Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tuga em Londres

A vida de uma Lisboeta recentemente Londrina.

O início da pesquisa de novo emprego

Já me candidatei a cerca de 10 empregos, dedicando todo o tempo necessário para cada um deles de forma a fazer as candidaturas o mais personalisadas possível. Também já coloquei o update do meu CV no LinkedIn, no Monster.co.uk, no Simplymarketingjobs.co.uk. Mas ainda me faltam uns sites importantes tais como o CV-Library e o Jobsite.co.uk.

 

É interessante que, agora que fiz o upgrade da minha conta LinkedIn para a Premium porque oferece algumas vantagens para quem está à procura de emprego, vejo também a concorrência que tenho para cada emprego. A conta Premium indica, não só o número total de aplicantes, mas também qual a universidade que a maioria frequentou, e identifica quais os perfils que estão mais adequados a certas ofertas de emprego. Assim sendo, mesmo antes de enviar candidatura consigo ver logo se estou no topo 10% ou no topo 50% dos candidatos, por exemplo. Consigo ver se a concorrência é pouca ou muita e isso ajuda um pouco para me ajudar a decidir se vale a pena dedicar muito tempo a certa candidatura ou se não. Ontem por exemplo candidatei-me a um que indicava as seguintes como as universidades de alguns dos outros candidatos. Afinal o ISCTE está quase ao nível, certo? Só talvez não seja assim tão conhecido por aqui 

linkedin_univs.PNG

 

Dia D

Hoje é que vou saber se fico ou se vou mais cedo para casa. Existe algum nervosismo que claro que a decisão desta reunião que vou ter por volta do meio-dia vai definir se posso aproveitar este fim-de-semana prolongado tal como queria ou se me devo dedicar às cartas de apresentação e pic-nics (pic-nics porque não posso gastar dinheiro, mas também não quero colocar a minha vida social de lado) 

 

Qualquer que seja o resultado, hoje está sol e sinto-me com energia por isso a positividade irá manter-se.

 

DIA D.png

 

 

Fim-de-semana surpresa em Portugal

Relativamente à situação no emprego, não há grandes novidades. Decidiram adiar a decisão por mais uma semana  No entanto, houve uma colega minha que entretanto encontrou um novo emprego através dos contactos dela e já tinha entregue a carta de demissão (fiquei a saber na sexta-feira). Talvez a redução desse salário seja suficiente? Não sei. O facto é que decidiram adiar a decisão na base de novos contratos que foram fechados desde que eles enviaram o aviso. Não estão relacionados, mas houve um certo factor sorte pelos contratos terem fechado nessa semana. De qualquer forma, não concordo com esta ideia de adiar a decisão. Ficamos mais uma semana na dúvida. Ou querem despedir, ou não querem despedir - decidam-se! Caso esses novos contratos fossem suficientes para manter o pessoal já deviam ter tomado essa decisão. 

 

Trabalho à parte, na sexta-feira à tarde parti para Lisboa. O meu irmão foi ter comigo ao aeroporto que era o único que sabia que eu ía lá este fim-de-semana já que tinha como objectivo fazer uma surpresa à minha avó para o seu 87º aniversário que decorreu este domingo. No entanto, a reação que a família teve ao ver-me não foi exactamente a que eu esperava:

Quando a minha mãe chegou a casa e me viu disse - "A minha filha?!" E depois ficou notavelmente nervosa e perguntou assustada "Mas o que é que aconteceu?"

Quando a minha avó me viu disse (ela já não vê muito bem) - "Mas quem és tu?" 

 

OK, foram reações um bocadinho diferentes daquilo que imaginei, mas pareceu-me que quando passou o estado de choque elas ficaram contentes com a visita. 

 

O sábado foi passado na Praia Grande (e que bom que estava com os seus altos 20ºC!) e o domingo foi passado na aldeia da minha avó em festejos com a família. Voltei a Londres hoje de manhã recebida por 10ºC e chuva. Oh, enfim, ao menos passei um fim-de-semana muito solarengo. Eis a vista de sábado para a vista de hoje. Descubram as diferenças 

praia_londonbridge_horizontal.jpg

 

A reunião com os Recursos Humanos

Ontem tive a reunião com os Recursos Humanos sobre a minha eventual redundância. Basicamente ela não me deu qualquer formato e simplesmente pediu-me para justificar as razões pelas quais o meu trabalho é importante para a empresa. Até que preferi essa falta de formato na reunião porque assim eu pude dizer tudo aquilo que queria. Quando terminei ela disse-me que tinha anotado o máximo que conseguiu daquilo que eu disse, mas que talvez não tivesse apanhado tudo, por isso, se eu quizesse, que lhe enviasse algumas notas em resumo.

