Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tuga em Londres

A vida de uma Lisboeta recentemente Londrina.

Chegou o verao 'a capital Londrina!!

Adoro, adoro, adoro...

  • acordar de manha e ver o sol a brilhar;
  • abrir a janela e nao sentir uma brisa;
  • poder voltar a vestir a minha roupa mais fresca, florida e alegre;
  • poder sair de casa sem ter que pensar se devo levar o casaco;
  • sair de casa e ver todos a caminharem para o trabalho com um sorriso na cara;
  • chegar ao trabalho e o escritório estar borbulhante de animacao;  
  • passar a minha hora de almoco a aproveitar o sol no parque;
  • estar sentada no parque sem sentir aquele vento frio como é costume;
  • ver o parque cheio de pessoas engravatadas sentadas na relva;
  • ver todas as mulheres vestidas com roupas coloridas e esvoacantes;
  • ver os meninos jeitosos tirar a t-shirt para apanharem um bronze no parque;
  • ver a rua em frente aos pubs completamente cheia de gente já 'a hora de almoco;
  • adooooro o verao em Londres!

Encontro de Tugas em Londres - Campeonato de dardos

Eu disse que ía comunicar aqui a próxima vez que houvesse um novo encontro de Portugueses em Londres por isso aqui fica a informação - vai haver um já no próximo sábado dia 30 de Maio às 15h no "The Hillgate pub", 24 Hillgate Street, London, W8 7SR (a estação mais próxima é Notting Hill Gate).

Estes encontros mensais que temos feito foram ideia do Wask que se lembrou de realizar um campeonato de dardos em que cada mês nos encontramos para mais uma etapa e, em Dezembro teremos a grande final do campeonato.

Não se preocupem se perderam as etapas anteriores de dardos que há sempre quem perca uns meses e venha noutros logo ainda ninguém tem uma pontuação muito avançada. Eu por exemplo tenho uma pontuação que é uma verdadeira desgraça e facilmente me podem passar à frente.

Se, por outro lado, não gostarem de jogar dardos, podem aparecer à mesma. Afinal os dardos são apenas uma desculpa para o encontro mas a maior parte do tempo estamos na conversa.

Este encontro está a ser organizado pelo Wask e podem encontrar o post "oficial" do evento aqui. Quem estiver interessado em vir basta aparecer mas podem deixar um comentário ao Wask caso pretendam ir, só para sabermos com quem, mais ou menos, vamos contar.

Quatro dias em Portugal vistos pelos olhos de uma emigrante

  • É preciso que eu vá para Lisboa para que passem a haver dias de verão em Londres e dias de inverno em Lisboa;
  • Adoro o nova estação do Rossio e a forma como aproveitaram o antigo parque de estacionamento para colocar umas esplanadas agradáveis;
  • A baixa de Lisboa nunca perde o seu encanto;
  • Ao ler as revistas da sala de espera do meu dentista, tipo Caras e afins, apercebi-me de que não conheço 70% das "celebridades" lá mencionadas;
  • A Núria Madruga está muito mais gira hoje em dia do que quando era adolescente;
  • O novo Centro Comercial Dolce Vita é semelhante ao Westfield em Londres na organização dos corredores e nas lojas que lá tem, com a diferença de que me pareceu um pouco pior frequentado;
  • Os centros comerciais brotam como cogumelos - o Fórum Sintra vai ser já o próximo;
  • Ainda não acredito que tenha passado a minha primeira noite em Portugal num Irish pub em cascais onde fui servida por um empregado em Inglês;
  • Não há nada como a comida da mãezinha para uma pessoa se deliciar,... e engordar;
  • como tinha saudades das noites na esplanada do café do Sr. Virgílio;
  • Conduzir por volta da meia-noite em plena Serra de Sintra numa zona sem iluminação, com nevoeiro e a chover com tal força como já não via acontecer à alguns anos, é uma experiência não muito aconselhável;
  • O Bar do Guincho está remodelado por dentro e continua bem agradável, mas é de evitar os shots de leite quente com chocolate e rum aquecido;
  • Mas que raio de moda é essa dos fios grandes e peludos com imensas fitas feitas tipo de lã?!
  • Soube tão bem apanhar o solinho do campo no domingo;
  • Descobri do que é constituído cada ramo da "apanha da espiga" e qual o significado dos seus elementos:
    • três espigas de trigo - para que nunca falte o pão
    • três raminhos de oliveira - para que nunca falte o azeite
    • três videiras - para que nunca falte o vinho
    • três rosmaninhos - para que nunca falte a lenha
    • três flores amarelas (não me lembro do nome) - para que nunca falte o ouro
    • três flores brancas tipo margaridas pequeninas - para que nunca falte a prata
  • Os travesseiros da Piriquita de Sintra continuam divinais;
  • Como me sabe tão bem conduzir sozinha ao som da minha música.

