Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tuga em Londres

A vida de uma Lisboeta recentemente Londrina.

E começa o início do fim: Theresa May assina o Artigo 50

Quando o David Cameron decidiu sair da posição de Primeiro Ministro depois do voto do Brexit ter vencido, e foram apresentados os novos candidatos ao cargo, eu sinceramente pensei que Theresa May iria encontrar forma de evitar Brexit. Estava enganada. Hoje, ela assinou os documentos que oficializaram o interesse do Reino Unido de deixar de fazer parte da União Europeia. Até agora, tudo o que se ouvio falar foram rumores do que poderia eventualmente acontecer - os Europeus vão precisar de Visas para ficar no país? Vai deixar de haver livre circulação de mercadoria? As empresas Europeias vão decidir mudar de sede para a União Europeia? Os produtos vão ficar mais caros? Os preços das casas vão cair? Todas e muitas mais perguntas e sugestões do que pode acontecer, são apenas teorias. O facto, é que só a partir de hoje é que as negociações vão começar, e são esperadas decorrer ao longo de dois anos até à sua decisão definitiva entrar em vigor. A partir de agora, é que tudo o que sair das reuniões com a Europa vai ter mais fundamento e poderá eventualmente acontecer. Estou nervosa, estou triste, estou zangada. Ainda mal posso acreditar que o público Britânico votou desta maneira e sinceramente acredito que, hoje em dia, depois de ter havido toda esta especulação e informação sobre os efeitos negativos do Brexit, que muitos votariam de forma diferente. Mas é tarde demais. Vamos ficar atentos aos próximos meses, e ver o que vai acontecer. 

 

article50.jpg

 Fonte da imagem: BBC

E fica mais uma recomendação de restaurante Português

Depois de ter escrito o post sobre Restaurantes Portugueses em Londres que dá gosto visitar, um dos leitores fez referência ao Bar Douro em London Bridge, que me deixou muito curiosa. Ora não foi tarde, nem foi cedo. fui logo lá hoje à noite. Gostei bastante. Com ambiente simpático, que combina o tradicional e o moderno, o Bar Douro, é um óptimo local para ir tomar uma bebida e comer uns petiscos depois do trabalho. Localizado numa das arcadas debaixo da linha do comboio e, junto à Flat Iron Square, onde aos fins-de-semana, se enche de carrinhas de Street Food, e pessoas que ali vão almoçar ou jantar com amigos. 

 

Partilhei com uma amiga uns croquetes de Alheira que tinham aquele sabor da Alheira mesmo intenso e delicioso; uns rolinhos de borrego; um pratinho de Bacalhau à Brás e Gambas com Alho. No final, ainda experimentei a minha sobremesa e a das minhas amigas, e tanto o Bolo de Laranja com marmelada e requeijão, o pastel de nata com gelado de canela, e a Baba de Camelo, estavam óptimos!

 

Com isso tudo, e ao partilhar pão e uma garrafa de vinho entre 4, a conta final ficou em £30 o que não foi mau. 

Recomendado!

Image-1.jpg

 

Sofar - Uma noite de música diferente

Já há alguns anos que estou inscrita para receber informações sobre os concertos do Sofar Sounds, mas ainda nunca tinha ido a um, até esta passada semana. 

 

O Sofar Sounds, oferece um conceito diferente para concertos. Iniciado por um Britânico que teve a ideia de convidar uma banda a vir tocar na sala da casa dele, e chamou uns amigos para apreciarem o concerto intimo. Gostaram tanto da experiência, que decidiram fazer concertos em casa dele e de outras pessoas mais regularmente, e eventualmente, abriram o Sofar para todos. Qualquer pessoa pode oferecer o seu espaço privado para estes concertos - geralmente grandes espaços, tipo estúdios, garagens, armazéns, na casa de alguém, ou espaços de bares nos dias em que o bar costuma estar fechado ao público. E os artistas também podem apresentar interesse em tocar numa noite Sofar. Sendo que os concertos são em espaços privados, significa que o espaço é informal, as pessoas sentam-se no chão ou numa almofada com tragam, podem trazer álcool e comida, enquanto apreciam os 3 concertos da noite. 