 

 

Então decidi que, em vez de lhe enviar um email a ela, devia enviar um email directamente a todo o conselho executivo já que são eles que vão tomar a decisão final - o CEO, o CRO (Chief Revenue Officer), o VP de Finanças e a VP do departamento Legal fazendo cópia para a gestora de Recursos Humanos  e os meus dois chefes - o Director Regional e o VP de Marketing. Estruturei o meu email muito bem, tal como o tinha feito na reunião com os Recursos Humanos, começando por indicar os objectivos da empresa no momento em que decidiram contratar-me e indicando quais os resultados da minha função face a cada um dos objectivos. Indiquei os resultados para 2014 baseados em factos e números provando que o meu trabalho trouxe mais de 300% de retorno sobre o investimento para a empresa nesse ano. Depois passei por explicar os meus objectivos para este ano, os resultados apresentados até agora e o trabalho que tenho feito e planeado para os próximos meses. Terminei a indicar que actualmente já tenho um valor significativo investido em actividades de marketing que estão por decorrer e uma quantidade de acordos com parceiros influenciantes na nossa indústria e, dado que me preocupo com o que vai acontecer com todas essas actividades caso eu saía subitamente da empresa, perguntei quais os seus planos para levar essas actividades adiante sem mim. A pergunta era retórica mas só a quis deixar no ar para eles pensarem sobre o assunto. 

boardmeeting.jpg

Enviar um email directamente ao conselho executivo nāo é propriamente algo que eu deveria ter feito sendo que o CEO, quando nos enviou o email de notificação na semana passada, indicou que devíamos comunicar com os Recursos Humanos sobre o assunto. Imagino que a Gestora de Recursos Humanos também não deve ter achado muita piada a eu ter eliminado o seu intermediário, mas queria ter a certeza que a minha mensagem era passada tal como eu queria. Fiquei nervosa no momento em que carreguei no botão Enviar, mas fiquei satisfeita ao mesmo tempo por tê-lo feito. Acho que demonstra interesse, atitude, perseverança, para além de justificar a importância do meu trabalho. Acho que qualquer gestor de um negócio iria querer manter-me na empresa depois de ler um email daqueles a não ser que efectivamente não tenha o dinheiro para me manter. E se por outro lado, eles acharem que o meu email foi intrusivo e desrespeitador, qual é a pior coisa que me podem fazer? Despedir-me?

 

Uma noite com os cientistas malucos do Yelp

Ontem à noite fui ao meu primeiro evento do Yelp. Para quem não conhece, o Yelp é um site que permite aos seus utilizadores encontrar e dar a sua opinião sobre os mais variados estabelecimentos, principalmente bares, cafés, restaurantes e outros. Como sabem eu sou uma grande fã de conhecer novos sítios tais como cafés onde poder escrever os posts do Tuga em Londres , locais para um bom brunch, etc. Como tal, muitas vezes utilizo a Internet para encontrar estas pérolas, e muitas vezes o site da Yelp é que me tem ajudado. Como o utilizo tantas vezes para ler opiniões de diferentes pessoas, recentemente decidi fazer o download da aplicação e começar a dar a minha opinião também. 

 

Ao estar inscrita como membro, começo a receber também convites para alguns dos muitos eventos organizados pelo Yelp. Como ainda escrevi sobre poucos locais ainda não adquiri o certificado de Yelp Elite, que é oferecido a todos os que escrevem frequentemente para o site, ajudando a comunidade. Esses membros têm várias vantagens tais como ser convidados para muitos mais eventos, tais como quando um novo bar ou restaurante abre e pretende que os membros do Yelp escrevam sobre o mesmo para ajudar a publicitar o estabelecimento. Estes membros elite são então convidados para ir experimentar a sua comida e bebida gratuitamente para depois poderem escrever sobre o mesmo. No entanto, mesmo assim ocasionalmente o Yelp organiza eventos abertos a todos os membros e ontem foi o caso disso. 