 

Novamente de viagem,... para Portugal

Já tenho a mala preparada e tudo a jeito para apanhar amanhã o metro bem cedo que me vai levar a quatro dias em Lisboa  Já não vou lá desde as minhas férias de Natal por isso estou mesmo cheia de saudades. Estou ansiosa por estes 4 dias. Estou mesmo a precisar de voltar às origens para uns dias com a família e amigos de longa data, comidinha boa e sol. Bem, quanto à parte do sol é que já acho que não vou ter muita sorte porque ao que parece os meus planos de me bronzear um bocadinho na praia foram por água abaixo:

Friday day weather

Light Rain Shower

  • Light Rain Shower
  • Max: 22°C 72°F
  • Sunrise: 06:18

Saturday day weather

Heavy Rain Shower

  • Heavy Rain Shower
  • Max: 21°C 70°F
  • Sunrise: 06:17

Sunday day weather

Sunny

  • Sunny
  • Max: 21°C 70°F
  • Sunrise: 06:17

Monday day weather

Grey Cloud

  • Grey Cloud
  • Max: 22°C 72°F
  • Sunrise: 06:16

Brilhante! Escusado será dizer que a temperatura prevista para Londres vai estar todos os dias a 22ºC mas com a pequena diferença que vai estar sol todo o fim-de-semana.

 

Bem, mas já sao 23:30h e amanhã tenho que me levantar lá pelas 5h por isso convém ir dormir. Depois conto como foi o fim-de-semana.

 

Diz que o show é ridículo mas apresentou-o durante 38 anos

Mais uma vez teve lugar o "grande show" que é a Eurovisão. Ok, digamos que já desde há várias anos que não me dedico a seguir os preliminares da Eurovisão e muito menos a ver o próprio festival. Acho que está relacionado com o facto de ter ficado tão desiludida durante vários anos seguidos quando era pequena, com a participação Portuguesa. É que ficavamos sempre nas últimas posições. Era uma coisa impressionante! Uma criança fica traumatizada com estas coisas, claro está. Lá recebiamos uns pontinhos da nossa vizinha Espanha e pouco mais. Também pudera, com aquele tipo de músicas nem eu iria votar na canção do meu próprio país. É que eram sempre más!!! OK, talvez os cantores ou cantoras até tivessem boas vozes, e podiam ser pessoas com imenso talento musical, mas não tem nada a haver com os cantores tem a haver com as canções e com a música que eram MESMO MÁS! Completamente desajustadas ao tema da Eurovisão. O festival da Eurovisão tem a haver com músicas animadas, mexidas, alegres, e todos os anos Portugal saia-se com umas canções monótonas, tristes, demasiado calmas ou aborrecidas. Daquelas mesmo boas para os espectadores que estão a ver em casa aproveitarem para ir à casa de banho ou fazer um cházinho.

Resultado, ao fim de uns anos desisiti completamente de ver o programa e acho que isso se verificou um pouco pela população Portuguesa em geral já que deixei de ver aquele entusiasmo em que não se falava de outra coisa nos dias que antecediam a Eurovisão. Acho que nos últimos anos até a reacção já era mais do género - "ai o festival da Eurovisão já deu ontem? Olha nem sabia. Ah Portugal não passou à segunda fase sequer? Ora pois claro que outra coisa também não seria de esperar."

No entanto fiquei surpreeendida quando, no ano em que estive a fazer Erasmus, vi todos os meus amigos super entusiasmados nos dias antecedentes à Eurovisão. Era o pessoal a combinar jantaradas seguidas de uma noite a assistir a Eurovisão, era eles a fazer downloads da música de cada país antes do show e apostar na música que iria ganhar. Eu estava estupefacta com todo aquele entusiasmo dos meus colegas provenientes de variados países Europeus que davam mesmo importância à competição. Obviamente nunca tinham apanhado com o "trauma" da Eurovisão que eu apanhei aquando criança.