FullSizeRender (2).jpg

No meu caso, o concerto a que fui esta semana passada, foi localizado num bar em Brick Lane (que sendo uma segunda-feira, era suposto estar fechado nessa noite). Já lá estavam mantas e almofadas no chão e também haviam alguns bancos de lado por isso o espaço estava muito confortável. Os concertos são sempre surpresa, portanto, eu tinha marcado e pago as £10 do bilhete do concerto sem saber o que ía ouvir. A primeira artista foi a singer songwriter Louise Golbey. A sua voz era razoável e gostei da letra das músicas e da sua presença em palco; mas foi o segundo artista, Doug Sure que achei mesmo espectacular! Ainda não tem muita música lançada online, mas vou tentando ir acompanhá-lo para ver o que continua a lançar. Desde a voz, à forma como toca a guitarra, as diferenças em entoação em cada música, a genuinidade, mesmo muito bom. A terceira banda, sinceramente não me lembro do nome porque não gostei muito deles. 

FullSizeRender (3).jpg

Doug Sure

 

Para os interessados, o Sofar Sounds está disponível num grande número de cidades pelo mundo, incluindo Lisboa e Porto. Basta subscreverem aos alertas de concertos por email, e uma vez que encontrem uma data que vos agrada, têm que indicar o vosso interesse. Geralmente os bilhetes são alocados aleatoriamente, por isso se não conseguirem à primeira, tentam numa próxima vez. 

Restaurantes Portugueses em Londres que dá gosto visitar

Já alguma vez pensaram que gostariam de levar estrangeiros a provar a culinária Portuguesa, mas não encontram nenhum restaurante Português em Londres onde dê gosto levá-los? Eu já passei por isso mutas vezes. Claro que já levei pessoas a conhecer os restaurantes de Stockwell e Vauxhall, mas sinceramente, não são propriamente restaurantes com ambiente agradável para qualquer ocasião. Ou está a dar o futebol, ou estão lá grandes grupos de Portugueses em festa. Nada contra a comida ou os preços porque, em muitos desses sítios, são bons. Mas por vezes simplesmente gostaria de poder levar pessoas a um restaurante numa zona central, de fácil acesso e com um ambiente apelativo e boa comida, tal como facilmente vou a restaurantes Italianos, Espanhóis, Franceses, Indianos, etc, etc. 

canela-cafe.jpg

Existem alguns mas são poucos. Tenho as minhas dúvidas se fornecem todos boas representações da nossa culinária, mas fica a minha opinião. São eles:

Canela Café: Só lá fui duas vezes há vários anos atrás quando abriu. Na altura ofereciam uma fusão de culinária Portuguesa com Brasileira. Hoje em dia apenas servem comida Portuguesa e, o menú tem bom aspecto pelo que terei que lá voltar para experimentar. O Canela Café está aberto todo o dia e serve tanto como restaurante como café. Preço: Razoável. Prato principal ronda as £11. Localização: Convent Garden.

 

Taberna do Mercado: Fundado por dois reconhecidos chefes Portugueses - Nuno Mendes e António Galapito, este restaurante é mais 'upmarket'. Os pratos são pequenos, tipo petiscos, e apesar de inspirados pela cozinha Portuguesa, são mais elaborados e modernos. O espaço do restaurante é pequeno pelo que convém reservar mesa ou podem contar a ficar numa fila à espera. Preço: Médio/alto. Os pratos de petiscos rondam as £8 e convém pedir cerca de 3 petiscos por pessoa. Localização: Spitafields Market. 

 

Eyre Brothers: Fundado por dois irmãos que cresceram em Moçambique, Eyre Brothers oferece uma fusão de comida Portuguesa com Espanhola. Também é um bocadinho 'upmarket' e, apesar do ambiente ser agradável na zona do bar, na parte do restaurante acho que podiam melhorar significativamente a decoração. Mas os empregos foram simpáticos e a 'Carne de Porco à Alentejana' servida ali é muito boa! Preço: Médio/alto. Prato principal rondam as £17. Localização: Shoreditch

 

E são só estes de que me consigo lembrar agora. Acho que existe portanto, um grande nicho no mercado para um restaurante de boa comida Portuguess, centralmente localizado e que ofereça preços razoáveis. Estou mesmo surpreendida por ainda não terem havido imensos Portugueses a viver cá que iniciassem esse tipo de estabelecimento 

 

Como ponto de curiosidade, neste fim-de-semana, tinha ido sair a Clapton e entrei neste bar que tinha sido recomendado pelo empregado do restaurante onde tinhamos estado antes. Assim que entrámos, reparamos que os bartenders estavam a cantar, a beber shots com os clientes, etc. Sem dúvida um bar muito animado. Quando nos vieram servir, um dos fundadores do bar esteve-nos a contar um pouco do conceito do bar, e descobi que foi criado por um Português do Estoril e um Mexicano. O bar em si - Del74 - tinha uma temática Mexicada, servindo margaritas de tudo o que é sabor. Portanto, de Português só tinha mesmo o fundador, mas o conceito do bar é tão interessante e divertido, que achei por bem, comunicar. 