 

O evento era intitulado "Mad Scientist Soiree" e contou com uma grande variedade de estabelecimentos a dar a provar muita comida e bebida. Isso incluíu ter uma classe para aprender a fazer sushi, provar gelado de rum, cocktails, outros gelados, snacks originais, cupcakes e outros bolos, tinham também um zona de jogos de casino, uma zona para tirar fotografia profissional e muito mais. A diversidade foi grande e o único requerimento para podermos ir ao evento, para além de termos que ser membros do site foi ter que ir mascarado de cientista maluco, alusivo ao nome do evento. Assim sendo só se via uma grande quantidade de pessoas vestidas com as suas batas brancas e óculinhos. 

 

mad_soiree1.JPG

A noite foi muito gira, ainda trouxe uma quantidade de snacks para casa e foi tudo gratuito. Agora fiquei com vontade de rever estabelecimentos no site mais frequentemente para poder ir a mais eventos semelhantes. Além disso, sengundo amigos meus que já são membros à muito tempo, eles fizeram vários amigos em Londres através dos eventos Elite do Yelp porque encontram-se muitas vezes com as mesmas pessoas e começam assim a criar amizades.

 

Para quem estiver interessado pode também ver a lista de eventos que eles têm em Londres aqui. Se morarem em Portugal, também existe uma comunidade em Lisboa que faz eventos ocasionalmente. No Porto também já andam a fazer revisões mas parece-me que ainda nāo existem eventos.

 

O Dia D aproxima-se

Cada vez que digo a alguém sobre o que sucedeu na empresa olham para mim como se fosse uma coitada e dão-me imensas dicas sobre o que eu devo fazer etc. Esquecem-se de me perguntar primeiro como é que eu me sinto com a situação antes de assumirem que estou aqui para morrer. Claro que não é ideal, mas sinceramente não precisam de olhar para mim como se fosse uma coitada. As pessoas fazem-me sentir como se eu devesse estar muito preocupada com o assunto, mas efectivamente, não estou. Se for despedida não será pelo meu mau desempenho porque eu tenho imensos resultados que provam que tenho feito um bom trabalho para a empresa. Eu sei que as coisas se irão resolver mais cedo ou mais tarde caso seja despedida no dia D, que será esta próxima sexta-feira. É preciso manter uma mentalidade positiva nestas situações porque, é quando as pessoas se deixam ir abaixo que se torna mais difícil continuar em frente porque o medo e o stress serão evidentes em potenciais entrevistas, o que não conta nada a favor do entrevistado. De qualquer forma, até saber o resultado final continuarei a fazer o meu trabalho como normal, enquanto me candidato para novos empregos nas horas vagas, pelo sim, pelo não.

 

everything_will_be_OK.jpg

Imagem retirada: LeadStrategic.com

 

Já nem me lembrava bem do tempo que cada uma destas aplicações demora - no domingo queria ter enviado candidaturas a pelo menos umas 3 empresas, mas o processo de candidatura da primeira empresa a que me candidatei foi tão longo e minucioso que só consegui mesmo candidatar-me a essa. Uff! Demora tempo, mas acho importante dedicar esse tempo para ter a certeza que se envia uma aplicação o melhor possível. 

 

Acho interessante ver a reacção de alguns colegas perante esta situação, principalmente o Vendedor Júnior que passava o tempo antes a querer que chegassem as 18h para poder ir para casa e evitava ao máximo possível fazer telefonemas (que é o trabalho dele), mas desde que houve o aviso de despedimento, passa o tempo todo ao telefone. Pois, quando se vê assim perante a pressão de perder o emprego, lembra-se logo que quer fazer um bom trabalho. Se calhar é tarde demais, não? 

 

Hoje um colega meu faz 1 ano de aniversário na empresa. Cada vez que há um aniversário da empresa, o empregado recebe um pequeno presente simbólico (tipo um fio com o logotipo da empresa). Cada vez que se dá esse presente também se escreve um cartão a agradecer por todo o trabalho que essa pessoa tem feito na empresa. Desta vez era a minha vez de escrever no cartão. Eu escrevi algo como "Feliz aniversário de um ano na empresa. Desculpa, mas não me parece correcto escrever o resto da mensagem habitual. Espero que gostes do teu fio". Ele achou muita piada à mensagem. Ao menos valeu para o colocar bem disposto. 