Mas já os Britânicos não demonstravam o mesmo entusiasmo que os meus colegas dos restantes países Europeus. Pareciam levar o festival assim mais no gozo e também não lhe ligavam grande importância. E só no ano passado é que descobri o porquê desse desdem. Não tinha a haver com performances fracas dos seus candidatos que geralmente os cantores Britânicos da Eurovisão nem costumam ser dos piores. Estava mesmo relacionado com o comentador do festival. Terry Wogan, um conhecido apresentador de programas da radio, responsável por comentar o festival da Eurovisão para a televisão Inglesa à mais de 35 anos.

É que o tom e o tipo de comentários dados pelo Terry Wogan era absolutamente inacreditável. Quando sintonizei a televisão na Eurovisão o ano passado e ouvi o comentador literalmente a gozar com a triste figura que um dos cantores de um qualquer país estava a fazer naquele momento, eu mal queria acreditar nos meus ouvidos. Mas? Seria possível? O comentador está ao vivo na televisão nacional Britânica a gozar com um dos cantores? Mas isto só pode ser um erro, pensava eu. Nop! Aparentemente essa é mesma a forma que ele tinha de comentar todos os festivais da Eurovisão ao longo de todos os anos que o tinha vindo a fazer. E por isso mesmo é que o público Britânico acaba por ver o festival já que acham imensa piada aos comentários a fazer de parvas todas as pessoas dos outros países. Daí os Britânicos também nunca terem levado o show muito a sério como todos os outros Europeus costumam fazer. Aliás, ainda na antecipação do festival deste ano, a Eurovisão estava anunciada nos jornais como "The cheesiest European tv competition is back!" Mas este ano, e ao fim de 38 anos a comentar a Eurovisão, Terry Wogan desistiu do seu cargo cedendo o seu lugar a Graham Norton.

Em entrevista relativamente à sua decisão de deixar o programa Terry Wogan diz que toda a população do Reino Unido sabe que o programa é uma porcaria e que apenas diz isto com tanta franqueza porque é já um velho amigo do programa e, como tal, aos amigos diz-se a verdade. Por isso mesmo volta a afirmar que o programa está totalmente corrompido por interesses políticos e que as pessoas deviam deixar-se de politiquisses e dar ao programa apenas a atenção que merece como mero programa de entretenimento que é suposto ser. Acrescenta também que as votações deviam ser efectuadas apenas tendo em consideração quem fôr o melhor cantor e não para demonstrar orgulho nacional ou o quanto se gosta do país vizinho.

Bem é esta a opinião (da qual não discordo totalmente) de um homem que, hoje em dia já não pode entrar na Dinamarca sem ser disfarçado, após ter ofendido os apresentadores Dinamarqueses do festival da Eurovisão em 2001, por dizer que se pareciam com "o Doutor Morte e a Fada dos Dentes".

 

Já que me decidi a escrever este post sobre o festival da Eurovisão, aproveitei para ver no youtube a canção Portuguesa e, surpresa das surpresas, devo dizer que até não acho má. Ainda talvez um pouco calminha para a Eurovisão mas acho que a Flor-de-lis com "Todas as ruas do amor" representou muito bem o país com os trajes tradicionais, o tipo de instrumentos utilizados e o tipo de canção. Assim sim, já estamos melhor. PORQUE É QUE DEMORARAM TANTO TEMPO A PERCEBER O TIPO DE MÚSICA QUE DEVEMOS TER NO FESTIVAL?? Pode não ter o potencial para ganhar, mas acho que desde que represente bem a música Portuguesa não necessita de ter essa capacidade.

 

Fui também dar uma espreitadela à canção vencedora e sinceramente não acho nada de especial. A Noruega representada por um rapaz a cantar em inglês com uma voz que até nem era muito boa e com uma canção que não era nada de especial. Será que esta era mesmo a melhor canção que estava no festival deste ano? Bem, já vi estas duas já me chega. Não vou estar agora a comparar. Estava a pensar colocar aqui a canção vencedora mas como não acho nada de especial não o vou fazer. Em alternativa, vou colocar a canção vencedora do ano em que estive cá em Erasmus que essa sim, é uma música e canção que mereceu vencer o festival da Eurovisão. A única canção vencedora dum festival da Eurovisão que cheguei a colocar no meu mp3 player. Não sei se terá sido também por associar a música ao meu Erasmus, logo poderei não ser totalmente imparcial, mas o facto é que gostei muito da animação desta música e por isso aqui fica a vencedora Ucraniana Ruslana com "Wild Dances": 