 

Se entretanto conhecerem outros bares ou restaurantes que vos relembrem de Portugal e achem que são boas representações da nossa culinária, por favor indiquem nos comentários.

Experiências culinárias

Ultimamente tenho andado com vontade de ter novas experiências culinárias. Então, no início do mês marquei o meu primeiro supper club. Ficou marcado para Abril porque esta coisa dos supper clubs torna-se altamente popular e, podendo acomodar um número restrito de pessoas, não é comum conseguir-se marcar um supper club para uma data próxima. Vou a um em casa da cozinheira, portanto, será altamente privado. Por um lado parece-me um pouco estranho, mas por outro tenho curiosidade para experimentar um supper club numa casa residencial. Vamos ser 12 pessoas estranhas, em casa de uma pessoa estranha, sentados em volta de uma mesa, num ambiente intímo propício para despertar conversa entre as váras pessoas no jantar. Os comentários de quem já lá foi são muito bons e, como tal, achei por bem, lá ir também.

 

Escolhi o Club Lola em Brixton devido à data, mas haviam vários outros supper clubs onde fiquei com vontade de ir, incluíndo:

White Room Supper Club: localizado num apartamento privado num edifício que oferece vistas para Londres.

 

Monograph: Supper club de comida Japonesa localizado numa galeria de arte em Islington.

 

Uyen Luu: Supper club de comida Vietnamesa localizado numa casa privada em London Fields.

 

Syrian Supper Club: Especializado em comida da Syria, este Supper Club é localizado na E5 Bakehouse, em London Fields.

 

Para além do supper club, hoje estive agarrada ao relógio à espera que os bilhetes para a Chamber of Flavours abri-se ao meio-dia. Chamber of Flavours é uma experiência de comida imersiva que está a ser organizada pelos mesmos organizadores da Ginger Line. O Chamber of Flavours já estava esgotado até Junho e hoje abriram os bilhetes para mais eventos a partir de Junho. Não sei bem explicar como vai ser exactamente mas sei que envolve comida excelente, e uma espécie de show ou teatro imersivo simultaneamente. Marquei logo. E, apesar de ver que ainda existem várias datas com disponibilidade, muitas delas já estão esgotadas, portanto, se alguém também estiver interessado em experimentar, convém marcar o quanto antes. Fica o vídeo promocional para também ficarem com uma ideia:

Agora é só esperar pelas respectivas datas. Depois digo se valeram a pena.

Com residência permanente no Reino Unido

Não fazia ideia do que me esperava para ir buscar aos correios, e mal seria o meu espanto quando vi que era um envelope do Home Office. Tinha enviado a minha aplicação para residência permanente apenas à um mês atrás e sabia que iria demorar cerca de 3-4 meses até receber uma resposta por isso fiquei um pouco nervosa quando vi um envelope deles. Será que já tinham encontrado quaisquer impedimentos para a minha aplicação? Mas não - lá dentro encontrei todos os documentos que tinha enviado, acompanhados de um cartão que certifica o meu direito a residência permanente no país. Fiquei contente e aliviada de imediato. Não sei se foi tão rápido porque efectivamente alocaram mais pessoal para tratar da quantidade elevada de aplicações ou se simplesmente ajudou no processo o facto de ter enviado tudo muito organizado na minha aplicação, mas o que importa é que já está. 

IMG_0007.JPG

 

De qualquer forma, para quem tenha interesse em também submeter a sua aplicação para residência permanente aconselho o seguinte:

  • Enviar documentos que provem que vivem cá durante 6 anos (se fôr o caso) em vez do mínimo requerido de 5 anos, porque ao provarem os 6 anos, estão automaticamente aprovados para pedirem a cidadania, só pelo sim, pelo não.
  • Se tiverem quaisquer condições especiais que precisem de explicar, adicionem uma carta que coloquem no topo dos documentos da aplicação, que explique de imediato a vossa situação especial, e relacionando essa situação a quaiquer número de secções do formulário que sejam relevantes para o que precisam de explicar.
  • Adicionem um post-it ou uma página em branco entre cada papelada que está anexada para compravar diferentes secções do formulário, escrevendo nesse papel separador ao que é que os próximos documentos correspondem (por exemplo, documentos comprovativos de residência ou comprovativos de emprego).
  • Sempre que tiverem que continuar a preencher uma tabela numa folha aparte, criem essa folha numa página de Word para que tudo se apresente bem formatado e com uma apresentação semelhante à tabela respectiva do formulário. 