 

A minha reunião com os Recursos Humanos vai ser amanhã. Eu sei o que vou dizer, mas sei que a reunião não vai significar para nada. Irão despedir a quantidade de pessoas que precisarem de cortar em salários por isso nada que eu diga vai fazer uma grande diferença, mas a ver vamos. Eu irei preparada de qualquer forma, e depois logo se vê.

Aviso de despedimento

pc425-youre-fired-alan-sugar.jpgOntem à tarde todos no meu escritório recebemos um email do CEO, com o título "Redundancy Notification". O meu coração parou quando li a primeira frase em que basicamente dizia que devido aos resultados do primeiro trimestre do ano não terem sido alcançados, e numa tentativa de reduzir custos na empresa, vão ser obrigados a fazer cortes no pessoal do nosso escritório.

 

Durante a próxima semana, cada um de nós vai ter uma reunião com o Director regional e com os Recursos Humanos para tentar provar que somos indispensáveis à empresa e porque é que deviamos ficar. A decisão final de quem vai sair será tomada na sexta-feira da próxima semana. 

                                                                                                                        Imagem retirada: The Lander Consultancy Blog

 

Devo dizer que tanto eu, como os meus colegas ficámos um bocado chocados com aquele email por não estarmos nada à espera de que tal fosse acontecer. Mas o facto é que já houveram outras duas rondas de despedimentos antes desta pela mesma razão, mas das outras vezes os despedimentos aconteceram nos EUA onde a empresa conta com mais de 200 pessoas. Agora decidiram passar os cortes para a Europa. Devido ao tom do email, dá para perceber que o número de cortes vai ser significativo. Como nós somos só 7 pessoas no escritório de Londres visto que umas saíram recentemente (sorte deles que sairam a tempo), isso significa que no mínimo 2 a 3 pessoas vão perder o seu emprego. Olhando para a situação de uma forma lógica, eu tenho plena consciência de que a decisão de eu ficar ou não na empresa, vai depender do número de salários que eles tiverem que cortar e, se efectivamente precisarem de despedir 3 pessoas eu tenho quase a certeza que irei ser uma delas. Isto da reunião é apenas um passo burocrático, mas o facto é que, a meu ver, existe uma ordem lógica de cargos que serão mais essenciais que outros para manter o escritório a funcionar. Portanto, penso que esta será a ordem de despedimentos:

 

  • 7˚ - o Director: alguém tem que gerir o escritório, portanto este será o último a sair;
  • 6˚ - a Gestora de Conta Senior: alguém tem que se assegurar que os nossos actuais clientes se mantêm satisfeitos e continuam a renovar o contrato. Será a penúltima a sair;
  • 5˚ - o Vendedor Senior: se o que precisam é de mais dinheiro, vão precisar de alguém para continuar a vender;
  • 4˚ - o Técnico de Implementação: estabelece a implementação da tecnologia no sistema de novos clientes, efectua treino e trata de eventuais problemas técnicos. Este trabalho poderia ser feito a partir dos EUA mas os custos associados a ter apoio dos EUA serão grandes, daí penso que ele só irá sair se precisarem de cortar no salário de 4 pessoas;
  • 3˚ - a Gestora de Marketing: Eu. Através do meu trabalho a empresa tem recebido muito reconhecimento no Reino Unido, principalmente através de artigos de impressa, parcerias, eventos e a geração de potenciais clientes para o vendedor júnior contactar. No entanto, a equipa de marketing dos EUA poderá manter pelo menos a geração de potenciais clientes, se bem que em números mais reduzidos, através de envio de conteúdo de marketing tipo whitepapers e ebooks para a nossa base de dados e através de SEO e PPC. Portanto eu serei a terceira a sair;
  • 2˚ - a Gestora de Conta Júnior: ela entrou à pouco tempo e, se necessário, a Gestora de Conta Senior poderá tomar conta dos clientes dela, embora vá ser complicado devido ao volume de trabalho.
  • 1˚ - o Vendedor Júnior: ele é a pessoa que está ao telefone o dia inteiro a tentar marcar reuniões entre potenciais clientes e o Vendedor Senior ou o Director. No entanto ele, não só está na empresa há poucos meses, como não tem tido uma boa performance, por isso ele irá ser o primeiro a sair.