  

Um sábado à noite cheio de surpresas

Geralmente nunca adiro a essas modas temporárias que andam por aí, mas desta vez há uma moda de que gosto muito - collants coloridas! Parece que do dia para a noite todas as mulheres e raparigas em Londres se aperceberam de que querem dar um bocado de côr à vida e toca tudo de andar com collants o mais coloridas possivel. Sem dúvida que vai ser mais uma daquelas modas temporárias em que, após os primeiros dois pares de collants terem rompido, nunca mais voltam a comprar nenhuma. Mas o facto é que agora só se vêm pares de pernas azuis petróleo, rosa choque, amarelas, laranja,... e de tantas outras cores o mais fortes e evidentes possível. Pergunto se será que também se estão a usar por Portugal?

Não tenho a certeza mas suspeito que esta moda tenha surgido a partir do vídeo clip "Up" da girls band Britânica "The Saturdays". Pelo menos foi pouco tempo depois de ter visto este vídeo clip que começaram a aparecer as pernitas coloridas na rua. O facto é que também adoro a ideia de usar um pouco mais de côr no vestuário, que até me anima mais o espírito, por isso quiz também aderir à moda e comprei  no outro dia umas collants côr-de-rosa. Ontem queria utilizá-las pela primeira vez mas não havia forma de encontrá-las mesmo após de ter revistado todas as gavetas. Eventualmente, e após uns truques à McGyver com um cabide torcido lá consegui retirar o pacote das collants por detrás das gavetas onde estava entalado. E isto tudo apenas para verificar que afinal não tinha comprado collants mas sim leggings. NÂO! Depois disto tudo já nem sequer as pude utilizar porque precisava era de collants e os leggings não íam dar o efeito pretendido. Enfim, um desabafo "de gaja". Os homens nunca iriam perceber a minha desilusão.

 

 

Pretendia utilizar estas collants para levar na saída de ontem à noite em que estive com uma das várias amigas que já viveram em Londres mas que entretanto voltaram para os seus países de origem. Ela está cá este fim-de-semana e assim aproveitei para ir sair com ela e com outros amigos que também queriam revê-la.

 

Começamos a noite no The Langley, que é um bar/discoteca com bom ambiente e boa música, apesar de ser um pouco turístico, localizado no coração de Convent Garden. Ainda não sabia que agora o The Langley está a ter performances de artistas todos os sábados, por isso foi com muita surpresa minha ao descobrir que a Sonique ía estar lá a cantar ontem, o que obviamente não pude perder em câmara:

 

Seguido do The Langley ainda fomos a outra festa num pub com pista de dança (eu sei, é uma combinação um bocado estranha, mas resulta bem) onde nos juntamos com outros amigos. E nessa noite a gerência organizou uma brincadeira em que, a cada pessoa era dado um papel com o nome de uma celebridade e a ideia era encontrar no meio das pessoas que estavam no pub quem tinha o papel com o nome do par da nossa celebridade. Ao encontrar-mos essa pessoa levavamos os nossos papéis ao bar e recebiamos um shot gratuito. No meu caso eu tinha o papel da Carla Bruni e acabei por encontrar o Sarkozy. Depois fiquei com o papel da Sonsoles Espinola mas desta vez já não encontrei o meu Zapatero. Nada mau, fui primeira dama de França e de Espanha na mesma noite. Hehe! Mas sem dúvida que a ideia foi engraçada porque criou imensa comunicação entre todas as pessoas que lá estavam e todos andavam com o papelinho à procura do par. 

 

E a minha amiga, lá voltará novamente às origens amanhã, mas já vou ter a visita de outra amiga também ex-residente de Londres para finais de Junho. Sabe sempre bem voltar a vê-las. É triste quando decidem ir-se embora mas desde que consigamos continuar a manter um contacto regular é menos mau.  

 

Uma noite nas corridas

Hoje aceitei o convite de uma amiga para passar uma noite de forma diferente - nas corridas de cães.

Ainda nunca tinha ido a nenhum tipo de corridas do género nem de cães, nem cavalos, pelo que achei que podia ser uma experiência interessante e decidi aceitar o convite.

O local escolhido foi o estádio de corridas de Wimbledon, cujas corridas tiveram início pelas 19:30h.