Simplesmente achei que quanto mais fácil eu tornasse a revisão dos documentos que estava a enviar, maior probabilidade teria de que não encontrassem empedimentos para me darem o cartão. Não sei se isso efectivamente ajudou na decisão e rapidez para o meu caso, mas o importante é que o cartão já cá canta.

O que fazer em Londres em Fevereiro 2017

fazer-fevereiro-2017.jpg

Com Brexit ou sem Brexit, a cidade de Londres continua a ser tão multicultural como sempre desde que vivo cá, e isso também se reflecte nas actividades que decorrem na cidade cada mês. Este mês desde exposições de artistas do Oriente a aulas de Espanhol, a influência que outras culturas têm em Londres é evidente. 

 

Do Ho Suh O que é? Exposição de arte  de Sul Koreano que viveu entre algumas das cidades mais cosmopolitas do mundo e, retrata a experiência da sua trajectória na vida através desta exibição colorida de quartos e caminhos. Quando? De 7 de Fevereiro a 18 de Março. Quanto? Não consigo encontrar informação sobre bilhetes pelo que imagino que seja entrada gratuita. Onde? Victoria Miro Gallery, Hoxton

 

Transcending Boundaries O que é? Exposição dos artistas de Tokyo TeamLab, de instalações de arte imersivas onde se apresenta uma fusão de arte digital. Quando? De 7 de Fevereiro a 11 de Março. Quanto? Gratuito. Onde? Pace Gallery, Mayfair

 

Ano Novo Chinês no Museu O que é? Para quem perdeu as celebrações do ano novo Chinês no início do mês, ainda vai poder apreciar as festividades a decorrer no próximo sábado, no museu da criança, que celebra a variedade a diversidade desta grande celebração Chinesa. Quando? 11 de Fevereiro. Quanto? Entrada Gratuita. Onde? Museum of Childhood, Bethnal Green.

 

Stupid Cupid Anti-Valentine Pub Crawl O que é? para quem não ser saber do da dos namorados, mas gostava de fazer novos amigos, o funzing está a organizar um pub crawl com a temática anti dia dos namorados, pelos bares de Shoreditch no próximo sábado à noite.  Quando? 11 de Fevereiro. Quanto? £12 e o bilhete incluí entrada em todos os bares e numa discoteca e conta com um shot gratuito em cada bar. 

 

Noite de Filme Espanhol O que é? A noite conta com apresentação do filme Espanhol, visualização de curtas metragens e acaba com uma aula de Espanhol gratuita num ambiente social. Quando? 15 de Fevereiro. Quanto? £8.

 

Festival de Gin O que é? Um festival onde podem apreciar alguns dos melhores sabores de gin, enquanto que ouvem seminários sobre o processamento da bebida ou apreciam o entretenimento musical. Quando? de 17 a 19 de Fevereiro. Quanto? £16 Onde? Tobacco Dock, Wapping

 

LDN Talks @ Night O que é? Um novo conceito de TedX Talks mais acessíveis à maioria e com regularidade de frequência. Cada noite conta com 10 apresentações. No caso da noite do link, a temática vai ser a actividade paranormal. Quando? 15 de Fevereiro. Quanto? £10. Onde? Shoreditch. 

Novo documento revela direito dos Europeus residirem cá pós-Brexit

Hoje a Primeira-Ministra Britânica, Theresa May, avançou com o primeiro documento oficial que indica os 12 princípios fundamentais que ela pretende colocar em prática para que Brexit tenha efeito. Entre esses princípios, está a indicação do que ela pretende que suceda com os Europeus que actualmente estão a viver no Reino Unido. Aguardei a manhã ansiosa para poder ler o que estava escrito nesse documento, mas afinal o que lá indicava, não era nada mais do que os princípios fundamentais do Brexit, que já anteriormente tinham sido anunciados pela Primeira-Ministra - de que o Reino Unido pretende assegurar o direito dos actuais residentes da UE se manterem no país e dos actuais Britânicos de viverem no estrangeiro, de permanecerem lá. Isso já sabíamos, mas o documento ainda não dá quaisquer garantias aos actuais residentes. 

 

No entanto, o Secretário do Brexit, David Davis, ao anunciar a informação do documento disse - "I will not be throwing people out of Britain." E no documento está escrito que o Governo Britânico reconhece a contribuição que os membros da UE têm feito para a economia e comunidades do país". Tudo isso é indicativo de que efectivamente não pretendem fazer uma evacuação em massa. Mas não há garantias, não há detalhes sobre possíveis critérios de selecção ou excepções à regra. A mesma situação de alguma incerteza mantém-se e cada vez mais ouço de amigos que já começaram o seu processo de aplicação ao cartão de residência permanente no Reino Unido.