 

Depois de termos recebido aquele email ontem, tivemos uma conversa com o Director sobre o assunto, parámos o trabalho e fomos todos para o pub. Afinal, ninguém estava com capacidade para pensar em dedicar as últimas duas horas do dia a trabalhar para uma empresa que acabou de nos informar que nos está a querer despedir. O próprio Director está mais que dissatisfeito com esta decisão e, quando o conselho executivo o informou que precisavam de cortar nos custos do nosso escritório ele deu sugestões alternativas, tais como mudar de escritório, visto que o nosso é caríssimo! Mas aparentemente a empresa está de mãos atadas relativamente ao contrato deste escritório e os custos de sair do contrato não compensariam, portanto essa proposta foi rejeitada e, em vez disso, acharam melhor cortar nos salários.

 

Uma coisa é certa, quer fique, quer não fique, vou começar a colocar em prática o que escrevi nos posts sobre 'como fazer um bom CV', 'procurar emprego em Londres', e 'como preparar para uma entrevista'. Vejo esta situação como um sinal e incentivo de que devo mudar e procurar algo melhor. Até lá, a minha procura de casa para comprar claro que vai ficar em standby. Nem pensar em custos elevados enquanto não estiver novamente numa situação estável com o emprego. 

As Eleições Legislativas Britânicas 2015

Nas últimas semanas, aqui pelo Reino Unido, só se tem ouvido falar sobre as "General Elections" que vão decorrer já na próxima quinta-feira dia 7 de Maio. Os principais partidos destas eleições são os Conservatives (Centro, Direita), o Labour (Centro, Esquerda), os Liberal Democrats (têm algumas ideias de esquerda, outras de direita, por isso classifico-os como o partido mais central de todos), os UKIP (Extrema Direita, que basicamente só se preocupam com a saída do Reino Unido da UE) e o Green Party (não os considero extrema esquerda, mas são mais à esquerda que o Labour). 

General-Election-2015.jpg

Nestas eleições os membros da União Europeia residentes no Reino Unido podem votar nas eleições locais para a Junta de Freguesia onde vivem mas não podem votar nas Eleições Legislativas. É através das Eleições Legislativas que vão ser definidos quantos deputados de cada partido vão estar presentes no Parlamento e, consecutivamente, quem vai actuar como Primeiro Ministro, dentro do partido que receber mais lugares de deputados no Parlamento. 

 

Acho importante ter uma noção do que cada um dos principais partidos está a planear fazer para o país, principalmente no que se referre à sua opinião relativamente à imigração e à presença do Reino unido na União Europeia, por isso fui pesquisar essa informação para os dois principais partidos e passo a colocá-la em baixo:

 

 

 

Conservative 

 

Labour
Principais prioridades

- Eliminar o deficit

- £8b extra para o NHS acima da inflação

- Extender o direito a comprar casa para mais pessoas em apoios sociais

- Legislar o trabalho exercido a 30 horas semanais em salário mínimo esento de impostos

- Estabelecer um mínimo de 30 horas semanais de cuidados a crianças gratuitos

- Fazer um referendo sobre a presença do Reino Unido na UE

 

 

- Cortar no deficit todos os anos

- £2.5b extra para o NHS acima da inflação, subsudado maioritariamente pelo aumento das taxas de mansões com valor acima dos £2M.

- Aumentar o ordenado mínimo para £8/hora até 2019.

- Não aumentar o IVA nem os impostos no rendimento

- Apoio aos cuidados de crianças das 8h-18h.

- Congelar os preços das empresas de energia.

 

Imigração

- Manter a imigração anual no máximo das dezenas de milhares de imigrantes

- Estabelecer que os imigrantes da UE terão que esperar 4 anos antes de poder pedir benefícios do Estado assim como acomodação social

- Não permitir que sejam pagos benefícios a dependentes que vivam fora do Reino Unido

- Estabelecer regras mais fortes para deportar criminosos e dificultar a sua reentrada na União Europeia

 

 

- Adicionar 1000 novos cargos para controlo nas entradas ao país

- Manter um número máximo de trabalhadores provenientes de fora da UE

- Tornar ilegal que os empregadores desconsiderem os trabalhadores Britânicos para preferenciar explorar os imigrantes que estão dispostos a trabalhar por salários mais baixos.