Deram-nos um livrete à entrada com os detalhes de cada corrida e as características de cada cão participante incluíndo as posições que cada cão alcançou nas suas últimas corridas, as categorias (da mais fácil à mais difícil) a que têm vindo a pertencer ao longo das últimas corridas, o peso, e mais outra quantidade de características para ajudar os espectadores a decidir em quem apostar.

Quanto ao tipo de apostas disponíveis, existem a aposta no cão que vai ganhar a corrida (WIN), a aposta no cão que fica em primeiro ou segundo lugar na corrida (Place), a aposta nos 1º e 2º lugares, a aposta nos 1º, 2º e 3º lugares, e acho que havia outra ainda de que já não me recordo. Basicamente eu fiquei-me pelas apostas "win" ou "place", sendo que obviamente quando se apostava no cão vencedor ganhariamos o dobro do que se jogassemos em "place".

Como eu não sou nada apologista das apostas, antes de chegar ao estádio estava a pensar que não queria jogar mais do que £5. Mas qual quê? Como se isso fosse possível. Afinal está-se num ambiente de corridas em que todo o entusiasmo envolve em redor das apostas e o próprio grupo de pessoas com quem estava também estavam todos entusiasmados, logo isso faz com que eu também tivesse aquele desejo de querer apostar.

As apostas mínimas eram de £2 pelo que me dediquei a apostar isso mesmo por cada vez. Cada corrida demora menos de 1 minuto e há uma nova corrida de 15 em 15 minutos. Perdemos a 1ª corrida da noite pela hora que lá chegamos mas ainda tivemos a assistir a mais 12 o que foi bem o suficiente.

A aposta mais razoável e segura seria em "place" já que se tem 2 oportunidades de acertar, e sendo uma pessoa razoável como eu sou, deveria-me ter restringido a esse tipo de apostas. Mas NÂO!! Claro que o ambiente do jogo apoderou-se de mim e não foi preciso muito tempo para eu já estar a fazer contas de que deveria era jogar em "win" porque assim iria logo recuperar mais dinheiro de uma vez só, e podia conseguir sair dali a ganhar,... Ou seja, a ganância começou logo a apoderar-se de mim sem eu reparar bem nisso. Até agora, claro, que já consigo ver a noite em retrospectiva com mais clareza. Bem, mas consegui manter-me sempre nas apostas mínimas e houve duas vezes em que não apostei. Obviamente numa dessas vezes que deixei de apostar, aquele cão em que eu teria apostado, se o tivesse feito, foi mesmo aquele que venceu essa corrida. Isto claro que faz uma pessoa ficar descontente e querer voltar a jogar logo já que, pensava eu, a minha sorte estava a mudar. NOT!

Bem, mas ao fim de todos os jogos, pelas 22:30h, ainda acabei por ganhar dois deles mas mesmo assim fiquei em prejuizo de £11. Vá lá. Podia ter sido pior, por isso esse valor até nem foi nada mau. Se tivesse ido a outro sítio provavelmente teria gasto o mesmo noutras coisas por isso, valeu a pena e valeu a experiência.

 

 

Feira de emprego em Londres este mês

Novamente, a "Language Recruitment Fair" vai decorrer em Londres com a presença de vários empregadores e empresas de recrutamento que procuram candidatos com dotes linguísticos.

Para quem estiver neste momento à procura de emprego e tenha interesse em utilizar o seu Português no trabalho talvez valha a pena lá passar. Levem vários CVs já impressos para distribuirem nos vários stands e conversem com todas as agências de recrutamento visto que, mesmo que não tenham oportunidades de emprego para o vosso caso de momento, poderão vir a ter no futuro por isso é sempre bom inscreverem-se com estas agências.

O local da feira vai ser no Thistle Hotel em Marble Arch, no próximo sábado dia 30 de Maio das 10h às 18h.  

Aparentemente os bilhetes gratuitos já estão esgotados mas se comprarem através do site ainda conseguem bilhetes a £5. Na porta estarão à venda a £10.

Para mais informações podem ir ver o site da feira aqui.

De férias para o México este ano?

Óptima campanha de marketing! Numa tentativa de trazer turistas de novo para as resorts de férias do México, vários hóteis estão a garantir aos turistas férias livres da febre suína. Caso os turistas contraiam a doença aquando da sua estadia no resort e até 8 dias depois de sairem de lá, esses hóteis oferecem 3 anos de férias gratuitos aos turistas afectados - como anunciado aqui. Se essa iniciativa não conseguir aumentar um pouco o número de turistas que têm desaparecido nos últimos tempos dos resorts do México, não sei o que aumentará (a não ser claro, que o risco da gripe termine de vez).