 

Um facto interessante que ivi hoje e me surprendeu um pouco é que os Portugueses ocupam o 3º lugar no maior número de imigrantes provenientes de um país da UE a viver no Reino Unido (notem que o gráfico em baixo não apresenta a República da Irlanda. Se contasse, a República da Irlanda estaria no 2º lugar e Portugal em 4º). O número de Portugueses no Reino Unido é enorme em comparação com tantos outros países que têm uma população total muito maior que a Portuguesa. Mais de 200,000 Portugueses fizemos do Reino Unido como o nosso país de escolha. Pensava que o número de Franceses, por exemplo, estivesse muito à frente do número de Portugueses até porque ouço Franceses na rua muito frequentemente, enquanto que é menos frequente ouvir Português. Imagino que esse talvez seja um factor influenciado pelo facto de estar em Londres. Talvez os Portugueses estejam mais espalhados um pouco por todo o país enquanto que os Franceses se tendem a concentrar mais em Londres. Mas mais surpresa ainda fiquei com o número de Polacos que vivem no Reino Unido que é um volume consideravelmente superior a qualquer uma das outras nacionalidades, vivem cá tantos Polacos quanto Romenos, Portugueses, Italianos, Lituanos e Eslovacos juntos. De qualquer forma, sejamos muito ou poucos, o facto é que estes cidadãos da UE decidiram fazer do Reino Unido a sua casa, criando laços familiares e económicos no país, contribuindo significativamente para o desenvolver da sua economia, e quer venha Brexit quer não venha Brexit, agora o Reino Unido não pode simplesmente dizer adeus a todos os 2.9Milhões de Europeus que cá vivem. Ainda estamos para ver como a situação se vai desenrolar.

 

eu-nationals-uk.png

 

Uma semana em Nova York

Esta semana passei-a em Nova York em trabalho. Fui com o resto da equipa de marketing de cá para o nosso encontro anual com a equipa inteira dos vários escritórios. A semana em si foi muito cansativa, tendo-a passado em reuniões atrás de reuniões, mas foi também muito produtiva, e mesmo assim consegui aproveitar as noites e um pouquinho do fim-de-semana para aproveitar a cidade. 

 

Algumas coisas que achei interessantes de alguma forma que aprendi durante esta semana, ou que esta semana me ajudou a relembrar:

  • Os Americanos ADORAM comida com sabores e combinações diferentes, artificiais e modificados. Basta olhar para os armários de snacks do escritório

ny-office-food-1.JPG

ny-office-food-2.JPG

ny-office-food-3.JPG

  • O Leite de Amêndoa é tão comum quanto leite de vaca ou soja - E não me refiro só ao que se encontra no escritório, até porque esse até nós temos no escritório em Londres o que adoro, mas refiro-me sim aos cafés. Em qualquer café onde se vá, é standard que estejam disponível pelo menos estes 3 diferentes tipos de leite. Aqui por Londres ainda é ocasional quando se encontra leite de amêndoa ou aveia disponível e, geralmente só mesmo nas zonas mais trendy e hipster da cidade é que vai encontrar essa oferta.
  • O metro de Nova York quase mete medo - é mais sujo, antigo, os assentos são desconfortáveis e é muito comum depararem-se com pessoas que, infelizmente chegaram a estados de loucura e que aparecem no metro a gritar. Isto nota-se ainda mais quando se torna mais tarde no dia e rapidamente me apercebi de que viajar sozinha no metro de Nova York depois das 22h não é muito boa ideia.
  • O capitão da equipa de Hockey no Gelo dos New York Islanders é Português (ou de origem Portuguesa) - com o nome Tavares foi fácil identificar quando estive a ver o jogo dos Islanders contra Montreal na Quinta-feira, e nada que uma pequena pesquisa no Wikipedia não desvenda-se acerca das origens do jogador prodígio - John Tavares, que é neto de Portugueses emigrados para Toronto.

hoquei.jpg

 

  • É preciso saber onde se quer ir antes de se sair para as ruas de Nova York - a maior parte das zonas não têm uma rua comercial, mas sim os ocasionais bares, restaurantes e lojas espalhados pelas ruas muito compridas. Pelo que não é propriamente fácil (a não ser que estejamos mesmo na zona do centro) encontrar o tipo de restaurante ou loja que se quer se não soubermos antecipadamente o local específico onde pretendemos ir. De qualquer forma ontem descobri que as ruas de Christopher Street e Bleecker Street em Greenwich Village (que apesar de já ter passado na Bleecker Street antes, devo ter ido a outras partes da rua longe e portanto não tinha encontrado esta zona) estão cheínhas de lojas, bares e restaurantes agradáveis.