- Estabelecer 2 anos de espera antes que os imigrantes da UE possam pedir benefícios de desemprego

União Europeia

- Estabelecer um referendo acerca da presença do Reino Unido na União Europeia até 2017

- Proteger a Economia Britânica de se integrar ainda mais com a Eurozone.

- Eliminar o Acto dos Direitos Humanos e substituí-lo com um Acto de Direitos para os Britânicos

- Resistir aos interesses da União Europeia de restringir as actividades de serviços financeiros

 

- Estabelecer uma lei que garante a eliminação de transmissão de poderes do Reino Unido para a UE, sem ter que recorrer a um referendo

- Estabelecer o Reino Unido como um país com posição de liderança na UE

- Reformar a Lei de Agricultura Comum

- Assegurar reformas para leis da imigração e bem-estar

Fonte: BBC

Para quem pretende saber mais detalhes sobre os objectivos dos vários partidos, aconselho a utilizarem a página seguinte que permite fazer uma selecção dos tópicos que são mais importantes para vocês, de acordo com a vossa actual situação: Esquema de comparação dos partidos do Guardian.

 

 

 

Comprar casa em Londres - começa a saga

Comecei a pensar mais a sério na hipótese de comprar casa um dia no ano passado, quando estava a correr ao longo do canal e vi que lá estavam a começar a construir um novo edifício. Eu adorava poder viver junto à água (canal, rio, mar, o que fôr) então assim que cheguei a casa fui pesquisar pelo nome do edifício na Internet. Já me podia inscrever para ficar na lista de espera e para receber o alerta quando lançassem os apartamentos para venda este ano. Esse dia foi à cerca de 3 semanas atrás. Fui ver o apartamento modelo, que não era mau, mas fiquei decepcionada ao saber que os apartamentos no complexo junto ao canal íam provavelmente ser vendidos a uma empresa de investimento que depois os ía alugar por um preço rídiculo, como é óbvio. Os restantes apartamentos estariam disponíveis para compra no esquema do governo de "shared ownership", ou seja, um esquema que ajuda as pessoas a comprarem casa em locais onde, de outra forma não conseguiriam comprar devido aos elevados preços da zona. Com esse esquema, o comprador compra apenas uma percentagem da casa, sendo que o resto da casa pertence ao Estado. Isto significa que o comprador tem que pedir um empréstimo ao banco mais pequeno e, à parte da casa que pertence ao Estado irá pagar um aluguer. Mais tarde, quando o comprador tiver mais possibilidades, poderá comprar o resto da casa ao Estado. A maior desvantagem que vejo neste esquema é que, enquanto não se tem total propriedade da casa, não se pode utilizá-la como investimento, ou seja, o comprador tem que viver lá e não a pode alugar. Daí, caso algo aconteça, e precisar de mudar, a única hipótese é mesmo vender a sua parte na casa. Podem ler aqui para mais informações sobre a "shared ownership".

 

Acabei por ficar desanimada com aquele edifício e achei que, pelo que era, mesmo assim ficava caro demais. Mas pensei que, efectivamente, tem sido um autentico desperdício todo o dinheiro que tenho andado a pagar mensalmente ao meu senhorio e, teria muito mais lógica pagar por algo meu. Assim sendo, comecei a pesquisar por casas e oportunidades de compra. 

 

Primeiro pensei que seria uma boa ideia comprar um apartamento de 2 quartos baratinho e alugar o segundo quarto para me ajudar a pagar o empréstimo. O único problema é que os únicos "baratinhos" que encontrei anunciados tinham o aspecto de ser apartamentos onde eu não gostaria mesmo nada de viver. Lá encontrei um numa das zonas onde eu queria viver, mas localizado na rua de um mercado, mesmo por cima de um talho. Dada a localização do mercado apresenta-se mais barato que a maioria e como tal, achei que seria um bom investimento. Decidi ir ver o apartamento num dia de mercado para analisar bem como seria viver lá. Era por volta do meio-dia a um sábado de manhã e, ao subir as escadas do edifício comecei a ouvir a música bem alta que estava a bombar no apartamento no andar em cima àquele que ía ver. Humm,... não me parece que isso fosse um bom sinal acerca da vizinhança. Entrei no apartamento e, verifiquei que o espaço até que não era mau, apesar de ter acabamentos muito baratos mas, não só eu conseguia ouvir a música bombástica do vizinho, como também conseguia ouvir a acção do mercado lá fora, apesar das janelas estarem fechadas. Achei que não seria uma boa ideia.