Mas sinceramente, e por muito atraente que seja a ideia de ter 3 anos de férias gratuitas, para que é que isso serve se de facto a pessoa contrair a doença e morrer? Humm,.. Até podiam dar 10 anos de garantia. Nunca vão dar essas férias a ninguém de qualquer maneira.

Festa na praia em Londres e volta ao mundo

Sim, é verdade. Em Londres também se fazem festas na praia, ou melhor dizendo, festas DA praia. Pois porque a praia não apareceu milagrosamente de um dia para o outro em Londres, a não ser que se considere como praia aquele manto de areia/terra que surge no Tamisa cada vez que a maré desce.

Foi mesmo mais uma festa temática que, desta vez tinha como objectivo representar a forma como estamos vestidos para ir para a praia.

 

 

A ideia veiu do organisador, cuja festa foi a sua festa de despedida de Londres. Porque é que ele vai deixar Londres? Porque decidiu ir dar uma volta ao mundo durante 8 meses. Nada mau, ham?

Conheço tanta gente por cá que ou já fez ou pretende ir fazer viagens semelhantes. É mesmo muito popular fazer algo do género. Ainda à cerca de 2 semanas atrás a irmã de um colega meu lá partiu para semalhante aventura com planos de passar por muitos países e com £8000 na algibeira para a manter fora do Reino Unido, até dar.

Apesar das centenas de países, o roteiro de quem faz este tipo de viagens costuma ser mais ou menos semalhante a todos, visto que geralmente têm preferência por começar pelos países Asiáticos (a Tailândia sendo um dos destinos preferidos), passando depois pela Austrália e Nova Zelândia, subindo para a América do Sul e terminando na América do Norte antes de voltarem para a Europa. Depois, dependendo das poupanças de cada um, há quem decida apenas aproveitar para viajar, visitar o máximo possível e divertir-se, voltando às origens quando o dinheiro acabar e há outros que preferem ir viajando enquanto trabalham. Geralmente encontram empregos num bar numa praia paradisiaca qualquer ou algo do género para terem um tipo de trabalho que seja temporário, com horários flexiveis mas que mesmo assim "saiba a férias". Já na Austrália, por exemplo, os viajantes de mala às costas (ou "bag packers") geralmente conseguem encontrar frequentemente trabalhos no campo tipo na apanha da laranja ou outros semelhantes visto que, aparentemente recebem bem e são trabalhos também temporários que costumam ser sempre preenchidos por aqueles que estão de passagem pela Austrália e que querem ganhar uns trocados para ajudar a pagar a viagem.

Claro que quando voltam só dizem maravilhas da experiência, desde os locais que visitaram às pessoas que conheceram e aventuras por que passaram e cá fico eu e as restantes pessoas roidinhas de inveja ao ver as fotos e ouvir os relatos das viagens. Mas claro ficamo-nos pela inveja porque queremos. Afinal, qualquer um pode fazer uma viagem semelhante à volta do mundo. Com muitas ou poucas poupanças dá perfeitamente para o fazer desde que tenham o dinheiro suficiente para comprar o primeiro voo e os custos fixos das primeiras semanas. Mas a questão neste tipo de viagens não é o dinheiro mas mais a coragem para o fazer. Para começar, nem todos conhecem uma segunda pessoa que também queira fazer a viagem. E para os que conhecem, essa pessoa pode não ser aquela com quem mais gostariam de partilhar a sua viagem à volta do mundo. Portanto muitas vezes, chega-se à decisão de que será necessário viajar sozinho. Nesse caso há o medo de se sentirem solitários na viagem; o medo do desconhecido; o medo da insegurança por se ser um viajante solitário; o medo de ficar sem todas as poupanças que conseguiram até então e depois terem que voltar à escala zero; o medo de ficar com "um buraco" no curriculum"; o medo de não conseguirem lidar com saudades de casa; o medo de que as suas vidas mudem por completo com tal viagem;...

Adorava fazer uma viagem semelhante mas infelizmente alguns desses medos também estão presentes cada vez que penso no assunto. Resta-me, pelo menos para já, aproveitar as festas de despedida daqueles que têm a capacidade de se lançarem à aventura e esperar que talvez um dia acorde e todos esses medos tenham desaparecido para me poder lançar também eu.

Pág. 1/2