa pode não ser aquela com quem mais gostariam de partilhar a sua viagem à volta do mundo. Portanto muitas vezes, chega-se à decisão de que será necessário viajar sozinho. Nesse caso há o medo de se sentirem solitários na viagem; o medo do desconhecido; o medo da insegurança por se ser um viajante solitário; o medo de ficar sem todas as poupanças que conseguiram até então e depois terem que voltar à escala zero; o medo de ficar com "um buraco" no curriculum"; o medo de não conseguirem lidar com saudades de casa; o medo de que as suas vidas mudem por completo com tal viagem;...

Adorava fazer uma viagem semelhante mas infelizmente alguns desses medos também estão presentes cada vez que penso no assunto. Resta-me, pelo menos para já, aproveitar as festas de despedida daqueles que têm a capacidade de se lançarem à aventura e esperar que talvez um dia acorde e todos esses medos tenham desaparecido para me poder lançar também eu.

9 comentários

Comentar post