 

Como não consegui encontrar mais nenhuma opção barata para 2 quartos dentro da minha zona de preferência tive que tomar uma decisão sobre aquilo em que podia fazer um compromisso:

  • A localização é extremamente importante para mim, para poder estar perto dos amigos, dos locais onde gosto de sair e poder continuar a estar a uma distância do trabalho em que possa ir de bicicleta. Não é negociável e, de qualquer forma já tenho uma área de procura abrangente o suficiente.
  • O tipo de casa: tem que ser bonitinha por fora mas pode necessitar de obras na parte interior. Portanto aí pode haver algum compromisso.
  • O tamanho da casa: pode ser pequeno portanto aqui fica o maior compromisso.

 

Então comecei a olhar para estúdios e apartamentos de 1 quarto. Fui ver um estúdio que ficava num rés-de-chão. O espaço do estúdio em si, até que não era mau, mas tinha um grave problema - a sua única janela dava para as traseiras de um novo edifício que estava ali a ser construído e planeado para ter 2 andares. Ou seja, ía tapar toda e qualquer possível oportunidade de sol de entrar naquele pequeno estúdio. Um estúdio, num rés-de-chão, sem sol, sem vista, e numa zona relativamente perigosa rodeada de bairros menos simpáticos - não me parece lá muito boa ideia.

 

Fui então ver um outro apartamento de 1 quarto, localizado num edifício alto de habitação social. O edifício em si aparentava melhor em fotos do que na vida real. As escadas eram muito sujas e o apartamento em si estava mal cuidado. Lá dentro encontrei 5 pessoas. Aparentemente eram uma família de emigrantes da Europa do Leste que viviam ali todos naquele pequeno apartamento de 1 quarto. Haviam sinais de infiltrações nas paredes, o que poderia ser um problema maior do que aquilo que aparenta à vista por isso, também não ía ser este.

 

Na sexta-feira outro agente telefonou-me:

Ele: "Acabou de ser lançado no mercado um estúdio em Kingsland Road. Quer ir ver?" 

Eu: "Oh wow, isso seria óptimo. Qual é o preço?"

Ele: "£325,000"

Eu: "£235,000?"

Ele: Não, £325,000!

Eu: "Tem torneiras em ouro? Deixe estar. Não vale a pena ir ver esse."

 

Vão lá roubar mas é para a terra deles!!!! Ahh, esperem,... eles estão na terra deles :-S

 

Os preços de habitação em Londres estão completamente ridículos! Uma amiga minha que comprou um apartamento de 2 quartos junto a Kingsland Road à 4 anos atrás, comprou-o por £270,000. Hoje está avaliado em £440,000! É inacreditável, o ritmo abismal a que os preços da zona cresceram. Daí, as únicas casas que encontro a preços menos maus tenham algo de muito errado com elas. 

 

Por curiosidade fui pesquisar o que eu conseguiria comprar em Portugal por £325,000, ou seja €439,000 - a menos que isso, por €435,000 consegue-se uma moradia T4 num condomínio privado com piscina em Cascais, a 5 minutos da praia:

 

casa_cascais.PNG

 

   Vivenda anunciada no Portalismo.pt 

 

E para terem uma ideia do que é a "agradável" vista que teriam a partir de um estúdio na Kingsland Road, aqui fica uma foto da rua:

 

Kingsland_waste_hackney_1.jpg

Imagem retirada do Wikipedia 

 

Talvez a minha melhor hipótese seja mesmo olhar para uma opção de "shared ownership". Não é ideal, mas pelo menos, geralmente esses apartamentos são localizados em edifícios relativamente novos e poderia conseguir numa zona menos perigosa, dentro da minha freguesia. A ver vamos. Não tenho pressa. A procura continua.